quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Dimensão





Para uma só flor,
Um pequeno vaso,
Para um cansaço,
Uma  cadeira, 
Um abraço,
Para o bom lápis,
Basta um só traço.

Uma palavra
Para ouvidos bons,
Uma candeia
Para um alpendre,
Uma só noite
Até o raiar
De um novo dia.

A cada coisa,
O seu dia,
Sua dimensão,
Um único passo
Atrás de outro passo
Para uma estrada
Longa e escura.

A cada vez,
Um lado da lua,
Para um mistério,
Uma resposta
Que flutua,
Ao alcance
De uma só mão
(Ou não).

A cada dia,
O seu mister,
Ao prato cheio,
Uma colher
De cada vez,
Bem devagar,
Bem mastigada
E engolida
Até que a vida...

4 comentários:

  1. Eu gosto imenso de ler-te , Ana! Aliás pouco estou entrando na net e pouco tem sido minhas visitas... Mas sempre leio teus escritos e naum tem como deixar de comentar.

    Vc é uma poeta pronta, tem singularidade e maturidade nas metáforas e transforma a simplicidade, inovando o habitual; como neste poema denso e desbravador de entranhas. Exatamente como eu gosto: sem reodeios, nem chatices.
    Ando lendo e quieta no meu canto. Também estou escrevendo e armazenando... Quem sabe novas histórias.
    Bj amiga!

    ResponderExcluir
  2. E não se faz necessário contar os passos, nem buscar os largos horizontes. Cada coisa a seu tempo, com simplicidade e ausência de pressa. Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...