MONTANHAS









Montanhas



As montanhas se estendem
Ansiando um infinito
Que não compreendem,
Pois tem sopés presos ao chão
E os pássaros que voam sobre os cumes
Causam uma certa loucura.

Anões, tentamos galgar-lhes as alturas,
Tolos e aflitos,
Tão tolos quanto as montanhas
Que jamais verão o infinito!


Comentários

  1. Sim, tolos, tolos!!
    Que poesia!!!
    Gosto destes momentos
    em que aqui sento
    e encontro destes tesouros.
    Valem ouro!!!
    beijo, minha linda.

    ResponderExcluir
  2. Não somos tão diferentes das montanhas
    Atadas à ilusão do infinito.

    ResponderExcluir
  3. BOM DIA !!!!!!!!!!
    A CRIANÇA QUE EXISTE EM MIM SAÚDA A CRIANÇA QUE EXISTE DENTRO DE VOCÊ...
    FELIZ DIA DAS CRIANÇAS !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Todos padecemos de ilusões, agarramo-nos nelas, indagando furiosamente sobre possibilidades de salvação, de resgate, de céu. Todos almejamos o céu. Ana deixa bem clara essa situação de sonho versus realidade, repulsa e solidariedade, naufrágio e mãos salvadoras. O seu pequeno poema tem conotação com o célebre soneto de Machado de Assis, cuja temática é a imensidão do Sol e a insignificância de um vaga-lume.

    ResponderExcluir
  5. amo as montanhas .......... linnnndo trabalho poético ! olguinha

    ResponderExcluir
  6. Linda imagem. Não é importante chegar ao cume, quando nos sentimos felizes ao contemplar o belo. Bjs.

    ResponderExcluir
  7. As dificuldades são como as montanhas. Elas só se aplainam quando avançamos sobre elas.
    Provérbio japonês
    Linda imagem!
    Grata pela participação no meu espaço.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. E são feitas na medida para minha escalada de todo dia
    Gostei muito
    bjo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos