witch lady

Free background from VintageMadeForYou

segunda-feira, 31 de janeiro de 2022

DOR

 



Dos teus olhos, lágrimas.

Da tua boca, magma.

Algo a se quebrar

No teu diafragma.


Na palavra, lástima

Devagar, se alastra...

Sobre a pele pálida

Tua dor é vasta.


Cálido querer

Aos poucos, se arrasta

Ganha a rua, e quer

Se banhar de sol.


E no arrebol,

Vida a renascer...

Tecitura fina

(Inda transparente)

De uma nova rima.





quinta-feira, 27 de janeiro de 2022

ALTEREGO

 




A flor também é todo e cada espinho,

O talo longo em direção ao céu,

As folhas verdes e as folhas secas,

O seu perfume de mistério – o véu

Descortinado à beira do caminho.

 

A flor é a praga grudada na planta,

E toda a seiva que a alimenta,

Ela é a raiz que na terra se deita

Lutando contra quem quase a arranca

E não consegue, mas tenta, e tenta.

 

A flor é aquela cuja cor é forte,

Mas poucos notam, à beira da estrada...

Que seca, anônima é pisoteada,

Mas se entrega, sem temor à morte

E à sua sorte, ao ser abandonada.

 

A flor é aquilo que ainda resta,

E ainda pulsa, e ainda sente,

Que parecia ser tão indefesa

Mas que renasce do nada – surpresa!

De uma obscura, ínfima semente.

 

 


 

 

NINGUÉM VIU O TEU SORRISO




 Ninguém viu o teu sorriso

Dentro dos olhos

Quando te olhavam, convencidos

De que o tinham ferido.


Ninguém viu o teu sorriso

Em cada lágrima forjada

Que sobre o teu rosto rolava

Simulando desabrigo.


Ninguém viu o teu sorriso porque

A melhor estratégia

E a melhor vingança,

É ter um sorriso escondido na manga

Para usar na hora certa

Em que se acha vencedor

O teu inimigo.




terça-feira, 4 de janeiro de 2022

Retribuição

 



A todos os habitantes da Blogesfera,

Venho por meio desta agradecer e retribuir os votos de Feliz Natal e Próspero 2022 a todos que aqui vieram para me desejar o mesmo, e também venho desejar a todos, sem exceção, um 2022 de muita saúde, prosperidade e alegrias.

Aproveito e peço desculpas pela minha não participação nos blogs - os meus e os seus, mas ando em um momento da minha vida no qual tenho estado mais aqui fora, na real, trabalhando muito, mesmo durante as férias, e como vocês podem ver pela foto, envelhecendo... a cada 'selfie', me sinto mais parecida com minha mãe e menos com a Ana Bailune que eu estou acostumada a conhecer.

Como sempre, me pergunto qual é o propósito de tudo, e chego à conclusão de que é bem mais divertido não saber a resposta; assim, há mais espaço para a imaginação.

Abraços a todos!






Parceiros

AS LUZES DO MUNDO

  (Crônica baseada em um poema de Lucia Bauer)     Ontem a noite estava cálida. Eu, meu marido e nossos dois cães nos sentamos no jardim, co...