segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Ah, os Italianos! - Parte II

Pôr do sol em Florença... jamais esquecerei.




Continuação do texto anterior



LIXO – Quando fui jogar o lixo fora pela primeira vez, deparei com uma fileira de recipientes, cada qual para um tipo de lixo específico. Voltei para dentro de casa carregando meu único saco de lixo, e comecei a separar tudo. Alguém me disse que os potinhos, garrafas e recipientes deveriam ser lavados antes de serem descartados, e passei a fazer disto um hábito. Há também saquinhos plásticos específicos para cada tipo de lixo, mas pulei essa parte, pois não estavam disponíveis na casa e ficaria um pouco caro compra-los.

Aqui na minha cidade houve uma campanha há alguns anos pela reciclagem de lixo, e comecei a separar e lavar todo o meu lixo, mas parei de fazer isso quando vi o caminhão de lixo chegar e o funcionário juntar tudo e jogar no triturador. Estava perdendo meu tempo.


Castelo de verdade, na Toscana


MODA – Milão é conhecida como a capital da moda, e as pessoas realmente se vestem bem, mas sem exagero ou ostentação. O que me chamou muito a atenção, é que as mulheres da minha idade e mais velhas, na sua maioria, não tingem cabelo. Assumem os fios brancos, que são mantidos em lindos cortes e penteados. Assumem a idade que têm, sem deixarem de se cuidar e ser muito elegantes e bem vestidas. Não me lembro de ter visto mulheres “malhadas” ou “Bombadas”. Também não vi rostos siliconados e deformados por botox. O que vi, foram mulheres magras, na sua maioria, elegantes, muito bem vestidas e bonitas. Elas sentam-se nos cafés que existem aos montes pelas calçadas, caminham pelas ruas levando seus cães nas coleiras – e não se constrangem em recolher as fezes destes em saquinhos plásticos – e parecem ser felizes.

Eu um dia fiquei algum tempo sentada em um daqueles cafés num final de tarde, com meu marido e mais uma pessoa, e fiquei observando enquanto os milaneses passavam por mim, entrando e saindo de prédios antigos e maravilhosos, muitos acompanhados de seus cães. Pensei que uma vida assim não me faria mal...

San Gimigniano


CÃES- Parece que as pessoas na Itália adoram cães! Não vi nenhum cão abandonado, mesmo em uma cidade onde até os mendigos têm cães, e cuidam muito bem deles! Porém, às vezes eu percebi que alguns cães, apesar de gordinhos e parecendo ser amados, traziam os pelos emaranhados e sujinhos... acho que essa coisa de tomar poucos banhos também vale para eles. Uma cena marcante, que não fotografei por respeito, se deu bem próximo a Duomo: Havia uma moça sentada no chão, sobre um cobertor. Ela chorava muito, e tinha um cão preto dormindo ao lado dela. Era uma mendiga, jovem e muito bonita. Quem sabe, uma imigrante? Quando passamos de volta, ela estava indo embora. E o cão atrás dela, carregando na boca um urso de pelúcia encardido. Foi triste, e lindo, ao mesmo tempo.

Os cães na Itália têm acesso livre a mercados, calçadas e praças, trens e metrôs, ônibus e lojas, restaurantes e pontos turísticos em geral. Ser cachorro na Itália deve ser bom! Bem que eu me imaginei com o Mootley e a Leona, andando pelas ruas de Milão...



Ah, Veneza... impossível descrever.


MENDIGOS -  Há muitos mendigos pelas ruas de Milão, principalmente, próximos à Catedral. Me pareceram imigrantes – há muitos por lá, e a maioria deles são indianos, africanos e muçulmanos. Alguns vendem flores e outros artigos nas ruas. Acho que estes não são moradores de rua. O problema, é que eles se aproximam da gente, e praticamente nos obrigam a segurar as flores, dando a entender que estão nos presenteando, e logo depois voltam, cobrando por elas. Se tentamos devolvê-las, eles insistem até que alguém perca a paciência. Isto foi muito chato e inconveniente. Não gostei desta tática de venda!

Em Florença, vimos quando um africano foi preso por tentativa de furto, e logo depois, um grupo de africanos corriam pelas ruas, tendo policiais uniformizados e à paisana em seu encalço. Mas diferentemente daqui, eles furtam, mas não parecem carregar armas nem matar ninguém. Florença está cheia deles, e também de policiais disfarçados.

(CONTINUA...)






domingo, 24 de setembro de 2017

AH, OS ITALIANOS! - Parte I




Eu em Veneza - Gondoleiro!



Durante nossa curta estadia na Itália, não ficamos em hotel. Alugamos um pequeno apartamento em Milão, o que nos obrigou a fazer coisas que turistas que ficam em hotéis geralmente não fazem: ir ao supermercado, cozinhar, jogar o lixo fora, pedir informações na rua, usar o transporte público. Todos os lugares que visitamos foram alcançados através de caminhadas, trem ou metrô – apenas quando fomos à Toscana alugamos um carro, devido à distância. Isso nos deu uma ideia de como o povo realmente vive por lá, e do quanto nós aqui no Brasil estamos distantes deste ideal.
Não sou do tipo que gosta de voltar de uma viagem falando mal do Brasil, criticando tudo e exaltando as qualidades do país visitado, porque sei muito bem que quem viaja como turista não vê certas coisas negativas que só quem mora lá sente. Não existem lugares perfeitos em país nenhum do mundo.
Porém,  é impossível não fazer algumas comparações, e estas são algumas das coisas que pude observar:



-TRANSPORTE PÚBLICO - O transporte público é muito eficiente. Todos os meios de transporte público, incluindo os ônibus, vão anunciando as paradas em alto-falantes e painéis colocados dentro deles de forma estratégica; assim, sabemos exatamente onde estamos. Pensei na minha cidade, e no quanto isso facilitaria a vida dos turistas que circulam por aqui. Os ônibus e trens são limpos, muito limpos! Estão em ótimo estado de conservação, e os usuários cuidam para que continuem assim (diferentemente daqui). Tudo anda no horário, sem atrasos ou falhas. Se eles afirmam que o metrô passará daqui a dois minutos e trinta e um segundos, isso realmente acontece. As pessoas entram e saem organizadamente, sem empurrar. 




-MOTORISTAS X PEDESTRES – Assim que chegamos, ao atravessar uma rua, observei o seguinte fato: não havia carros à vista. Uma senhora parou junto à faixa de pedestres, e logo após outra, e mais pessoas foram fazendo a mesma coisa, sem atravessar a rua. Coloquei o pé na faixa, perguntando ao meu marido: “Por que elas não atravessam? Não há carros se aproximando”!  Ele me segurou discretamente, respondendo; “Veja! O sinal está fechado para nós”.  E assim que o sinal abriu, todos atravessamos. Quando há sinal de trânsito, os motoristas os respeitam, assim como respeitam as faixas de pedestres. E quando não há, os motoristas param o carro e dão a vez a quem está atravessando a pé.





- BARES, RESTAURANTES E LANCHONETES – Todos aguardam a vez, sem tentar furar a fila. Certo dia, entrei no que eu achava que fosse o final de uma fila, ficando atrás de uma senhora que estava sendo atendida. Não reparei que a fila era do outro lado. Assim que ela saiu e tentei me dirigir ao atendente, ele muito polidamente me explicou que atenderia primeiro o senhor ao lado, que tinha chegado primeiro. Fiquei com muita vergonha, e me desculpei. Nos restaurantes, não existem os dez por cento compulsórios por prestação de serviço, e apesar de dizerem que aqui no Brasil o pagamento é opcional, ele sempre é incluído no final da conta.





ALIMENTAÇÃO – Antes de viajar, tinha lido em um site que os italianos sempre preferem tomar água e vinho durante as refeições. Chegando lá, prestei atenção e vi que esta é a mais pura verdade! Não vi refrigerantes, sucos, conhaques ou outras bebidas em nenhuma mesa. Logo que nos sentamos, o garçom logo pergunta: “Vão querer água”? Também constatei que a comida dos italianos é quase sem sal, com poucos temperos, e não provei alho ou cebola em nenhum prato que comi. Eles preferem ervas. O pão é mais durinho, menos saboroso que o daqui, mas quando a gente come, não se sente pesado ou fica com azia depois.  A manteiga (chamada “burro”) é branquinha e também quase não leva sal. O molho de tomate é tomate puro, e não fica tão pegajoso na massa quanto o daqui. A pizza é fininha feito papel e tem poucos ingredientes. Prefiro a daqui... a massa é difícil de cortar, mesmo sendo fininha. 

As porções são pequenas... a primeira vez que comemos em um restaurante, quase tive um ataque quando o garçom trouxe meu macarrão e só tinha um pinguinho no meio do prato! Mas fui saboreando os pãezinhos, tomando água e vinho, comendo a massa devagar... e quando terminei, estava satisfeita! Ainda sobrou espaço para o inevitável gelato. 

A “insalata” (salada) não pode faltar, e muitas vezes, ela é tão grande, que podemos compartilhá-la, ou comê-la como prato único. 

No mercado, as verduras e legumes vêm lavadas e embaladas em bandejinhas, e custam mais caro do que aqui. Mas os queijos mais finos, que aqui podem custar uma verdadeira fortuna, lá são muito baratinhos, e eu me refastelei! As sacolinhas de compras são cobradas: $0,50 centavos de Euros cada. A maioria das pessoas levam as sacolinhas de casa. É comum ver donas de casa empurrando aqueles carrinhos de tecido nas ruas. Fui uma delas durante algum tempo! 

Entrar em um açougue em Milão me fez sentir vergonha dos açougues daqui! São tão limpos, que não se vê sangue, resíduos de qualquer espécie (normalmente encontrados nestes estabelecimentos) ou sequer se sente cheiros. Tudo brilha. Tudo é milimetricamente organizado em vitrines. Tudo é imaculadamente limpo. Os funcionários usam branco. Suas mãos e unhas estão limpas. Enfim... lembrei-me de um açougue aqui em Petrópolis (já fechado) onde a gente precisava tapar o nariz quando passava por ele. E dos caminhões estacionados nas portas dos açougues, reabastecendo-os de carne (carcaças penduradas, as portas abertas pegando poeira da rua, os uniformes imundos dos funcionários que não usam máscaras ou luvas. E o cheiro...

(continua...)












































sábado, 23 de setembro de 2017

VOLTANDO...

Veneza




Olá, pessoal!

Estive fora por uns dias, realizando um grande e muito antigo sonho: conhecer a Itália! Foi uma experiência transformadora visitar a terra do meu avô e dos meus bisavós. Cada momento foi vivido com muita intensidade, e inicio uma série de crônicas e poemas para contar sobre as coisas que vi, senti e vivi. Para ficar na lembrança. Porque escrever e fotografar são as melhores formas de se lembrar de tudo.

Começo com esta crônica:


San Gimigniano



PARA QUEM NÃO ESCREVI

Estes textos não foram escritos para quem já viajou muito e sabe mais do que eu. Não pretendo afirmar isto ou aquilo a respeito de um povo e de um lugar que mal conheci, pois foram apenas quinze dias de viagem – dois dos quais ficamos em casa, nos recuperando: eu, de uma forte gripe, e meu marido, de uma inflamação no tendão.

Estes textos não são para aquelas pessoas que a gente encontra nos aeroportos, junto as quais ficamos até meio-envergonhados de demonstrar nossa surpresa e maravilha diante de coisas que, para elas, são simples e rotineiras; enquanto o sol nasce sob as asas do avião, em cores maravilhosas, e nós, os simples mortais comuns que não viajam muito, tiramos fotografias e damos suspiros de admiração, tais pessoas dormem tranquilamente. Enquanto ficamos ansiosos por passar no free shop e comprar perfumes, elas passam por nós de cabeça erguida em direção a um destino certo e com hora marcada. Enquanto paramos para olhar os cartazes nos aeroportos, ou lemos as plaquinhas sob os monumentos em cidades históricas, estas pessoas olham seus relógios e afundam os rostos nos jornais.

Estas pessoas, cidadãs do mundo, passam rapidamente pelas lojinhas de souvenirs, e sentam-se nos cafés das cidades históricas com ares entediados lendo ou conversando, enquanto nós passamos por elas fotografando tudo e carregando sacolas cheias de comprinhas.

Eu não escrevi estes textos para quem já esteve na Itália muitas vezes, ou para quem já conhece o mundo todo. Tais pessoas com certeza os acharão simplórios, equivocados ou quem sabe, pretensiosos. Escrevo para lembrar, em primeiro lugar, das coisas lindas que pude ver, e do meu antigo sonho realizado. Escrevo porque não quero esquecer. Escrevo para que as imagens das fotografias que eu obtive – mais de duas mil imagens – não percam seu significado, e que eu possa olhar para elas e me lembrar do que vi, do que estava sentindo quando as obtive, de onde eu estava, quem estava comigo, do que eu aprendi.





sábado, 2 de setembro de 2017

Até um Dia!









Olá, pessoal!


Por motivos pessoais, estarei fora da rede durante alguns dias. Volto em breve!


Abraços!




terça-feira, 29 de agosto de 2017

Sobre a Vida e a Morte





Este é um comentário que acabo de deixar no blog Vida Alta, de Claudio Poeta:


Mais um blog que silencia. Mais uma alma que ficará perdida no espaço cibernético. Poemas, idéias e ideais que fizeram diferença para alguém, que os criou, postou e cuidou deles. E agora, todas estas idéias permanecerão online Deus sabe por quanto tempo, até que alguém as apague os simplesmente se apodere delas. 

Às vezes escrever faz surgir estas angústias... passamos tanto tempo criando textos online, colocando a alma e o coração em poemas e crônicas, contos e discursos, para então tudo se perder e ser esquecido. Seremos todos esquecidos. Estaremos todos perdidos e ausentes para sempre. Isto me faz questionar a importância de escrever: para que tanto tempo e tanta dedicação, se tudo se acaba, se tudo é esquecido? para que aprender tanto, ler tanto, escrever tanto, falar tanto?

Para que pensar tanto? Mudar o mundo, mudar a nós mesmos... qual o objetivo disso tudo?

A vida será sempre um mistério, e nós junto com ela. A morte talvez nos traga algumas respostas, ou pelo menos, alguma paz.





sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Cântico Negro





Uma reflexão, um poema de José Régio

"Vem por aqui" --- dizem-me alguns com olhos doces,
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom se eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui"!
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos meus olhos, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...

A minha glória é esta:
Criar desumanidade!
Não acompanhar ninguém.
--- Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre a minha mãe.

Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...

Se ao que busco saber nenhum de vós responde,
Por que me repetis: "vem por aqui"?
Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...

Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.

Como, pois, sereis vós
Que me dareis machados, ferramentas, e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

Ide! tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátrias, tendes tectos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios.
Eu tenho a minha Loucura!

Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...

Deus e o Diabo é que me guiam, mais ninguém.
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se levantou.
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou,
--- Sei que não vou por aí.

                      José Régio

O VERNIZ DAS "CONVICÇÕES"







Neste imenso mundo que tornou-se tão pequeno devido ao efeito das redes sociais, diferentes ideias são propagadas a todo momento. Seus autores, que quase sempre escondem interesses escusos, pretendem soar originais, modernos, liberais e abertos ao novo. Ao construírem seu império de ideias, que é constantemente frágil e sem alicerces, tais “Imperadores da Verdade” o cobrem com camadas de verniz de boa qualidade para que ninguém note as imperfeições, falácias e absurdos que ele contém. E basta uma leve arranhada na superfície para trazer à tona a podridão de tais impérios das ideias.

O que não falta, são seguidores acéfalos e cordatos, que amontoados pela necessidade de serem guiados por alguma causa, passam a erguer bandeiras e aceitar ideias alheias sem sequer um momento de reflexão. Afinal, todo mundo quer ser aceito, e nos dias de hoje, ser aceito significa soar moderno, liberal e seguir a maioria. Qualquer um que defenda algum valor antigo – como se todos os valores antigos fossem preconceituosos e desnecessários – é acusado de velho, primitivo, preconceituoso ou fascista.

A vulgaridade, a intolerância, a distorção de valores, a ignorância e o egoísmo correm à solta por aí. E ai de quem não seguir na mesma direção!

Eu tenho meus valores e minhas ideias. Sei que posso estar errada em algumas delas, e por isso, gosto de conversar, discutir, comparar, debater. Mas quando sinto que estou em um meio onde tudo o que se quer é ser contra esses valores, não importa o quanto eles possam ter um eco verdadeiro, eu me retiro, pois é inútil discutir quando os sujeitos da discussão estão determinados a não pensar, não refletir.

Assim, feministas xingam de burras, machistas e retrógradas qualquer outra mulher que não concorde com seus valores; partidários da esquerda consideram fascistas todos os que não fazem coro com eles, e partidários da direita consideram comunistas todos os que não carregam a mesma bandeira que eles. Nós X Eles. Todos dizem lutar pelo direito de igualdade e contra o preconceito e o separatismo, mas fazem exatamente o contrário. Todos dizem-se não preconceituosos, mas se alguém discorda de suas convicções, imediatamente o repelem com pedras e paus, demonstrando inconsistência e a volatidade de seus vernizes. Todos pregam a liberdade de escolha, desde que os outros escolham as mesmas coisas que eles.

Seus posicionamentos? “É assim, e pronto.” Ponto final. Se você pensa diferente, é burro. Se propõe uma reflexão mais aprofundada, é intrometido e quer aparecer. Não sabem argumentar, não sabem manter a calma, não conseguem conduzir uma conversa com alguém que pense de outra forma sem partir para a grosseria, o abuso, o xingamento e a falta de educação. Talvez por estarem cientes de que suas convicções não resistem a uma análise mais aprofundada. Sabem muito bem que não têm a supremacia da verdade, como gostam de se gabar.

São eles os burros, intolerantes, fascistas, ridículos, preconceituosos, machistas.





Ah, os Italianos! - Parte II

Pôr do sol em Florença... jamais esquecerei. Continuação do texto anterior LIXO – Quando fui jogar o lixo fora pela pri...