terça-feira, 21 de janeiro de 2020

CASAS ABANDONADAS








CASAS ABANDONADAS

Existem no YouTube vários canais que mostram casas abandonadas no Brasil e no mundo. Antes de assisti-los eu não fazia ideia da quantidade imensa de casas que estão nessa situação aqui no Brasil, principalmente no sul. Eu me pergunto o porquê de tal coisa acontecer. 

A grande maioria dessas casas foram abandonadas como se, de repente, a família inteira tivesse desaparecido e deixado tudo para trás: móveis, roupas, utensílios, os pratos na pia, sapatos, livros, retratos. Ainda há quadros nas paredes e colchas sobre as camas. As fotos espalhadas pelo chão e os armários e gavetas escancarados cujos objetos que ali eram guardados estão por todos os lados, mostrando que as casas foram invadidas, tiveram sua privacidade devastada por furacões de curiosos procurando por coisas de valor para roubar. 

Muitas vezes, ninguém sabe quem foram os donos daquelas casas. Ontem assisti a filmagem do interior de uma mansão ainda em construção, enorme, com pilares e escadarias de mármore e mais de dez quartos. De repente, a pessoa que a construía achou que seria melhor abandoná-la, e assim o fez. 
Quem serão essas pessoas que deixam para trás toda a sua história de vida? Estarão mortas? E se morreram, por que os seus herdeiros não tomaram posse de sua herança? 




Olhando aquelas casas sofridas e mal-amadas, penso sobre a transitoriedade de todas as coisas: famílias, relacionamentos, momentos felizes e tristes. A vida em si. Construímos coisas que não poderemos levar conosco. Sonhamos e trabalhamos para construir uma vida o mais confortável e  segura possível, mas... qual é o nosso medo? Por que temos essa necessidade tão grande de acumular coisas, como se elas nos trouxessem segurança em um mundo onde qualquer coisa pode acontecer a qualquer momento a qualquer um de nós?

Somos criaturas estranhas. Sei de pessoas que não viajam porque têm medo de deixar suas casas e serem roubadas. E sei de pessoas que lutam durante anos para comprar uma casa da qual não cuidam e a qual não amam. 

Eu fico sempre um pouco melancólica quando vejo uma casa abandonada, pois ali estão histórias de vidas que foram abandonadas. 

Quando eu penso na minha própria casa, eu penso nela com amor e gratidão – lutamos para conquistá-la e deixá-la do jeitinho que ela está hoje, e ela vive sofrendo pequenas mutações junto conosco enquanto escrevemos nas paredes e pisos as nossas histórias de vida. Sei que um dia iremos deixá-la. Quero aproveitá-la o máximo que eu puder, e quando despedir-me dela, será com a mesma gratidão e a certeza de momentos bem vividos. Não deixarei louças sujas na pia, nem minhas coisas espalhadas pelo chão. Tomarei cuidado para que todos os papéis e documentos referentes a ela sejam adequadamente encaminhados a quem de direito. Deixarei minha casa vazia e limpa para que outras pessoas possam construir suas vidas dentro dela. Não abandonarei aquela que me acolheu, me guardou e me abrigou.

Isso não é apego. É amor, respeito e gratidão.




sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

Comidas Magrinhas




Gosto de cozinhar, mas não gosto de ficar muito tempo na cozinha. Principalmente, porque eu não tenho muito tempo! Por isso mesmo, costumo ter umas receitas cujo preparo é rápido no gatilho e muito fácil.

Tenho sempre o hábito de aprender algumas receitas e depois fazer algumas modificações no preparo, dando toques pessoais. Tais adaptações se devem à minha rotina (algumas diminuem o tempo de preparo) e também à facilidade ou dificuldade com que eu consigo encontrar os ingredientes da receita. Se não consigo, eu os substituo. Às vezes dá certo, outras, não, mas quando dá certo, eu as incorporo ao meu cardápio mais magrinho. Assim, quando sinto que preciso fazer uma dieta, recorro às minhas receitinhas re-adaptadas!

Hoje gostaria de partilhar algumas aqui, que eu testei com minhas adaptações e deram certo. Algumas quantidades eu deixarei ao gosto de quem prepara. 




1- Ratatouille - Ingredientes
> fatias cruas de berinjela, tomates e abobrinha;
>pedacinhos de muçarela cortados menores do que as fatias de legumes utilizadas;
> molho de tomate;
> cheiro verde
> sal à gosto
>queijo ralado
> pimentão
> se desejar, cebola ralada, alho, pimenta ou outro tempero de sua preferência. Eu não gosto muito de cebola, então pulo essa parte, mas se estou preparando só para mim, dou uma apimentada - amo pimenta!

Preparo: unte uma forma com azeite e deite as fatias de berinjela, salpicando um pouco de sal. Mas ponha pouquinho sal, pois a muçarela já tem um sabor salgado. Se quiser, pode colocar seus temperinhos pessoais.
Por cima das fatias de berinjela, coloque as fatias de abobrinha e em seguida, mais sal, e as fatias de pimentão. Salpique a salsa bem picadinha. Coloque agora os pedacinhos de muçarela, um sobre cada pilha de fatias, e finalize com as fatias de tomate. 

Prepare o molho de tomate  - pode ser pronto ou feito em casa - e jogue por cima, mas sem cobrir totalmente. Espalhe o queijo ralado à gosto e leve ao forno até o queijo derreter e o molho começar a borbulhar. Gosto dos legumes ainda crocantes. Eu costumo considerá-lo como prato único.




2-Arroz com brócoli 

Lave bem as folhas e as flores do brócoli. Passe as folhas no liquidificador com água suficiente para o cozimento da quantidade de arroz que você for preparar. É importante que elas não fiquem totalmente trituradas, portanto passe-as no liquidificador por poucos segundos. Reserve as flores do brócoli.
 Frite o arroz  crú no azeite com os temperos de sua preferência. Jogue a água com o brócoli por cima e deixe cozinhar. Quando o arroz estiver quase cozido, junte as flores. 

O arroz fica verdinho, rico em fibras e muito mais saboroso e nutritivo.





3- Salada verde com frutas

Quando a gente pensa em salada, o que vem à mente? Alface, tomate, rúcula... mas a gente pode também acrescentar frutas picadas, e fica ótimo! Costumo colocar manga, abacaxi, uvas sem caroço, morangos, maçãs e cerejas. As maçãs devem ficar um pouco de molho em suco de limão para não ficarem escuras. Para temperar, adoro fazer aquele tradicional molho à campanha que se usa em churrasco: azeite, vinagre, pimentões e tomates bem picadinhos e cheiro verde. Também finalizo com queijo ralado, croutons ou batata palha (em quantidades pequenas, só para dar uma "crocância"). 



4- Bolo Salgado de abobrinha

Ingredientes:

> 1 abobrinha grande e crua picada em cubos beeeeem pequenos;
> sal à gosto
> outros temperos à gosto;
> 4 colheres de sopa de trigo com fermento, 1 copo de leite, uma colher de sopa de manteiga  e dois ovos grandes para a massa 
> Muito queijo ralado grosso ( eu pelo menos, adoro!)


Preparo:

Passe o trigo, o leite, os dois ovos e a manteiga no liquidificador. Despeje a abobrinha picada com os temperinhos sobre uma forma untada e depois, por cima de tudo, coloque a massa (ela fica bastante aguada, mas é assim mesmo). Cubra com queijo ralado.
Leve ao forno quente até que você perceba que o queijo derreteu e começou a ficar um pouco marronzinho. Ou vá testando com um garfo até ele sair limpo da massa.

Você pode usar a imaginação e fazer bolo salgado de tudo o que sobra em casa: presunto, legumes, frango desfiado, etc... eu prefiro a abobrinha porque tem pouquíssimas calorias. 

Sempre que sinto que estou mais gordinha, uso estas receitas como pratos únicos por duas semanas e aumento o consumo de água. 




domingo, 12 de janeiro de 2020

Tem Chovido Tanto...










As águas caem desesperadamente de um céu calado.
Coração inundado,
Eu me pergunto:
Por que chove tanto?
Passei por tantas páginas neste recanto,
De gente que choveu para outros cantos...

Tem chovido tanto!
E as nuvens tão pesadas formam rostos brandos
Como fotografias que vejo passando,
De letras e de linhas que alguém teceu.

Tanta gente chegou,
Tanta gente se foi,
Tanta gente morreu!

(Talvez alguém me explique essa melancolia,
E o porquê dessa repentina
Inexplicável
Elegia).





segunda-feira, 6 de janeiro de 2020

O Tapa do Papa




Há alguns meses publiquei no Youtube um vídeo sobre quando os gurus perdem a cabeça. Quem estiver interessado em assistir, basta acessar meu canal por lá, o Espiritualidade na Lata, ou procurar o link aqui entre os meus textos.

Quando assisti ao momento em que o Papa retribuiu com um tapa o entusiasmo de uma de suas fiéis admiradoras, confesso que fiquei chocada, mas logo eu me lembrei do meu vídeo e de outros gurus que também perderam a cabeça em outras ocasiões - dos quais falo em meu vídeo. Fiquei com pena da mulher, pois tenho certeza  que ela planejou aquela viagem durante meses, guardando dinheiro, comprando a passagem, esperando as férias chegarem, etc. Não sei dos motivos pelo qual ela agiu como agiu, agarrando o Papa pelo braço. Desespero, talvez?

Ao sentir-se tolhido em seus movimentos, sem nem olhar para ela direito,o pontífice puxou o braço com força, e desferindo um tapa na mão da mulher, nem tentou esconder o semblante enfurecido.


Uma cena estranha.

Sei que às vezes não medimos nossas reações à ações inesperadas, mas mesmo assim, acho que o Papa deveria estar preparado para lidar com o público com mais paciência, equilíbrio e consideração. Para acrescentar insulto à injúria, logo em seguida ele ainda falou contra a violência às mulheres. Uma ironia?

Na verdade, a maioria das pessoas anda sem paciência: para ler, para escrever, para esperar, para dialogar e interagir com as outras pessoas. Se alguma coisa nos incomoda, partimos logo para a ignorância. É como se o relógio da vida tivesse acelerado de repente, fazendo com que todo mundo quisesse tudo, e quisesse agora!

A árvore incomoda? Manda cortar! O texto é "longo demais? "Ah, não vou ler!" ! A opinião do outro incomoda? "Vou xingá-lo!" O ônibus está demorando? "Vou reclamar do motorista!" E todo mundo anda agindo sem pensar, sem refletir, baseados naquilo que faria com que suas insatisfações momentâneas fossem resolvidas de uma vez - mesmo que isso prejudique alguém. 

Falta tempo para pensar antes de agir. Mas sobra tempo para dedicar a coisas que não trazem nenhum retorno ou crescimento. Tempo esse que é jogado fora no exercício da superficialidade.





COMO SE NÃO HOUVESSE AMANHÃ

  Como se não houvesse amanhã, Ele acordou naquele dia se sentindo mais vivo, Abriu a janela e percorreu as curvas das montanhas Com as pont...