segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Confissão












Menti.
E menti o tempo todo.
Não há beleza na morte,
Ou consolo na tristeza,
E nem glamour na saudade.

Nem sequer sei se existe
Um outro lado; se tudo é por acaso
Ou se eu inventei uma verdade...
Mas quem sabe, eu tenha sorte?

Não é bonito ser triste,
E a dor não ensina nada,
A não ser que dói, e pronto.
A dor sequer é poética.

Uma flor é só uma flor,
Um pássaro não diz nada,
Apenas canta sua rotina
De ser passaro, e voar.

Nem todas as manhãs são belas,
Nem sempre a chuva traz vida,
E não há aprendizado
Que se tire de uma despedida.

Me perdoem - sou poeta.









terça-feira, 20 de setembro de 2016

Dói









Dói, partir  assim de si mesmo,
Deixar para trás a própria alma,
A essência da própria vida
E mergulhar no grande rio
Das coisas perdidas.

Dói dizer adeus sem dizer adeus,
Sem ter a chance de olhar, mais uma vez,
Nos olhos que nos reconhecem
E que enaltecem a nossa lida...

Ah, a dor de partir assim,
Sozinho, sem levar nada
Que nos ajude a seguir por esse reino da solidão
Onde não é permitido olhar para trás!

E lá no fundo daquele rio,
Após um despedir-se desabrido
Os olhos tentam achar uma razão
Para tanto amor, tanta paixão
Tão brutalmente interrompidos...




domingo, 18 de setembro de 2016

Mistérios do Google!!!








Tento acessar a página principal do meu próprio blog, e o antivírus me bloqueia: 'site malicioso.' 

Vou até a página principal do Google, e tento através de um dos links, e a mesma coisa acontece. Às vezes, recebo a mensagem de que o site foi retirado do ar. 

Ainda consigo publicar e acessar outros blogs, mas não posso ver as minhas páginas principais. 

Se você estiver lendo este texto, peço-lhe o favor de deixar um comentário, dizendo se está tendo problemas; os comentários vão para minha caixa de e-mails, e poderei tentar ver o que está acontecendo.

Provavelmente, deve ser a ação de gente ruim e maldosa, tentando me bloquear da internet, pois recebi uma mensagem anônima (cuja identidade, endereço e CPF já consegui identificar) um tanto agressiva e maldosa. Caso eu não consiga ver minhas páginas principais até amanhã, com certeza vou saber que isto tem a ver com o e-mail que recebi. Eis a cópia abaixo, comentário recebido em minha página no Recanto das letras:


12/09/2016 11:07 - Alice [não autenticado*]
ridicula, velhaca, fascista ridicula. você é ridicula. e ainda sai por aí inventando falacias mais ridiculas ainda. macaquinha amestrada é você que sai por ai vomitando suas babas verdes gosmentas.

sábado, 17 de setembro de 2016

2+2











Sai o gato, entra o rato:
Dois mais dois são sempre quatro!
Volta o gato, e logo pega
A ratazana no ato!

Vai roendo a sobremesa,
Pedacinhos do meu queijo...
De repente – a surpresa!
Vê o gato sobre a mesa!

Corre, esconde-se do fato:
Dois mais dois são sempre quatro!
Armadilha colocada:
Cai o rato, de lavada!

‘Inda pede piedade:
-Dom Gatão, ai que maldade!
Tenta uma escapada torta:
Dá de cara com a porta!

Fez o gato de sapato,
E a gora, Inês é morta!
Temendo pagar o pato,
Entra no buraco o rato!

Dois mais dois são sempre quatro,
E o gato está de olho:
Deixa o queijo, e vá roendo
Teu fedorento repolho!




segunda-feira, 12 de setembro de 2016

AQUELA PAISAGEM









Há sempre um momento onde a verdade grita,
E a  bela paisagem de sempre
Não se mostra mais tão bonita.

Fica, nos olhos, uma dúvida,
Fica, nos lábios cerrados de surpresa,
Uma palavra recolhida e santa,
Uma espécie de mantra
Que alguém nunca cantou.

Dói tanto, rezar pelo que se perdeu,
Mais ainda, descobrir
Que nunca foi verdade, nunca foi seu!

E o trem passa depressa, borrando a paisagem,
As horas se espalham naquele parapeito,
Chorando lá fora, contra o vidro fechado,
Perdidas nas dobras desse estranho leito...






domingo, 11 de setembro de 2016

UMA OU DUAS BOLAS - E UNS PEDAÇOS DE QUEIJO






Ontem, após o almoço. 

Na sorveteria estava escrito: “Uma bola, 7,00; duas bolas, 10,00.” Eu e meu marido compramos nossos sorvetes e nos sentamos em uma das mesinhas. Ficamos ali, tomando nossos sorvetes e aproveitando a tarde, enquanto observávamos outros clientes que entravam e saiam. 

Entram duas jovens, muito bonitinhas e arrumadas. A primeira delas diz: “Posso experimentar? É que não conheço os sabores, é a minha primeira vez aqui.” Solícita, a atendente serve a elas (a ambas) provinhas de quase todos os sabores disponíveis na loja. Finalmente, a primeira menina vira-se para a segunda e pergunta: “Vai querer qual?” E ela responde: “Nutela.” E a jovem número um, olhando a atendende, decide: “Um sorvete de duas bolas. Uma de nutela e outra de pistache.” A menina número dois indaga: “Mas... e o meu?” No que a outra exclama: “Então! Eu pedi duas bolas, uma para mim e outra para você!” Eu e meu marido nos entreolhamos, divertidos. A menina número dois reclama: “Mas como assim? Como vem as bolas?” E a menina número um: “Uma em cima da outra, acho.”

E as duas entram numa discussão sobre qual sabor viria por cima, pois nenhuma delas queria esperar a outra tomar o sorvete e ficar para o final, quando ele já estivesse derretido. Finalmente, a número um decide: “Está bem! Um sorvete com duas bolas sabor nutela!”

Achei muito engraçada a situação, pois elas economizaram 4 reais, já que duas bolas de sorvete separadas sairiam por 14,00, e elas pagaram apenas 10,00. Só tiveram que comer no mesmo copinho.

Mais tarde, em uma loja de vinhos, estava acontecendo uma degustação, e estavam sendo servidos um vinho argentino muito bom acompanhado de pedacinhos de um queijo caríssimo. Ficamos conversando com um dos atendentes enquanto degustávamos, pois já somos velhos conhecidos naquela loja. Havia um adolescente – um menino muito loirinho, aparentando uns dezesseis anos – mandando ver nos pedacinhos de queijo, acompanhando a sua degustação de maneira predadora com um copo de suco de laranja.

Ele escutava a nossa conversa com ares intelectuais quando de repente, perguntou ao atendente: “Vocês sempre fazem esta degustação aos sábados?” E o rapaz respondeu: “Às vezes também fazemos às sextas.”  O menino ergueu as sobrancelhas: “Hum-hum...” Eu e meu marido logo notamos que ele estava querendo saber o dia certo para voltar novamente. Meu marido lasca: “Amigo, por via das dúvidas, venha às sextas e aos sábados. Assim, você não vai perder nenhuma.” O menino ficou rindo. E mandou pra dentro mais alguns quadradinhos de queijo.

Fiquei pensando: vai ver que é por isso que os jovens de hoje são bem mais altos e fortes do que os da minha geração.





quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Chão de Mármore












As palavras
Caiam pesadas
Sobre o chão de mármore,
Qual negras pedras
Que despencavam
De um coração.

Deixavam rastros
De dor e sangue,
Ódio, vingança,
Mácula, enxofre.

E lá de cima,
E lá de dentro,
De olhos fechados
Alguém ouvia,
Seguindo os passos
E as palavras...

Mármore fria,
Absorvendo
Todo o impacto,
E as rachaduras
Se esticando
Em veios profundos,
Ganhando espaço
Perdendo vida.






terça-feira, 6 de setembro de 2016

Na espuma






Durante o banho, de olhos fechados
Surgiu-me um retrato
Que se desfez em espuma
Escorregando pelo corpo feito neve na montanha.
A tépida água cantava no crânio,
Contando histórias afogadas.

Perfumes suaves em formatos sinuosos
Evocavam lugares
Que eu cantarolava.

Macios momentos, barulhos de vento...
Descia no ralo a minha saudade!
Mas como nem tudo é certo ou perfeito,
No sabonete azul-bebê
A lâmina acomodada.






segunda-feira, 5 de setembro de 2016

1965









1965: Você ia, e eu chegava.

Será que nos encontramos
Na curva desse caminho,
Em um ponto dessa estrada?

Será que você deixou
Cair, assim, sem querer,
Um pouco da sua vida
No muito do meu viver?




DIVIDIR PARA DOMINAR



DIVIDIR PARA DOMINAR


Vão tentar te convencer de que você é uma vítima do sistema, e que não tem condições de escolher erguer a cabeça, lutar pelo que quer e tornar-se quem você acredita por causa do sistema opressor; mas eles lhe oferecerão um caminho, uma luz no horizonte que só pode ser vislumbrada e alcançada através deles e de suas ideias.

Dirão que os amigos que não concordarem com você e com eles – aqueles amigos que você conhece há anos e com quem conviveu a vida inteira – estão errados, e devem ser deixados para trás. Você acreditará neles, sem perceber que Narciso acha feio o que não é espelho.


Farão você acreditar que coisas importantes, como família e valores, são o câncer da sociedade capitalista. Dirão que andar limpo e bem vestido, ir ao dentista, tomar banho e comportar-se educadamente, são atitudes repressoras impostas pelo sistema. Toda vez que você estiver diante de alguém bem vestido e limpo, seu coração se encherá de um ódio doentio por aquela pessoa que você sequer conhece, e você terá vontade de cuspir nela, agredi-la, ridicularizá-la.
cinegrafista atingido por rojão


Dirão que a sociedade lhe deve alguma coisa, e que você precisa arrancar isto dela. Passarão a fazer parte do seu vocabulário palavras como ‘igualdade’, ‘golpe’, socialismo’, ‘luta’, ‘fascismo’, ‘liberdade’ ‘opressores’ e ‘classe oprimida’, entre outras, e você passará a repeti-las aleatoriamente, como se estivesse sob hipnose, e sem realmente saber o que elas significam.


Tentarão provar a você que aqueles que lhe dão emprego são a elite dominadora, e que trabalhar para eles é escravizar-se; melhor é lutar para que tudo o que eles têm seja igualmente dividido gratuitamente entre aqueles que nada fizeram para merecê-lo. Qualquer um que tenha uma casa e um carro, um bom emprego que lhe proporcione uma boa renda e que tenha condições de viajar de vez em quando, serão seus inimigos. Dirão a você que tudo o que eles possuem foi tirado de você, alimentando assim os letais sentimentos da inveja e do ódio entre classes.




Provarão, por A+B, que os fins justificam os meios, e que é absolutamente certo ir para as ruas e quebrar propriedade alheia, explodir rojões acesos contra outros seres humanos, depredar, ferir, matar, defecar nas calçadas, sequestrar, roubar, e atacar com injúrias todos aqueles que pensam diferente de você, pois eles estão errados, são o câncer da sociedade, a classe opressora, os dominadores, os ladrões do seu bem-estar.


policial atingido por rojão


Plantarão na sua mente uma utopia que passará a cegá-lo , pois permanecerá no seu campo de visão feito uma miragem que jamais será alcançada, pois é do interesse deles que assim seja para que você sinta-se sempre próximo ao seu ‘ideal’ sem jamais alcançá-los; assim eles poderão continuar dominando sua mente através de promessas.

Você substituirá pensamentos como “O que posso fazer por mim” por outros como “O que o país deve me dar de graça”, ou “Como posso pegar aquilo que a sociedade me deve sem ter que trabalhar.” Você vai achar que tomar propriedade alheia é certo, pois ‘aquela gente’ te deve. E não enxergará que aqueles que estão puxando as suas cordinhas, na verdade, fazem parte do outro lado que o ensinam a odiar, pois pregam uma filosofia que eles mesmos não seguem.



É uma questão de tempo, apenas, até que você se transforme um boneco sem sentimentos, massa de manobra nas mãos de pessoas cujos interesses são apenas dinheiro e poder, e que usam você para conseguir o que querem, através da imposição do ódio, da inveja, da dependência moral, e do falso idealismo. Você olhará para os seus pais, amigos e demais familiares e se sentirá a milhas de distância deles, totalmente só, e irá concluir que o único caminho é seguir por onde ‘eles’ apontam.


'ativistas feministas' - pelo amor de Deus...



Em pouco tempo, você não mais existirá como indivíduo, nem se preocupará em saber se aquilo que você faz é realmente aquilo em que você acredita; se transformará naquilo que eles dizem que os outros são: uma sociedade marginal, cheia de falsos valores, opressora, dogmática, totalitária, fascista, dominadora e preconceituosa.

Você tem escolhas. Pelo seu próprio bem, eu sinceramente espero que suas escolhas sejam realmente suas. Ansiosamente espero que você saiba usar o seu discernimento, e ao invés de seguir a moda, siga a sua própria coerência. Não ouça o que estão gritando em seus ouvidos, e sim o que o seu coração diz. Pare, e escute-o com atenção. O que você quer? O que VOCÊ quer? E depois que descobrir, lute por isso, sabendo que você é capaz de alcançar o que quer através do seu trabalho e dedicação, contando com a ajuda da sua família e até mesmo desta sociedade que estão ensinando você a odiar. 



As pessoas que lhe dão empregos não são seus opressores; elas também lutam para conseguir manter seus negócios – e o seu emprego e os empregos de centenas de milhares de outras pessoas como você – neste caos em que o país se transformou. Coloque a cabeça para fora deste pano preto e fedorento com o qual estão tentando sufocá-lo, e enxergue além desta paisagem obscura que pintaram para você; a maioria dos fantasmas que lhe assombram não existem. E você tem capacidade e autonomia suficientes para lidar com aqueles que realmente existem. Seu melhor amigo é você. A pessoa com quem você mais deve contar nesta vida, é você mesmo. Sua força, motivação e incentivo poderão vir de vários lugares, mas não durarão muito tempo se sua principal fonte de origem não estiver dentro de você. 


Não seja um macaquinho amestrado.



É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...