quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Mãos






Que eu possa colher
Nas minhas palmas
Os ventos loucos,
Os gritos roucos,
Tornando muito
O que for pouco,
Esmigalhando
As más intenções...

Que sejam grandes o bastante,
As minhas mãos...

Que eu consiga, em um só gesto
De varinha de condão
Dispersar tudo aquilo
Que for indigesto!...
Que eu purifique
Estas paredes,
Purifique as águas
Matando as sedes!

Que sejam ágeis o bastante,
As minhas mãos...

Que eu possa, agora,
Entre os meus dedos
Desfiar, bem devagar,
Os fios da memória,
Entrelaçando-os
Ao coração....
Que fique tudo
O que foi bom!

Que sejam habilidosas,
As minhas mãos...

Que eu consiga, numa oração
Juntar as palmas,
Abençoando, assim,
As almas tristes
De um mundo agreste...
Que eu esmigalhe
O mal que lastra...
-Que não se espalhe!

Que sejam fortes o bastante,
As minhas mãos...

Minha Cor é o Azul





Tenho fases, em relação as cores... já fui rosa-choque, preto, verde-musgo, verde-água, branco, amarelo, laranja, azul-marinho, marrom. Quem abrisse meu guarda-roupas, veria a cor predominante do momento. Dizem que as cores tem influência sobre a nossa aura, e também interagem com as nossas energias. Certa vez, quase tudo o que eu tinha era azul.

Também passei por uma fase de estampados coloridos (que não durou muito, pois eu logo enjoo das peças de roupas que tem muitas cores). Hoje, eu estou azul. Exatamente o tom de azul que se encontra no meu blog: suave, frio, nem claro, nem escuro. Acho que, desta vez, eu cheguei a um acordo quanto a aparência deste espaço! E acho que desta vez, vai durar.

É incrível  a maneira como vamos passando de uma fase para outra em nossas vidas! Gosto de observar tudo, e principalmente, de observar-me. Se você me perguntar, após uma ou duas horas que passei em companhia de alguém, qual a roupa que a pessoa estava vestindo, eu provavelmente não saberei responder - a não ser que seja algo realmente chamativo ( feio ou bonito), mas se me perguntar sobre o que eu achei da personalidade da pessoa, eu com certeza serei capaz de dizer algumas coisas que, mais tarde, se revelarão verdadeiras... o que eu observo primeiro em alguém, está bem além da aparência.

E procuro estar aberta às minhas mudanças pessoais - por mais sutis que elas sejam. Portanto, posso afirmar que durante um bom tempo, minha cor será o azul.


A Corte de Etain



Em 'A Corte de Etain, uma história do século XIV de autoria desconhecida', o Lorde Midir, um ser sobrenatural, convida seu amor para visitar uma ilha utópica no Outro Mundo:




Um Convite Para o Paraíso


"Os cabelos são como prímulas em flor ali;
corpos lustrosos são da cor da neve.
Nesse lugar, não existe nem meu nem seu;
brilhantes são os dentes, escuras as sobrancelhas(...)
Inebriante a cerveja de Inis Fáil;
mais inebriante, sem dúvida, que a de Tír Már (...)
Fontes doces e cálidas por toda a terra,
hidromel e vinho à sua escolha.
Pessoas distintas, sem máculas,
concebidas sem pecado ou crime."





Do livro "O Livro Celta da Vida e da Morte" - Juliette Wood



quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

JÓIAS





Dormem as jóias 
Sob os tijolos,
Esquecidas do seu tempo
De brilhar...

Dormem e aguardam
Com paciência
Que algum dia
Alguém as venha resgatar.

São de verdade, 
Não se desfazem,
Não enferrujam,
Não perdem o brilho...

Dormem as jóias,
Sob as memórias
No fundo opaco
De um longo rio...

*

Uma Taça de Vinho

Busto di Bacco - Michelangelo



 Trecho do texto introdutório do livro "Vinho - o Bom Companheiro" de Luciano Percucussi.


O vinho é aquela bebida da qual todos falam, mas poucos conhecem, e dela tiram as inúmeras vantagens que oferece e não somente o prazer de beber, como a grande maioria dos brasileiros imagina.
O vinho nos introduz no vasto e imensamente variado mundo da gastronomia, ao qual está estrita e diretamente ligado.



O vinho é cultura. Atrás de cada vinho há séculos de história, que é a mãe da cultura. Para conhecer um vinho é preciso, antes de mais nada, conhecer seu habitat, seu potencial, seu valor comercial e seu grau de aceitação. Isso é possível através dos livros ou in loco, o que pede obrigatoriamente deslocamento até determinada região. É assim que, perseguindo um vinho, estuda-se a história , adquire-se nova cultura ou se amplia a pouca que já temos. Além dessas riquezas que nos oferece, o vinho age sobre nosso físico de muitas e variadas maneiras, provocando efeitos benéficos que vão desde uma boa digestão até um estado de agradável e moderada euforia que nos deixa com espírito mais elevado, propenso a coisas boas com direito aos sonhos mais gostosos e com o cérebro m ais ativo para falar, escrever, amar, perdoar. O vinho, prém, deve ser tratado como diz Luigi Veronelli, "Como uma bela mulher," não abusando da quantidade, pois nestes casos, os efeitos invertem-se e ele provoca sérios males ao espírito e ao físico. É preciso saber beber. Beba sempre que tiver vontade, nas horas mais adequadas, mas beba pouco e bem. Qualidade, não quantidade: eis o grande segredo! Embora a qualidade seja mais cara, com o tempo se tornará mais barata, pois com certeza, como já disse, beneficiará o físico, evitando os estragos que a quantidade provocará e que, para remediá-los, será preciso gastar bem mais do que se economizou comprando mais barato.
...............................................................................................





"Bebê-lo para escutar o que ele diz..." - Veronelli


"Quando bebo, penso, quando penso, bebo." - Rabelais


"O doce beber que nunca me teria saciado." - Dante Alighieri


"O vinho é composto de humor líquido e luz." - Galileu Galilei



"Bebe água aquele que não tem vinho." - Jacopone da Todi



"Se Deus tivesse proibido o vinho, por que o teria feito tão gostoso?" - Richelieu



terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

PALAVRAS - OSHO








Milhares de pessoas foram queimadas pelos Cristãos. As pessoas que falam a respeito do amor, as pessoas que falam a respeito da paz, as pessoas que pensam que Jesus veio ao mundo para trazer a mensagem de amor, da irmandade, elas tem matado mais do que qualquer outro humano. E o sangue derramado era apenas uma questão de palavras. As palavras tornam-se muito importantes.

Isso acontece sempre com pessoas tolas: a realidade desaparece e as palavras tomam seu lugar. A palavra "Deus" se torna mais importante que a realidade de um Deus. A palavra "amor" se torna mais importante que o fenômeno do amor em si. Então, eles podem se matar uns aos outros por conta das palavras.
É inacreditável que durante milhares de anos, as pessoas tenham confiado tanto nas palavras, como se a palavra "fogo" fosse fogo, como se a palavra "água" fosse água! Quando você está com sede, a palavra "água" não irá ajudar em nada.


OSHO, em "Osho de A a Z" - Um Dicionário Espiritual do Aqui e Agora.




Nem Tanto...





Tudo não é tanto assim:
As alegrias, as tristezas,
Incertezas, desencantos,
Se soubermos, desde o início
Que a vida escreve, sempre,
Sobre cada acontecimento:
"Nem tanto!"

Partículas de momentos
Numa dança intransigente
Sob a batuta de um vento
Que rege a vida da gente,
Mas até mesmo esse vento
Tem escrito, nalgum canto:
"Nem tanto!"

Caminhamos sobre a prancha
De um navio de incertezas
Com a ponta de uma espada
Espetando as nossas costas...
Mas até a boca aberta
Do faminto celacanto
Tem escrito em sua goela:
"Nem  tanto!"

Finalmente, nos veremos
Em um barco, soçobrando, 
Transidos de dor e de medo,
E a vida, nos matando...
Mas ao chegarmos ao fundo
Na lama de um mar imundo,
Haverá alguém escrito:
"Nem tanto!"

*

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Jamais Conseguirei Entender a Mentira Como Solução...






Coisa de novela, mesmo. Fico assistindo ao comportamento da personagem de Nanda Costa , "Morena", na novela das nove horas da Globo, e não entendo o porquê da moça mentir tanto, sobre tudo, o tempo todo, e para todo mundo! Ela começou mentindo para o namorado; depois, para a mãe e para os amigos, e agora, mente para as únicas pessoas que ela encontrou no inferno onde se meteu, e que realmente propuseram-se a ajudá-la. Mente porque acha mais prático, mais adequado, melhor? Mente por medo, mania de querer ser a 'dona da verdade', para ter o controle da situação? 

Ou mente por compulsão?

Tenho visto muita gente que mente por compulsão, até mesmo sobre as mínimas coisas; coisas sem importância alguma, mas mentem, talvez por acharem divertido, interessante, sei lá... dizem que gostam de coisas quando não gostam; dizem que comparecerão a um evento no qual jamais pensaram em ir; chegam em uma loja, e após passarem muitos minutos (ou horas) enchendo a paciência do vendedor- sem terem, desde o início, a menor intenção de comprar coisa alma - saem, dizendo: "Vou ali e já volto. Por favor, separe a mercadoria para mim que eu volto para buscá-la daqui a cinco minutinhos." E mentem!

Algumas pessoas mentem até para si mesmas! Dá para entender?!

Às vezes, quando alguém acha difícil ter que lidar com as consequências da verdade, acabam contando algo que eles chamam de 'mentirinha branca', a fim de controlarem a situação, ou adiarem uma decisão que precisa ser tomada. Mas essas tais mentirinhas brancas logo tornam-se cinzentas, depois, bem negras, e acabam tomando proporções absurdamente grandes... e fica muito mais difícil ter que dizer a verdade depois! Sem contar com o fato de que, pessoas que tem o hábito de mentir, ficam logo marcadas pelas outras, e ninguém mais acredita nelas.

Eu não gosto da mentira; não suporto o cheiro que ela espalha por todos os lugares, o som de sua voz, sua aparência. Tenho verdadeiro horror a qualquer tipo de mentira inútil - e no fim das contas, toda mentira é inútil, pois apenas adia o momento da verdade, que virá, quer gostemos, quer não. Se eu não quero ir, digo: "Não quero ir." Se eu não gosto, digo: "Não gosto." 

Se eu já menti? Mas é claro que sim! E sempre me arrependi mais tarde. Mas hoje em dia, aprendi (como diz um velho ditado árabe) que "O campo das respostas evasivas é tão vasto, que torna a mentira desnecessária!" Tenho aprendido que quando eu vejo que a minha opinião poderá ferir alguém, guardo-a para mim mesma. Mas por favor, não insistam em querer sabê-la...


Frases Interessantes






Frases colhidas no livro "Cuidado com o que Você Pede em Suas Orações... Você Pode ser Atendido" , de autoria de Larry Dossey




"Se fosse assim tão simples! Se as pessoas más ficassem num só lugar, praticando insidiosamente más ações, para destruí-las bastaria separá-las do resto. Mas a linha que divide o bem do mal passa pelo coração de cada ser humano. E quem está disposto a destruir uma parte do próprio coração?"  -  Alexander Solzhenitsyn





"Deus é amor, mas pegue isso por escrito " -  Gypsy Rose Lee





"Se eu fosse reescrever a Bíblia, diria que a maior oração para Deus seria: "Querido Deus, estou bem. Não preciso de nada. Amém." E então Ele responderia... Mas nada vem a você quando você está desesperado, não é assim que funciona. Então, quem fica repetindo: "Preciso de uma chance, preciso de uma chance..." nunca vai conseguir."  -  Albert Brooks





"Boa parte da psiquiatria se preocupa com o efeito que o ódio tem sobre quem odeia. Mas pouca atenção é dedicada ao estudo dos efeitos sobre o objeto, especialmente quando o alvo não tem consciência de estar na mira... o Ódio pode destruir." - Olga e Ambrose Worral





"Se existe um jeito de chegar ao que é melhor, esse jeito é olhar de frente o pior." - Thomas Hood



domingo, 24 de fevereiro de 2013

O LOBO






Ele se foi de mim,
E hoje uiva nas estepes,
Solitário lobo,
Sem casa e sem pouso,
Tão longe de mim!...

Ah, e eu te procurei,
E eu te quis por perto,
Num resgate
De peito aberto
Desse meu triste e imensurável
Deserto!

Lobo, se tu uivas
Em noites assim
De luar claro,
Algo estremece em mim...
Pois és a parte que me falta,
A que fugiu de mim
No dia em que nasci!

E eu espero, 
E eu procuro,
Deixo a porta sempre aberta
E um bom naco de minha carne
Na esperança de rever-te,
Na esperança de juntar-me a ti,
Pedaço de minha alma!

Anseio pela alegria
De finalmente, reencontrar-te,
Parte ausente de mim,
Nem que seja
No limiar da incerteza,
No meu último dia,
Criatura Divina...




Livrar-me!





Quero livrar-me de toda a pressa,
Toda urgência,
Toda hora marcada,
Toda pura aparência.

Quero perder-me em horas vagabundas,
A olhar as flores,
Os passarinhos,
A chuva.

E se um dia arrepender-me de repente
(Pois decerto, alguém dirá que me perdi)
Eu só pretendo ir em frente,
Com a branda incerteza de quem ri
Daquilo que nem sequer compreende...

Quero poder ser inocente
Diante de todas as maldades,
(Bem, para isto, talvez seja tarde...)
Mas tentarei, eu juro,
Refugiar-me em mim mesma
Quando , do escuro,
Vierem , para mim, as setas!

Quero alimentar-me docemente,
E bem tranquilamente
Das tetas da vida,
Sugando o que me for oferecido,
O leite doce, o leite amargo,
Com o mesmo prazer,
E sem enfado.

Quero livrar-me,
Livrar-me de qualquer amarra,
Qualquer cadeado ou palavra
Que tente, novamente, 
Limitar-me!


ESPERA





Sou como aquele cão,
A espera de que caia
Algum farelo,
Algum resquício de carinho
Da tua mão.

À noite, eu uivo,
Deitada no chão,
Arranho o assoalho,
E faço frangalhos
Do meu cobertor...

Mas somente a lua
Escuta meu ganir,
Pois você não me vê...
Passa por mim,
Olhos sonolentos
Semi-fechados por algum vento
Que te deixou dormente.

Sou como aquele cão,
Perdido, faminto,
E tu nem sequer sentes!...

ENCANTO









Por trás da tristeza, o encanto,
A magia de viver
Espalhada em cada canto.

Uma nesga de jardim,
Colibri beijando flor,
Besouros fazendo amor.

Cantam, preguiçosamente
As cigarras lá na mata:
Este dia será quente!

Joaninha de bolinha,
Borboleta distraída,
Por trás, essa dor fininha...

Lindo dia se anuncia,
Mais um dia sem você...
Sem resposta e sem porque.

Olho o sol que se levanta,
Mais um dia sem você,
Ou será menos um dia?...

Esperança




Uma dor hipócrita acaricia-me o peito
Usando luvas de veludo e espinhos
E uma chuva ácida encharca-me o leito
Afogando-me a alma quando estou sozinho.

São meus olhos que chovem essa chuva que rói
E é em meu coração que habita essa dor.
Sou eu quem a alimento e a mantenho viva
Iludindo-me, no afã de ser meu teu amor.

E à noite os meus sonhos me fazem lembrar
Pois revejo os teus olhos, o que me prende e cativa.
Eu não posso abrir mão, não consigo matar
Essa dor-ilusão, que é a razão de minha vida.



Olhar o Mar







Ondas salgadas
Sem piedade
Quebram-se em mim...

Olhar o mar, e não pensar,
Apenas
Olhar o mar!...

Perco as pupilas
Por entre as vagas
Cheias de mim...

Olhar o mar, e não pensar,
Apenas
Olhar o mar!...

As horas passam,
O sol escalda
Os pensamentos...

Olhar o mar e não pensar,
Apenas
Olhar o mar!...

Vou pelas águas
Verdes do mar,
Só me perdendo...

Olhar o mar e não pensar,
Apenas
Olhar o mar!...


Uma gaivota
Pousam na praia,
Tuas lembranças...

Olhar o mar e não pensar,
Apenas
Olhar o mar!...

Como é difícil
Olhar as ondas
E não pensar!...

*

Cuidado com o que Você Pede nas Suas Orações





Trecho do livro "Cuidado Com o que Você Pede nas Suas Orações - Você Pode Ser Atendido" - por Larry Dossey (autor do best-seller "As Palavras Curam)


Controlar os Outros em Nome do Amor

A doutora  Loudell F. Snow, do Departamento de Medicina da Comunidade, da Universidade do Estado de Michigan, estuda as crenças médicas populares e suas implicações na saúde. Ela é especialista em maldições, bruxarias e feitiços. Num artigo para o prestigiado Annals of International Medicine, ela relata: "Em quase todos os casos de bruxaria relatados na literatura e também no material que recolhi, o malfeitor é identificado, sendo geralmente uma namorada ou amante, marido ou mulher, pai ou mãe, irmão ou parente."

Assim como nas maldições formais, quando a prece é usada para manipular e controlar os outros, o objeto da manipulação é frequentemente um membro da família ou ente querido. Além disso, quem reza geralmente  alega estar agindo por compaixão, pelo bem da outra pessoa.
Um exemplo é a experiência de Richard, que desde a adolescência queria desesperadamente ser escritor. Era uma ambição realista, pois todos os professores elogiavam seu talento excepcional. Quando finalmente obteve seu Ph.D em literatura inglesa, Richard sentiu-se pronto para um brilhante futuro como escritor. Mas dez anos depois, não tinha publicado nenhum trabalho e se achava um fracasso. As editoras devolviam seus trabalhos com os comentários de sempre, falando de 'rasgos de brilhantismo' e de 'grande promessa', mas alguma coisa não batia, alguma coisa que ele não conseguia identificar. Richard não desistiu. Começou a frequentar encontros e seminários de escritores, na esperança de corrigir possíveis falhas técnicas. Mas nada funcionava. Perto dos quarenta, ele se consolava lembrando que muitos grandes escritores tinham começado tarde.
recusado por mais uma editora, ele resolveu por o trabalho de lado e visitar a mãe no Natal.
A mãe logo percebeu que ele não estava bem. "Você parece tão deprimido, meu filho. O que está acontecendo?"
Richard, que nunca tinha conversado com a mãe sobre sua crescente sensação de fracasso, decidiu compartilhar a frustração. A mãe ouviu pacientemente e disse: "Richard, sei por que não se tornou um escritor. Eu rezo a Deus todas as noites, desde que você era adolescente, para que Ele lhe dê outra coisa para fazer."

Richard ficou chocado! "Quer dizer que há vinte e cinco anos você reza para eu fracassar como escritor?"
"Sim, porque eu sempre soube que Deus tem coisa melhor para você. E ele atendeu minhas preces!" disse ela, com doçura.
"Por que fez isso, mãe?", perguntou Richard com raiva, entre lágrimas.

Sua mãe também começou a chorar. "Richard, eu amo você. Só quero o melhor para você." Depois, disse com frieza: "Escritores revelam coisas que não deveriam ser reveladas - sobre eles mesmos, sobre suas famílias. Escritores contam segredos que não interessam a ninguém!"
Richard viu no rosto da mãe uma vida inteira de dor, tristeza e medo. Enterrados no passado da família havia casos vergonhosos que ela não conseguia enfrentar: infidelidade e divórcio, alcoolismo e sentimentos de fracasso como esposa e mãe. Por mais de duas décadas ela tinha alimentado um horror pessoal: se Richard se tornasse um romancista de sucesso, os esqueletos da família viriam à tona em seus escritos, e a família cairia em desgraça.
Para Richard, as preces da mãe eram uma maldição lançada em nome do amor e da vontade de Deus. Não ficou para a ceia de Natal. Depois de ruminar durante um mês, resolveu começar a fazer psicoterapia numa tentativa de ordenar os sentimentos confusos que tinha em relação à mãe e ao relacionamento tempestuoso que sempre tiveram.
Richard sabia que a mãe continuaria a rezar "por" ele e estava determinado a não ser mais sabotado por suas preces. Pela primeira vezes em muitos anos ele começou a rezar, pedindo força e orientação para seu trabalho e proteção contra as preces da mãe. O trabalho de Richard adquiriu uma profundidade e uma maturidade que não tinha antes. Três anos depois desse confronto com a mãe, teve seu primeiro romance aceito por uma editora importante.




Agentes do Todo-Poderoso

Como no caso de Richard, a desculpa de rezar pelo bem do outro geralmente vem acompanhada da justificativa de fazer a 'vontade de Deus.' Nesse caso, a prece de intercessão muitas vezes se transforma em ação concreta. Um dos episódios mais terríveis da história humana, a Inquisição, que começou no século XIII, foi um dos mais pródigos em preces. O objetivo dos inquisidores era descobrir quem eram os hereges e puni-los,  com a esperança adicional de salvar suas almas. Enquanto apertavam os parafusos e giravam as rodas, os torturadores rezavam piedosamente, e suas lágrimas se misturavam ao sangue de suas vítimas no chão das câmaras de tortura de toda a Europa. Esse padrão persiste: piedade e prece ainda se misturam ao ato de matar em nome de Deus. Ao confessar que tinha assassinado Yitzah Rabin, primeiro ministro de Israel, Yigal Amir disse ter agido sob as 'ordens de Deus.'
Podemos afirmar que nunca rezamos para manipular nem controlar os outros e que jamais causaríamos deliberadamente nenhum dano físico em nome de Deus. Mas todos nós já nos vimos em situações em que acreditamos que estamos certos e 'eles' errados. Na nossa cultura, com 80 a 90 por cento das pessoas rezando regularmente, o palco está sempre preparado para preces tão diretas quanto bofetadas, em que pedimos ao Todo Poderoso que derrote, de uma maneira ou de outra, os que não compartilham de nossos pontos de vista.

...................................................................................



Num jantar na Casa Branca, um pastor encerrou a sua bênção com esta afirmação piedosa: "O Senhor está do nosso lado."
Como o Presidente Lincoln não reagisse a essas palavras, alguém lhe perguntou: "O senhor não acredita, Presidente, que o Senhor estará sempre do lado do que é correto?"
"Não estou preocupado com isso," foi a resposta de Lincoln, "Porque sabemos que o Senhor está sempre do lado do que é correto. Minha preocupação é saber se eu e a nação estamos do lado do Senhor."



sábado, 23 de fevereiro de 2013

Uma Gota de Goethe





Limites da Humanidade - Goethe


O que é que distingue
Os deuses dos homens?
Que muitas vagas
Ante aqueles vagueiam.
Eterna torrente.
A nós ergue-nos a vaga,
Traga-nos a vaga
E vamos para o fundo
Um estreito anel nos limita a vida
E muitas gerações
Se alinham constantes
à cadeia infinda
Do seu existir.




Goethe (28-08-1749 / 22-03-1872) foi um escritor alemão e pensador que também fez incursões pelo campo da ciência. Foi um dos líderes do movimento literário romântico alemão.  Escreveu romances, peças de teatro, poemas, autobiografias e reflexões teóricas nas áreas de arte, literatura e ciências naturais.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Uma Noite Animal






Quase todas as noites, eu e meu marido saímos para dar uma volta com a nossa cadela Rottweiler, a Latifa. Ela é um doce de pessoa, digo, de cadela, mas pensa que é gente (não sei porque), e detesta outros animais; toda vez que encontramos com outros cães, gatos e até mesmo esquilos, passamos por um verdadeiro estresse a fim de controlar os impulsos assassinos da Latifa.

Na noite passada, assim que terminamos de descer a ladeirinha da nossa rua com ela, meu marido avistou um animal estranho passeando no meio da rua escura, a uma certa distância de nós. Ele apontou-me o bicho, dizendo: "O que é aquilo? Uma galinha?!" E eu, apertando os olhos para enxergar melhor: "Não... onde já se viu, uma galinha passeando à noite? É um gato!" Fomos chegando mais perto, e constatamos que tratava-se de um galo com o pescoço pelado. Parecia ter passado por poucas e boas...

Voltei e toquei a campainha de meu vizinho, pois sei que ele cria aves e outros animais. Quando minha vizinha atendeu, perguntei se alguma de suas galinhas havia escapado. Ela disse:

-Não, Ana, este galo não é meu. Quando cheguei em casa, tinha uns homens estranhos, muito esquisitos, fazendo macumba ali na esquina. Estavam com esse galo, e um deles, parecia que ia cortar o pescoço dele com uma faca. Tem até umas velas acesas ali, olhe! Pensei até em chamar a polícia, mas eles foram embora."

Olhei para o pobre galo, e vi que suas penas e pescoço brilhavam, mas não consegui perceber o motivo. Era como se ele estivesse banhado em óleo, ou algo parecido. Em seguida, minha outra vizinha, a Helaine - que adora animais e recolhe todos os que aparecem por aqui, encaminhando-os para doação - apareceu com o filho dela e um lençol, a fim de capturar o galo. Foi uma linda cena: meu marido segurando a Latifa, que queria, de qualquer maneira, pegar o galo; eu e o menino cercando a ave, e Helaine, com um lençol esticado, tentando capturá-lo. Tudo sob a luz do luar, no meio da rua.

Neste ínterim, chega em casa o marido de minha primeira vizinha, e passa por nós de carro, olhando-nos, curioso e confuso. Enquanto ele entra em casa, Latifa tem um verdadeiro piti por causa do galo, e arranja o maior escândalo no meio da rua... mas conseguimos pegar o penoso, e Helaine o enrolou no lençol, trazendo-o para mais perto  da luz de um poste. Percebemos que o coitado, além de ter tido todas as penas do pescoço arrancadas, foi completamente coberto com cera de vela quente, e sua pele está muito vermelha. Como as pessoas são cruéis! E acham que agindo assim - torturando animais - conseguirão alguma resposta positiva para suas vidas e seus problemas...

Acabada a 'festa,' vamos subindo a rua de volta para casa, e encontramos o marido de minha vizinha - a primeira mencionada -descendo a rua com seu filho. Paramos para conversar e damos boas risadas com a história do galo, e ele nos conta que estava vindo da casa  de um outro vizinho, cujo gato invadira sua sala de estar e quase comera sua calopsita. Além disso, o felino arranhara todo o seu tapete e vomitara bolas de pelo pelo chão. Graças a Deus, a calopsita foi encontrada viva e passa bem. Reclamação feita, calopsita encontrada viva, Latifa acalmada, passeio terminado e galo resgatado, fomos todos para casa.

Mas na esquina da rua, ficaram um alguidar e uma vela acesa - mas sem o galo.

O que Tem na Sua Playlist? Uma Interação

Inspirada por um comentário de paulo Bratz a um de meus posts, que fala sobre um aparelho de som que comprei na Black Friday,...