xmas

Free background from VintageMadeForYou

sexta-feira, 30 de março de 2018

Feliz Páscoa!






Feliz Páscoa!

Desejo a todo uma Feliz Páscoa. Que possam encontrar nesta data, que para mim é tão importante quanto o Natal, um pouco de arte - arte de conviver, de ser humilde, de olhar para o outro e enxergar nele o melhor.

Arte de alegrar-se pelas conquistas alheias, respeitar escolhas, partilhar sonhos. Arte de saber rir de si mesmo e não levar a vida tão a sério, sem colocar-se como o centro do universo.

E acima de tudo, nesses tempos tão estranhos, arte de saber discernir, ler nas entrelinhas, tomar decisões acertadas baseadas em escolhas refletidas. Arte de saber canalizar a violência e o antagonismo dentro de si e transformá-los em alguma expressão mais bonita e suave que possa pacificar o mundo, ao invés de despertar ainda mais ódio.

Feliz Páscoa a todos.




quarta-feira, 28 de março de 2018

Outono









Na tarde de outono,
A quase lua cheia
Tão pálida, tão branca,
Passeia de um lado;
Do outro, o sol poente.

Num céu azul-marinho
(Vermelho no horizonte)
A saga dos amantes:
Eterno despedir-se
No instante em que se veem...

A lua e o sol no céu,
No mesmo céu de sempre,
Um céu sempre de adeus,
Como quando me vejo
Dentro dos olhos teus.



A todos os leitores e amigos do blogger, meus sinceros desejos de uma Feliz Páscoa e uma Semana Santa de muitas reflexões!





terça-feira, 27 de março de 2018

Negação - Um Texto de Sri Prem Baba







“Esta é a ilusão básica que sustenta a miséria do mundo: a ideia de que somos carentes e precisamos receber algo de fora.” – Sri Prem Baba

NEGAÇÃO


“O distanciamento da nossa verdadeira identidade vai se tornando cada vez maior, até que chega um momento em que ocorre uma cisão: perdemos a conexão com aquilo que somos e passamos a acreditar que somos a máscara. Esse rompimento é extremamente doloroso, é como se fôssemos cortados ao meio e um buraco se abrisse dentro de nós. Daí nasce todo vazio interno que acompanha o ser humano em toda a sua existência. E para conseguirmos lutar contra essa dor brutal, acionamos o mecanismo da negação.





Assim como suavizamos a dor das feridas físicas com analgésicos, amenizamos a dor das feridas emocionais através da negação. A negação é como um analgésico psicoemocional que pode agir por tempo indeterminado. Trata-se de um mecanismo que tem o poder de jogar para os porões do inconsciente todos os sentimentos negativos, todo o conteúdo interno que não queremos ver ou sentir. Dessa forma, escondemos dos outros e de nós mesmos aquilo que não aceitamos e com o que não queremos entrar em contato. 
Essa é a forma que encontramos para nos proteger e não mais entrar em contato com a realidade de que fomos reprimidos e machucado. Esse mecanismo sustenta a falsa identidade, porque fortalece a crença inconsciente de que somos vítimas carentes e que não somos aceitos pelo que realmente somos. 
..........





Essa desconexão gerada pela cisão com a verdadeira identidade gera a ilusão de que somos separados da fonte da vida. Em outras palavras, nós perdemos a consciência de que a fonte da vida nos habita e de que nós somos parte de uma corrente de energia universal de onde recebemos tudo o que precisamos. Acreditando estar separados dessa fonte que nos nutre, nós passamos a acreditar que somos carentes e com isso nos tornamos escravos do outro. Nós temos a fonte do amor dentro de nós, mas acreditamos que precisamos receber esse amor de alguém. 



quinta-feira, 22 de março de 2018

PASSARINHO







Passarinho


Passarinho é coisa tão, mas tão delicada...
Canta e morre assim, de repente, do nada.
Pousa no galho, pia e faz graça,
E depois ele voa, e nunca mais passa.

Deixa no ar uma penugem leve
Que cai devagar, ao vento entregue;
Pousa nos pés de alguém que nem vê,
Essa pequena pluma, presente tão breve!

Passarinho é coisa tão, mas tão bonita...
Canta e encanta o amargor dessa vida.
Nasceu para voar e para ir embora,
Mas sempre há alguém que o põe na gaiola!

E ele canta, assim, só de tristeza
Na tarde que cai, inclina a cabeça...
E quem o escuta, ainda diz que é alegria
Pois não consegue escutar sua agonia!

Passarinho é coisa tão, mas tão abençoada...
Nasceu para ir, assim, na revoada,
Bando de seres alados, quais anjos,
Soltam seu canto no céu que cobre a estrada!

Passam voando por sobre a gaiola
Onde, desolado, um deles só chora...
-Deus queira que um dia, em hora incerta,
Alguém não perceba a portinhola aberta!

Porque passarinho tem por codinome
A palavra mais linda por sobre o seu nome:
E ela é Liberdade, essa coisa que a inveja
De quem jamais voa, sem dó, apedreja.






Arrogância ou Amor Próprio?









Às vezes, alguém escolhe não gostar de nós. Não importa o que façamos, tal pessoa simplesmente olha para nós e decide que temos alguma coisa que as incomoda. Talvez seja a nossa maneira de andar, olhar, sentar, falar. Quem sabe, a nossa maneira de calar. Ou de respirar. Não importa: quando alguém nos escolhe como alvo, de nada adianta lutar contra isso, ou tentar reverter a situação, pois não importa o que possamos fazer, só servirá para agravar ainda mais a situação, pois será apenas mais uma anotação feita no livro do ódio dessas pessoas. Qualquer coisa que façamos ou digamos será distorcida e virará uma justificativa, diante dos outros, que a pessoa usará para continuar nos detestando.

Uma vez trabalhei com uma moça que não gostava de mim, embora eu jamais tivesse dado a ela motivos para tal. Durante uma conversa informal entre amigas, eu descobri o motivo de tanto ódio – e acreditem, a futilidade de tal motivo muito me chocou. Conversávamos sobre características físicas, uma conversa informal e bem-humorada, quando de repente ela me olhou e soltou esta pérola na frente de todo mundo, a voz trêmula de ressentimento: “Você tem peito e tem bunda. Eu queria ter esse corpo.” Bem, a moça em questão era magra e bem proporcionada, e jamais teria passado pela minha cabeça que ela me invejasse pelos meus atributos físicos que mais me incomodavam. Devido à futilidade do motivo, mais tarde eu fiz de tudo o que podia para mostrar a ela que eu era uma pessoa legal, afinal de contas, mas de nada adiantou. Ela me detestou por anos a fio, inclusive me prejudicando voluntariamente no trabalho várias vezes. 

Ontem eu conversava com alguém e ela começou a falar sobre o ressentimento que algumas sogras guardam a respeito de suas noras. Tal ressentimento, muitas vezes sem qualquer razão, está baseado na falsa verdade de que a nora “roubou” seu filho. A sogra que pensa desta forma se recusa a compreender que o seu ódio não é da nora em questão, mas de qualquer uma que estivesse no lugar dela; até mesmo se fosse um grande amigo com quem o filho passasse muito tempo, ela talvez o odiasse da mesma forma. Mas tais ódios em família causam fendas entre os relacionamentos, e essas fendas tendem a crescer e causar rupturas definitivas. O que poderia ter se tornado  amizade, colaboração e união, transforma-se em uma guerra silenciosa de ressentimentos, ciúmes e inveja. 

Quem odeia, muitas vezes não contente em odiar sozinho, gosta de instigar outras pessoas contra o seu desafeto. E as outras pessoas muitas vezes acabam aprendendo a nutrir e expressar esse mesmo ódio. Quando não podem fazê-lo abertamente, elas o fazem nos pequenos gestos; elas o deixam bem claro nas indiretas, nas exclusões, nos olhares de soslaio. E quem passa por isso, sofre. Porque não entende o porquê de ter sido escolhido como alvo em determinado grupo.

De repente, a pessoa odiada finalmente compreende que de nada adianta tentar lutar; de nada adianta tentar ser agradável, cordata, viver caminhando pelos cantos para não provocar olhares reprovadores, deixar de ser quem é a fim de tentar ser o que ela acha que poderia agradar quem a odeia; porque, quem odeia, não está disposto a mudar. Não quer passar a gostar, e jamais vai admitir que sustentou uma opinião errada e injusta durante anos a fio a respeito de alguém. 

E então, essa pessoa simplesmente desiste.

E o que significa desistir? É não se importar mais. Não ligar mais para o que pensam a respeito dela, e caminhar da maneira que quiser, sem se importar com opiniões, fofocas e olhares reprovadores. 
E é exatamente neste momento, que ela passará a ser conhecida como “arrogante.”
“Fulana é arrogante porque não fala com ninguém. Não pede a opinião de ninguém, enfim, não faz o que a gente espera que ela faça.”  E continuam os julgamentos. 

Mas talvez seja bem melhor ser considerado arrogante por quem nos subestima a continuar nos subestimando a nós mesmos. Amor próprio é fundamental. E também é bem melhor estar sozinho e totalmente em paz – sabendo que jamais fez nada para prejudicar ninguém, nunca hostilizou ou segregou alguém devido a uma antipatia sem fundamentos – a continuar sendo saco de pancadas alheio. 

Quem sabe, a minha missão aqui na terra seja compreender e assimilar esta verdade? Se for, acho que estou a caminho.






terça-feira, 20 de março de 2018








Eu rezo a um Pai cujo rosto eu não conheço,
Eu peço a um Filho que eu jamais pari
E faço o sinal da cruz,
Mencionando um Espírito Santo que nunca vi.

Murmuro palavras que me foram ensinadas,
E outras palavras que eu mesma invento.
Eu peço, imploro, tento
Alcançar uma luz que há de cegar-me.

As adagas pontiagudas da fé
Dançam em volta de mim,
Cortam de leve,
Sangrando sentidos
E eu, em suspiros desabridos,
Tento escutar a leve voz
Suave e santa – Doce Algoz!

O cheiro do incenso que santifica,
Purifica a minha dúvida.
De joelhos eu caio; cortam-me os cacos
Da fé sobre a qual estou prostada.









quarta-feira, 14 de março de 2018

Meus Dois Stephens









Existem dois Stephens que conheci através das letras: Stephew King e Stephen Hawking. Para mim, ambos são magos dentro de suas especialidades. O primeiro inventa mundos, e o outro, os descobre. Ambos têm aparência forte; o primeiro tem um olhar que parece o de alguém saído de um manicômio de filme de terror, e o segundo, uma força descomunal aprisionada dentro de um corpo encarquilhado e imóvel.

Ambos chocam, surpreendem, causam espanto e admiração. Ficamos amedrontados ao entrar no mundo de King, mas não conseguimos voltar, uma vez que a porta esteja aberta e tenhamos dado o primeiro passo; e ficamos curiosos e esperançosos (ou desesperançados) ao adentrarmos o mundo de Hawking, e concluímos que também não conseguiremos voltar, mas por razões totalmente diferentes.

Cresci convivendo com eles através dos livros. King ensinou-me que o sobrenatural pode estar nas situações mais corriqueiras do dia; na imagem que passa pelo canto dos olhos, no ruído estranho que geralmente ignoramos, na sombra esquiva em um quarto escuro, na aparente normalidade de uma comunidade de pessoas, e mais ainda, dentro de nós mesmos. Hawking ensinou-me que podemos voar tão alto quanto desejarmos, usando apenas a força do pensamento e o combustível da curiosidade. Esta lição está tatuada em seu próprio nome: “Hawk”, em inglês, significa “falcão.”  E a gente sabe muito bem que  podemos colocar um falcão em um poleiro com uma corrente prendendo suas garras, mas quando o soltarmos, ele voará acima de nossas cabeças e enxergará aquilo que jamais enxergaremos. Tiramos o falcão do céu, mas jamais seremos capazes de tirar o céu do falcão.

E hoje, o Falcão voou. Vejo-o ir ao encontro dos céus com os quais sonhou, em direção aos mundos que ele descobriu, comprovando ou aperfeiçoando as suas teorias. Livre, finalmente livre, sem o peso do corpo que o conteve, durante tantos anos, contra todas as probabilidades médicas. Corpo que jamais foi capaz de conter sua genialidade, impetuosidade e capacidade de ser mágico e ensinar a todos sobre a magia da vida.






terça-feira, 13 de março de 2018

Tenho Pensado...










Eu tenho pensado muito em você,
E descobri que ainda lamento
E choro pelo que era doce.
Eu tenho muitas saudades
De como era, e do que eu pensava
E acreditava que você fosse.

Era bom, andar ao seu lado,
Os pensamentos sempre interligados,
Os passos pisando o chão, seguros,
Aparentemente caminhando
Sempre na mesma direção.

Era boa, a sensação
De que eu sempre teria você
Por perto, de braços abertos,
A me amparar, se eu caísse.

Sinto saudades das nossas andanças,
Da sensação  de segurança,
Das risadas à mesa, aos domingos,
Das tardes amenas de conversas
Do conviver por diversão.

Eu sinto falta das lanchonetes,
Daquelas festas de São João,
De fazer juntos o mercado
As compras no mesmo cartão.

De onde menos se espera o corte,
É bem dali que ele vem mais forte,
E a dor que nasce, dilacera,
A  pele jamais cicatriza...

Fecha-se os olhos, mas a ferida
Por mais que se queira, nunca fecha.
E fica aquela estranha brecha
Ardendo, até o fim da vida.





quinta-feira, 8 de março de 2018

POEM FOR A CAT




I never wanted you to come and stay
But never wished that you would go away.
I was so happy when I heard you meow
When you came into through my bathroom window.

Then we were friends, and not so long ago
I'd always find you sleeping in my bed...
At times I felt you were trespassing, though...
But now you're gone, I feel so very sad!

Where has she gone, where is the little cat
I used to see, who kept me company?
She stood beside when I was weak and ill
And I can feel her silent presence still.

She moved away with her real family
The lonely one now that she's gone is me!
No-one comes in, the bathroom window is bare
I miss that long, suspicious precious stare!




terça-feira, 6 de março de 2018

Coisa Sagrada





Há alguma coisa sagrada no voo dos pássaros,
Na maneira como eles se jogam, sem medos,
Com toda a certeza de que o horizonte está próximo
E o chão está longe.


Às vezes, deixam cair uma pluma leve,
Que vai descendo devagar do mundo dos deuses alados
Oscilando com o vento, procurando onde pousar,
Até que encontra o Chão dos Desencantados.


E eu penso, quando deparo com uma delas
A aterrissar levemente aos meus pés:
Será uma mensagem de esperança contumaz
Ou está ali apenas para lembrar-me
Do que eu nunca, jamais serei capaz?




Delicadeza








Entre a flor e o elefante
Existia um amor platônico,
Daqueles, sempre distantes...

Um gesto, e ele a colheria!
Só um momento de dor
E o perfume que ela tinha
Todo se derramaria!

Mas o elefante passava,
Pisando duro, pisava
Sem ver a flor pequenina...

E a flor com ele sonhava,
E em seus sonhos, se entregava
Ao amor que ele não tinha!

Mas um dia, como sempre
Acontece nas histórias,
O elefante se deteve
Diante daquela flor
Que de triste, já murchava...

Então ele, de repente,
E imprevisivelmente,
No momento do adeus
Por ela se apaixonava...

Mas a flor caiu sem lume
Sobre as patas do elefante, 
Que aspirou com sua tromba
O que restou do perfume...



(poeminha baseado na ilustração)








Lula Livre?

Lula Livre? Gostaria de dizer o que me incomoda nesta frase. Não é bem a liberdade de Lula, mas a maneira como ela foi co...