quarta-feira, 30 de setembro de 2020

PASSADO É PASSADO


 

"O passado, o presente e o futuro, mais não são que um momento aos olhos de Deus, sob cujo o olhar devemos tentar viver. O tempo e o espaço, a sucessão e a extensão não são mais do que condições acidentais do pensamento. A imaginação pode transcedê-las, e passar para uma esfera livre de existências e ideais." - OSCAR WILDE


Nesse meu caminho de vida, aprendi que passado é passado, e que a saudade deve ser um momento brevemente acarinhado. A vida segue sempre para frente, e quando tentamos arrastar conosco tudo o que passou, cultivando memórias tristes de tempos idos ou lamentando pelo que se foi, acabamos com uma forte dor nas costas e perdemos momentos importantes da vida. Sem contar que nos tornamos chatos e amargurados.

Alguém achou bom classificar o momento que estamos vivendo como PRESENTE, e creio que não foi à toa; o presente é uma dádiva, é a única coisa que temos para que possamos construir um futuro melhor e um passado gostoso de lembrar (mas só de vez em quando).

E talvez você pense que esta crônica é cheia de clichés, mas... você conhece algum cliché maior que a própria vida?




segunda-feira, 21 de setembro de 2020

O FURACÃO


Olá, pessoal!


Neste conto narrado, O FURACÃO, conto a história do caminho da descoberta e enfrentamento ao percebermos um relacionamento tóxico. Às vezes as pessoas passam anos em tais relacionamentos, sem coragem de olharem para ele, pois olhar significa enxergá-los e tomar uma atitude.


Eis o link:

https://youtu.be/RjZPDazFrvQ






quinta-feira, 17 de setembro de 2020

FÉRIAS COMPLETAMENTE SEM NOÇÃO

 

Obs: a imagem não tem nada a ver com o texto!



Quando eu era ainda bem pequena, nosso tio David costumava aparecer lá em casa de repente em um final de semana qualquer, totalmente bêbado e cheio de histórias. Meu pai ficava irritadíssimo com aquelas visitas inesperadas (tio David era meio-irmão de minha mãe) e eu confesso que não gostava muito dele, pois detestava o cheiro de cigarro e bebida e a barba espetando meu rosto quando minha mãe me obrigava a cumprimentá-lo com um beijo no rosto. As mães viviam fazendo essas coisas: “Beija a titia! Dá um abraço no priminho!” Era constrangedor... 

Mas tio David era boa pessoa.

Bem, como eu já disse, ele costumava chegar lá em casa totalmente bêbado. Naquela época (final dos anos 70) ele tinha um carro chamado DKW ( a gente pronunciava decavê), um dos modelos de carro mais barulhentos que eu já conheci. A gente sabia que ele estava chegando por causa do barulho do motor. Meu pai estalava os lábios em desaprovação: “Vou me deitar um pouco.” Tio David subia os degraus lá de casa quase tombando para trás, e eu nem sei como ele conseguia chegar lá em cima sem se arrebentar. 

Minhas irmãs o adoravam, pois em uma ocasião na qual precisamos (eu ainda era um bebê e por isso não me lembro), ele nos deixou morar na casa dele durante alguns meses. Imaginem só, marido, mulher e cinco filhos chegando na sua casa de mala e cuia! E minha mãe e minhas irmãs contavam essa história sempre se lembrando do quanto tinham sido bem acolhidas por ele e pela sua mãe, Dona Celestina, uma senhora muito religiosa.

Voltando à história: tio David chegava e ia logo anunciando: “Vamos à praia! Ruth, (minha mãe) pega uns sanduíches! Criançada, peguem as roupas de banho!” Eu pedia: “Posso levar o Fox?” Fox era um cachorro da raça Fox que eu adorava, e que ficou conosco por muitos anos. Meu Tio David dizia: “Pode levar o que você quiser!” E lá íamos nós – minha mãe, minhas três irmãs, Fox e eu, num DKW minúsculo dirigido por uma criatura totalmente insana, em direção à praia de Mauá pegando a Serra Velha, que é perigosíssima e cheia de curvas. Meu pai, é claro, ficava em casa resmungando.

Mesmo nos poucos trechos em que a estrada era reta, nós íamos ziguezagueando até à praia, totalmente alheios ao perigo, parando para vomitar de vez em quando (eu sempre enjoava, e o cachorro também). Chegando lá, nós íamos para a areia e o tio David desaparecia dentro de algum bar o dia todo. Visão do inferno aquele lugar, mas a gente gostava.

Sentada na toalha, eu dividia meu picolé com o cachorro: uma lambida para cada um. Cara, quando me lembro disso, eu realmente acredito que Deus protege as crianças e os bêbados.

Chegava a hora de voltar, e íamos procurar o tio David. Geralmente o encontrávamos deitado em algum canto, roncando, totalmente trêbado. Minha mãe o sacudia, pegava um café forte para ele no bar e então nos subíamos a serra, parando para vomitar de vez em quando...



Observação final: a praia da foto não tem nada a ver com a praia do texto!





terça-feira, 15 de setembro de 2020

O ‘BUTIQUIM’ DO SEU ‘MANEL’

 

 


Na verdade, bar era chamado de boteco, mas a gente dizia ‘butiquim.’ ‘Seu’ Manel, que se chamava Manoel, era um português de meia-idade casado com a Dona Dulce, uma senhora também portuguesa. Me lembro que eles tinham um filho que se chamava Antônio, mas ele não ficava muito por lá.


O butiquim do ‘seu’ Manel ficava próximo à minha casa, mas nem tão pertinho assim, e eu tremia nas bases sempre que ouvia a voz da minha mãe: “Ana! Vai lá no butiquim buscar...” Eu ficava possessa, pois tinha que interromper minhas brincadeiras, descer as escadas de casa, às vezes, debaixo de sol,  ir no tal butiquim, comprar o que ela precisava e fazer todo o caminho de volta... e muitas vezes, encontrava a minha mãe de pé no caminho, uma nota enroladinha na palma da mão: “Esqueci de comprar açúcar. Volta lá.” Ser criança não era mole...


O que era incrível no butiquim do seu Manel eram os doces. Lembram daqueles doces de bar? Paçoca, beijinho de coco, bananika (um doce amarelo com formato de banana e feito de marshmellow do qual só eu me lembro), geleia de copinho comestível, suspiro, sorvete quente, chocolate Behring, chocolate Batom... às vezes, a gente abria as embalagens do chocolate e eles estavam com teias de aranha. Minha mãe mandava: “Vão lá no butiquim trocar essa porcaria. Está estragado!” Eu morria de vergonha... ‘seu’ Manel olhava o chocolate, encolhia os ombros e dizia: “Como assim, está estragado??? Basta retirar a teia e comer!” E era o que eu fazia.


O pior momento da minha vida, era quando minhas irmãs mais velhas menstruavam de repente – tenho a impressão de que elas não faziam a menor ideia sobre o ciclo menstrual delas – e eu tinha que ir até o butiquim do ‘seu’ Manel para comprar absorvente para elas. Eu morria de vergonha. Comprar absorvente era um tabu! Na farmácia, por exemplo, a gente tentava ser atendida por uma balconista mulher. Mas no butiquim do ‘Seu’ Manel não tínhamos muitas opções, a não ser a Dona Dulce... quando o bar estava cheio, eu ficava por ali, fingindo que estava olhando a vitrine de doces. ‘Seu’ Manel logo vinha: “Vai querer um doce?” Eu balançava a cabeça e mentia: “Ainda estou escolhendo...” Eu olhava por cima do balcão esperando ver a Dona Dulce, e quando ela finalmente aparecia, eu erguia as sobrancelhas; era como um código: ela ia lá para dentro e vinha com um embrulhinho quadrado em papel cor-de-rosa – o pacote de absorvente. Não satisfeita, pois teria que andar pela rua carregando aquilo, eu pedia: “Dona Dulce, dá para botar num saquinho?” Ela vinha com um dos saquinhos plásticos que tinha trazido do supermercado e que reutilizava no bar. Às vezes, ela dizia: “Da próxima vez, traz uma bolsa de casa.”


Algumas vezes eu voltava para casa com as mãos abanando, e minha irmã ralhava: “Cadê o Modess???” Eu explicava: “O butiquim estava muito cheio de homens. Não deu para pedir!”


No butiquim do ‘Seu’ Manel tinha uma mesa de sinuca. Os homens ficavam por ali, bebendo cachaça e cerveja, fumando e jogando. Quando eu já era mocinha, eu detestava ir lá, pois alguns deles me comiam com os olhos, e outros chegavam a fazer piadinhas. Naqueles tempos, homem era homem, como minha mãe costumava dizer, e a gente tinha que ficar o mais longe possível deles. Alguns deles gostavam de levar alguns instrumentos para o butiquim – cuíca, tamborim, cavaquinho, – e ficavam tocando e cantando samba. Eu também odiava aquilo. A gente mal conseguia fazer o pedido!


Mas se tem uma coisa da qual eu não me esqueço nunca, é do ‘seu’ Manoel embrulhando o pão: ele deixava uma porção de folhas de papel de pão cortadinhas sobre o balcão em uma pilha. Quando a gente pedia: “Duas bisnagas,” ele pegava o pão com a mão que tinha passado não-sei-onde, e para descolar as folhas de papel de pão umas das outras, dava uma cuspidinha entre o indicador e o polegar. Depois, com aquela folha de dedos cuspidos, embrulhava o pão.


A gente comia chocolate com teia de aranha e doces que ficavam expostos sobre o balcão onde se debruçava todo tipo de gente; a gente comia pão que tinha sido embrulhado na folha de papel cuspida, e refrigerante no gargalo da garrafa que, antes de ir para a geladeira, tinha ficado armazenada em caixotes no fundo do bar, onde passeavam ratos e baratas. Está mofado? Passa a mão que sai! Caiu no chão? Assopra e come! A gente tomava Kisuco cheio de anilina e conservante, todos os dias na hora do almoço, e sobrevivemos àquilo tudo.


 Se o Coronavírus tivesse chegado naqueles tempos, ia encontrar muita resistência entre os frequentadores do butiquim do ‘seu’ Manel, sem sombra de dúvida.






quarta-feira, 9 de setembro de 2020

UM POUCO DE POESIA





Olá, pessoal!


Em meu novo vídeo, no canal O 'X' DA QUESTÃO, eu falo sobre a minha visão da poesia, e também convido vocês a assistirem a um vídeo em outro canal... uma grata surpresa que descobri hoje de manhã, ao colocar meu nome no Google.


Agradeço desde já a quem for me fazer uma visita por lá, deixar um comentário e um 'like'. Ah, não se esqueçam de se inscreverem no canal e ativarem o sininho das notificações!


Eis o link:


 UM POUCO DE POESIA





terça-feira, 8 de setembro de 2020

VOCÊ SONHA?



 É claro que sonha, mesmo que não se lembre. Todo mundo sonha todas as noites. Precisamos dos sonhos por uma porção de razões, tanto neurológicas e psicológicas quanto espirituais. 


Nesse meu novo vídeo, eu falo dos sonhos, sugiro algumas leituras que podem ajudar você a entendê-los melhor, dou dicas de como se lembrar de seus sonhos e também de como aprender a interpretá-los.


Eis o link:


SONHOS TÊM SIGNIFICADOS?


CONVIDO A QUEM DESEJA ASSISTIR, E POR FAVOR PEÇO QUE SE INSCREVAM NO CANAL, DEIXEM SEU LIKE/DISLIKE E COMENTÁRIO E COMPARTILHEM O VÍDEO. OBRIGADA!





quinta-feira, 3 de setembro de 2020

PAZ




 PAZ


Caminho em silêncio pelos corredores,

Olho indiferente para o que antes

Era oferecido - buquês de dores.


Já nem ergo mais minhas sobrancelhas,

Observo, apenas, qual navegante

Que não mais naufraga em praias vermelhas.


Meu mar é azul, meu céu é suave,

Meu não e meu sim são mais oscilantes,

Há mais 'sóis' que 'dós' nessa minha clave.


Carrego comigo aquilo que eu amo,

E o que me faz mal, mantenho distante,

Tentando passar sem causar-me dano.





COMO SE NÃO HOUVESSE AMANHÃ

  Como se não houvesse amanhã, Ele acordou naquele dia se sentindo mais vivo, Abriu a janela e percorreu as curvas das montanhas Com as pont...