quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

O Barco








O barco espera as águas
Que o levarão...
Criou raízes
Que o prenderam
Ao chão.

Será preciso
Muita água,
Muitas ondas,
Maremotos
Que desprendam,
Soltem,
Façam navegar o barco
Para longe...

O barco sabe,
O bardo sabe,
Que nunca mais voltará.
O barco quer ficar,
O bardo quer partir.

*

5 comentários:

  1. Muito bonito seu poema, bem claro, simples, e é aí que mora a beleza da arte grafada. Parabéns e obrigado por postar aqui mais um de sues textos belíssimos! Abraços

    R. Leroux ~> Blog Diretrizes da Vida

    ResponderExcluir
  2. Lindo!

    Há sempre forças que se opõem, embora a partida do barco seja sempre inevitável, as lembranças das suas andanças são inesquecíveis.

    bjos

    ResponderExcluir
  3. É sempre um prazer ler o que escreve. O barco não foi criado para criar raízes que o impeçam de navegar. E em certo momento, verá seu desejo de ficar conflitando com sua necessidade de partir. Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Deriva enraizado barco raza enseada marejado olhar o horizonte onde ela está. Onde ela está...onde ela está...onde ela está?

    ResponderExcluir
  5. Passei pra te ler (CLARO)!! E pra imaginar muito mais...
    gosto imenso de tuas palavras.

    bacios

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

A Minha Vida

Parada na esquina De pé,  Mas cansada, A bolsa jogada nos ombros Pronta para a viagem Há tempos planejada. And...