domingo, 24 de fevereiro de 2013

O LOBO






Ele se foi de mim,
E hoje uiva nas estepes,
Solitário lobo,
Sem casa e sem pouso,
Tão longe de mim!...

Ah, e eu te procurei,
E eu te quis por perto,
Num resgate
De peito aberto
Desse meu triste e imensurável
Deserto!

Lobo, se tu uivas
Em noites assim
De luar claro,
Algo estremece em mim...
Pois és a parte que me falta,
A que fugiu de mim
No dia em que nasci!

E eu espero, 
E eu procuro,
Deixo a porta sempre aberta
E um bom naco de minha carne
Na esperança de rever-te,
Na esperança de juntar-me a ti,
Pedaço de minha alma!

Anseio pela alegria
De finalmente, reencontrar-te,
Parte ausente de mim,
Nem que seja
No limiar da incerteza,
No meu último dia,
Criatura Divina...




4 comentários:

  1. Muito sentido este teu poema, Ana !
    Destaco o final :

    Anseio pela alegria
    De finalmente, reencontrar-te,
    Parte ausente de mim,
    Nem que seja
    No limiar da incerteza,
    No meu último dia,
    Criatura Divina...


    Um beijo e felicito-te pois tens uma fonte inesgotável de Poesia dentro de ti.

    ResponderExcluir
  2. Ana, muito bem escrito e bem forte esse poema. Adorei o vigor da sua sensibilidade. Muito bom.
    Abraços
    Manoel

    ResponderExcluir
  3. Olá!Boa tarde
    Ana
    dizem que existem os dois opostos, o lobo que alimenta e constrói e o lobo que ataca, devora e destrói...o importante é saber que isso ainda existe no seu coração...
    Indiferente de tudo, esse deixou marcas no coração, mesmo que não mais recíproco, e as vezes o pensamento se terá de volta uma parte que falta...
    Meu carinho
    Bom domingo/bom início de semana
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. UAU!! Intenso, rubro, apêlo em pêlos de loba/mulher!

    bacio

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

O que Tem na Sua Playlist? Uma Interação

Inspirada por um comentário de paulo Bratz a um de meus posts, que fala sobre um aparelho de som que comprei na Black Friday,...