sexta-feira, 23 de julho de 2021

COMO SE NÃO HOUVESSE AMANHÃ

 



Como se não houvesse amanhã,

Ele acordou naquele dia se sentindo mais vivo,

Abriu a janela e percorreu as curvas das montanhas

Com as pontas dos dedos.

Deixou que as pupilas ficassem, por instantes,

Nos miolos das flores,

E cumprimentou cada uma delas, dizendo seus nomes.


Como se não houvesse amanhã, ele respirou profundamente,

Sentindo a vida entrar pelo seu corpo bem devagar,

Preenchendo todos os espaços.

Absorveu os mormaços do sol,

Saudou as gotas de chuva, 

Pisou na grama, descalço.


Como se não houvesse amanhã,

Ele fez as pazes com todo mundo,

Até mesmo com quem o havia magoado

Profundamente,

Erguendo seus rostos para olhá-los nos olhos, sem mágoas,

Eles, que haviam pisoteado em seu solo as melhores sementes,

Frustrando o plantio de seus mais preciosos sonhos.


Como se não houvesse amanhã, 

Ele abraçou cada um dos seus amigos, e riu com eles,

Esquecendo de olhar-se no espelho,

Dissolvendo-se, doando-se, mesclando-se a todos,

Tornando-se, ele mesmo, o reflexo de cada um

Daqueles que amava.


Como se não houvesse amanhã,

Ele esqueceu as próprias dores, seu calvário,

E tratou de ser mais solidário

Com a pequenas dores alheias, as mais corriqueiras,

Sem minimizar nenhuma delas.


Abriu portas e janelas, 

Deslumbrou-se com o sol que se punha,

Saboreou a comida simples como a um banquete,

Doou a maior parte de tudo o que mais amava

Beijou sua garota com mais paixão  que  de costume,

Exatamente como se não houvesse amanhã.


E ele fez bem, pois não houve,

Levou-o daqui o mesmo vento que o trouxe,

Deixando-nos órfãos do seu sorriso...

E as suas pegadas,

Foram aos poucos sendo apagadas,

Pois as estradas por onde ele seguiu

Nos eram fechadas.








quinta-feira, 15 de julho de 2021

Árvores - Melhores Amigas

 


Imagens do meu jardim. Este é um dos motivos pelos quais eu amo o inverno. Além do clima ameno e confortável, a minha paisagem se tinge de cores e de poesia.














segunda-feira, 5 de julho de 2021

"Por que Você Faz as Coisas que Faz?"





Tem gente que vive para questionar os motivos dos outros. quanto a mim, existem três motivos básicos pelos quais eu faço as coisas que eu faço. São eles:


- Eu quero

- Eu gosto

-Eu posso


Eu quero - Quando eu faço alguma coisa , seja lá o que for, é importante perguntar a mim mesma se eu quero fazer aquilo extamente naquele momento, por aqueles motivos e daquele jeito. A maioria das coisas que a gente faz, penso eu, devem nos trazer algum tipo de satisfação pessoal. Então eu faço alguma coisa porque eu quero, em primeiro lugar.

Eu gosto - Como já afirmei acima, para mim o prazer em fazer alguma coisa deve ser a minha maior motivação. Se eu decido escrever um texto, por exemplo, meu objetivo é sentir prazer e passar momentos agradáveis fazendo algo que eu gosto. Quando eu sei que estou dedicando algumas horas a uma atividade qualquer - mesmo que ela não seja considerada 'construtiva' pela maioria das pessoas - mas que ela me deixa feliz e relaxada, não sinto que eu esteja perdendo tempo. 

Meu blog de contos, por exemplo; escrevo contos, embora eu saiba que eu não sou nenhuma escritora maravilhosa. Escrevo porque eu gosto de criar personagens e soltar a imaginação, não porque pretendo ficar famosa ou ganhar dinheiro. Mesmo que ninguém leia, o prazer de escever é o que me move. Portanto, poupe seu tempo e não venha me perturbar ou me aconselhar, dizendo que meus textos são longos, etc, etc, porque é bem mais fácil simplesmente não ler aquilo que não lhe agrada a perder seu tempo e azedar o dia de outra pessoa postando um comentário tão imbecil em um texto que você nem leu porque era longo demais.

Eu posso - Este é o meu terceiro motivo. Eu posso. Eu tenho o direito. Sou maior, vacinada e sei o que eu quero, e quais são os meus direitos, e desde que eu não esteja a prejudicar ninguém, posso ir até aonde eu quiser. Simples assim.


Tem gente que nem é seguidor, é perseguidor. Parece que estão sempre lá, vendo tudo o que os outros fazem online, achando que tudo é sobre eles ou para eles ou por causa deles. Acho que essa atitude é uma perda preciosa de tempo e energia.


Tenho ficado online muito menos tempo do que antigamente, porque eu hoje não me acho na "obrigação" de postar sempre, visitar sempre, comentar sempre tudo o que eu leio. Só faço o que me trouxer prazer. Minhas intenções de me tornar escritora já minguaram, pois quem escreve online desde 2007, já participou de tantas antologias de poemas, crônicas e contos, ganhou até prêmios, escreveu e publicou livros e mesmo assim não conseguiu nada através da literatura em direção a ser contratado por uma editora, ou é um péssimo escritor (não nasceu para isso) ou tem outras missões na vida que não esta.

Portanto, a única coisa que me move a escrever é o prazer. Quando ele terminar, eu paro.




quarta-feira, 23 de junho de 2021

AQUI, EU DESOBEDEÇO


 


Aqui é onde eu cresço,

Envelheço,

E descaradamente,

Desobedeço.

Aqui eu (des)arrumo

A minha (des)decoração.

Aqui, eu resolvo as pendengas

Do meu próprio coração.






terça-feira, 15 de junho de 2021

Oh, a fé...



Oh, a fé 

Pequenina,

Essa palavrinha breve e inocente,

Quase piegas, quase luz de vela

A quase se apagar

À menor brisa,

Mas oh, a fé,

Ela resiste, ela se move, 

Ela se estica

Por sobre o medo, ela protege

O que nos resta

De vida.


Oh, a fé,

Essa incerteza

Na qual quase ninguém

Acredita,

Mas ela agita, ela salva,

Ela é o olhar mais uma vez

Antes de ir,

De se fechar,

De desistir...


Oh, a fé,

Esse telhado que nos guarda,

A sementinha

Que Deus plantou

Dentro da gente,

E Ele pediu, 

Encarecidamente

Que a protegêssemos

Da tempestade,

E do sol

Inclemente.


Oh, a fé,

Tudo o que resta

Quando na vida

Nada mais resta,

E a gente empresta 

Um leve sorriso

De teimosia,

Uma elegia à esperança

Que só alcança

Quem tem fé,

Quem confia.






segunda-feira, 14 de junho de 2021

MIRANTE





Ela olha as cores mortas

Nas flores do seu vestido,

Prende os cabelos molhados

Para que seus dois ouvidos

Possam ouvir as palavras

Que um deus cansado tem dito.


Lá fora, um mundo distante

Que há muito ficou para trás.

Sua alma diletante

De tanto viver, não quis mais...

Passou o tempo; o passado

É só um presente embrulhado.


Ela olha, indiferente,

Sem tentar querer saber

Para onde foi tanta gente

Que antes, estava ali...

Um dia, quem sabe ela

Também há de sucumbir.


Seu olhar é tão sereno,

Seu coração só flutua

Em um lago de veneno

Onde ela não se situa.

Batidas atordoadas


Que o silêncio acentua.






terça-feira, 1 de junho de 2021

DRA YAMAGUCHI

 



O que eu assisti hoje na CPI (Circo Patético e Irrelevante) da Covid, me chocou mais do que qualquer coisa que eu já vi nas abordagens agressivas da esquerda. Um senador machista, arrogante, agressivo e lacrador tentando destruir e humilhar uma pessoa com um currículo invejável e mais de quarenta anos de experiência na área médica. Tudo isso através de perguntas irrelevantes que, ele deixou bem claro, pesquisou no Google a fim de atingir seu propósito. Ele próprio sugeriu a ela: "Não sabe a resposta? Pesquise no Google." Porque com certeza, foi exatamente o que ele fez.


Muitas daquelas perguntas não poderiam ter sido respondidas por noventa por cento dos médicos que atuam no país. Não se lembrar de datas e  nomes não quer dizer que você é incompetente, mas que apenas não se lembra de datas e nomes que não tem importância. 


Eu sinceramente espero que ela o processe. 


Nessa CPI indigente, quando os inquiridos não respondem exatamente aquilo que esperavam ouvir deles, são humilhados e ridicularizados, e ninguém mais escuta uma palavra sequer que eles disserem. Fazem perguntas que eles mesmos respondem, repetem incansavelmente perguntas que já foram respondidas várias vezes (não sei se o problema é cognitivo ou se é surdez pura e simples) e zombam das pessoas de forma absurdamente desrespeitosa.


Jamais pensei que fosse viver para ver uma palhaçada dessas acontecendo no meu país. Enquanto isso, ignoram completamente o verdadeiro motivo pelo qual essa CPI deveria ter sido criada: averiguar para onde foram os BILHÕES liberados pelo Governo Federal e entregues a prefeitos e governadores para o combate à COVID. As perguntas relevantes continuam sendo ignoradas: cadê o dinheiro? Cadê os hospitais de campanha? Quem escondeu respiradores enquanto pessoas sufocavam até à morte, e por que?


Acho que não vou mais assistir a essa droga. Tira minha saúde, acaba com meu bom humor, me deixa com raiva. Isso não me faz bem, é podridão demais.

A RUA DESERTA

 







Dos lábios de Deus, partiu um sopro

E as ruas ficaram desertas.

De repente, nada havia 

Que explicasse a dor silenciosa

Que se espalhava pelas ruas

E das casas, que se esvaziavam.

Nas sacadas, as pessoas cantavam.


E após o toque de recolher,

As mãos juntaram-se em preces,

Clamava pela vida

Quem não soubera viver.

Mesmo assim, das sacadas

As luzes dos celulares piscavam.


A rua deserta se estendia

Sobre as dores das almas, que temiam

Porque não sabiam como ascender,

Porque, durante toda a vida,

Só tinham mesmo aprendido

A ter medo de morrer.


E toda fé, que já era pouca,

Passou a ser testada,

E todo o amor, que já era raro,

Tornou-se quase nada,

Pois as pessoas só pensavam

Naquilo em que elas mesmas

Eram afetadas.

E das sacadas, as pessoas oravam.


Clamavam a Deus: “O que será de nossa raça,

Como será o futuro,

Quando tudo isso acabará?”

E Deus, estendendo as mãos,

Lançou um sorriso triste

Perguntando: “Querem mesmo a verdade?

Quem tem coragem?”

E das sacadas, as pessoas se calaram.










terça-feira, 25 de maio de 2021

TÂMARAS

 




 

Sementes espalhadas pelo chão,

Caídas da árvore da vida...

Um apelo de irmão para irmão,

A dor na mão aflita.

Bendita paixão que acolhe,

Enquanto a morte recolhe

Aquilo que se perdeu...

Maldita ferida aberta,

A lágrima caindo certa

Pelo que já não é meu...

 

Quando eu não mais estiver,

Ou quando, por fim, vier

A luz, sem eira nem beira?...

Quem sabe, quando nascerem

Crianças, ou germinarem

Sementes das tamareiras?

 

 




quarta-feira, 12 de maio de 2021

A INCRÍVEL HISTÓRIA DE UM RESTAURANTE QUE NUNCA EXISTIU


Oobah Butler e seu restaurante fake






Neste vídeo, convido você a fazer uma reflexão a respeito da distância entre aquilo que você escuta, lê a respeito ou assiste na TV e a realidade. Uma história real contada por um repórter que escrevia reviews fake sobre restaurantes para que estes o publicassem no TripAdvisor.

As opiniões são manipuladas diariamente, e nem sequer percebemos isso - e ainda achamos que estamos "ligados!"

Eis o link para o vídeo:


https://youtu.be/BOGEbMBBhdw





sexta-feira, 7 de maio de 2021

ENQUANTO ELES

 




Te levo comigo

Enquanto eles te pisarem,

Caluniarem, combaterem, queimarem,

Sujarem, contestarem, 

Esfaquearem, calarem, 

Atando-lhe as mãos 

E pondo nos teus pés, grilhões.


Te levo comigo,

Apesar de toda a tua imperfeição,

Da tua mania estranha de dizer o que pensa

Sem tentar agradar aos falsamente sensíveis,

Aos politicamente corretos,

Aos supostamente suspeitos.


Te levo comigo

Porque eles não te aceitam, 

Se deleitam em cavar a tua tumba,

Cravar facas e mais facas

Diariamente, naquilo que representas.


Porém, 

A partir do infame momento

Em que eles te acolherem, 

Te elogiarem, te apoiarem, te amarem, 

Assinando sob tudo o que disseres, 

Contrariando tudo aquilo que deles eu sei,

Nesse exato momento,

Eu te cuspirei.






COMO SE NÃO HOUVESSE AMANHÃ

  Como se não houvesse amanhã, Ele acordou naquele dia se sentindo mais vivo, Abriu a janela e percorreu as curvas das montanhas Com as pont...