segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

LUZ




Raia, dia!
Inunda de luz
Este quarto,
Leva embora
para longe
(E para sempre)
Esse estado de coisas,
Esse fado!

Se é fato consumado,
Consumido está
O fato!
Raia, dia!
Raios o partam!

3 comentários:

  1. Muitas vezes o que salva é justamente a impermanência das coisas. Bjs

    ResponderExcluir
  2. Olá Ana! Que linda poesia! acho que o que acontece é isto mesmo, depois do fato consumado não se pode voltar no tempo, por iso temos que pensar antes de agir. Bjuss uma linda noite.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...