quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Um Pouquinho de Feng Shui Não Faz Mal...



Para quem não sabe, Feng Shui é uma arte milenar chinesa de harmonização de ambientes. Existem muitos livros a respeito no mercado, então não vou me estender em explicações, mas aconselho a qualquer pessoa que leia um destes livros.

É claro, como tudo na vida, existem certas crenças que esta filosofia defende nas quais eu não creio, e que acho até exageradas. Cada um julgue por si mesmo. Mas em algumas delas, eu acredito piamente. Por exemplo: na energia emanada pelos ambientes e pelas pessoas que neles transitam, trabalham ou vivem. Na influência que as cores tem sobre a vida das pessoas e na importância da ordem, da limpeza e da organização.

Quem nunca entrou em uma sala ou na casa de alguém, e imediatamente teve um forte sentimento de desconforto, sonolência ou até mesmo náusea ou dores de cabeça? É a energia estagnada no local. Principalmente após alguma briga ou discussão, ou se as pessoas que ali vivem não tem como hábito a harmonia e a sinceridade.

O Feng Shui ensina que as cores e a arrumação dos ambientes tem influência direta na vida das pessoas, e nisso eu acredito piamente. Por exemplo, não gosto de entrar em escritórios cinzentos. Já trabalhei em uma sala cor-de-gelo, sem janelas, onde pilhas de livros empoeirados iam até o teto. Vivia desanimada, sonolenta, e com fortes dores de cabeça. Acho que era a síndrome do edifício doente. 

Se prestarmos atenção, veremos que pessoas que não se cuidam, negligenciando a aparência física e a saúde, e ainda afirmam que "não ligam para esse tipo de bobagem", são desorganizadas, tem a vida tumultuada, e a auto estima geralmente muito baixa, mesmo que tentem disfarçar, fazendo crer que se acham o máximo.




O acúmulo de coisas velhas, gastas e em mau estado, que não se usam mais, pode comprometer seriamente o progresso e até mesmo a saúde de uma pessoa. O universo segue uma ordem, existe um ciclo contínuo de ir e vir, e quando acumulamos coisas, interrompemos este ciclo, e consequentemente, o que deveria vir de bom para nós acaba não vindo. Por falta de espaço.

Tenho como hábito sempre doar alguma roupa toda vez que compro uma nova peça. Também doo livros e utensílios domésticos, toda vez que compro coisas novas. Nunca acumulo coisas que não uso mais. E aquilo que eu doo, eu o faço sem medos ou arrependimentos.

Também acho importantíssimo cultivarmos o hábito de agradecer, sempre, em todas as ocasiões, mesmo pelas coisas mais simples para as quais a maioria das pessoas não dá importância, como dormir em uma cama aquecida, ter água no chuveiro ou um pãozinho e café com leite de manhã. Quem vive reclamando nunca sai do sufoco. 

A vida nos traz aquilo que atraímos pela força do pensamento, e embora pareça um cliché de livro de auto ajuda, esta é a mais pura verdade. Quem duvida, que experimente, mas que o faça de boa vontade e disposto a acreditar. De nada vale dizer que tudo isso é bobagem, como aquelas pessoas que vivem não gostando sem nem ao menos provar.

Acho que o caminho para um mundo melhor começa dentro de nossas casas. Se somos felizes e vivemos em harmonia com nossas famílias, se mantemos nossa casa e nossa calçada limpas, se cuidamos da rua onde moramos e respeitamos o trabalho alheio, enfim, se cuidamos da nossa própria vida da melhor maneira possível, o resultado há de ser bom. quer você acredite ou não em Feng Shui.




O Tempo Venceu o Tempo




O tempo venceu o tempo,
Lá, onde habita o silêncio,
O segredo do não ser
E toda a verdade do ser.
Descansar eternamente,
De um cansaço inexistente,
Pois que o tempo venceu o tempo,
A mente venceu a mente.

E hoje, corres nos campos
Nos caminhos que temias,
E vês que a tua alegria
É real nesses recantos
Onde o tempo vence o tempo,
Eternizando um momento
Que durou toda uma vida,
Mas vida que nunca finda.

Firma o pé no firmamento,
Guarda esse eterno momento,
Fecha os olhos, pega o vento,
Onde o tempo vence o tempo!

Pisa firme, ri bem alto,
Ri da gente, que só chora,
E quem sabe, nos vejamos,
Entre o sempre e o agora?...




MINIMALISTAS






Trança

A trança dos cabelos
Da bela jovem
Desciam pelos seus ombros,
Pesava-lhe o futuro.




Um cão

Um cão cheirava o ar,
Como a entrever presságios
O pelo arrepiava,
Um uivo se preparava...



Sonhos

Matéria esgarçada,
Tão frágil, tão pó,
A dos meus sonhos!...




Confidências

Contei-lhe um segredo,
Soprei-o até seus ouvidos...
Mas o vento, que me ouvia escondido,
Espalhou-o.



quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Trabalhar em Casa









Trabalho em casa há quase nove anos. E nesse tempo, descobri muitas vantagens a esta minha opção:

-Nada de enfrentar as agruras do clima: calor demais, chuva, sol forte, frio intenso - logo de manhã cedo.
-Sem ônibus lotados e engarrafamentos.
-Menor custo com lanches e roupas.
-O prazer de criar o próprio horário de trabalho, e de fazer o trabalho da maneira que considero adequada e mais eficiente, sem precisar dar satisfações a chefes que, muitas vezes, criam expectativas impossíveis e estabelecem metas estressantes.
-Estar em minha própria casa o tempo todo, e aproveitar os intervalos para cuidar dela, ler um bom livro, ficar no jardim, criar novas aulas.

Mas nem tudo são flores... é preciso pensar em várias coisas antes de se tomar a decisão de trabalhar em casa. Quem não gosta de ficar sozinho, jamais deve fazer esta opção! Teremos menos tempo para sair, e portanto, precisamos administrar bem esse pouco tempo em que estamos na rua para que façamos tudo o que for necessário.

Perdemos contato com os colegas de trabalho, pois não fazemos mais parte de um grupo. É preciso empenhar-se bastante, se quisermos manter amizades.

Ficar em casa também provoca uma certa acomodação contra  a qual muitas vezes precisamos lutar... por exemplo, se temos um compromisso marcado e começa a chover, logo pensamos em adiá-lo ou cancelá-lo. Mas temos que lutar contra essa preguicinha. 

Mas quando eu coloco vantagens e desvantagens na balança, as primeiras contam muito mais. Nada como poder administrar o próprio tempo e escolher como desejo trabalhar!

Outro cuidado a ser tomado, é não deixar que o trabalho se misture à rotina da família; estabelecer horários para dedicar-se a ambos devidamente é muito importante! Nada de deixar o maridão de lado... e tomar muito cuidado para não fazer do pijama sua roupa de trabalho! Cuidar da aparência continua sendo importante quando se trabalha em casa.


terça-feira, 29 de outubro de 2013

CANTO A MIM MESMO - WALT WHITMAN



CANTO A MIM MESMO



Estão todas as verdades
À espera em todas as coisas:
Não apressam o próprio nascimento
Nem a ele se opõem;

Não carecem do fórceps do obstetra,
E para mim a menos significante
É grande como todas.
Que pode haver de maior ou menor do que um toque?

Sermões e lógicas jamais convencem;
O peso da noite cala bem mais
Fundo em minha alma.

Só o que se prova a qualquer homem ou mulher,
É o que é;

Só o que ninguém pode negar,
É o que é.

Um minuto e uma gota de mim
Tranquilizam o meu cérebro:

Eu acredito que torrões de barro
Podem vir a ser lâmpadas e amantes;

Que um manual de manuais é a carne
De um homem ou de uma mulher;

E que num ápice ou numa flor
Está o sentimento de um pelo outro,

E hão de ramificar-se ao infinito,
A começar daí­,
Até que essa lição venha a ser de todos,
E um e todos possam nos deleitar

E nós a eles.



Walt Whitman



As Eternidades dos Sonhos I & II






Mais uma interação com Henrique Pitt



As eternidades dos sonhos I
Henrique Pitt


Nós envelhecemos os sonhos

(com o passar dos anos)
(acordados)
(acorrentados)
(em sequencia desencadeados)
(sonolentos)

não (?)





As eternidades dos sonhos II
Ana Bailune


Sonhos jamais despertados,
Apenas sonhados,
Sonhos apertados
Num coração envelhecido
E cansado
Vãos...(?)


Casa em Ritimo de Natal






Mais uma vez, abrimos os olhos e estamos quase em novembro! Hora de começar a pensar no Natal - arrumar a árvore e a casa para recebê-lo - mas principalmente, arrumar o espírito. 

Existe algo diferente com o natal, e fico pasma quando alguém me diz que não aprecia esta data. Bem, eu compreendo que ela nos traz recordações de pessoas que já se foram e de natais nos quais havia mais convidados à mesa... mas a vida é assim, ela tem seus ciclos, suas perdas. Precisamos aceitar os adeuses que ela nos impõe.

Foram-se meus pais, meu sobrinho, meu sogro. Mas nós ainda estamos aqui. No Natal do ano passado, minha mãe estava desacordada em um hospital. Foi um dos meus piores natais. Ela se foi na noite  de ano novo, mas eu ainda estou aqui!

Eu sempre tenho o hábito de, ao montar a árvore, dedicar um enfeite a cada pessoa da família e aos amigos. E mesmo que eles não estejam mais aqui, nada me impede de continuar fazendo a mesma coisa. Posso continuar pedindo que,estejam aonde estiverem, eles estejam bem.

Não quero amargar a vida, não desejo tornar-me uma pessoa triste, taciturna e saudosa. Quero continuar sentindo a magia que há na vida, na natureza, nas datas especiais. Todo mundo deseja estar feliz a maior parte do tempo, e eu não sou exceção.

Portanto, continuarei enfeitando a casa - e agora, os blogs - para receber o natal.



segunda-feira, 28 de outubro de 2013

A Flor e a Guerra



No meio de uma grande guerra,
Havia uma flor murchando.
Em volta, mortes, desterro,
Medo, fogo, gritos, urros.

E lá, bem junto do muro, 
Uma criança sozinha
Olhava a flor que murchava,
E dela se apiedava.

Esqueceu-se de seu medo,
Conseguiu uma vasilha,
Encheu-a de água com sangue,
Levou à flor moribunda...

No meio de toda a guerra,
Sentiu a necessidade
De salvar aquela vida,
E seguiu sua verdade...

Mas veio um duro coturno,
Aproximou-se da flor
E sem nem sequer olhá-la,
Pisoteou-a e se foi...

A criança, num suspiro
De dó, desânimo e dor,
Pegou no chão sua vasilha,
Foi procurar outra flor...



sábado, 26 de outubro de 2013

O TEMPORAL












O Temporal


O temporal levou tudo:

Casas, carros, corpos, mundos...

O temporal só deixou

O que era atemporal.


Casas de Petrópolis

Casa dos Sete Erros, na Rua Ipiranga - aberta à visitação



Adoro caminhar pelas ruas de Petrópolis, especialmente aonde estão construídas as casas antigas... Eu, que sou absolutamente fascinada por casas e suas histórias, fico às vezes parada diante delas, fotografando e tentando imaginar quem viveu ali, o que sentia, qual era a paisagem vista da janela.


Casa de Santos Dumont, "A Encantada"


Algumas casas tem história, como algumas mansões de Petrópolis. Outras, são verdadeiras lendas... nunca me esqueço das histórias contadas pela Tia Rosa sobre os jardins do Museu Imperial; uma delas: um dia, ela caminhava pelo jardim, quando viu um padre caminhando em direção contrária. Como achasse estranhas as suas roupas, ao passar por ele, ela virou-se para trás para olhar melhor. Qual não foi sua surpresa ao constatar que não havia ninguém!


Museu Imperial, antiga residência da família Imperial



Fico triste que algumas das casas estejam abandonadas... tão bonitas! É triste uma casa vazia. Rapidamente, ela se deteriora, mesmo que tenha sido reformada recentemente, As casas também morrem de solidão! Há pouco tempo, reformaram a casa aonde antigamente funcionava a sede da Caixa Econômica Federal, no centro da cidade. Seria um centro de informação turística, mas o projeto desandou, e hoje, a casa encontra-se para alugar. Vazia. Apesar da reforma recente, já se percebe vazamentos pelas paredes.





Adoro também os nossos sobrados, no Centro Histórico... pena que alguns também encontrem-se em péssimo estado.

sobrados em Petrópolis - foto: Rafael Soares

Uma casa exige cuidados e atenção constantes. Precisa ser limpa e arejada. mais do que tudo, uma casa precisa ser habitada! Elas necessitam de vida entre suas paredes, música, vozes, sol entrando pelas janelas, noites de natal enfeitadas, passos no piso. Uma casa precisa ser amada, pois as casas tem almas.

Linda mansão abandonada e em ruínas, próxima à Praça da Liberdade. Costumava ser fantástica!






Sebastião da Gama, Poeta Português









Sebastião Artur Cardoso da Gama (Vila Nogueira de Azeitão, 10 de abril de 1924 — Lisboa, 7 de fevereiro de 1952) foi um poeta e professor português, Sebastião da Gama licenciou-se em Filologia Românica, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, em 1947. Foi professor em Lisboa, na Escola Comercial Veiga Beirão, onde fez o seu Exame de Estado. Colaborou nas revistas Árvore e Távola Redonda. A sua obra encontra-se ligada à Serra da Arrábida, onde vivia e que tomou por motivo poético de primeiro plano (desde logo no seu livro de estreia, Serra-Mãe, de 1945), e à sua tragédia pessoal motivada pela tuberculose. Fundador da Liga para a Proteção da Natureza em 1948. - fonte: Estúdio Raposa.







"Por que não me deixaram sempre agreste e criança? As minhas leituras seriam todas fora dos livros. Havia de olhar para tudo com uma alegria tão grande, com uma virgindade tão grande, que até Deus sorriria, contente de ter feito o mundo..."




Pelo Sonho é que Vamos


Pelo sonho é que vamos,

comovidos e mudos.

Chegamos? Não chegamos?

Haja ou não haja frutos,

pelo sonho é que vamos.

Basta a fé no que temos.

Basta a esperança naquilo

que talvez não teremos.

Basta que a alma demos,

com a mesma alegria,

ao que desconhecemos

e ao que é do dia a dia.

Chegamos? Não chegamos?

- Partimos. Vamos. Somos.



Rouxinol Azul




CANTILENA


Cortaram as asas
ao rouxinol
Rouxinol sem asas
não pode voar.


Quebraram-te o bico,
rouxinol!
Rouxinol sem bico
não pode cantar.


Que ao menos a Noite
ninguém, rouxinol!,
ta queira roubar.
Rouxinol sem Noite
não pode viver.




MADRIGAL


A minha história é simples.
A tua, meu Amor,
é bem mais simples ainda:


"Era uma vez uma flor.
Nasceu à beira de um Poeta..."


Vês como é simples e linda?


(O resto conto depois;
mas tão a sós, tão de manso
que só escutemos os dois).









sexta-feira, 25 de outubro de 2013








É lá que eu te encontro,
Criança de novo,
Joelhos ralados,
O sol no meu rosto,
As mãos meio-sujas,
Bonecas, balanços,
A vida tão fácil,
Sem dor ou desgosto...


É lá que eu te encontro,
Te falo, te ouço,
Recordo momentos
Que há muito se foram,
Mas ficam gravados
Em cada parede,
E o corpo balança
Sem ventos, sem redes...


É lá que eu te encontro,
Caminhos cruzados
Pouco percorridos,
Quase abandonados,
E cada vez mais
Demoras, se chamo
Teu nome de novo...
É a força dos anos!...






quinta-feira, 24 de outubro de 2013

A Superioridade da Nossa Raça




Ainda movida pelos ecos do que aconteceu no Instituto Royal (e que anda acontecendo em muitos lugares por aí sem que a gente saiba), fico me perguntando o motivo de se usarem animais em experiências laboratoriais. O ser humano sempre teve certeza absoluta da superioridade de nossa 'raça' sobre as outras, e sente-se no direito de usar as outras espécies como se elas não sentissem dor, medo, solidão, tristeza, abandono.





Eu sou radicalmente contra as experiências com animais. Se os produtos neles testados são para uso dos humanos, então deveriam ser testados em humanos! Há tantos serial killers e estupradores nas prisões que poderiam muito bem servir para este propósito, já que não serviram para mais nada!




Olhar para um animal e considerá-lo apenas uma 'coisa', na minha opinião, deixa bem claro qual é o nível de evolução espiritual do observador. Os animais merecem mais respeito!




Não acredito que existam métodos humanitários para se fazer estes testes, já que eles fazem com que as cobaias sintam medo, dor, desconforto, fiquem aprisionadas durante todas as suas vidas em cubículos fétidos, sem carinho, sem ver a luz do sol, sem conhecerem a liberdade. Não existe, algo como 'supremacia racial!' Será que um dia as pessoas perceberão isso?




Sou radicalmente contra pássaros em gaiolas, cães acorrentados, animais silvestres sendo utilizados como pets, animais vestidos como seres humanos, que tem seus pelos coloridos de rosa e azul, pois não tem escolha, temporadas de caça, zoológicos, safaris, touradas, circos, animais puxando carroças ou transportando pessoas, enfim, sou contra toda atividade que cause dor, estresse e sofrimento aos animais!


O Jardineiro Sonhador & Outras Crônicas




Já está disponível na amazon.com.br o meu livro de crônicas, "O Jardineiro Sonhador & Outras Crônicas."

São crônicas publicadas em blogs - algumas, há muito tempo retiradas, outras que ainda constam e também crônicas inéditas. Cada uma delas foi escolhida com muito carinho e esmero para fazer parte desta coletânea.

Se você deseja adquirir um, basta acessar o link da Amazon acima, e chegando lá, digitar o título do livro na busca ou então meu nome - Ana Bailune. Tenho certeza que você vai gostar, pois cada história daquelas crônicas foram escritas em momentos muito especiais.

Boa leitura! Obrigada!







quarta-feira, 23 de outubro de 2013

OUTONO





OUTONO

Dos goles que tomo
Da vida
Os melhores
E mais longos
São no outono.

Ah, semi-sono burlesco,
Entre folhas ressecadas
E brotos por nascer!
Tanto a se dizer,
Nada a se antever,
Nem verão!...

O outono
É o sono da vida,
Sono leve, desejado
Depois de um verão cansado...


Exageros

    Assisti a um vídeo na internet no qual uma drag queen montada dava palestras em uma escola para crianças que, aparentemente, t...