quinta-feira, 17 de agosto de 2017

REFLEXÃO








Já muito andei sem enxergar, sem ver,
O que me fez e me desfez, a fome...
"Ana" é o nome que alguém me deu,
Mas eu não sei meu verdadeiro nome.

Caí no mundo sem querer, talvez,
E abri os olhos numa noite insone...
-Fruto do sonho de alguém que me fez,
Ou “Pesadelo” é o meu codinome?

Ando na vida sem qualquer paixão,
Nada me prende, eu vejo a dor passar
Do mesmo jeito que passa a ilusão
Em direção ao inevitável mar.

Acolho as flores e também a lama,
Estendo as mãos ao céu e ao inferno
Ando entre o nada e o sempiterno
Sem pretensões de vislumbrar o Brama.

Passa minha vida, e passa o que eu sou
O que me trouxe é o que vai me matar
Tenho o  que amei e o que odiei também
Entrelaçados em meu DNA.





segunda-feira, 14 de agosto de 2017

COMO MANTER A CALMA???







Eu estou na santa paz do meu lar, tentando meditar a fim de tornar-me uma pessoa melhor, quando o telefone toca. É um daqueles números enormes de localidades que ficam do outro lado do país; já tentei ignorar, mas quando o faço, eles insistem até você ter um ataque de nervos. Tente dar aulas com o telefone berrando dentro de casa. Respiro fundo, e atendo. Dá-se o seguinte diálogo:

Eu, com voz de animal predador que ainda não almoçou:  - Alô.

Ela, com um sotaque característico de alguns operadores de telemarketing – aliás, acho que eles estão criando um novo dialeto que consiste na repetição compulsiva das palavras senhor / senhora e no uso exagerado do gerúndio (não estou dizendo que todos os operadores de telemarketing são assim, mas esta que me liga, é):  -Bom dia / boa tarde, senhora. Gostaria de estar falando com a senhora Alessandra?

Eu, tentando manter a calma: -  Não tem ninguém aqui com esse nome.

Ela, após alguns segundos de silêncio:-  Não, senhora?

Eu: - Não.

Ela: -  Mas ela deixou este número, senhora.

Eu, já começando a perder o controle: - Não tenho nada com isso. Aqui não mora nenhuma Alessandra.

Ela, insistindo veementemente: - Tem certeza, senhora?

Eu, já começando a ter as minhas dúvidas, afinal, quem sabe eu não esteja morando na casa errada, ou meu marido esteja escondendo uma amante no sótão? Tento não pensar nestas possibilidades, ou em Alzheimer precoce, e respondo: - Tenho. Esta casa é minha e aqui não mora nenhuma Alessandra.

Ela: - E a senhora não conhece nenhuma Alessandra?

Eu, admirada com a insistência dela, e já sentindo o rosto ficar vermelho:-  Não.

Ela, perdendo a noção do perigo: - Tem certeza, senhora?

Eu, já quase berrando: - Tenho, tenho certeza sim! A não ser que a Alessandra em questão seja um dos lados da minha personalidade psicótica multifacetada!
Silêncio do outro lado. Ela tapa o bocal, e ouço vozes como se ela conversasse com alguém, até que ela diz: - Não compreendi, senhora. Poderia repetir?

Eu, já começando a ficar trêmula e precisando de água com açúcar: - Não. Esquece. Também não vou soletrar, porque pelo jeito, não vai adiantar muito. 

Mas se quiser, deixe seu endereço e eu mando o desenho: “Aqui não tem nenhuma Alessandra!”

Ela ri, e responde: - Obrigada pela atenção, senhora, e tenha uma boa tarde, senhora. Vou estar ligando de novo amanhã.

Eu: - *&¨%$#@)(*&¨%$!!!!

Você pode estar pensando que eu sou mal-educada. Talvez eu seja. Agora, imagine receber telefonemas assim umas três, quatro vezes durante a semana.





sábado, 12 de agosto de 2017

Eu, Por Mim









Eu não minto a minha idade,
No entanto, pinto o cabelo.
Digo quase sempre a verdade,
E às vezes, me calo - por zelo.
Acho que a rima do poema
Pode ser pobre, porém
Que o poema seja rico
Pois só assim me convém.

Não finjo espiritualidade,
Nem sei no que acredito...
Mas sinto que existe um quesito
Que dá ordem ao universo;
Tento captá-lo em um verso,
Mas ele sempre me escapa!
Acredito, é a própria vida,
Mas a vida também mata.

Lá fora, sou muito calada,
Mas assaz espetaculosa
Se dentro da minha casa.
Aqui, eu rodo a baiana,
Lá fora, eu saio de cena
Se eu sinto que não vale a pena;
Economizo energias
Para gastar com alegria.

Não gosto de perfeição,
Abomino as linhas retas...
Talvez, por essa razão,
Eu tenha nascido poeta.
Minha casa é meio-Frida,
Calo as bocas, e derramo
As cores que eu mesma escolho
Por achar serem bonitas.

Eu sou fã de shopping center,
Adoro o conforto e a beleza.
Amo gastar o que eu ganho
E andar pela cidade...
Mas aqui, perto do mato,
De encontro à natureza
É que me bate a certeza
Que a paz é simplicidade.

Às vezes, penso demais
Não sou muito de falar...
Mas eu adoro escrever
Aquilo que a vida me dita.
Minha letra se transforma
Em tudo que eu quero dizer.
Nem todo mundo aprecia,
Mas não paro de escrever.

Não tenho medo da morte,
Mas não amo envelhecer...
Viver muito não é o mesmo
Que aprender a viver.
Se a minha hora chegar,
Quero ir sem qualquer culpa,
Sabendo que lutei minha luta,
Tentei sempre melhorar.






quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Eu Poderia Sim








Eu poderia sim, te amar,
Me aconchegar na curva calma do teu braço,
Deitar, feliz, minha cabeça em teu regaço,
Ficar aqui, deixar de lado um outro passo.

Eu poderia, sim, te amar,
E me entregar ao doce sopro de um momento,
Deixando ir todos os medos, com o vento,
Deixar fluir todo o encanto do momento.

Eu poderia sim, te amar,
E me esquecer, mais uma vez, das mil promessas
Que eu deixei no travesseiro, ao partir,
E não temer, se o chão ceder e se abrir
Mais uma vez, e como sempre, me tragar.






sexta-feira, 4 de agosto de 2017

MELODIA INTERROMPIDA









A música parou no ar
E o silêncio deu voz ao bater das asas dos pássaros
(Ou seriam as asas dos anjos?)

Uma melodia começou a tocar, bem baixinho,
E uma alma seguiu seu rastro:
“Pérola negra, te amo, te amo...”





Imagine...






Hoje o Spotify me veio com a sugestão de uma playlist: "As Músicas Mais Lindas do mundo." Entre elas - todas muito lindas - de repente começou a tocar "Imagine." Sempre amei esta canção, embora ela hoje ela tenha sido tocada tantas vezes, que alguns a considerem "batida demais."

E John Lennon nos pedia que imaginássemos um mundo ideal, sem religiões, sem fronteiras, com todos vivendo em paz. E ele mesmo morreu vítima da violência de alguém que o admirava (e talvez também o invejasse), talvez para lembrar ao mundo que a perfeição não é daqui. Somos seres tão imperfeitos, que caminhar sobre uma terra de perfeição seria, no mínimo, um absurdo. Ainda temos muito o que caminhar, tropeçar, cair de cara, e mesmo assim, talvez a humanidade nunca chegue lá.

Mesmo assim, eu tento colher no dia a dia tudo o que eu posso para tornar a vida mais bonita. E acho que todo mundo pode fazer isso. 

Mas de que adianta, reclamar dos políticos, do "golpe", da desigualdade social, da corrupção, e continuar agindo de maneira a alimentar tudo isso em volta de nós? O que eu vejo quando olho as postagens no Facebook e nas demais redes sociais, são pessoas que reclamam de tudo, mas não fazem um esforço, por menor que seja, a fim de melhorarem a si próprias. Assim, a canção de John Lennon - que também nunca foi perfeito, basta ler a biografia dele para saber - fica cada vez mais distante da realidade. Acho que foi uma canção marco. Porque ela foi gravada e lançada no exato momento em que as pessoas começaram a perder a humanidade de forma mais acelerada.

Os hippies dos anos 60 falavam de paz & amor, mas se drogavam e jogavam bombas em policiais, matando, sequestrando e roubando, e não professavam aquilo no qual diziam acreditar. Políticos que deveriam zelar pelo bem estar do povo, bem, melhor nem comentar... 

É muita falsidade. Talvez por isso o nome da canção seja "Imagine." Porque no reino da imaginação, tudo é possível, até mesmo a paz mundial e a justiça social entre povos belicosos, interesseiros, egoístas e falsos.




terça-feira, 1 de agosto de 2017

Folhas Secas







Existe uma palavra
Cuja pronúncia faz desabar pontes,
E um sopro de pensamento que a contenha
Fecha todas as janelas,
Tranca todas as portas.

Existe uma palavra morta,
As mãos cruzadas sobre um peito vazio,
Uma palavra que morreu de frio
E fica de cócoras, à beira do caminho,
A assombrar qualquer pessoa
Que tentar chegar.

Existe uma palavra azeda, maldita,
Que vem de um sentimento mortal
Para qualquer relação,
Uma palavra que faz brotar o mofo
Dentro de cada coração.

Não ouso dizê-la – sequer penso nela,
Que esta palavra fique trancada lá fora,
E que jamais chegue a mim
O bafo fétido do seu funesto fôlego,
O trôpego passo do seu andar travado,
Que deixa tudo tristemente abandonado,
E deixa entre os caminhos apenas folhas secas.





Essas Almas







Essas almas que me chegam
Com seus corações quebrados
Que eu pego com cuidado 
Na concha da minha mão...

A tristeza de saber
Que não posso consertá-los!
Então, eu tento assoprá-los
Para que não ardam tanto.

E elas me falam de tudo
Que se chama desencanto,
E eu empresto meus ouvidos,
E às vezes, as palavras;
(-Saem mais aliviadas
Ou será só ilusão?)

Essas almas que me chegam
Derramando em meus espaços
As tristezas represadas,
E o cansaço dessa vida
Que às vezes, é madrasta,
-No final, todas se vão...

Um dia, eu passo por elas,
E nossos olhos se encontram...
Muitas vezes, nem palavras,
Nem sequer um cumprimento;
Entre o vento que separa
Nossas almas já estranhas,
Um silêncio constrangido
Pelo que foi partilhado
Naquele tempo roubado,
Naqueles raros momentos.




segunda-feira, 31 de julho de 2017

DÊ DAQUILO QUE TE SOBRA, E NÃO DAQUILO QUE TE FALTA – Ou A Cultura da Culpa








Às vezes eu me revolto pelas coisas que eu vejo acontecendo no mundo: tantas guerras e mortes, tantas crianças abandonadas... mas noutras, eu penso que as coisas estão exatamente da forma como deveriam estar. O mundo é um reflexo daqueles que vivem nele, e ele reflete – da mesma forma que um espelho – aquilo que a maioria de nós estamos projetando. 

Os países que são devastados pelas guerras são sempre os mesmos, e tem sido assim desde os primórdios da existência humana. Sinceramente sinto muito pelos que lá nasceram e convivem com esse estado de coisas, principalmente, pelas crianças; porém, ao longo de milhares de anos, nada fizeram para tentar mudar tal situação. Permanecem submissos, vitimados, cultivando dentro de si motivos racistas e “religiosos” para que tais conflitos continuem sendo sustentados. E ao serem recebidos em outros países como refugiados, a maioria deles não aceitam a cultura local, mas fecham-se em grupos radicais e protegem terroristas.

Desde muito cedo, somos submetidos à cultura da culpa, que nos é pregada através das religiões (Fora da caridade não há salvação) que pregam que devemos nos sacrificar pelas outras pessoas e fazermos por elas o que elas mesmas deveriam estar fazendo. Devemos doar mais do que podemos, sacrificando-nos da mesma forma que a viúva sacrificou-se no templo ao doar seu único óbolo. Mas ninguém sabe se, ao final daquele dia, a viúva passou fome, ou foi ajudada por alguém.  A política e seus partidos do povo fazem a mesma coisa: devemos tirar dos ricos e doar aos pobres, cuja única obrigação, é receber. Afinal, eles são vítimas da sociedade. 

Você é culpado pela situação deles. Eu sou culpada. Eles, não. 

A mídia também contribui sobremaneira para a cultura da culpa ao mostrar propagandas de ONGS e instituições de caridade, expondo crianças doentes e macilentas na África e dizer que nós devemos adotar uma delas, fazer doações e nos sentirmos culpados. O que a mídia não mostra muito, é que nos países africanos, a AIDS e a fome proliferam não apenas devido a governos corruptos, mas também porque as pessoas se recusam a usar preservativos por motivos “religiosos.” Porém, estes motivos religiosos não as impedem de colocar no mundo centenas de milhares de crianças que passarão fome, sofrerão e morrerão antes de completarem cinco anos de idade, e nem de manter gorilas fêmeas em cativeiro como escravas sexuais. E todo mundo já sabe que a AIDS é uma doença que surgiu através destas práticas. 

Mas a culpa é minha. 

Nós crescemos ouvindo os adultos dizerem que devemos nos sacrificar pelos que estão em volta. Fazer aquilo que nós amaríamos fazer, indo contra a vontade dos pais, é ingratidão. Existem muitas pessoas que se tornam profissionais medíocres, infelizes e insatisfeitos, pois seguem a carreira que os pais ou um dos pais lhes impuseram. E a cultura da culpa vai se expandindo dentro de nós, ao ponto em que, ao nos sentirmos felizes ou realizados, a culpa borre imediatamente a paisagem, fazendo com que a realização de nossos sonhos se transforme em sentimentos de amargura, egoísmo e irresponsabilidade: “Morar em uma casa assim quando tantos não têm onde morar? Comer em restaurante quando tantos não têm o que comer? Vestir roupas caras quando tantos estão nus? Ajudar animais de rua quando há tantas crianças que precisam ser adotadas (como se fosse a mesma coisa)? Passar o tempo livre descansando, viajando ou assistindo TV enquanto alguém na família precisa de nossa ajuda ( porque não soube organizar o seu tempo de forma mais inteligente)? Culpa, culpa, culpa... não é à toa que existem tantas pessoas deprimidas. A culpa corrói por dentro. 

Sem falar nos adultos que jamais amadurecem, não crescem, não souberam cultivar sua independência, sua inteligência emocional, e que continuam pendurados feito apêndices em algum membro da família, achando que é obrigação destes que os ajudem, façam as coisas para eles, paguem suas contas, vivam suas vidas. Porque afinal, quem deixaria de ajudar alguém tão fragilizado? Somente quem não tivesse coração! 

E tais pessoas usam da cultura da culpa a fim de conseguir que as outras mais fortes façam tudo por elas. Elas são os filhos que não pediram para nascer, ou os pais que vivem reclamando porque os filhos não ligam todos os dias. Elas são o amigo (a) que liga no meio da noite porque teve uma discussão com o namorado(a), ou o que vive pedindo dinheiro emprestado e nunca paga. Elas também são as tias que têm um ‘probleminha de saúde’ indefinido e que por isso não podem trabalhar, e as crianças ‘traumatizadas’ porque os pais são separados. Elas são os maridos violentos que logo se arrependem e prometem que não vão fazer aquilo nunca mais, e as mulheres que procuram por ajuda quando são espancadas, mas que viram feras quando alguém tenta colocar o agressor na cadeia. Elas são as pessoas frágeis, e são responsabilidade nossa – pelo menos, foi o que nos ensinaram.

Assim, de repente, vemos as pessoas “fortaleza” adoecendo e morrendo aos poucos de males como depressão, doenças cardíacas, dores na coluna, úlceras estomacais, e outras, todas elas causadas pela cultura da culpa. Uma culpa que a pessoa que adoece não tem realmente, mas que a sociedade ensinou-lhe que é dela. Na verdade, elas sofrem de vampirismo. Têm seu sangue, seu tempo, sua saúde e sua energia sugados pelos membros mais “frágeis.”  Elas adoecem porque ninguém pode viver várias vidas ao mesmo tempo. Já é muito difícil resolver os próprios problemas, quanto mais, os problemas de todo mundo. As dores na coluna e os problemas estomacais são o primeiro sinal. 

Não sou contra ajudar a quem precisa, mas aprendi a duras penas que ajudar não significa, jamais, substituir. Eu doo daquilo que eu possuo, nunca do que me falta; doo daquilo que eu tenho e que sei que não vou precisar. Eu faço doações das roupas que não preciso, do tempo livre que eu acho que posso doar, das palavras que eu acho que serão ouvidas. Também doo às crianças da África, mas não me sinto culpada pela situação delas.  Ajudo animais de rua quando eles cruzam o meu caminho, mas acho que recolher animais em minha casa quando não tenho condições de cuidar deles, não resolverá o problema dos animais abandonados; pelo contrário, só incentivará o abandono, pois as pessoas que recolhem animais passam a vida lidando com os que são abandonados nos portões de suas casas quase todos os dias.

Existem momentos em que todos precisamos de ajuda. Mas esses momentos não podem ser recorrentes, e muito menos, eternos. Não estique mais o seu braço para que bebam do seu sangue até que se fartem. Não faça mais isso para ninguém. Que cada pessoa aprenda a deixar de se vitimizar e seja responsável por seus próprios atos. Pode ser que depois de tomar esta decisão, você passe a ter bastante tempo livre; afinal, muitos se afastarão de você. Mas apenas os que realmente interessam ficarão.






quarta-feira, 26 de julho de 2017

Não Tenho Mais Nada Contigo









Estou escrevendo estas linhas 
Só para deixar bem claro:
Não tenho mais nada contigo.

Teu rosto não faz mais figura,
Loucura sequer suspeitar
Que ainda estás comigo.

Teu nome não me diz mais nada,
O eco nem sequer ressoa
Por entre essas minhas paredes...

Não chegas a ser nem a sede
Que em busca de um odre vazio,
Sucumbiu, morreu de frio...

Não confundas meu olhar
Que passa por ti, sem notar
​​​​​​​A tua presença; me esqueça!

Não tenho mais nada contigo,
Não queiras mais nada comigo,
Vê se desta vez, me entendes.





terça-feira, 25 de julho de 2017

FELIZ DIA DO ESCRITOR





O mundo é um lugar terrível. Passando os olhos pelos jornais e pela internet, fico sabendo de coisas terríveis das quais os humanos são capazes. Infringem sofrimento a animais inocentes, sem motivo algum; estupram e matam crianças. Roubam tanto dinheiro do país, que as pessoas morrem feito moscas nas filas de hospitais, e ficam sem os seus salários. E ainda tem gente que defende essa corja.

O lado mau das pessoas está aflorando mais do que nunca. Somos uma civilização envernizada por cima e podre por baixo. O Mal está solto no mundo, e sobrevoa nossos espaços procurando por uma oportunidade de manifestar-se. E como ele as encontra facilmente, fica e faz morada.

O escritor existe para apontar a caneta na cara dessas pessoas. Ele existe para mostrar ao mundo o que acontece sob os panos, o que está escondido além dos sorrisos e das palavras bonitas, elevando as vozes daqueles que não podem protestar, contando suas histórias.

Porém, o escritor também existe por um outro motivo: para mostrar que nesse mundo fétido e pútrido no qual estamos inseridos, ainda existe beleza. E ainda existe um túnel, e ao final deste túnel, uma luz. Um simples poema pode abrir as janelas de uma alma que se esqueceu de ter esperanças, nem que seja por alguns minutos apenas. E podem crer, alguns minutos de paz, de beleza e de tranquilidade no meio do caos, contam muito.

Vamos tentar melhorar a atmosfera deste planeta. Ao invés de incitar o ódio de uma classe contra a outra, de uma religião contra a outra, de uma raça contra a outra, por que não olhar para quem está ao nosso lado com mais ternura? Ao invés de destilar ódio, inveja, ressentimento e amargura sobre o planeta, por que não respiramos profundamente e tentamos exalar apenas o que há de melhor em cada um de nós?

A todos os escritores e a todos os leitores deste planeta, desejo um mundo melhor. E esse mundo começa na porta das nossas casas.

Ana Bailune




segunda-feira, 24 de julho de 2017

O AMOR









O amor
 É uma reação química
Uma relação anímica
Uma pergunta no ar
Que busca uma resposta
Sem saber se vai achar.

O amor
É um segredo
Escondido além do medo
É uma vontade constante
De conseguir descansar
No colo de um sentimento.

O amor
É ver o novo
Naquilo que já é velho
E assim mesmo, amar.
O amor é um evangelho
Que não tem religião,
Palavra que tem um eco
Dentro do coração.

O amor
É esse brilho
Que escapa do olhar
Como um trem que sai dos trilhos
Por vontade de chegar.

O amor
Não se descreve;
Não se sabe exatamente
Se é pesado ou se é leve.

Mas todo aquele que escreve
Na sua vida, esta palavra,
Colhe o fruto do que lavra,
Colhe a flor do sentimento
À beira de cada momento,
Mesmo que seja de dor.







quarta-feira, 19 de julho de 2017

Mandrágora








Teu Nome – raiz de mandrágora
Perpassando o meu caminho,
Me fazendo tropeçar...

Um dragão adormecido
Em isolada caverna
-Mas que sonha despertar.

Teu nome – um mar caudaloso
Com mil barcos naufragados
Desejando flutuar.

Abismo de solidão
Onde aguardo um sol nascente
Que jamais ressurgirá.







terça-feira, 18 de julho de 2017

CUIDADO!









Trecho do livro "O Perfume da Folha de Chá", de Dinah Jefferies:, no qual a criada Cingalesa adverte sua patroa a tomar cuidado com uma pessoa:

"...Depois que senhora morrer, moça infeliz. Pessoa infeliz fazer coisas ruins. Pessoa com medo também."

Poema inspirado nesta passagem:





CUIDADO!

Cuidado com as lágrimas amargas
De quem sempre chora,
Pois que um dia, elas se juntam,
Num fundo lago, onde te afogas
Na mais inesperada hora.

A dor constante ou intermitente
De um coração sempre quebrado,
É nó de forca em um barbante
Dependurado atrás da porta
E um belo dia, ele te enforca.

Cuidado com a dor causada
Por algum tombo descuidado,
Pois os desejos malogrados
Saem, um dia, pelos olhos,
Em raios quentes e nocivos
Que hão de te deixar queimado...

O que se esconde sob as asas
De todo anjo decaído,
Por trás do seu melhor sorriso,
Não é amor, é mal nocivo,
Dragão que dorme entre as brasas...







quinta-feira, 13 de julho de 2017

Por Que os Passarinhos Cantam?








Procurando por novos planos de fundo para meus blogs, deparei com este, que escolhi especialmente para o “Expressão” – meu blog principal, o primeiro que abri. Às vezes, as pessoas que não compreendem por que as outras precisam escrever, fazem perguntas como? 

-“Mas você precisa mesmo escrever sobre tudo o que acontece?”

-“Não se sente exposta?”

-“Você acha que alguém se importa com suas opiniões?”

-“Você se acha mais inteligente ou mais esperta, acha que tem todas as respostas?”

Respondo as perguntas acima uma  a uma:


-Não, não acho que preciso escrever sobre tudo o que acontece, e em se tratando da minha vida particular, não ponho nos meus blogs nem cinco por cento do que me acontece. Porém, sim, eu preciso escrever.

-Não me sinto exposta. A exposição não me incomoda, já que sou em quem decide o que vou expor ou não.

-Não sei se alguém se importa, mas eu me importo com minhas opiniões, pois elas manifestam o que eu penso, sinto e compreendo. Escrever é um ato de autoconhecimento, e não conheço nada melhor que preencha as minhas necessidades. 

- Não, não me acho mais inteligente e nem mais esperta. Não é para isso que estou aqui. Não tenho por hábito comparar-me com as outras pessoas, e nem avaliar-me segundo seus critérios. 

Mas eu escrevo feito esse passarinho que hoje escolhi para colocar no plano de fundo do meu blog: 

“A Bird doesn’t sing because it has an answer. It sings because it has a song.” Ou seja: “Um pássaro não canta porque ele tem uma resposta. Ele canta porque ele tem uma canção.”

Minha letra é minha canção.

Sei muito bem que nem todas as canções soam bonitas a todos os ouvidos, mas não é por isso que devemos deixar de cantar. Enquanto nossas vozes soarem bonitas aos nossos ouvidos; enquanto as nossas canções partirem de dentro das nossas  almas e elevarem, junto com elas, os nossos sentimentos e os nossos pensamentos, cantemos. 

Vamos achar o nosso céu para voar, e o nosso galho para pousar, e abrindo o peito e a voz, soltemos nosso canto espontaneamente e sem nenhum medo. Vamos contar as nossas histórias, partilhar nossos sonhos, medos, dúvidas, respostas. Falemos de tudo o que nos encanta, comove, indigna, emociona, irrita, enfim, vamos falar do que nos faz crescer. E se alguém estiver à janela nesse momento, e prestar atenção, nosso prazer será ainda maior.





terça-feira, 11 de julho de 2017

TROVAS - INFÂNCIA









Infância - tempo perdido
Um grão na areia do tempo
Um breve sonho trazido
À tona do pensamento.


Uma boneca deixada
De lado, qual esquecida
A lembrança assinalada
Do quanto passa essa vida.


Um riso ficou no ar
Ecoando, por um tempo
Até morrer, devagar
No amadurecimento.


Ser criança não demora
Fase curta dessa vida...
Deixei brinquedos lá fora
Ao seguir minha avenida.






sábado, 8 de julho de 2017

Talvez







Talvez,
O perfume da flor que plantei
Tenha agredido tuas narinas
E o perfume da flor que plantaste
Tenha agredido as minhas,
Mas foram flores,
E foram ânsias
Sem intenções de ferir,
Meros acidentes de percurso
Entre a tua estrada
E a minha.

E na distância estabelecida
Entre nossos caminhos
Após a colisão,
Ficaram pedacinhos do meu
E do teu coração
Brotando no chão,
Fruto que a abstinência não matou,
Mas transformou, pouco a pouco,
Em pura admiração.




quarta-feira, 5 de julho de 2017

Os Blogs Estão Morrendo?






Quando entrei na blogsfera pela primeira vez, em 2012, fiquei surpreendida pela resposta positiva que recebi; em poucas semanas, tinha alcançado, em leituras, muito mais do que no espaço que ocupava anteriormente há mais de três anos. As interações eram ricas; os seguidores foram aparecendo quase que magicamente, e postar era tão fácil, que logo comecei a abrir outros blogs. 

Ultimamente, - há mais ou menos um ano - não tenho tido tanto tempo para ler e comentar outros blogs. Mesmo assim, eu faço isso sempre que posso. Mas fiquei triste, um certo sentimento de nostalgia, quando reparei que muitos dos blogs que sigo e que costumavam ler e comentar minhas postagens, estão inativos. Fico me perguntando: para onde foi tanta gente? Por que deixaram de postar?

Hoje pela manhã, ao reler minhas antigas postagens do meu blog Histórias, deparei com comentários de pessoas com quem eu costumava interagir e que hoje simplesmente sumiram dos meus blogs e de seus próprios blogs. Será que ler e  escrever deixou de valer a pena? 

 Já fui severamente criticada pela extensão dos textos em meu blog de contos. Mas como contar uma história complexa sendo econômica com as palavras? O que vale mais, o que é mais importante: contar a história como acho que ela deve ser ou fazer com que seja rápida, fugaz e superficial, a fim de conseguir mais leituras e comentários - geralmente, de pessoas que nem sequer leram direito?

Alguns me dizem que os tempos mudaram; os tais "textões" não têm mais espaço na internet. Ninguém tem mais paciência ou tempo para absorver tanta informação. Percebo que isso pode ser verdade, já que os blogs que postam apenas mensagens curtas geralmente têm muitos comentários. 

Resta-me continuar escrevendo apenas pelo prazer da coisa em si. É o que farei, enquanto eu sentir que devo escrever. A escrita jamais me trouxe recompensas financeiras, notoriedade ou qualquer coisa assim. Apenas prazer. Momentos de distração, e principalmente, de reflexão. É quando eu ponho a minha casa interior em ordem. Por isso, não admito que me venham ensinar como fazer isso.

Lamento pelos que não sobreviveram a essa nova demanda por escritores de textos fugazes e superficiais. Sou o que sou, e é assim que sempre serei. E se há em mim um pouco de nostalgia, ou de desilusão, a respeito do que está acontecendo nos blogs, ainda há -  perfeitamente imaculado - o prazer de escrever.




segunda-feira, 3 de julho de 2017

PARA ONDE VAI O AMOR DE QUEM DEIXA DE SENTIR AMOR?







Um comentário feito pelo amigo Aluísio Cavalcante ao meu texto anterior, o poema "Um Vaso na Janela" , deixou este questionamento: 

ALUISIO CAVALCANTE JRsábado, 1 de julho de 2017 09:04:00 BRT
"Sabe Ana,
uma das muitas perguntas
que tenho me feito é:
para onde vai o amor
de quem deixa de sentir amor?..."


Lembrei-me de um filme que assisti, "Colcha de Retalhos", no qual a jovem Finn,  personagem de Wynona Rider, cita um autor cujo nome me foge à memória no momento; ela diz: "Quando dois amantes se separam e permanecem amigos, ou eles nunca se amaram ou ainda se amam."

Acho que assim também é com os relacionamentos que terminam mal, onde nem mesmo a amizade sobrevive. 

Sempre achei estranha a maneira como duas pessoas que um dia foram tão apaixonadas ao ponto de desejarem passar suas vidas juntos, pessoas que construíram casas, tiveram filhos ou simplesmente passaram a participar da vida uma da outra, de repente descobrem que não se amam mais... esse "Não se amam mais" nunca fez sentido para mim. Como alguém pode não amar mais? Deve haver um engano. Talvez estejam apenas furiosas ou confusas. Talvez tenha faltado diálogo, cumplicidade, um pouco de paciência.

Ou talvez nunca tenha havido amor. 

E elas passam uma pela outra na rua sem se cumprimentarem ou cumprimentando-se friamente; e dizem coisas terríveis sobre o ex, dedicando um tempo enorme de suas vidas a difamá-los, agredí-los ou a travar cansativas batalhas judiciais pela guarda dos filhos quando na verdade, o que importa não é o melhor para as crianças, mas a vingança. A melhor e mais eficaz maneira de ferir, de vencer a briga, de humilhar mais, é o que importa. 

Quando seria bem mais fácil seguir em frente e respeitar que um dia houve alguma coisa - mesmo que nunca tenha sido amor. 

Eu acho que quando é amor, ele não vai para lugar nenhum após uma separação. Mesmo que o amor, por si só, não seja suficiente para manter um casal unido - e não é - se ele for verdadeiro, ele ficará guardado no coração, em algum compartimento secreto e pouco acessível, escondido, mas sendo respeitado. E aquele relacionamento ficará na memória como um tempo de tristezas e lágrimas, mas também de alegrias e aprendizado. 





sexta-feira, 30 de junho de 2017

O Vaso à Janela









Aquele vaso à janela
Onde mora a flor
De pétalas perfumadas
E cintilantes,
As folhas erguidas ao céu
Como numa prece constante,
Aquela flor sempre igual
Que atrai teus olhos
Ao inclinar-se, feliz,
À brisa dançante...

E tu a regas, diariamente 
Mostrando, contente, a tua flor
A todos os visitantes...
E um dia, de manhã,
Tu olhas na direção
Da janela onde ela fica
E vê que já não é bonita,
Até que, de repente,
Ela já não é...

E perplexo diante de um vaso
Vazio de qualquer beleza
Tu ficas, de olhos surpresos
Pensando na flor que se foi,
Guardando uma pétala caída
Dentro do livro
Da tua vida.

E assim, aprendes a viver
Da memória daquela flor,
Daquele efêmero ser
Que te tornou diletante,
O teu amor que se foi,
A tua flor inconstante...



















quarta-feira, 28 de junho de 2017

Anoitecer Suavemente...





Anoitecer devagarinho,
Suavemente,
Como uma teia de aranha que voa
Pelo ar,
Brilhando sem se notar...

Anoitecer sem pretensões,
À voz do vento,
Ao viajar por entre as cores
Crepusculares...

Anoitecer por toda a vida,
Eternamente,
Trazer por dentro o brilho fosco
Do luar de agosto...





sábado, 24 de junho de 2017

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...









Não, não pude olhar para trás, 
Atravessar aquela rua,
Ir ao pé da tua janela
E me despedir.

Não, eu  não pude hesitar,
Por um momento, pensar
Na tua dor, na tua espera,
Pois eu tinha que ir...

É que às vezes, o adeus pesa,
Não, não pude carregar
Tal palavra tão pesada
Na ponta da minha língua
Ao portal de quem me espera,
À beirada de um olhar
Que por tanto que perdeu,
Já tem tanto a derramar...




Imagem: Petrópolis, friozinho de ontem à noite






quinta-feira, 22 de junho de 2017

MINHA MISSÃO É ESTAR AQUI








Estava lendo  uma entrevista da psicóloga e personal coach americana Laura Ciel, no qual ela fala sobre aquele momento (momento este que todos nós vivemos ou viveremos, quem sabe, algumas vezes na vida) de transição; a hora em que, ao passarmos por dificuldades, olhamos em volta e nos fazemos perguntas como: “Por que estou aqui?” “Estou no caminho certo?” “Qual a minha missão, ou o meu propósito na vida?”

Bem, eu acredito que não existe um propósito na vida, mas vários, e não os encontramos porque sempre pensamos em algo muito grande: queremos ser heróis, ter nossos nomes estampados no Livro da História, descobrirmos a cura para doenças graves, ficarmos famosos. Pensamos em grandes feitos, grandes objetivos, grande reconhecimento por parte das outras pessoas. 

Acho que a minha missão é acordar todos os dias – até que um deles seja o último – e viver o que está diante de mim, na minha frente. Resolver os problemas que se apresentarem da melhor forma possível, procurando sempre aprender um pouco, mudar alguma coisa para melhor, mas sem pretensões absurdas e vaidosas de achar-me perfeita ou pensar ter alcançado um grande patamar espiritual. Ninguém aqui está muito acima ou muito abaixo; estamos todos mais ou menos no mesmo nível. 

Eu penso nas várias vezes em que alguém chegou para mim, inesperadamente, e me agradeceu por uma coisa que eu fiz e depois esqueci de ter feito; algo que para mim, não teve a menor importância (não fiz pensando que estava fazendo algo muito importante), mas para a pessoa, foi muito importante. 

Por exemplo: lembro-me de que ao assistir a missa de sétimo dia de um ex-aluno, que morreu bem jovem, a mãe dele – que eu não conhecia – me agradeceu, dizendo que eu tinha sido muito importante para ele naqueles momentos finais, pois durante as nossas aulas, eu deixava que ele falasse de tudo sem preconceitos, sem querer mentir para ele e dizer “Não, você não está morrendo, ainda vai viver muitos anos!” Eu apenas o escutava e dava a minha opinião quando ele me pedia. Jamais pensei que aquelas conversas fossem tão importantes para ele. 

Também fiquei muito feliz e agradecida nas várias vezes em que perfeitos estranhos me escreveram, dizendo que um dos meus textos os ajudou muito em alguns momentos de necessidade ou de dúvida. A gente faz as coisas e nem imagina de que maneira elas vão tocar os outros. 

Mas voltando a falar de missão, eu acho que todos nós temos várias: a pia cheia de louças para lavar é uma delas; a casa para limpar, ir para o trabalho todos os dias, mesmo estando cansados ou nos sentindo adoentados, desejarmos aquele bom dia à pessoa que está passando por nós e que talvez nunca mais vejamos, cuidar dos bichinhos que são colocados em nossas mãos, olhar as crianças, ensinar, aprender. E talvez a gente nem desconfie, mas temos muitas coisas a ensinar e a aprender. 

Minha missão é regar as plantas para que elas não morram; é trocar, todos os dias, a água dos beija-flores para que eles não fiquem doentes; é cuidar da minha casa e fazer a comida. Dar minhas aulas, ajudar alguém no que for possível.
Minha missão é estar aqui.





sexta-feira, 16 de junho de 2017

Metáfora









Às vezes,
há ainda uma  corrente
Muito fina e cristalina
Que quer correr para o mar,
Ainda há um par de pernas
Que caminham devagar, 
Mas que querem caminhar.

Há uma história em seu final,
Porém, algo a se contar
E também a se escrever;
Uma alma que pressente
Que as palavras são cansadas,
Que os olhos estão baços
Mas ainda querem ver.

Às vezes,
A memória se confunde,
Misturando em seu cadinho
O presente e o passado,
Mas ainda há um futuro,
Um epílogo iminente
Cujo fim está marcado.

Às vezes,
Ainda arde o desejo
De abrir portas e janelas,
E pôr aquele vestido
De saias muito rodadas
E pedir que um vento lúdico
Venha brincar, divertido,

Mas vem a voz do repúdio,
Aquela, que sempre diz “não”
E encerra o interlúdio
Com um só gesto de mão.

Às vezes, 
Ainda há um caminho
Com vontade de pegadas,
Há um pedaço de sonho
Sob as pálpebras fechadas,
Porém, à realidade,
Desfolha-se a rosa murcha
Debaixo dos olhos críticos
Que sentem-se ameaçados.

E um dia, sob a terra,
Ficará aquela história
De alguém que já se foi,
E nem fez muita questão
De incomodar a memória
De deixar uma lembrança
Num canto de coração.






Hai-Kai








Dia amanhece
No hálito, neblina 
Que o sol dissipa.







REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...