quarta-feira, 23 de dezembro de 2020

NOSFERATU

 






Num voo noturno

Pousou nesse  solo

Um ser abjeto,

Dentes pontiagudos,

De secretos dolos

E pesados coturnos.


Trouxe à tiracolo

Um pesado livro

De pesadelos soturnos,

Que abriu, espalhando

A desgraça: fruto

Do seu próprio crivo.


A ave indigente

De ares sisudos

E olhos de fel,

Não sabe ser gente,

É réu da desgraça,

Senhor da discórdia.


Por onde ele passa,

Espalha, sem dó,

A franca mixórdia;

- Paródia do demo,

Triste criatura,

Que habita o supremo!







sexta-feira, 18 de dezembro de 2020

A DITADURA DA FELICIDADE

 


 

É sempre assim: se eu posto uma foto em minhas redes sociais sem estar sorrindo, alguém sempre pergunta: “Mas por que você está triste?” Ou então comenta: “Sorria!” Então eu percebo que ser feliz – e principalmente, demonstrar felicidade, o que não significa necessariamente ser feliz – tornou-se quase uma ditadura nos dias de hoje. Existe uma competição pelas fotos mais maravilhosas das últimas férias, as roupas mais bonitas, o final de semana mais descolado.

A maioria das pessoas navegam pelas redes sociais e, ao deparar com as imagens fabricadas de vidas perfeitas, começam a pensar que suas vidas são desinteressantes; mas em uma foto, a gente pode colocar o que quiser! Então, basta forçar um sorriso no rosto, criar um cenário bonito, e pronto: você se torna instantaneamente uma pessoa feliz.

Nos canais do YouTube a gente também encontra uma quantidade infinita de vídeos ensinando como ser totalmente feliz e como conquistar todos os objetivos da sua vida através do pensamento positivo. Como se fosse possível conquistar todos os nossos desejos ignorando o fato de que a nossa vontade cruza o tempo todo com as vontades alheias.

Hoje, em uma de minhas aulas, usei um texto que nos ensina a como nos tornarmos miseráveis e infelizes – uma alusão ao que não fazer se você quer ser realmente feliz. O autor do texto, cujo nome desconheço, infelizmente, disserta sobre três coisas; resumindo:

1- Seja o mais voltado para si mesmo que puder: fale sobre si mesmo, pense em si mesmo e viva para si mesmo;

2- Enxergue-se como uma vítima das circunstâncias;

3- Fique o tempo todo ruminando sobre as coisas ruins que aconteceram no passado.

É claro que fazer as coisas acima compulsivamente, tornando-as um hábito, é nocivo para a alma, mas quem não amarra um bode de vez em quando? E o que há de errado em fazer isso quando nos sentimos mal por causa de algo que nos aconteceu? Não podemos controlar tudo, e nem acho que devemos. Acredito que bloquear emoções e posar de pessoa feliz o tempo todo pode ter efeitos catastróficos a longo prazo.

Quando eu estou triste, eu fico triste; quando estou alegre, eu fico alegre – embora a minha alegria não tenha nada a ver com demonstrações efusivas de queima de fogos pela minha satisfação. É uma coisa que tem mais a ver comigo mesma ou com a pessoa ou pessoas envolvidas.

Essa obrigação em ser feliz, em ter pensamento positivo, em ser o mais perfeito possível, em ser um “ser de luz” altamente espiritualizado o tempo todo, é abominavelmente chata. Quem nunca viu guru descer do salto, que atire a primeira pedra.




 

 

 


segunda-feira, 14 de dezembro de 2020

A HORA





Todos sabemos, 
Reconhecemos
Os sussurros de algo que agoniza,
O choro ainda medroso de algo que nasce.

É importante que tudo chegue,
É importante que tudo passe.

Os ouvidos treinados,
Os olhares apurados,
As pontas dos dedos, que tocam de leve
A pele mais fina,
Os ossos antigos,
Sabem.

Mergulhemos as mãos
Na umidade da terra
Dentro de nós,
Sintamos as sementes,
As pedras, os musgos,
As rendas dos cumulus
E os túmulos.




sexta-feira, 11 de dezembro de 2020

AME






Ame tudo como tudo é,
E a ti mesmo como mesmo és.
Ame o Ser de cada criatura,
Veja o rosto na caricatura.
Pise a lama e não encolha os pés.

Ame a chuva quando ela cair,
ame o sol quando ele surgir,
Ame as fases e as estações,
Sem negar qualquer premonição.

Ame aquilo que ninguém mais vê,
A Essência, o Invisível Ser,
Aprendendo a enxergar ao ver,
Ame aquilo que tu sabes ser.

Ame aquilo que o silêncio traz,
Ame a noite ou o nascer do dia,
Sem ter medo de amar demais,
Ame até o que não compreendes,
Plante amor e colha poesia.




segunda-feira, 7 de dezembro de 2020

INFELICIDADE




Tem gente que tenta te pisar,

E a cada tentativa,

Deixa bem clara a sua

Infeliz

Cidade.


As sobrancelhas erguidas,

Arqueadas em descaso,

Deixam entrever a amargura

De um coração raso

Que só bate 

Por interesse próprio.


Na solidão do próprio opróbrio

Em sua cidade pobre

E (des) encantada,

Essa gente amargurada

Desfia um rosário

Interminável

De impropérios

Contra todo aquele

Que só cuida da sua vida,

E que se recusa

A rezar pela sua bíblia.


Talvez a pequenez

Das suas pupilas

Vejam as pessoas sempre menores,

Sempre pequenas,

Fazendo com que elas sejam dadas 

À cenas e tentativas

De humilhação,

E nessas passadas longas e descompassadas,

Essas gentes atrasadas

Acabam pisando

No próprio coração.


Pobre gente infeliz,

Que só enxerga, nas cores,

Uma única matiz,

Que só se sente mais forte

Tentando pisotear,

E que alegremente, dançam

Com suas pernas curtas

Sem nunca poder derrubar

Aquilo que jamais alcançam!





sexta-feira, 20 de novembro de 2020

UM MERGULHO PROFUNDO




Ver o que a gente escreveu em um livro é como olhar em um espelho. Já escrevi outros livros, nove no total, que estão disponíveis na amazon.com.br - alguns apenas em formato digital e outros também em formato paperback. Durante a quarentena tive tempo de rever alguns deles, que já estão na amazon há algum tempo em formato digital, e colocá-los em paperback. "Vai Ficar Tudo Bem" é um desses livros:



Porém, o mais recente, UM MERGULHO PROFUNDO, está bem além das minhas expectativas. Sem prefácio, já que a vida da gente também acontece assim, naturalmente, o livro ficou realmente lindo! São crônicas e poemas espalhados aleatoriamente pelas páginas - todas elas sem numeração - e o leitor pode começar a leitura da mesma forma: abrindo o livro ao acaso e lendo o poema ou crônica que surgir. Desta forma, achei que a leitura ficaria mais dirigida às necessidades do leitor no momento em que abrisse o livro, estabelecendo uma conexão mágica com o seu momento.



A contracapa também está bem simples, e escrevi apenas o que eu achei que seria necessário para que o objetivo do livro fosse descrito. Por dentro, há uma introdução de apenas seis linhas, foto da autora e... vamos logo ao livro!


Eu fiz tudo sozinha: escrevi, revisei, editei, escolhi a foto da capa e o layout. É um trabalho quase artesanal, que resultou em um livro bastante simples e despretensioso, sem luxos, e pode ser que eu tenha deixado passar algum errinho inadvertidamente, mas a vida é assim, não é? É um livro sem firulas ou floreios, direto ao ponto como tudo o que eu faço. O conteúdo é o melhor que já produzi até hoje.

As crônicas e poemas são realmente os mais bonitos e introspectivos.


Fico feliz que existam sites como os da Amazon e também outros, que permitem ao autor disponibilizar seus escritos sem qualquer custo para si, possibilitando que toda uma vida e obra passem a ter um significado especial para ele e também para os leitores que o admirem. Meu objetivo não é o lucro. O formato digital sai a um custo bem baixo - apenas $24,00 reais. Já o livro físico, que a Amazon ainda não tem como produzir no Brasil (mas já há rumores de que eles planejam construir uma gráfica por aqui a partir do próximo ano, quem sabe) sai por um precinho mais salgado: se você optar, na hora da compra, por "2 novo a partir de", o livro fica em $73,00. É assim que o livro aparece na Amazon, quando você digita ANA BAILUNE na busca:


Aquele preço de $174,00 é um delírio da Amazon, não cliquem nele. Cliquem em "2 novo a partir de 73,17". Ou então escolham baixar a versão digital, que custa só $24,00, para ter o livro na hora em seu computador, celular, leitor digital ou tablet.
Se você estiver inscrito no KDP, que é uma espécie de clube do livro da Amazon, você poderá ler de graça.

Ainda estou aqui, lendo e relendo, lambendo a cria... tenho certeza de que está lindo.









terça-feira, 17 de novembro de 2020

MORRI SEM MORRER






Morri sem morrer ao carregar tal peso,

Ao silenciar meu grito,

Ao pisar sem sapatos

Para não incomodar.


Morri sem morrer ao negar minha sede,

Ao fechar em meu peito

O rosto mais terrível,

O ardiloso olhar.


Morri sem morrer ao molhar minha fronha

Ao aguar pesadelos

Taciturnos, obscuros,

Ao negar, negar, negar...


Morri sem morrer; -Haverá ressurreição

Para minha triste alma

Cujo corpo insepulto

Se arrasta pelo chão?


Morri sem morrer - continuo morrendo,

Ao raiar dos meus dias

Ao entardecer soturno

Da palavra-cadeado

Que fechou meu coração...



(Poema baseado em um dos capítulos do livro MULHERES QUE CORREM COM OS LOBOS)





segunda-feira, 16 de novembro de 2020

A VIDA É A ROTINA, A ROTINA É A VIDA



 Você gosta da sua rotina? Se não, por que você se sente dessa forma? Talvez o problema não esteja na rotina em si, mas na forma pouco criativa com que você a vive.


Sem criatividade, até mesmo os melhores momentos podem se tornar chatos.


É disso que eu falo no meu novo vídeo, e convido você a assistir e deixar um comentário.


Eis o link:


A ROTINA É A VIDA, E A VIDA É A ROTINA


Desde já, agradeço a quem sair um pouquinho da sua rotina e for até o meu canal para assistir ao vídeo!





segunda-feira, 9 de novembro de 2020

PASSAR


 

Passar, como se fosse nuvem,

Levada pelas mãos do vento,

Tão leve, tão sem molduras,

Sem bordas ou pensamentos.


Passar, chover, fertilizar,

Evaporar e renascer

Pelo mesmo céu, viajar,

Sem nada querer - só passar...





quinta-feira, 5 de novembro de 2020

SE VOCÊ EXISTISSE

 




Se você existisse, 

Eu te diria para tomar cuidado,

E jamais atravessar a rua

Sem olhar para os dois lados.

Te aconselharia a cuidar de si, ter um corpo bonito,

Pintar as unhas e tratar os cabelos,

A amar a si mesma acima de qualquer crítica

Mas prestando atenção ao que for dito.


Se você existisse, 

Eu tentaria te mostrar todos os dias

Que o mundo nem sempre é bonito,

Que nem todo mundo é bom,

E que devemos todos, sem exceção, 

Evitar as ruas escuras, os lugares suspeitos,

As pessoas vis, os olhos famintos que querem nos comer,

E as saias demasiadamente curtas

Para não despertar no outro,

O monstro que ele tenta adormecer.


Se você existisse, eu tentaria te ensinar a ser

Livre, com responsabilidade,

Esperta, mas sem maldade,

Forte, sem brutalidade,

Feminina, e não feminazi. 


Se você existisse, eu te diria

Para pensar com sua própria cabeça,

Que ser sexy não é ser vulgar,

Mas está no jeito de respirar, de ser e de olhar,

E quase nunca depende da roupa.

Uma menina precisa determinar, com segurança,

Na vida, seu verdadeiro lugar

Mas sem tomar o lugar de outra. 


Se você existisse,

Eu sei que seria bem difícil

Convencê-la disso tudo nesse mundo de artifícios,

Onde são mais valorizadas

As pessoas afetadas,

O sorriso de plástico, o olhar de lado,

O escândalo, o corpo demasiadamente malhado,

E as ideias engolidas sem água e sem cuidado

Que deixam o cérebro cada vez mais 

Atrofiado.










quinta-feira, 22 de outubro de 2020

O LUTO DOS SABIÁS







Meu cachorrinho matou um filhote de sabiá polca. Eu estava ouvindo música, concentrada em outra coisa, e quando me dei conta dos gritos dos pais, já era tarde: peguei-o ainda vivo em minhas mãos e coloquei-o de volta no ninho, que fica em uma das árvores em meu jardim. O ninho foi estranhamente construído em um local bem próximo à linha dos olhos.  Achei que eu tinha salvado o pássaro, porém, minutos mais tarde, quando fui verificar se ele estava bem, encontrei-o morto. Havia uma perfuração enorme sob a asa que eu não tinha visto.
Acho que aquele tinha sido seu primeiro voo. Infelizmente, também o último.

Meu marido e eu o salvamos muitas vezes, ainda no ninho, de ataques de tucanos, gambás e pica-paus, mas acho que ele estava destinado a não viver. Nós escutávamos os gritos desesperados dos pais e corríamos lá para fora, para espantar os invasores. Confesso que criei um vínculo com os pais; acostumei-me a acordar com seus pios alegres, todos os dias. Eu me sentava no banquinho da varanda e ficava olhando os pais levando comidinhas para ele no ninho.  Eles se alimentavam das frutas que eu coloco no comedouro e tomavam banho e bebiam água na minha fonte.

Ao ver o filhotinho morto, achei que os pais, que procuravam por ele gritando desesperados, deveriam saber o que havia acontecido com o bebê deles. E foi aí que eu tive a maior surpresa de todas: passarinhos têm luto.

Coloquei o corpinho em um galho de árvore, e logo a mãe veio com comida no bico para dar a ele, mas ao perceber que estava morto, ela engoliu a comida, demorou-se um pouco rodeando o corpo e voou para um galho de árvore alto junto com o pai. Os dois ficaram ali ainda durante algum tempo. Não mais piavam desesperadamente, mas entoavam um canto que eu tenho certeza que era de luto. Nunca tinha escutado um sabiá cantar daquela maneira, tão suave e sentida.

O casal ainda pousou no meu muro coberto de hera; os dois ficaram lá, me olhando. Pareciam querer se despedir de mim. Eu pedi desculpas a eles em voz alta (se algum vizinho me escutou, deve estar pensando que eu enlouqueci) por não ter conseguido salvar o filhotinho dessa vez. Assim que eu terminei o meu discurso, os dois voaram para longe, e um silêncio de morte baixou no meu jardim.

Bem, não se pode vencer sempre... sei que meu cachorro não fez de maldade, ele só queria brincar com o pássaro, tanto que quando gritei “Mootley, não!” ele imediatamente largou o passarinho. Porém, acabou por matá-lo. Se eu tivesse chegado pelo menos um minuto antes, talvez tivesse conseguido salvá-lo.

O episódio me fez pensar mais uma vez nos milhares de passarinhos que são mortos todos os dias por incêndios, caçadores ilegais e pessoas egoístas que os contrabandeiam. Penso também nos milhares que, neste exato momento, estão presos em gaiolas minúsculas, pulando de um poleiro ao outro, porque é a única coisa que podem fazer, apenas para satisfazer o egoísmo de alguns seres humanos e servir de fonte de renda para outros. Alguns ficam supostamente “soltos,” mas com correntes nas patinhas, como acontece com os criminosos.

Só pude devolver o corpo do pássaro à natureza, desejando boa sorte aos pais da próxima vez, e desejando também boa sorte aos demais pássaros e animais selvagens ou silvestres, vítimas da maldade humana.

Mas a vida continua sempre. Enquanto eu termino esta crônica, escuto os pássaros voltando ao meu jardim. No próximo ano, os sabiás farão outro ninho e terão outros filhotes, pois é assim que tem que ser. Penso que também nós devemos sempre olhar para aquilo e aqueles que perdemos com ternura, nos despedirmos e continuarmos vivendo, cantando sempre que for possível sobre as coisas vivas e as coisas mortas das nossas vidas.





domingo, 18 de outubro de 2020

ENTREGA





O teu coração, sem perguntas,

A beber tranquilamente

À beira das minhas águas.

 

O teu coração sem segredos,

Tuas mágoas afogadas

Degredadas no meu peito.

 

O teu coração relaxado,

Sem por que e sem passado,

Descansando em minha mão.

 

O teu coração satisfeito,

Derramando lindos sonhos

Por sobre o meu travesseiro.

 

O teu coração sem receios,

Sem temer o inesperado

De poder ser machucado.

 

O teu coração, confiando,

Desembrulhando o presente

-Só amando, amando, amando.




quinta-feira, 1 de outubro de 2020

"EU QUERO TUDO E EU QUERO AGORA!"






Bom dia a todos.

Neste novo vídeo, eu converso sobre aquela mania de querer tudo para ontem, não ter paciência para esperar a hora das coisas. Confesso alguns 'pecaditos' e faço algumas reflexões bem "mea culpa."

Agradeço a quem quiser dar uma passadinha pelo meu cana, O "X" DAQUESTÃO", e assistir ao vídeo! Por favor, deixem um 'like' e um comentário pra mim, e não se esqueçam de se inscreverem no canal!

Eis o link:





quarta-feira, 30 de setembro de 2020

PASSADO É PASSADO


 

"O passado, o presente e o futuro, mais não são que um momento aos olhos de Deus, sob cujo o olhar devemos tentar viver. O tempo e o espaço, a sucessão e a extensão não são mais do que condições acidentais do pensamento. A imaginação pode transcedê-las, e passar para uma esfera livre de existências e ideais." - OSCAR WILDE


Nesse meu caminho de vida, aprendi que passado é passado, e que a saudade deve ser um momento brevemente acarinhado. A vida segue sempre para frente, e quando tentamos arrastar conosco tudo o que passou, cultivando memórias tristes de tempos idos ou lamentando pelo que se foi, acabamos com uma forte dor nas costas e perdemos momentos importantes da vida. Sem contar que nos tornamos chatos e amargurados.

Alguém achou bom classificar o momento que estamos vivendo como PRESENTE, e creio que não foi à toa; o presente é uma dádiva, é a única coisa que temos para que possamos construir um futuro melhor e um passado gostoso de lembrar (mas só de vez em quando).

E talvez você pense que esta crônica é cheia de clichés, mas... você conhece algum cliché maior que a própria vida?




quinta-feira, 17 de setembro de 2020

FÉRIAS COMPLETAMENTE SEM NOÇÃO

 

Obs: a imagem não tem nada a ver com o texto!



Quando eu era ainda bem pequena, nosso tio David costumava aparecer lá em casa de repente em um final de semana qualquer, totalmente bêbado e cheio de histórias. Meu pai ficava irritadíssimo com aquelas visitas inesperadas (tio David era meio-irmão de minha mãe) e eu confesso que não gostava muito dele, pois detestava o cheiro de cigarro e bebida e a barba espetando meu rosto quando minha mãe me obrigava a cumprimentá-lo com um beijo no rosto. As mães viviam fazendo essas coisas: “Beija a titia! Dá um abraço no priminho!” Era constrangedor... 

Mas tio David era boa pessoa.

Bem, como eu já disse, ele costumava chegar lá em casa totalmente bêbado. Naquela época (final dos anos 70) ele tinha um carro chamado DKW ( a gente pronunciava decavê), um dos modelos de carro mais barulhentos que eu já conheci. A gente sabia que ele estava chegando por causa do barulho do motor. Meu pai estalava os lábios em desaprovação: “Vou me deitar um pouco.” Tio David subia os degraus lá de casa quase tombando para trás, e eu nem sei como ele conseguia chegar lá em cima sem se arrebentar. 

Minhas irmãs o adoravam, pois em uma ocasião na qual precisamos (eu ainda era um bebê e por isso não me lembro), ele nos deixou morar na casa dele durante alguns meses. Imaginem só, marido, mulher e cinco filhos chegando na sua casa de mala e cuia! E minha mãe e minhas irmãs contavam essa história sempre se lembrando do quanto tinham sido bem acolhidas por ele e pela sua mãe, Dona Celestina, uma senhora muito religiosa.

Voltando à história: tio David chegava e ia logo anunciando: “Vamos à praia! Ruth, (minha mãe) pega uns sanduíches! Criançada, peguem as roupas de banho!” Eu pedia: “Posso levar o Fox?” Fox era um cachorro da raça Fox que eu adorava, e que ficou conosco por muitos anos. Meu Tio David dizia: “Pode levar o que você quiser!” E lá íamos nós – minha mãe, minhas três irmãs, Fox e eu, num DKW minúsculo dirigido por uma criatura totalmente insana, em direção à praia de Mauá pegando a Serra Velha, que é perigosíssima e cheia de curvas. Meu pai, é claro, ficava em casa resmungando.

Mesmo nos poucos trechos em que a estrada era reta, nós íamos ziguezagueando até à praia, totalmente alheios ao perigo, parando para vomitar de vez em quando (eu sempre enjoava, e o cachorro também). Chegando lá, nós íamos para a areia e o tio David desaparecia dentro de algum bar o dia todo. Visão do inferno aquele lugar, mas a gente gostava.

Sentada na toalha, eu dividia meu picolé com o cachorro: uma lambida para cada um. Cara, quando me lembro disso, eu realmente acredito que Deus protege as crianças e os bêbados.

Chegava a hora de voltar, e íamos procurar o tio David. Geralmente o encontrávamos deitado em algum canto, roncando, totalmente trêbado. Minha mãe o sacudia, pegava um café forte para ele no bar e então nos subíamos a serra, parando para vomitar de vez em quando...



Observação final: a praia da foto não tem nada a ver com a praia do texto!





terça-feira, 15 de setembro de 2020

O ‘BUTIQUIM’ DO SEU ‘MANEL’

 

 


Na verdade, bar era chamado de boteco, mas a gente dizia ‘butiquim.’ ‘Seu’ Manel, que se chamava Manoel, era um português de meia-idade casado com a Dona Dulce, uma senhora também portuguesa. Me lembro que eles tinham um filho que se chamava Antônio, mas ele não ficava muito por lá.


O butiquim do ‘seu’ Manel ficava próximo à minha casa, mas nem tão pertinho assim, e eu tremia nas bases sempre que ouvia a voz da minha mãe: “Ana! Vai lá no butiquim buscar...” Eu ficava possessa, pois tinha que interromper minhas brincadeiras, descer as escadas de casa, às vezes, debaixo de sol,  ir no tal butiquim, comprar o que ela precisava e fazer todo o caminho de volta... e muitas vezes, encontrava a minha mãe de pé no caminho, uma nota enroladinha na palma da mão: “Esqueci de comprar açúcar. Volta lá.” Ser criança não era mole...


O que era incrível no butiquim do seu Manel eram os doces. Lembram daqueles doces de bar? Paçoca, beijinho de coco, bananika (um doce amarelo com formato de banana e feito de marshmellow do qual só eu me lembro), geleia de copinho comestível, suspiro, sorvete quente, chocolate Behring, chocolate Batom... às vezes, a gente abria as embalagens do chocolate e eles estavam com teias de aranha. Minha mãe mandava: “Vão lá no butiquim trocar essa porcaria. Está estragado!” Eu morria de vergonha... ‘seu’ Manel olhava o chocolate, encolhia os ombros e dizia: “Como assim, está estragado??? Basta retirar a teia e comer!” E era o que eu fazia.


O pior momento da minha vida, era quando minhas irmãs mais velhas menstruavam de repente – tenho a impressão de que elas não faziam a menor ideia sobre o ciclo menstrual delas – e eu tinha que ir até o butiquim do ‘seu’ Manel para comprar absorvente para elas. Eu morria de vergonha. Comprar absorvente era um tabu! Na farmácia, por exemplo, a gente tentava ser atendida por uma balconista mulher. Mas no butiquim do ‘Seu’ Manel não tínhamos muitas opções, a não ser a Dona Dulce... quando o bar estava cheio, eu ficava por ali, fingindo que estava olhando a vitrine de doces. ‘Seu’ Manel logo vinha: “Vai querer um doce?” Eu balançava a cabeça e mentia: “Ainda estou escolhendo...” Eu olhava por cima do balcão esperando ver a Dona Dulce, e quando ela finalmente aparecia, eu erguia as sobrancelhas; era como um código: ela ia lá para dentro e vinha com um embrulhinho quadrado em papel cor-de-rosa – o pacote de absorvente. Não satisfeita, pois teria que andar pela rua carregando aquilo, eu pedia: “Dona Dulce, dá para botar num saquinho?” Ela vinha com um dos saquinhos plásticos que tinha trazido do supermercado e que reutilizava no bar. Às vezes, ela dizia: “Da próxima vez, traz uma bolsa de casa.”


Algumas vezes eu voltava para casa com as mãos abanando, e minha irmã ralhava: “Cadê o Modess???” Eu explicava: “O butiquim estava muito cheio de homens. Não deu para pedir!”


No butiquim do ‘Seu’ Manel tinha uma mesa de sinuca. Os homens ficavam por ali, bebendo cachaça e cerveja, fumando e jogando. Quando eu já era mocinha, eu detestava ir lá, pois alguns deles me comiam com os olhos, e outros chegavam a fazer piadinhas. Naqueles tempos, homem era homem, como minha mãe costumava dizer, e a gente tinha que ficar o mais longe possível deles. Alguns deles gostavam de levar alguns instrumentos para o butiquim – cuíca, tamborim, cavaquinho, – e ficavam tocando e cantando samba. Eu também odiava aquilo. A gente mal conseguia fazer o pedido!


Mas se tem uma coisa da qual eu não me esqueço nunca, é do ‘seu’ Manoel embrulhando o pão: ele deixava uma porção de folhas de papel de pão cortadinhas sobre o balcão em uma pilha. Quando a gente pedia: “Duas bisnagas,” ele pegava o pão com a mão que tinha passado não-sei-onde, e para descolar as folhas de papel de pão umas das outras, dava uma cuspidinha entre o indicador e o polegar. Depois, com aquela folha de dedos cuspidos, embrulhava o pão.


A gente comia chocolate com teia de aranha e doces que ficavam expostos sobre o balcão onde se debruçava todo tipo de gente; a gente comia pão que tinha sido embrulhado na folha de papel cuspida, e refrigerante no gargalo da garrafa que, antes de ir para a geladeira, tinha ficado armazenada em caixotes no fundo do bar, onde passeavam ratos e baratas. Está mofado? Passa a mão que sai! Caiu no chão? Assopra e come! A gente tomava Kisuco cheio de anilina e conservante, todos os dias na hora do almoço, e sobrevivemos àquilo tudo.


 Se o Coronavírus tivesse chegado naqueles tempos, ia encontrar muita resistência entre os frequentadores do butiquim do ‘seu’ Manel, sem sombra de dúvida.






quinta-feira, 3 de setembro de 2020

PAZ




 PAZ


Caminho em silêncio pelos corredores,

Olho indiferente para o que antes

Era oferecido - buquês de dores.


Já nem ergo mais minhas sobrancelhas,

Observo, apenas, qual navegante

Que não mais naufraga em praias vermelhas.


Meu mar é azul, meu céu é suave,

Meu não e meu sim são mais oscilantes,

Há mais 'sóis' que 'dós' nessa minha clave.


Carrego comigo aquilo que eu amo,

E o que me faz mal, mantenho distante,

Tentando passar sem causar-me dano.





sexta-feira, 28 de agosto de 2020

PALAVRAS QUE ESCORREGAM

 



 

AS PALAVRAS DERRETEM NA SALIVA

SUFOCADAS, NÃO EXPRESSAS.

TORNAM-SE PORTAS FECHADAS

NUM PEITO ALUCINADO.

AS PALAVRAS QUE FALAM DO PASSADO.

 

AS PALAVRAS ESCORREM DAS NUVENS

CAEM DAS ASAS DOS PÁSSAROS

E CHEGAM ÀS ROSEIRAS,

SE ENTRELAÇAM NOS ESPINHOS,

SANGRAM SOBRE A TERRA.

AS PALAVRAS QUE FALAM DAS GUERRAS.

 

AS PALAVRAS ESCORREM DAS MONTANHAS

BROTAM DO ORVALHO E PINGAM

DA CUMEEIRA DO TELHADO

QUAIS LÁGRIMAS DE DOR.

AS PALAVRAS QUE FALAM DE AMOR.

 

AS PALAVRAS NÃO SABEM O QUE DIZEM,

ROLAM SOB O ESPELHO

DE UM RIO CONGELADO,

CAEM EM UMA CORREDEIRA SEM FIM.

AS PALAVRAS QUE FALAM DE MIM.





 

quinta-feira, 27 de agosto de 2020

QUANDO VOCÊ FOI EMBORA




Quando você foi embora,

Eu fiquei ali, parada, 

A boca entreaberta,

Incapaz de dizer o que você esperava,

E não era “Adeus.”

Quem sabe, quisesse de mim uma palavra

De aceitação, consolo ou perdão?

Alguma coisa que te livrasse da culpa

De me impor a tua ausência – solidão?

Você virou as costas e partiu,

Mas não sem antes

Parar no alpendre, olhar para trás

E quem sabe, pensasse também

Nos anos vividos juntos

Que não teríamos mais?

Achou que eu fosse pedir que ficasse,

Queria que eu chorasse?...

Quando você foi embora,

Compreendi que agora eu estaria sozinha,

Que a vida era minha, afinal,

Que as horas seriam muito mais longas,

As noites, mais frias,

E que eu aprenderia a ter que conviver

Com a sucessão de dias e dias

Sem os ruídos dos teus passos, 

Sem a chave na fechadura,

-Ah, funesta urdidura do destino!

Foi-se embora um menino aventureiro,

Mas que se esqueceu de olhar-se no espelho

E reconhecer o homem feito,

Não viu que as novas roupas não caiam bem,

Que o novo corte de cabelo era inadequado,

Pegou pela mão a moça ao lado

E foram-se ambos viver uma história 

Que seria breve, estranha e inglória.

Quando você foi embora,

Querendo que eu te pedisse para ficar,

Hesitando com as malas no chão, `a porta,

Pensando que eu estaria morta,

Achando, quem sabe, que fosse preciso

Que eu te fizesse um discurso, clamando por siso,

Você sequer olhou direito

E enxergou, lá no canto,

O meu sorriso...





quinta-feira, 20 de agosto de 2020

Flor





Flor, sacode tuas pétalas

Espanta essa dor

De viver murchando

Quando o dia está lindo,

E sobre tua corola,

Os pássaros seguem, cantando.

Flor, as tuas raízes

Precisam ser fortes,

Retire do solo e do ar

O teu viço,

Não dependa jamais

De nenhum jardineiro

Omisso.

Flor, não espere que o tempo

Congele teu momento!

Mais cedo ou mais tarde,

Ele age em tuas cores,

Desbota teu viço,

Descola tuas pétalas

E solta-as ao vento.

Flor, aprenda melhor

Sobre o teu perfume,

Não o deixe ir assim, de repente,

A qualquer lugar, a qualquer vertente,

Aprenda a usá-lo com cuidado,

Verdadeiramente!

Flor, aprenda a ser gente,

Não espere que alguém a colha,

Porque todos os vasos

São rasos, são prisões

De água insalubre

Onde  apodrecem, mais cedo,

Tuas pétalas e folhas!




PARA QUEM AMA FALAR SOBRE CASAS


 Olá, pessoal!


Hoje eu venho compartilhar o link de meu novo vídeo no meu canal O 'X' DA QUESTÃO." É sobre um livro que adquiri há algum tempo e até fiz uma postagem no blogger sobre ele: Casa Natural, de Carlos Solano.

Para quem gosta de sentar-se na rede calmamente, com um livro lindo nas mãos - lindo no conteúdo e na estética -  e tirar uma tarde de muita calma, paz de espírito e aprendizado. Eis o link:


https://youtu.be/7_jxDZVlC6k





terça-feira, 18 de agosto de 2020

SOBRE A ESCRITA - ESCREVER E COMUNICAR

 


Escrever e comunicar
 
Quando comecei a escrever, as palavras se entornavam de dentro de mim sem que eu pudesse contê-las. Havia uma enorme necessidade de colocar para fora tudo aquilo que eu mantivera escondido durante a maior parte da minha vida, o que nem sempre soava bonito. Eu pensava que aquilo era escrever: colocar no papel o que eu estava sentindo.

Também era importante a reação das pessoas a respeito do que eu lia - se eram contra ou a favor, o que pensavam.

Hoje, acho que é bem mais do que isso; após o jorro sentimental catártico (muitas vezes inadequado e desinteressante para quem não o estava vivenciando), as palavras deixaram de jorrar espontaneamente. Minha escrita tem se tornado cada vez menos fluente, porém, antes de chegar à página, ela passa pelo crivo de períodos mais ou menos longos de total silêncio. Cheguei a pensar que estava deixando de escrever, mas na verdade, minha escrita estava apenas amadurecendo. 

Hoje eu meço melhor aquilo que é ou não interessante colocar no papel, tanto para mim quanto para quem lê. A urgência em ser lida e comentada não é mais um dos meus objetivos quando escrevo. O único objetivo é comunicar o que sinto e penso – não apenas despejar sentimentos.






domingo, 16 de agosto de 2020

O QUE PENSAM DE NÓS?


 





Ontem assisti a um filme no qual um rapaz visitou algumas pessoas, e antes de sair, deu um jeito de colocar o celular gravando, escondido sob as almofadas do sofá, a fim de ouvir as conversas depois que ele saísse da casa. Na rua, usando uma escuta conectada ao aparelho, ele ouviu quais as verdadeiras impressões das pessoas sobre ele, e constatou que elas o achavam simplório, insignificante e risível. Ele as ouviu falarem sobre seu perfume barato, darem risadas sobre a maneira como ele segurava o garfo e oferecerem à empregada da casa um pote de geleia com o qual ele as tinha presenteado. Lágrimas rolaram de seus olhos durante a humilhação.

 

Isso me fez pensar: e se nós pudéssemos saber o que as outras pessoas realmente pensam de nós? Bem, mesmo sem ter esse poder, confesso que minha intuição me ajuda muito nessa parte; costumo acertar quanto a quem gosta ou não gosta de mim, e consigo sentir no ar insinuações ou trocas de olhares significativos entre as pessoas presentes. Também sinto de longe o cheiro da tentativa de manipulação e do elogio falso.  Mas sempre fica uma dúvida: será que a minha intuição está certa?


Bem, se tivéssemos certeza absoluta a respeito do que pensam de nós de verdade, não existiriam amizades. As pessoas viveriam isoladas, aquarteladas em suas casas, com ódio ou ressentimento umas das outras. E talvez constatássemos que a grande maioria das pessoas que nos criticam, na verdade, gostariam de ser como nós ou ter algum talento que nós temos.

Diante desse pensamento, concluo que Deus realmente sabe o que faz; melhor não saber ou continuar fingindo não saber o que pensam de nós!





Parceiros

EU

  Eu tenho passado por mim Inúmeras vezes Ultimamente. Estanco meu passo de repente Fitando a minha imagem que passa, E ela segue ...