quarta-feira, 23 de junho de 2021

AQUI, EU DESOBEDEÇO


 


Aqui é onde eu cresço,

Envelheço,

E descaradamente,

Desobedeço.

Aqui eu (des)arrumo

A minha (des)decoração.

Aqui, eu resolvo as pendengas

Do meu próprio coração.






terça-feira, 15 de junho de 2021

Oh, a fé...



Oh, a fé 

Pequenina,

Essa palavrinha breve e inocente,

Quase piegas, quase luz de vela

A quase se apagar

À menor brisa,

Mas oh, a fé,

Ela resiste, ela se move, 

Ela se estica

Por sobre o medo, ela protege

O que nos resta

De vida.


Oh, a fé,

Essa incerteza

Na qual quase ninguém

Acredita,

Mas ela agita, ela salva,

Ela é o olhar mais uma vez

Antes de ir,

De se fechar,

De desistir...


Oh, a fé,

Esse telhado que nos guarda,

A sementinha

Que Deus plantou

Dentro da gente,

E Ele pediu, 

Encarecidamente

Que a protegêssemos

Da tempestade,

E do sol

Inclemente.


Oh, a fé,

Tudo o que resta

Quando na vida

Nada mais resta,

E a gente empresta 

Um leve sorriso

De teimosia,

Uma elegia à esperança

Que só alcança

Quem tem fé,

Quem confia.






segunda-feira, 14 de junho de 2021

MIRANTE





Ela olha as cores mortas

Nas flores do seu vestido,

Prende os cabelos molhados

Para que seus dois ouvidos

Possam ouvir as palavras

Que um deus cansado tem dito.


Lá fora, um mundo distante

Que há muito ficou para trás.

Sua alma diletante

De tanto viver, não quis mais...

Passou o tempo; o passado

É só um presente embrulhado.


Ela olha, indiferente,

Sem tentar querer saber

Para onde foi tanta gente

Que antes, estava ali...

Um dia, quem sabe ela

Também há de sucumbir.


Seu olhar é tão sereno,

Seu coração só flutua

Em um lago de veneno

Onde ela não se situa.

Batidas atordoadas


Que o silêncio acentua.






terça-feira, 1 de junho de 2021

DRA YAMAGUCHI

 



O que eu assisti hoje na CPI (Circo Patético e Irrelevante) da Covid, me chocou mais do que qualquer coisa que eu já vi nas abordagens agressivas da esquerda. Um senador machista, arrogante, agressivo e lacrador tentando destruir e humilhar uma pessoa com um currículo invejável e mais de quarenta anos de experiência na área médica. Tudo isso através de perguntas irrelevantes que, ele deixou bem claro, pesquisou no Google a fim de atingir seu propósito. Ele próprio sugeriu a ela: "Não sabe a resposta? Pesquise no Google." Porque com certeza, foi exatamente o que ele fez.


Muitas daquelas perguntas não poderiam ter sido respondidas por noventa por cento dos médicos que atuam no país. Não se lembrar de datas e  nomes não quer dizer que você é incompetente, mas que apenas não se lembra de datas e nomes que não tem importância. 


Eu sinceramente espero que ela o processe. 


Nessa CPI indigente, quando os inquiridos não respondem exatamente aquilo que esperavam ouvir deles, são humilhados e ridicularizados, e ninguém mais escuta uma palavra sequer que eles disserem. Fazem perguntas que eles mesmos respondem, repetem incansavelmente perguntas que já foram respondidas várias vezes (não sei se o problema é cognitivo ou se é surdez pura e simples) e zombam das pessoas de forma absurdamente desrespeitosa.


Jamais pensei que fosse viver para ver uma palhaçada dessas acontecendo no meu país. Enquanto isso, ignoram completamente o verdadeiro motivo pelo qual essa CPI deveria ter sido criada: averiguar para onde foram os BILHÕES liberados pelo Governo Federal e entregues a prefeitos e governadores para o combate à COVID. As perguntas relevantes continuam sendo ignoradas: cadê o dinheiro? Cadê os hospitais de campanha? Quem escondeu respiradores enquanto pessoas sufocavam até à morte, e por que?


Acho que não vou mais assistir a essa droga. Tira minha saúde, acaba com meu bom humor, me deixa com raiva. Isso não me faz bem, é podridão demais.

A RUA DESERTA

 







Dos lábios de Deus, partiu um sopro

E as ruas ficaram desertas.

De repente, nada havia 

Que explicasse a dor silenciosa

Que se espalhava pelas ruas

E das casas, que se esvaziavam.

Nas sacadas, as pessoas cantavam.


E após o toque de recolher,

As mãos juntaram-se em preces,

Clamava pela vida

Quem não soubera viver.

Mesmo assim, das sacadas

As luzes dos celulares piscavam.


A rua deserta se estendia

Sobre as dores das almas, que temiam

Porque não sabiam como ascender,

Porque, durante toda a vida,

Só tinham mesmo aprendido

A ter medo de morrer.


E toda fé, que já era pouca,

Passou a ser testada,

E todo o amor, que já era raro,

Tornou-se quase nada,

Pois as pessoas só pensavam

Naquilo em que elas mesmas

Eram afetadas.

E das sacadas, as pessoas oravam.


Clamavam a Deus: “O que será de nossa raça,

Como será o futuro,

Quando tudo isso acabará?”

E Deus, estendendo as mãos,

Lançou um sorriso triste

Perguntando: “Querem mesmo a verdade?

Quem tem coragem?”

E das sacadas, as pessoas se calaram.










COMO SE NÃO HOUVESSE AMANHÃ

  Como se não houvesse amanhã, Ele acordou naquele dia se sentindo mais vivo, Abriu a janela e percorreu as curvas das montanhas Com as pont...