segunda-feira, 9 de abril de 2012

Versos Gratuitos





De dentro de mim, jorram versos,

Palavras que vem de minha alma

E que se derramam, de graça,

Pelo vasto espaço cibernético.

Mas sei, quando alguém me cobrar

Um dia, pelos versos que faço,

Para eu ter direito ao espaço,

Restar-me há uma saída:

Em brancas folhas de papel

Hei de derramar minha vida,

Esquecendo-a pelos bancos

Das praças, parques e igrejas...

Talvez venha a chuva, e as lave,

Levando-as na correnteza,


Talvez venha o sol e as queime,

Desbotando-as, com certeza...

Ou, quem sabe, alguém as leia

Guardando-as dentro de um livro?

Se for este seu último abrigo,

Terei, finalmente reunidas

As partes de minha vida.


4 comentários:

  1. O início está bonito, início mais o meio ficou lindo, início mais meio mais final fenomenal. As partes da vida unidas, fenomenal.

    ResponderExcluir
  2. Lindo esse poema, Ana, parabéns! Acho que, dentro de um livro, jamais veriam seus versos o sol do sorriso ou o sal das lágrimas de alguém. Mas, pode ser que eu esteja enganada e eternos seriam, então. Who wants to live forever? Um abraço fraterno.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...