segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Madrugada




Madrugada


A noite foi escura,
Longa e fria,
E os fantasmas arrastavam
As saias brancas e úmidas
Pelas gotas de neblina...
Branca, branca paisagem,
Translúcida de incerteza
Da bruma que a tudo cobria!...

Os sonhos que eu sonhara
Acordaram melancólicos,
Com saudades de outro mundo...
Ainda, nos meus ouvidos,
Alguns ecos que sumiam,
E nas linhas de minha mão
As marcas de um destino
Que eu nunca saberei
Se foi totalmente cumprido...

Comprida noite,
Onde o sonho vacilou
Entre a insônia e a magia!
Em uma árvore, pousada,
Uma coruja aguardava
O começo de outro dia,
E o nascer de uma outra noite
Quando, outra vez, cantaria!


A madrugada arrastava-se,
Tão fria, tão fria!...




*


domingo, 30 de dezembro de 2012

Estranha Asa




Estranha asa de borboleta,
Desprendeu-se do corpo,
Caiu no vazio
De um longo sono...

Estranha asa, leve e nacarada,
Sob pálpebras fechadas
Sem destino, sem sonho...

Estranha asa, que não voa
Por aqui,
Voa além, algures,
Nos céus que não vi,

Estranha asa
Esqueceu-se do pouso,
E paira, dormente,
Num imenso léu
Insosso...

Estranha asa, 
Caída num canto,
A espera de um vento
Que a erga de novo

E que a leve,
Num infinito despertar
Por dentro
De um infinito sono...

*

Invenção




Invento cores,
Cheiros, sabores
Invento caminhos
Cheios de flores,
Invento os sons
Da trilha sonora
Que cantam-me a vida,
Invento as horas.

Demoras, atrasos,
Flutuam nos rasos lagos.
Esperas, anseios
Tentando encontrar os meios.

Mas a mente pensa,
A mente divaga,
A mente desliga
A mente se lava!...

Assim, eu invento
As cores e tons,
Os temas e sons
Que espalho no ar.
Assim, eu aguardo
Acontecimentos
Que ficam suspensos
Acima, no ar.


Não Confundir...






É importante
Essencial
Não confundir:

Amor / dependência
Serenidade / apatia
Esperança / ilusão
Fé / crença
Imparcialidade / indiferença.

Melhor não dissimular
Justiça / conveniência
Informação / especulação
Boa vontade / interesse
Paciência / inação.

Cada um bem sabe
O que vai, o que pensa
Em seu coração.

*

sábado, 29 de dezembro de 2012

Sol Desse Tempo







O sol
Brilha mais forte,
Às vezes, forte demais,
Obriga-nos a sombra,
A água,
O vento...

O que quer o sol?
Talvez, brandura,
Nas palavras,
Ações
E pensamentos...


Suave...







De repente, em meio ao desespero das dificuldades - embora as coisas não tenham, aparentemente, se modificado - comecei a sentir uma estranha paz de espírito; acho que cheguei à conclusão de que, o que não posso modificar, apesar de meus esforços, não precisa de minha interferência. 

Acredito que alguma outra Força assumiu o controle, e lutar contra ela, não seria sensato. Seja lá o que estiver para acontecer, preciso confiar na sabedoria desta Força, embora desconheça seus caminhos, e esperar... acreditar que o melhor - não o que eu acho que é o melhor, mas o que é realmente melhor, aos olhos da própria vida - há de se dar.

Esta certeza me veio de repente, quando eu estava pensativa, chorosa, brigando com a vida feito uma criança que não ganhou o brinquedo que queria, ou que não teve a festinha de aniversário que esperava. Sentada em minha rede, no jardim, senti um perfume estranho. Pode ter sido de algum vizinho que passava, mas foi exatamente naquele instante, que eu me senti mais calma. E a calma foi aumentando, substituindo o desespero.

Tomara que ela permaneça!

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Felicidades em 2013!







Tomara que seja um ano muito bom para todos: os que gostam e os que não gostam de mim, pois como li em um post no Facebook, devemos desejar sempre a felicidade de nossos amigos e inimigos, pois gente infeliz, enche o saco.







Tomara que em 2013, quem está doente, se cure; quem está a procura de amor, o encontre; quem deseja um emprego, consiga achá-lo; quem planeja realizar um sonho, tenha forças, ajuda e empenho para consegui-lo.









Tomara que em 2013, possamos todos agir de forma diferente, para que possamos encontrar coisas diferentes diante de nós. Por exemplo, ao invés de ficarmos observando e especulando sobre a vida alheia, que tratemos melhor da nossa própria vida, de forma que não nos sobre tempo para destilar maldade quando virmos alguém que se encontre passando por dificuldades; se não pudermos estender a mão, que pelo menos nos abstenhamos de afundar, ainda mais, esta pessoa.







Que em 2013 tenhamos sempre tempo para parar e refletir sobre os bons e maus momentos de nossas vidas, pois eles são comuns a cada ser humano! Ninguém será feliz ou triste o tempo todo! A alegria e a tristeza nos convidam a observar e aprender que na vida, TUDO passa. Que na tristeza, aprendamos a ser fortes, superar e continuar; que na alegria, aprendamos a aproveitar, partilhar e agradecer.








Que em 2013 - lá no finalzinho, em dezembro - possamos ter a certeza de que fizemos o nosso melhor, demos o nosso melhor, e aprendemos alguma coisa de bom, seja através da alegria ou da tristeza. Porque a tristeza não deve ser encarada como um 'castigo' ou 'punição' que Deus dá àqueles que o 'merecem,' mas uma fase de aprendizado e crescimento pela qual todos, sem exceções, passarão. E se formos brandos ao nos referirmos à tristeza alheia, encontraremos em nosso caminho pessoas que serão brandas conosco quando chegar a nossa vez. Como eu tenho encontrado.






Que em 2013 sejamos menos arrogantes, menos cruéis, menos maledicentes.






Possamos ser mais compreensivos, pacientes e solidários.








Se cada um de nós cultivar bem o próprio jardim, varrer bem a própria calçada e trabalhar com afinco nos próprios interesses, seremos mais felizes e permitiremos que os outros sejam também mais felizes.








Eu desejo a todos - eu disse TODOS - que sejam muito, muito, muito felizes em 2013! Tomara que seja um ano bem florido!





FRASE








"Inúmeras vezes, a maldade que vemos no mundo e nas pessoas, é a que está em nossas pupilas."

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

O Barco








O barco espera as águas
Que o levarão...
Criou raízes
Que o prenderam
Ao chão.

Será preciso
Muita água,
Muitas ondas,
Maremotos
Que desprendam,
Soltem,
Façam navegar o barco
Para longe...

O barco sabe,
O bardo sabe,
Que nunca mais voltará.
O barco quer ficar,
O bardo quer partir.

*

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

COISAS








Naquele canteiro, havia dálias,
Bocas-de-leão,
Beijos, margaridas,
Misturadas aos tomates,
Couves, salsas e alfaces.

Encostado, um velocípede
Pintado de branco, enferrujado,
Na frente, da casa, um balanço,
Nos fundos, pés de frutas espalhados.

Os cães e gatos circulavam,
Latas d'água pelos cantos
No bambuzal, besourinhos
Coloridos e listrados,
Vagalumes, joaninhas,
E o musgo que grudava
Em volta da grutinha
De onde nos olhava
 Nossa Senhora.

Bolinhas de gude
Amarelinhas desenhadas
E a gente brincava,
E como brincava!...
Iam-se as horas.

As aranhas, tão temidas,
Penduradas nos vãos do telhados
Com suas teias sempre cheias
De insetos, que eu salvava
Quando dava,
Quando dava...

Eu Acho...






Eu acho que  a morte deveria ser encarada com mais naturalidade, desde que somos crianças. Acho que deveria ser matéria de currículo durante toda a vida escolar. As crianças pequenas deveriam ser convidadas a conversar sobre a morte de seus animaizinhos de estimação de uma forma natural, sem dramas, e estimuladas a dizerem como se sentem. Os professores poderiam passar por treinamento psicológico a fim de explicar a morte física, dizendo que ela acontece a tudo e a todos que estão vivos, e que é não apenas inevitável, mas também necessária.

Adolescentes deveriam ser levados em visita a hospitais, onde pudessem conversar com pacientes terminais e participar de programas voluntários. Mais do que apenas "Vovó foi para o céu" e "O cachorrinho está no sítio," deveríamos ser estimulados a conviver com a verdade da morte - não falo aqui de religião - como algo físico e inevitável, pois assim, acho que perderíamos o medo dela, e sentiríamos uma dor mais conformada quando chegasse a hora de nos despedirmos de alguém. Também nos sentiríamos mais estimulados a valorizar a vida e as pessoas que nos cercam, pois teríamos a plena consciência de que um dia elas nos deixarão - ou nós as deixaremos.

Mas a morte é tabu; é considerada a pior coisa que nos pode acontecer. É negada e sublimada durante toda a vida. Construímos um mistério em volta dela,  fantasiamos e enfeitamos a morte. Somos acostumados a acreditar que seremos eternos, que ela nunca chegará, e que - pior ainda - só acontece aos outros. Mas finalmente, quando nos vemos diante dela, crescem o desespero e o medo. Não sabemos lidar com toda a carga que socamos lá para o fundo de nós mesmos durante todos esses anos. O que deveria ser encarado como inevitável e natural, torna-se um trauma, e um drama. A vida perde a cor quando descobrimos que o cachorrinho não foi para o sítio, e que a vovó não está dormindo.

Vemos situações nas quais pacientes com câncer tem a verdade escondida deles. Poderiam fazer alguma coisa que planejassem antes de morrer; uma viagem, se possível, escrever um poema, reconciliarem-se com alguém, enfim... qualquer coisa para que pudessem despedir-se adequadamente, da maneira que desejassem; mas como aprendemos e ensinamos que a morte é horrível, mentimos para eles; dizemos que ficarão bons. Acho isto errado... mesmo assim, compreendo que em vista da maneira como somos educados a respeito da morte, esta pode ser a única forma de agir: negando-a a té o fim.

Dizem que existe vida após a morte, no que eu às vezes creio -não sei se por uma certeza atávica e sublimada, ou se por influência externa, ou até mesmo, fuga -mas às vezes, não; porém, mesmo que tivéssemos absoluta certeza de que isto é possível, em nada nos consolaria da ausência real daqueles que amamos. Porque não existem telefones ou internet para o Outro Lado, e nossas crenças vão de encontro à parede das possibilidades remotas (ou não).

Acho que as UTIs são desumanas, quando nos tiram a liberdade de morrer com dignidade, ligando nossos corpos a aparelhos que inflam ar à força dentro de nossos pulmões. Antigamente, as pessoas morriam em casa, quando chegava a hora delas. Hoje, ficam suspensas por máquinas, até que suas peles cubram-se de feridas e toda a dignidade de seus corpos se extingua. Olhamos para elas, e nem sequer as reconhecemos, não vemos naqueles corpos os corpos que nos sorriam, caminhavam entre nós, eram pessoas.

Cobrimos a morte com um véu de mistério e esperança, quando a morte é apenas... a morte. Pelo menos, para este mundo. E se há um outro, ou outros, não há como estabelecermos contato com ele(s). Acho que precisamos aprender a dizer adeus e seguir em frente. Eu ainda não sei fazer isto.

domingo, 23 de dezembro de 2012

MOSAICO





Música ao vivo, bailes, balas,
La Cumparsita em ritmo disco,
Wando, maçãs, doeu demais,
Pores de sol, finais de tarde.
Boteco do seu Manoel,
Bisnagas inchadas de fermento,
Café com leite, 'pão de vento,'
Queijo fatiado, Fanta Uva.
Muitos almoços preparados,
Roupa lavada, casa limpa,
Pijama estampado com pintinhos,
Dentes escovados, livrinhos de história.
Crianças prontas, Dias das Mães
Jograis, homenagens, festas na escola.
Natais, as compras, os pudins,
Ceias, presentes, dinheiro em falta...
Vinho barato e rabanadas
A mesa pronta, muitos enfeites
Crianças correndo pela sala
E a arvorezinha perfumada.
Livros , revistas, dicionários,
Enciclopédias, Inglês sem mestre,
Perfumes da Avon, talco Pretty Peach,
Rifas, sorteios pelo rádio.
Cachorros, gatos, porquinhos da Índia,
Passarinhos, Hamsters, tartarugas
Repreensões, castigos, surras,
Tardes brincando no Morrinho.
Dias de chuva à janela
De uma casinha pequenina,
Bolo no forno, bolinho de chuva,
Doce de abóbora e gelatina.
A geladeira azul clarinha,
A grande mesa de madeira
Que ocupava toda a cozinha...
As canequinhas penduradas.
Tinha o chamado da vizinha,
O muro baixo, mil conversas,
Alguns convites para as festas,
Doce miúdo, glacé, ki-suco.
A morte do avô, a noite longa
Dormindo em casa da vizinha
Aos oito anos, primeiro velório,
Adeus que eu não compreendia.
O pai ouvindo futebol,
Domingo à tarde, mais um gol...
A mãe reclamando do radinho,
Jogo de damas, peças sopradas...
Sentadas no chão enceradinho,
Jogando varetas e moinho
Queen na vitrola, adolescência,
Longos cabelos, aparências.
Churrasco feito no domingo,
A maionese e a farofa,
Cervejas geladas, Coca-cola,
Vizinhos chamando na calçada.
Os namorados, os cunhados,
Sentados à sala, no domingo,
Temporadas de férias em Cabo Frio,
Praia, calor, e pebolim.
Creme de aveia, bronzeador,
Inevitáveis queimaduras,
Cação ao molho de camarão
Que a irmã fazia na cozinha.
A volta à escola, primeiros empregos,
Dificuldades, crediários,
A roupa nova desejada,
E as paredes descascadas.
Obras em casa, novo banheiro,
Um novo piso na cozinha,
Toalha de plástico, mesa de fórmica,
TV à cores, e cortinas.
Namoro sério, casamento,
Mudanças, casas, apartamentos,
Sobrinhos nascendo, e eu crescendo,
Irmãos indo embora, casa vazia.
Os pais mais velhos, eu sozinha,
Poucos amigos, muitos sonhos,
Segunda morte já sentida,
Maturidade, dor na vida...
Terceira morte, foi meu pai,
Outros amigos, conhecidos
Morrer virou uma rotina,
Cresci, e a morte acompanhando...
Meu casamento, alegria,
O pai ausente, lua-de-mel,
Nova família, muitos ciúmes,
Ressentimentos bem velados.
Sobrevivência, nova casa,
Período longo de alegrias,
Aulas de inglês durante o dia,
Na flor da vida, academia...
Mais duas mortes, dor da vida,
Foram-se o sogro e o sobrinho,
Sobrevivemos, renascemos,
Tombamos bem logo adiante.
Um livro escrito, árvore plantada,
Mais duas mortes esperadas...
E segue a vida, e segue a história,
E as alegrias almejadas.










Minha mãe






O destino pode ser implacável. Embora algumas pessoas acreditem apenas no livre arbítrio, e que tudo o que nos acontece é obra de nossas próprias atitudes, eu venho aprendendo que nem sempre é assim. Às vezes, apesar de tudo o que fazemos para mudar determinada situações, elas se encaminham para um certo fim, independente de nossa vontade ou de nosso esforço.

Tenho registrado meus sonhos mais significativos em um diário, no Recanto das Letras. Há alguns dias, sonhei que minha mãe se aproximava de mim com o rosto tristonho. Ela carregava uma bolsinha de papelão forrada com plástico grosso, estampada com flores cor-de-rosa, semelhante às que ela carregava quando ia viajar à praia com as amigas. Estava muito triste, e me disse que iria viajar, e que não poderia passar o natal conosco. 

Eu perguntei:

-Viajar? Mas para onde, mãe?
-Viajar... eu tenho que ir. Não vou poder passar o natal com vocês.

Eu a abracei, e quando a soltei, ela chorava lágrimas de sangue. Eu disse a ela: "Não vá, mãe, passe o natal conosco..." Mas ela repetiu que precisava ir - e estava bastante contrariada e triste - e acrescentou: "Mas não fiquem tristes, pois o Pai tem planos pra vocês."

Acordei muito angustiada, e contei o sonho a uma de minhas irmãs, que ligou para ela para saber de sua saúde, e depois, ligou-me de volta, dizendo para que eu não me preocupasse, pois ela estava muito bem; tinha sido apenas um sonho. Mas mesmo assim, continuei preocupada.

Dias depois disso, ela adoeceu com um problema na vesícula. Todas as minhas tentativas de apressar a cirurgia deram errado, e tudo o que eu fiz para tentar operá-la em hospital particular, através de uma liminar, também. O hospital descumpriu a primeira liminar, e um outro juiz exigiu uma declaração do hospital dizendo que ali não havia UTI, pois só assim, forçaria a transferência dela para um hospital particular. Todos sabem que a UTI daquele hospital está fechada há meses, mas ninguém lá dentro concordou em expedir a declaração, apesar de meus esforços. Os médicos tentavam nos convencer de que a cirurgia seria simples e que ela tinha muitas chances de sair dela muito bem. Os dias passavam.

 Cheguei a consultar um médico para saber quanto ficaria a operação particular. A cirurgia ficaria caríssima  e tentei de tudo para operar particular, mas quando conseguia uma resposta positiva,  tudo se emaranhava e dava errado na última hora. Eu via as coisas se encaminhando para o pior, e nada parecia dar certo. Após três semanas de internação, faltava apenas um exame para que ela fosse operada por vídeolaparoscopia, e ela se preparou para ele ficando mais de um dia de jejum, obedecendo ao critério injusto e cruel dos hospitais públicos.

No dia do exame, fui perguntar aos enfermeiros da ala cirúrgica por que estavam demorando tanto para levá-la, e eles disseram que eu ficasse calma, pois o exame seria realizado naquele dia. Meia hora depois, o enfermeiro veio me dizer que não sabia o motivo, mas que o exame não seria mais realizado, e como só havia um médico no hospital que fazia aquele exame, e como ele só trabalhasse uma vez por semana, decidiram fazer a cirurgia aberta, devido à urgência do caso dela. Mal pude acreditar no que estava ouvindo!

No início da semana seguinte, levaram-na para a cirurgia, e após seis horas, sabíamos que algo tinha dado errado. Quando ela voltou, assim que a olhamos, percebemos que ela não estava bem. Daí, foi apenas decadência. Passei a noite seguinte com ela, e ela teve muitas dores, e uma forte hemorragia (lembrei-me das lágrimas de sangue do sonho). Além disso, pegou pneumonia.

Ontem, ela estava ainda pior. Não conseguiram conter a hemorragia, e pensavam na possibilidade de entubá-la. Só pedi que aliviem o sofrimento dela. Não acho que ela vá sair viva dessa experiência.

Não peço que ela viva. Ela tem 85 anos de idade, e está doente demais para que possa viver. Há muito deixei de acreditar em milagres. Só peço que ela não sinta dores, apague, não veja nem sinta mais nada. Ontem, quando segurei a mão dela, apesar da aparência ausente, ela apertou minha mão com tanta força, que tive que sair do quarto. Parecia querer me dizer que estava ali, que estava viva.

Ela não vai passar o natal conosco, exatamente como me disse no sonho, mas por que tanto sofrimento? O destino nos levou a exatamente ao momento que vivemos agora, apesar de todo o meu esforço e toda a minha angústia. Só espero que ela não demore muito a deixar este mundo, que seja logo, pois ela não merece sofrer tanto.

Minha mãe é uma amante da vida e da simplicidade. Às vezes, chegava a ser até mesmo 'coquete,' tal a maneira leve e superficial com que encarava as vicissitudes. Jamais lamentou as coisas que não podia mudar, e nem mesmo a morte de alguém querido a deixava triste por mais que algumas poucas horas. Minha mãe sempre aceitou a vida como ela é, e sempre ergueu a cabeça e seguiu em frente, mesmo diante das maiores dores. 

Quando todos estávamos sofrendo e lamentando a morte de meu sobrinho, ela era a única que parecia serena e leve. Minha mãe simplesmente nunca ficou 'de luto.' Viveu a vida como quis, fazendo sempre o que desejou, e as pessoas geralmente não aceitam este tipo de atitude; acham que devemos sempre viver 'para alguém,' cumprindo obrigações, mas após criar seus cinco filhos, ela libertou-se de qualquer obrigação para conosco ou para com qualquer outra pessoa. às vezes eu a achei egoísta, mas depois compreendi a sabedoria de sua atitude. Ela jamais fez da vida, um drama.

Dizia sempre que a vida é linda, maravilhosa e muito curta, e que não devemos desperdiçar um minuto sequer com lamentações e tristezas. Desculpe-me, mãe, mas eu não consigo ser assim.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Algumas Palavras...




Gostaria de ter tempo para percorrer todos os blogs dos quais participo, deixando em cada um deles, uma mensagem de natal, mas infelizmente, não posso. 


Apesar da época alegre e festiva que vivemos - e apesar de adorar o natal - existem coisas acontecendo que fazem com que meu tempo torne-se bastante curto e limitado neste momento.

Mas eu não poderia terminar o ano sem agradecer pelas interações e visitas aos meus blogs, o Liberdade de Expressão e o Avesso. Também agradeço aos blogs dos quais participei, entre eles, Gandavos, Quiosque do Pastel e Recanto dos Autores.

Este foi mais um ano difícil, porém, participar dos blogs deu-me novas perspectivas. Ler e escrever serviu-me não somente como distração, mas também como aprendizado.

Deixo a todos que aqui vieram, mesmo que por um breve momento, meu muito obrigada. Aos que me ajudaram a divulgar meu livro, um obrigada extra especial!

Um Feliz natal a todos, e um 2013 cheio de coisas boas, ótimas e excelentes!


Filosofia de Vida







Minha mãe queria visitar o genro enfermo, que se encontra na UTI há vários meses. Minha irmã gostaria de poupá-la daquela tristeza, mas ela tanto insistiu, que  concordou em levá-la.

Ao chegar no hospital, as duas caminharam em silêncio pelos corredores. Diante do leito, a expressão do rosto dela era de pura tristeza. Lamentou muito o estado de como as coisas estavam se encaminhando, não só para seu genro - por quem ela nutre grande apreço e gratidão - mas também para sua filha e netos, filhos dele.

Ao saírem, minha mãe viu que o dia lá fora estava lindo: uma tarde quente, de céu azul; a vida que chamava para ser desfrutada plenamente. Um contraste entre o que acabara de ver e a paisagem que estava diante dela. Ela suspirou fundo. Minha irmã estava apreensiva. 

Finalmente, minha mãe disse: "Que tristeza..." De repente, seu rosto iluminou-se, e como quem  sabe viver, admitindo que algumas coisas não podem ser modificadas, e que por isso, ruminar pensamentos tristes sobre elas é totalmente inútil, ela deu um sorriso, e convidou:

-Vamos tomar um sorvete?

As duas saíram pela tarde, deixando para trás a tristeza.




terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Após a Tempestade





Passarinhos brincavam de capturar mosquitos e cupins, tendo como fundo, o céu cinzento e pesado. Pareciam alegres. Davam rodopios no ar, indo pousar com suas pequenas presas nos galhos das árvores, que ainda gotejavam pela chuva recém-caída. Poças no chão refletiam o céu, e o perfume da chuva, limpo e fresco, pairava no ar. 

Ficamos na varanda do hospital apreciando aquela beleza tranquila de final de tarde, o carrinho do soro nos acompanhando. Comentamos o quanto as nuvens cinzentas eram lindas. Um pombo pousou no galho mais alto da árvore em frente, e ficamos imaginando a beleza da vista da qual ele dispunha. Parecia um pombo filósofo. 

E de repente, ela agradeceu. Por simplesmente estar diante daquela beleza toda. Agradeceu em voz alta pela vida que teve, chegando a conclusão de que tinha sido boa. O que mais poderia querer? Tinha o carinho dos filhos, tinha aquela tarde. E disse que esperava poder cruzar aquele caminho entre os jardins do hospital dentro em breve, de volta para casa.

Disse que, se pudesse, brincaria carnaval; compraria a fantasia de seu grupo de idosos - um abadá? - e cairia na folia, pois viver é festejar. Cantou um pequeno trecho da estrofe do 'samba' do ano anterior, que segundo ela, dizia 'Não queremos sopinha, não queremos mingau, mas queremos brincar o carnaval.'

E depois repetiu, mais uma vez, o jargão de um personagem de seu programa de comédia preferido: "Pois é, pois é, pois é..."

Hoje ela passa pela cirurgia que pode devolver-lhe a vida. Tomara que ela esteja brincando carnaval em fevereiro.

domingo, 16 de dezembro de 2012

O BOM E O RUIM






É uma pena,
Só te recordas daquela alma
O que não foi bom, 
Os momentos em que ela,
Como tu,
Errou,
Não correspondeu,
Não te serviu...

O que de bom houve,
Ficou enterrado
Sob camadas grossas
De ressentimentos
E de pura e cristalina
Ingratidão.

É uma pena, de verdade,
Que tu só tenhas
Para jogar naquele esquife,
As flores da maldade,
Da intolerância e da impaciência,
Como se, por toda a vida,
Toda a existência
Só o ruim tivesse havido!...

Já não te lembras
Das noites e conversas
Ao pé da cama?
Das muitas vezes
Em que ela segurou-te a cabeça
Enquanto vertias vômito
Na tua doença?
Do quanto ela lutou, e fez de tudo
Para que tivesses, ao menos,
Uma boa escola,
Uma boa vida?

Ainda há tempo
Mesmo que pouco
De repensar o destempero,
De perdoar e de pedir perdão...

Não deixe que o sono chegue, não deixe,
Sem que a paz o recolha, 
Fechando as pálpebras!
Aquilo que tanto desprezas,
Nada mais é que o medo do amanhã,
Do teu próprio amanhã...
Não existem culpas ou culpados
Quando um olhar, apenas um olhar que seja,
De compreensão
Possa ser trocado!

Pois quem se vai, deve ir leve,
Deve saber que perdoou 
E foi perdoado...
Ou nunca mais haverá
Uma só noite de paz,
Um só dia de alegria,
Um sentido para a vida que fica
E para a vida que vai.

Os corações endurecidos
Não se derretem nem mesmo sob o sol escaldante,
Ou sob os escombros
Da vida que desmorona...
E tudo será uma pena,
Se nada terá valido a pena
Se não houver esse momento,
Essa mão estendida
Na hora da despedida.


sábado, 15 de dezembro de 2012

A Lágrima Tríplice







A cada lágrima, seu lenço.
Mas há uma que pende
E engorda, e cai,
E volta a formar-se
Sem descanso.

Lágrima tríplice,
Aquela que nasce
Não nos olhos,
Mas nos glóbulos,
Decanta-se do vermelho
E torna-se puro cristal
Que nunca, nunca
Pára de formar-se
Na fonte dos olhos.

O Último Natal












O ÚLTIMO NATAL




Para muitos de nós, este será o último natal. Aposto que ninguém aprecia esta ideia, mas é a mais pura verdade. Quais de nós estaremos aqui, no ano que vem? Este é um mistério, uma pergunta sem resposta. E cada vez mais, vão sobrando lugares à mesa no dia 25 de dezembro. 


Se você tem toda a sua família à volta da mesa, sinta-se feliz e agradecido! Aproveite bem cada momento, e na noite de natal, olhe bem para cada rosto, desfrute cada sorriso, valorize cada momento. Um dia, tudo será diferente. A vida é movimento constante, e algumas vezes, nos vemos à mercê destes movimentos, como barcos sem remos e sem leme. 

Sempre achei e morrerei achando que, as pessoas que deveriam ser mais consideradas por todos nós, são as da nossa família, e mesmo que a convivência seja difícil, sempre será possível quando soubermos respeitar o jeito de ser de cada um, seu direito de ter opiniões, seu espaço. Saber conviver é uma arte, e impormos a nossa vontade sobre os outros, esperando que pensem como nós ou que acatem sempre os nossos pontos de vista, só pode causar discórdia e afastamento. E mesmo quando há divergências, que saibamos expressá-las com educação, tolerância e respeito, de maneira privada, sem expor o outro ao ridículo. 


Neste natal, olhe bem para quem está à mesa com você, pensando no caminho que percorreram juntos até este momento. Pense bem em quem realmente é importante e tem feito diferença em sua vida. Reflita bem se vale a pena estragar tudo devido a rancores embutidos e rançosos, cultivados à revelia do outro ao longo dos anos, vinganças, ciúmes e invejas. Perceba que partilhar com o outro as suas alegrias, e alegrar-se sinceramente pelo sucesso do outro, respeitando o seu pequeno momento de brilhar, é sinal de elevação espiritual. 

Daqui a pouco, não estaremos mais fazendo parte desta mesa. Qualquer natal poderá ser o último. Valorize os que ainda lhe restam, pois eles jamais retornarão. 

Aprenda a amar sua mãe e seu pai pelo que eles são, relevando seus defeitos e aprendendo a ser tolerante e respeitoso. Aquele que não tem respeito e carinho por seus pais, jamais será capaz de amar ninguém de verdade. Quando pensar nos erros que eles cometeram com você, pense também nos erros que você cometeu contra eles, e verá que foram muito maiores! 

Entenda que os seus irmãos foram colocados em seu caminho por algum motivo; então, jamais dê preferência a estranhos do que a eles, pois os estranhos vão e vem, e na verdade, você nada sabe sobre eles. Alguns apenas se aproximam de você com a intenção de usar o que você tem, e quando o jogo de interesses termina, eles vão embora. 

O maior erro que os seres humanos cometem em relação uns aos outros, é o de pensar que podem ofender, humilhar, falar mal e criticar, e que terão a vida inteira para consertar tudo depois. Pensam: "Ele/a merece uma 'lição,' mas sem antes pensar se eles mesmos tem respaldo moral para dar lições em alguém. 

Você tem sim, a vida inteira pela frente para corrigir seus erros; mas ... você sabe até quando é 'para sempre?' No próximo natal, a sua mesa poderá estar ainda mais vazia. Pode ser que aquela pessoa não esteja mais lá, ou que você não esteja mais lá. Lembre-se: se você odeia e despreza as pessoas de sua própria família, não tem nenhum direito de celebrar o natal. Vá dormir mais cedo.



sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Reflexões Irrefletidas






Algumas perguntas  tem me martelado a cabeça ultimamente. Uma delas:

-O que é 'destino?' Por que será que muitas vezes nos empenhamos ardentemente para atingir um objetivo que é justo e não-egoísta, em prol do bem estar de outras pessoas, e mesmo assim, não conseguimos bom resultado?

Tentar sanar o sofrimento alheio e não conseguir: qual a mensagem que existe nisto? Por que pessoas boas sofrem? Eu às vezes penso que Deus retirou-se. Simplesmente, cansou-se de nossas mazelas, e hoje, observa-nos, em nossas tentativas de tentar agir e resolver nossos problemas sem a sua ajuda.

Talvez Ele seja mesmo um bom pai, e saiba que para serem fortes, seus filhos precisam aprender a agir sozinhos. Pelo menos, é a única conclusão a que eu consigo chegar.

Vivemos tempos estranhos. Tudo parece perder o sentido quando vemos nossos objetivos esfacelando-se no chão, sem força, sem propósito e sem respostas. O mundo encontra-se em um imenso turbilhão, e é difícil enxergar através dele.

Sei que no meio disso tudo existe um propósito, e pensar o contrário, faria com que eu enlouquecesse de vez. Talvez nossas vontades se cruzem com outras vontades, e nossos sonhos estejam no caminho de alguma coisa maior que eles, a qual não compreendemos. 

Quem sabe, a serenidade esteja em não pensar. Quando nada dá certo, pode ser que é porque não depende de mim para que dê certo, e afinal, o que significa 'dar certo?' Nem isso eu sei responder... será que dar certo quer dizer que tudo deva acontecer da forma que eu quero? Ou será que existem um tempo, uma lição e um motivo que é para estas pessoas a quem não se pode ajudar?

Se um gênio da lâmpada aparecesse e me concedesse três desejos, eu pediria um, apenas: que todas as pessoas do mundo pudessem ser felizes e ter paz de espírito. Só isso. Mas não seria demais?

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

CONTOS





Mergulho feliz
No livro de contos,
Nas histórias que falam
De reformas de casas,
Grandes amores,
Desencontros.

O mundo subtrai-se,
A realidade
Mascara-se de sono
E tranquilidade.

Entre as camas,
Arrastam-se dores,
Medos
E saudades.

LUZ




Raia, dia!
Inunda de luz
Este quarto,
Leva embora
para longe
(E para sempre)
Esse estado de coisas,
Esse fado!

Se é fato consumado,
Consumido está
O fato!
Raia, dia!
Raios o partam!

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

AQUI - Enfermaria II






Aqui,
Feliz é quem dorme
Desfrutando o dom
Do esquecimento,
Subtraindo-se, assim,
Ao sofrimento,
À dor das fraturas!

Aqui,
A esperança,
A hora feliz,
Descansa na espera
Da xícara de café
De manhãzinha,
E na pílula do esquecimento,
Quando a noite chega.
Riso, um luxo,
Felicidade? Mal-vista...
Alegria? Mal-vinda.

DEMORA





Driblo a madrugada
Com saudades do dia
Através das palavras,
Das frases que deito
Tentando arrancar poesia
Do sofrimento.

Pela janela, lá no céu,
Há uma estranha estrela
Que, desesperadamente, 
Brilha.

Irônica beleza.

A brisa fresca
Faz dançar a copa
Da mangueira,
E me faz pensar
No quanto tudo é breve,
Mas demora...

ENFERMARIA






Em volta,
Ossos quebrados,
Sonhos quebrados
E interrompidos,
Gemidos de dor.

Uma longa  e dorida espera,
Que, todos os dias, 
Tenta virar esperança
Ou desespero,
Metamorfoseando-se
Conforme nasce e morre
Cada dia.

À noite, a dor desperta,
E eles anseiam pela resposta
Às preces não ouvidas
Dirigidas a deuses egoístas.

A senhorinha reclama,
Sente saudades de casa,
Dos cães, das panelas,
Dos canteiros de ervas
Por ela plantadas...
O filho anda longe,
Não tem tempo,
Deixou todo o tempo que tinha
Naquela cama, com ela,
E o tempo ficou, não passa...

A outra, aguarda
Há dois meses, por uma cirurgia,
Enquanto quem deveria
Providenciá-la com urgência,
Conta a maldade nas notas que desviou.
Para cada nota, um milênio
Que com certeza, tal pessoa
Há de passar no inferno.

E o inferno é aqui,
Onde jazem, imóveis,
Por dias, por meses,
Enquanto os ossos soldam-se tortos...

Paraíso? Distante!
Palavra vaga e fria,
Rolando nas pupilas 
De cada paciente
Da enfermaria.

COTIDIANO






Viver cada momento
Com a força de um furacão
E a suavidade de um ameno vento,
Guardar bem, na memória,
Cada vislumbre
Da mais fugaz alegria,
Como a mesa de um café
No começo do dia,
A despedida, no portão,
A paisagem que passa
E nos ultrapassa
Pela janela do coletivo.

Valorizar um bolo
Com velinhas espetadas
E um despretensioso
'Parabéns a você,'
Amar a rotina,
Aproveitando bem
Enquanto tudo vai bem,
E a morte anda longe,
Em algum lugar no futuro...

Assistir à novela,
E ao telejornal
Deixando a surpresa
E a curiosidade,
E a indignação
Conduzir-nos ao final
De cada história mostrada,

Com a certeza
De que o final muda sempre
Durante o percurso: 
Basta uma morte,
Ou um golpe de sorte,
Ou o bater das asas
De uma desconhecida borboleta.

Encher-se de alegria,
Da simples alegria
De estar vivo,
E ter amigos, e ter família!

Amanhã,
Tudo será diferente,
Pode haver perdas,
Pode haver dor,
E aqueles a quem amamos
Podem sumir, de repente,
Deixando um vazio
Que nada jamais preenche.

E lá no futuro,
(Se souberes ser feliz)
Estarão as palavras
Que selam a história da vida,
Cuidadosamente deitadas
Em um livro
Com uma linda capa.

São tais palavras:
Obrigada,
Foi bom,
Adeus.

*

PONTO FINAL






Não se chega a nenhum lugar
Quando não há lugar algum
Aonde se possa chegar.

Pontos de interrogação
Pontuam toda uma vida,
Vírgulas, tremas, parágrafos,
Mas nenhum final.

Pois a vida só é vida
Quando há mistério,
Quando é preciso
Pegar nos remos,
Fazer escolhas,
Cometer erros.

Uma viagem sem destino,
Mas levaremos conosco
Cada um, as suas linhas,
Vários itinerários,
Mas nenhum condutor
Além de nós mesmos.

SEREIAS







"As sereias tem algo mais mortífero que sua canção: seu silêncio." - Kafka

SEREIAS


Prefiro ouvir as sereias
A perder-me no silêncio
Que se esconde sob as ondas.

Pois mais letal que a ilusão,
É o vazio de si mesmo,
É uma alma a sossobrar.

E mesmo que, porventura,
Esse canto me inebrie
Me levando para o fundo,

Sufocarei com prazer,
Pois saberei conhecer
A verdade sobre o mundo.


quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Dimensão





Para uma só flor,
Um pequeno vaso,
Para um cansaço,
Uma  cadeira, 
Um abraço,
Para o bom lápis,
Basta um só traço.

Uma palavra
Para ouvidos bons,
Uma candeia
Para um alpendre,
Uma só noite
Até o raiar
De um novo dia.

A cada coisa,
O seu dia,
Sua dimensão,
Um único passo
Atrás de outro passo
Para uma estrada
Longa e escura.

A cada vez,
Um lado da lua,
Para um mistério,
Uma resposta
Que flutua,
Ao alcance
De uma só mão
(Ou não).

A cada dia,
O seu mister,
Ao prato cheio,
Uma colher
De cada vez,
Bem devagar,
Bem mastigada
E engolida
Até que a vida...

Não te Escondas!





Não te escondas
Por trás da pétala,
Atrás do frágil,
Enfrenta os tons
Que tu escolheste,
Que tu pintaste!

Não uses nunca
Uma alma frágil
Como uma arma,
Como vingança,
Intransigência!

Cabeça falha,
A alma paga,
O corpo paga,
O amor paga!...

Não percas nunca 
O que te resta
De compreensão,
De piedade,
Boa vontade!

Na tua terra 
Palavra é pedra,
E o papel
Vale bem mais
Que o amor,
Que a amizade...

É impossível
Chegar a acordos
Com gente dura
De coração,
Gente indigente,
Gente covarde!




É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...