witch lady

Free background from VintageMadeForYou

quinta-feira, 22 de março de 2018

Arrogância ou Amor Próprio?









Às vezes, alguém escolhe não gostar de nós. Não importa o que façamos, tal pessoa simplesmente olha para nós e decide que temos alguma coisa que as incomoda. Talvez seja a nossa maneira de andar, olhar, sentar, falar. Quem sabe, a nossa maneira de calar. Ou de respirar. Não importa: quando alguém nos escolhe como alvo, de nada adianta lutar contra isso, ou tentar reverter a situação, pois não importa o que possamos fazer, só servirá para agravar ainda mais a situação, pois será apenas mais uma anotação feita no livro do ódio dessas pessoas. Qualquer coisa que façamos ou digamos será distorcida e virará uma justificativa, diante dos outros, que a pessoa usará para continuar nos detestando.

Uma vez trabalhei com uma moça que não gostava de mim, embora eu jamais tivesse dado a ela motivos para tal. Durante uma conversa informal entre amigas, eu descobri o motivo de tanto ódio – e acreditem, a futilidade de tal motivo muito me chocou. Conversávamos sobre características físicas, uma conversa informal e bem-humorada, quando de repente ela me olhou e soltou esta pérola na frente de todo mundo, a voz trêmula de ressentimento: “Você tem peito e tem bunda. Eu queria ter esse corpo.” Bem, a moça em questão era magra e bem proporcionada, e jamais teria passado pela minha cabeça que ela me invejasse pelos meus atributos físicos que mais me incomodavam. Devido à futilidade do motivo, mais tarde eu fiz de tudo o que podia para mostrar a ela que eu era uma pessoa legal, afinal de contas, mas de nada adiantou. Ela me detestou por anos a fio, inclusive me prejudicando voluntariamente no trabalho várias vezes. 

Ontem eu conversava com alguém e ela começou a falar sobre o ressentimento que algumas sogras guardam a respeito de suas noras. Tal ressentimento, muitas vezes sem qualquer razão, está baseado na falsa verdade de que a nora “roubou” seu filho. A sogra que pensa desta forma se recusa a compreender que o seu ódio não é da nora em questão, mas de qualquer uma que estivesse no lugar dela; até mesmo se fosse um grande amigo com quem o filho passasse muito tempo, ela talvez o odiasse da mesma forma. Mas tais ódios em família causam fendas entre os relacionamentos, e essas fendas tendem a crescer e causar rupturas definitivas. O que poderia ter se tornado  amizade, colaboração e união, transforma-se em uma guerra silenciosa de ressentimentos, ciúmes e inveja. 

Quem odeia, muitas vezes não contente em odiar sozinho, gosta de instigar outras pessoas contra o seu desafeto. E as outras pessoas muitas vezes acabam aprendendo a nutrir e expressar esse mesmo ódio. Quando não podem fazê-lo abertamente, elas o fazem nos pequenos gestos; elas o deixam bem claro nas indiretas, nas exclusões, nos olhares de soslaio. E quem passa por isso, sofre. Porque não entende o porquê de ter sido escolhido como alvo em determinado grupo.

De repente, a pessoa odiada finalmente compreende que de nada adianta tentar lutar; de nada adianta tentar ser agradável, cordata, viver caminhando pelos cantos para não provocar olhares reprovadores, deixar de ser quem é a fim de tentar ser o que ela acha que poderia agradar quem a odeia; porque, quem odeia, não está disposto a mudar. Não quer passar a gostar, e jamais vai admitir que sustentou uma opinião errada e injusta durante anos a fio a respeito de alguém. 

E então, essa pessoa simplesmente desiste.

E o que significa desistir? É não se importar mais. Não ligar mais para o que pensam a respeito dela, e caminhar da maneira que quiser, sem se importar com opiniões, fofocas e olhares reprovadores. 
E é exatamente neste momento, que ela passará a ser conhecida como “arrogante.”
“Fulana é arrogante porque não fala com ninguém. Não pede a opinião de ninguém, enfim, não faz o que a gente espera que ela faça.”  E continuam os julgamentos. 

Mas talvez seja bem melhor ser considerado arrogante por quem nos subestima a continuar nos subestimando a nós mesmos. Amor próprio é fundamental. E também é bem melhor estar sozinho e totalmente em paz – sabendo que jamais fez nada para prejudicar ninguém, nunca hostilizou ou segregou alguém devido a uma antipatia sem fundamentos – a continuar sendo saco de pancadas alheio. 

Quem sabe, a minha missão aqui na terra seja compreender e assimilar esta verdade? Se for, acho que estou a caminho.






7 comentários:

  1. oi Ana

    Cada um só dá o que tem.
    Por vezes não é que a pessoa não goste da gente, é que temos algo parecidos, e como esse algo incomoda essa pessoa ela prefere agir dessa forma.
    Projeções correm em todas as relações, temos que ter um olhar critico.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  2. Ana, a cada ser assim que aparece em nossas vidas, ainda bem mais aprendemos... AFFF! rs.. beijos, chica

    ResponderExcluir
  3. Olá, querida amiga Ana!
    "Quem odeia, muitas vezes não contente em odiar sozinho, gosta de instigar outras pessoas contra o seu desafeto."
    Prefiro ser chamada de arrogante do que de falsa... como desenrolou bem seu texto/desabafo...
    Seja muito feliz e abençoada junto aos seus amados!
    Bjm de paz e bem

    ResponderExcluir
  4. Amiga Ana, bom texto, com reflexões proveitosas, sim, no final gostei, compreender e assimilar essa verdade já é um bom começo de seguir sendo feliz com você mesma!
    Não acredito que seja ódio pelas pessoas, propriamente dito, pois o ódio, no caso da pessoa ter te odiado, acredito que o ódio dessa era dela mesma, não estar feliz com o próprio corpo, no caso aqui mencionado!
    Abraços querida amiga!

    ResponderExcluir
  5. Muito bom texto. É sempre discutível fazer juízos de valor sobre quem gosta de nós ou não gosta. Por vezes as aparências iludem.
    .
    * Amor em líricos fragmentos de vento. *
    .
    Cumprimentos poéticos.

    ResponderExcluir
  6. OLá querida Ana, já passei por isso, fui invejada pela minha popularidade para com meus pacientes a quem eu dedicava muito amor e carinho , e por isso fui destaque em um dos hospitais que trabalhei no Rio, mas eu nunca me manifestei nem fiz nenhum sacrifício para que a criatura viesse a gostar de mim,pessoas assim , a gente tem que ficar longe delas. minha mãe dizia que o silêncio fere a língua do invejoso, e é verdade.
    Seu relato é uma pura realidade nos dias atuais.

    Bjs flor!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Parceiros

NUNCA MAIS

      E veio a inundação, Invadiu a casa onde eu morava E me trancava, Levando consigo tudo o que se escondia Em meus porões. O medo venceu ...