quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

O Barco








O barco espera as águas
Que o levarão...
Criou raízes
Que o prenderam
Ao chão.

Será preciso
Muita água,
Muitas ondas,
Maremotos
Que desprendam,
Soltem,
Façam navegar o barco
Para longe...

O barco sabe,
O bardo sabe,
Que nunca mais voltará.
O barco quer ficar,
O bardo quer partir.

*

5 comentários:

  1. Muito bonito seu poema, bem claro, simples, e é aí que mora a beleza da arte grafada. Parabéns e obrigado por postar aqui mais um de sues textos belíssimos! Abraços

    R. Leroux ~> Blog Diretrizes da Vida

    ResponderExcluir
  2. Lindo!

    Há sempre forças que se opõem, embora a partida do barco seja sempre inevitável, as lembranças das suas andanças são inesquecíveis.

    bjos

    ResponderExcluir
  3. É sempre um prazer ler o que escreve. O barco não foi criado para criar raízes que o impeçam de navegar. E em certo momento, verá seu desejo de ficar conflitando com sua necessidade de partir. Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Deriva enraizado barco raza enseada marejado olhar o horizonte onde ela está. Onde ela está...onde ela está...onde ela está?

    ResponderExcluir
  5. Passei pra te ler (CLARO)!! E pra imaginar muito mais...
    gosto imenso de tuas palavras.

    bacios

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

VOLTANDO...

Veneza Olá, pessoal! Estive fora por uns dias, realizando um grande e muito antigo sonho: conhecer a Itália! Foi uma experi...