quinta-feira, 17 de outubro de 2019

QUANDO OS GURUS PERDEM A CABEÇA



Oi pessoal! Este é meu novo vídeo no canal Espiritualidade na Lata. Nele eu falo (como diz o título) nas situações em que os gurus perdem a cabeça - logo eles, que são sempre tão centrados! Mas para quem se lembra daqueles monges armados no Tibet, sabe do quE eu estou falando... 

Tentei abordar de forma bem humorada esta questão tão humana, que é exatamente... o fato de sermos TODOS humanos, sem excessões. Gurus ou não.

Convido a quem desejar assistir a se inscrever no canal e deixar um comentário para mim. Abraços, obrigada.





terça-feira, 15 de outubro de 2019

Um Jardim se Expande Diante de um Olhar


Minhas orquídeas



Você chega naquele jardim relativamente pequeno e olha em volta; pensa: “É um pequeno jardinzinho.” E você está certo, se for considerar apenas o espaço físico em metros quadrados ocupado por ele. Mas se você se sentar e olhar em volta de verdade, vai começar a perceber, ali, naquele pequeno espaço, centenas de coisas diferentes e interessantes que geralmente estão escondidas aos olhares mais distraídos.

A vida...


De repente, um passarinho pousa, você o segue com o olhar enquanto ele pula sobre os galhos das árvores e faz uma linda descoberta: existe um ninho ali perto. Você se aproxima e vê os pequenos pássaros ainda sem penas, e escutando um crocitar, olha para cima e repara no tucano que pousou em outro galho, interessado em uma refeição fácil. Atraídos pelos gritos da mãe passarinho, outros pássaros se juntam para banir o intruso e assegurar a segurança dos ninhos que estão por ali.
Encantada – afinal, ver um tucano em um jardim assim não é tão comum, você agora passa a focar nos gritos das maritacas que, sentadas na beirada do telhado, conversam em voz alta, rindo distraídas. 

...só começando!


Logo, o bando se retira em uma revoada barulhenta, indo pousar nas árvores do vizinho.

É nesse exato momento que você percebe, ali, bem juntinho ao chão, algumas pequenas flores coloridas que ninguém plantou, e também aprecia as orquídeas que você colocou nas árvores há mais de um ano, e que finalmente, decidiram florir. Um espetáculo à parte! E enquanto você está distraído com as flores, um casal de borboletinhas amarelas passam juntas, rodopiando como se dançassem uma valsa. E junta-se a ela uma monarca, duas, três, e então vêm as borboletinhas brancas. Um vento forte as sopra para longe, trazendo um besouro de asas nacaradas que passa zunindo pertinho do seu ouvido, indo pousar no tronco da árvore. 

Descansar...

No céu, nuvens pequeninas deslizam suavemente sobre o fundo azulado. O dia está um pouco nublado, fresco e delicioso. Daí você se senta em uma grande pedra que fica sob uma árvore, e olhando à direita, enxerga as montanhas. Seus olhos se perdem sobre elas, as pupilas rolam sobre as encostas catando todo o musgo das pedras, sorvendo a água que escorre das minas e dá a montanha um aspecto espelhado quando o sol bate.



Mas olhe só que coisa tão perfeita, esse chapeuzinho de sapo na madeira velha! Parece coisa de magia! A terra úmida solta seu perfume, que atinge suas narinas de repente e você automaticamente fecha os olhos para senti-lo melhor. E fechando os olhos, você começa a escutar sons que antes não estava escutando. E a brisa mais delicada entra em seus ouvidos, os cantos de passarinhos mais distantes, zumbidos, e até mesmo um bater de asas de borboleta. Você escuta o jardim, e nota que um jardim pode ser percebido de várias formas diferentes, não apenas através do olhar, mas do tato, do olfato e da audição.



E você se vê sendo invadido aos poucos por um sentimento quase religioso, uma paz de espírito imensa ali, entre o verde, enquanto se senta na grama macia e percebe entre as folhinhas da grama outras criaturinhas que moram por ali. E você pensa: “Como é possível que alguém seja infeliz nesse mundo? Por que há tantas coisas tristes e medonhas fora dos jardins?” A resposta vem em um relance: “Porque as pessoas focam naquilo que não devem. Se abrissem seus sentidos a qualquer jardim, por menor que ele fosse, com certeza o mundo seria bem mais bonito, muito mais alegre, e todos viveriam em paz.”



Você não precisa de dinheiro para sentar-se em um jardim. Nem precisa de muito tempo, ou de roupas ou sapatos especiais. Não precisa nem de companhia – aliás, eu aconselho que você faça isso sozinho, sem ninguém falando nos seus ouvidos, desfolhando problemas, reclamando ou se lamentando. Vá sozinho, procure o seu jardim, e ele nem precisa ser seu, não tem que estar na sua casa; pode ser um local público. Pode ser uma praça, ou a casa de um amigo ou conhecido.  Mas enquanto você estiver lá, ele será só seu. E você será só dele.



Olhe para um jardim, e ele olhará para você. Vocês dois estabelecerão uma conexão importante, privada, construindo em seu coração um lugar de paz e de relaxamento para onde você poderá ir sempre que quiser ou precisar. 



segunda-feira, 14 de outubro de 2019

O QUE SE FALA / O QUE SE ESCUTA

O que se Fala /  o Que Se Escuta



Era um site de moda praia no Instagram. Comecei a segui-lo porque achei os modelos de maiôs bem bonitos e diferentes dos que encontramos aqui fora, e como o verão está chegando, pensei na possibilidade de, mais tarde, adquirir algum modelo.
Grande enfado disso tudo...


Após algumas semanas, deparo com a fotografia de uma modelo plus-size (digo ‘plus-size’ porque, nos dias de hoje, se dissermos coisas como ‘gordinha’ ou ‘cheinha’, poderemos ser processados ou acusados de preconceito, embora o termo ‘plus-size’ signifique ‘tamanho grande’, ou seja, tamanho para pessoas acima do peso considerado padrão – grupo no qual eu mesma me incluo). O biquini que ela usava era extremamente pequeno para o tamanho dela, o que implicava que partes que geralmente permanecem cobertas, vazavam pelos lados da calcinha. A pergunta da postagem: “O que você acha deste modelo?” Meu comentário: ‘Acho que está pequeno demais para ela.’

Em nenhum momento fiz alusão ao fato do biquini ser bonito ou feio, ou a moça, gorda ou magra. O fato é que o biquini em questão era bem menor do que o corpo dela exigia. Eu só disse que o tamanho do biquini era inadequado ao tamanho da modelo.

Logo começaram a chegar as respostas ao meu comentário, vindas das feminazis de plantão: “Como assim??? Preconceituosa! Por um acaso ela pediu sua opinião sobre o corpo dela?” “E se ela quiser assim, o que você tem com isso?”

Detalhe: em nenhum momento eu dei opiniões sobre o corpo da moça, ou sobre o modelo do biquini, mas sobre o tamanho do mesmo. Mas hoje em dia, infelizmente, o analfabetismo funcional, aliado à má vontade, contribui para que as pessoas não consigam interpretar sequer um texto de uma única linha.

Precisamos tomar cuidado, pois a qualquer momento, alguém pode nos acusar de preconceituosos, racistas, fascistas, nazistas, apenas porque não concordam conosco ou não concordamos com eles.






quarta-feira, 9 de outubro de 2019

AGORA, QUE JÁ NÃO ESTÁS





Olho teu retrato e converso contigo sem usar palavras
Que às vezes eram pontes, noutras eram mágoas.
Falamos um com o outro por sobre o silêncio,
O vento carrega os sentidos e traz as respostas
Que me sopras, de onde estás, de onde és imenso.
E nos compreendemos, e nos olhamos sem julgamentos,
Pois vemos hoje a alma que o físico escondia...
E nunca em minha vida te falei por tanto tempo,
Ou por tanto tempo te ouvi, agora, que já não estás.

Às vezes a distância aproxima duas almas
Que quando estavam juntas, desviavam seus olhares.
Às vezes os amores que andavam adormecidos,
Navegam suavemente, descobrindo novos mares
Que os reaproximam, em ondas de perdão
Impulsionadas pela ausência da incompreensão.

A mim, o teu semblante nunca foi tão mais exato
Quanto nesse retrato que eu projeto na memória,
Apago e reescrevo novamente as mesmas linhas
Que antes rabiscava, manchando a nossa história.
Tu hoje és o mesmo, só que mais verdadeiro,
E eu hoje finalmente posso pedir teu perdão
Por todas as palavras que eu te disse, sem razão,
Sabendo que me ouves no teu sono derradeiro
Agora, que já não estás.


.
.
.

Para a Recantista

Sandra Rosa



AJUDE A QUEM SE AJUDA!




Olá, pessoal. Este é o novo vídeo do meu canal, Espiritualidade na Lata.

Você é do tipo de pessoa que gosta de ajudar? Ótimo! Eu também. Mas acho que a gente precisa tomar muito cuidado com esta questão tão delicada - tanto para quem recebe a ajuda quanto para quem ajuda. Ajudar não é substituir.

Abraços a todos, e convido-os a assistirem ao vídeo, se inscreverem no canal, compartilharem (se assim o desejarem) e deixar um comentário!




OS DOIS CAMINHOS







Para mim, existem apenas dois caminhos na vida, e todos nós nos revezamos entre eles várias vezes em uma vida; frequentemente, em um só dia percorremos ambos algumas vezes. São estes os caminhos: o caminho que segue para cima e o caminho que segue para baixo. E nessa jornada, cruzamos com outras pessoas que estão subindo ou descendo.

Quando seguimos o caminho que nos leva para cima, as coisas vão muito bem. Estamos bem de saúde, a vida amorosa está fluindo, os negócios estão progredindo e estamos em paz conosco e com todos – ou com a maioria das pessoas.

Quando seguimos para baixo, é porque alguma coisa vai mal: estamos doentes, ou sem trabalho, insatisfeitos no amor ou nos relacionamentos familiares. É muito difícil estar apenas subindo ou descendo em todos os aspectos, e por isso, quando estivermos indo mal em alguma coisa, temos que focar naquilo no qual estamos indo bem e que nos leva para cima, ou seja, para o melhor de nós. Assim não nos sentiremos tristes ou desesperados. E tem sempre alguma coisa que está indo bem, a gente é que não quer enxergar e tende a focar apenas no que vai mal. Devemos lembrar sempre de agradecer, pois a vida não tem piedade dos ingratos.

Mas eu penso que a coisa mais difícil a se fazer, é estar no caminho que segue para cima. Porque quando estamos nesta posição, tendemos a julgar os que estão no caminho contrário. É nestes momentos que passamos por alguém que está descendo e pensamos (ou pior, dizemos): “É a Lei do Retorno.” Quando fazemos tais observações, nos esquecemos de que também já estivemos ali naquela descida, e que voltaremos a estar.

Creio fortemente, tenho plena convicção de que Deus não é um Ser julgador que fica ali na beira desses caminhos, ajudando os que acertam e condenando ou zombando dos que erram. Sinto Deus como uma ENERGIA de amor que não interfere nos acontecimentos, como gostamos de acreditar, pois isso seria o mesmo que uma mãe ou pai que faz o dever de casa do filho.  Deus não manda nada de ruim para ninguém e também não manda nada de bom de graça, pois essa Energia não tem preferidos. Ninguém aqui é queridinho de Deus. Ele deixa que aprendamos segundo a nossa dedicação e capacidade. Leva mais tempo para uns e menos tempo para outros.

Por isso eu também acredito que essa coisa de ajudar demais acaba atrapalhando. Quando eu me ofereço para carregar o fardo do outro, ajudá-lo em um momento de necessidade, isso não quer dizer que eu tenho que fazer o que ele mesmo deveria estar fazendo. Ele tem sua escolha. Quem trabalha mais, naturalmente terá mais bônus, e quem ficar só olhando enquanto os outros se dedicam não sairá do lugar e passará a vida só reclamando e se fazendo de vítima. Ajudar as pessoas desse segundo grupo é complicado. Mas isso não significa que eles mereçam que a gente fique apontando-os e criticando-os como se fôssemos os donos da verdade. Melhor deixar com que eles vivam suas vidas como quiserem – desde que não tentem interferir na nossa ou se dependurarem em nossos ombros, pois não temos obrigação nenhuma de sustentá-los.

Nas duas últimas semanas eu estive no caminho que desce durante algum tempo. Primeiro, eu comecei a ficar muito chateada por não poder trabalhar, dar minhas aulas, que para mim, são sagradas. Comecei a ficar emburrada porque além de estar me sentindo mal, não podia cuidar da casa como sempre. Mas então eu pensei: se não pode com eles, junte-se a eles! Daí peguei meu controle remoto, minha lista de filmes e meu Kindle. Se eu não podia trabalhar, ou sair, então eu ia me divertir! E foi isso que eu fiz: aproveitei. Li, vi meus filmes e dormi muito.

Hoje estou bem – graças a Dona Cortisona. Apelei para ela após um episódio de filme de terror com efeitos colaterais e nada especiais de antibióticos e anti-inflamatórios. Tive até coisa que nunca tivera antes: alucinações. Náusea fortíssima, ansiedade, fraqueza muscular, tontura, sensação de desmaio, ou seja: caramba.  Nunca mais tomo essas porcarias.

E após tantos dias sem conseguir falar direito, estou falando pelos cotovelos – coitado de quem chega perto de mim ou dos meus blogs.

De volta ao caminho da subida, cito o personagem de  Arnold Schwarzenegger no lendário filme Exterminador do Futuro: “I’m Back!”



sexta-feira, 4 de outubro de 2019

TUDO BEM








Dois dias de aulas desmarcadas e repouso. A gripe me pegou, e estacionou em minha garganta, me impedindo de dar minhas aulas. Hoje eu estou voltando devagar. Está tudo bem.


Mas sou daquelas que pensa que todos os momentos da vida devem ser aproveitados, até mesmo os piores. Febril e com a garganta ardendo, pude colocar em dia a minha lista de filmes a serem assistidos. Foram horas intermináveis deitada no sofá do quarto, conhecendo personagens e entrando nas histórias a fim de disfarçar a realidade do momento, que estava bastante dolorida. E o filme de ontem à tarde foi uma história baseada em fatos reais.


É claro que eu não me recordo do título, mas a história fala sobre duas meninas adolescentes que o destino infelizmente uniu. Uma delas é linda e talentosa, uma bailarina. Tem uma família amorosa, muitos amigos e um namorado lindo e apaixonado. A segunda menina é desajustada, está acima do peso, não é bonita e sofre de depressão e eplepsia; seus pais acabaram de se separar, e ela ouve uma conversa da mãe com uma amiga na qual ela diz que o pai foi embora porque já não conseguia aguentar a menina.


Um dia, a menina feia olha pela janela e vê sua linda vizinha bailarina dançando para a família. Ela fica fascinada, e passa a elaborar um plano para transformar-se nela. É claro que isso significa que a outra deve morrer. Assim, ela dá asas à sua imaginação invejosa e passa a elaborar um plano macabro para acabar com a outra. Infelizmente, ela é bem sucedida.


O filme termina com a menina bonita sendo sepultada entre as lágrimas da família, e a menina feia indo parar em um manicômio. Dá um nó na garganta saber que o filme foi baseado em fatos reais, em coisas que realmente aconteceram. A inveja e uma coisa perigosa, embora a maioria das pessoas prefira achar que é apenas um sentimento ruim sem maiores consequências.


A inveja é a causadora de todas as tragédias, pois ela está unida a sentimentos como ciúmes, mentiras, competição e possessividade. De todos os males liberados pela caixa de Pandora, com certeza este é o pior de todos.


A inveja está naquele olhar que nos examina enquanto estamos distraídos e derrama-se sobre nossas roupas. Ela especula sobre nossas vidas, quer buscar informações sobre nossas posses, onde moramos, onde trabalhamos, quanto ganhamos. Ela também está nas redes sociais, nas fotos compartilhadas que são observadas compulsivamente por pessoas que dedicam horas a tais atividades. A inveja está na mulher mal-amada que cobiça o marido de outra. 


Em todas as situações conflituosas entre as pessoas, ela estará lá: a Dona Inveja, sentada à cabeceira daquele que espalha tragédias e maledicências, ditando regras e estabelecendo atitudes maldosas. E ela não sossega enquanto não ver destruidos os seus alvos, ou enquanto não for detida através de atitudes de confrontamento e exposição.

Porque o mal cresce e prospera no silêncio. A partir do momento em que alguém acende a luz, expondo a sua feiúra, ele age como os vampiros ao sol:seca e dissolve-se em si mesmo. 

Pena que as meninas bonitas às vezes confiam demais nas meninas feias - e eu não falo aqui de beleza física.







QUANDO OS GURUS PERDEM A CABEÇA

Oi pessoal! Este é meu novo vídeo no canal Espiritualidade na Lata. Nele eu falo (como diz o título) nas situações em que os gurus pe...