domingo, 24 de fevereiro de 2013

Livrar-me!





Quero livrar-me de toda a pressa,
Toda urgência,
Toda hora marcada,
Toda pura aparência.

Quero perder-me em horas vagabundas,
A olhar as flores,
Os passarinhos,
A chuva.

E se um dia arrepender-me de repente
(Pois decerto, alguém dirá que me perdi)
Eu só pretendo ir em frente,
Com a branda incerteza de quem ri
Daquilo que nem sequer compreende...

Quero poder ser inocente
Diante de todas as maldades,
(Bem, para isto, talvez seja tarde...)
Mas tentarei, eu juro,
Refugiar-me em mim mesma
Quando , do escuro,
Vierem , para mim, as setas!

Quero alimentar-me docemente,
E bem tranquilamente
Das tetas da vida,
Sugando o que me for oferecido,
O leite doce, o leite amargo,
Com o mesmo prazer,
E sem enfado.

Quero livrar-me,
Livrar-me de qualquer amarra,
Qualquer cadeado ou palavra
Que tente, novamente, 
Limitar-me!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...