segunda-feira, 31 de março de 2014

Casa aos Domingos




Antigamente, a casa aos domingos ficava cheia. Era dia de macarronada com purê de batatas, molho de carne moída bem grosso e vermelho, refrigerante... enfim, tudo o que não se deve comer, mas eu não engordava. A gente às vezes colocava a mesa lá fora. Havia música. 

À noite, a melancolia daquela velha vinheta do Fantástico, que até hoje nos persegue.

Mas o tempo modifica as pessoas, afastando-as. As urgências que a vida impõe fazem com que hoje, a casa esteja silenciosa aos domingos. Mas há o jardim, a natureza, e o prazer de descobrir a beleza do silêncio e da quietude. Há as lembranças dos tempos felizes que vivemos - graças a Deus, temos muitos bons momentos a lembrar! E ainda superando tantas coisas que nos aconteceram nos últimos anos, respiramos fundo o ar da nova casa que hoje construímos em  nossas mentes e corações.



domingo, 30 de março de 2014

Mensagem aos Meus Leitores - Importante




Bom dia a todos os que me leem!

Como todos sabem, já comentei que venho tendo dificuldades muito grandes ao acessar meus blogs, tentar comentar outros blogs ou abrir meus emails no Google.  Na maioria das vezes, ao tentar, a conexão cai. O mais incrível, é que se eu tentar acessar qualquer outro endereço na internet, consigo fazê-lo prontamente, sem problema algum. As dificuldades referem-se apenas às minhas contas de Google (e-mails, Google+ e blogger)  ou Facebook.

Já pedi ajuda do Blogger diversas vezes, e não recebi nenhuma assistência que resolvesse o impasse.

No início, pensei ser problemas de conexão, mas após ter minha conexão reavaliada por um especialista e  também pelo meu provedor, que me asseguraram que não há nada de errado com ela, e após pedir à assistência remota de meu programa antivírus para fazer uma varredura total em meu computador-  sem que encontrassem qualquer problema não resolvido de vírus ou malware, concluo que o problema esteja no Google.

Há algumas semanas recebi notificações do Facebook e também do Google reportando tentativas de invasões às minhas contas, e por isso, sempre que desejo exercer atividades na internet, um código é enviado ao meu telefone celular particular, tanto pelo Facebook quanto pelo Google. Na sexta-feira passada, recebi o código. Detalhe: eu não estava tentando acessar a minha conta: o meu computador estava desligado!

Portanto, venho alertá-los que, caso recebam qualquer e-mail em meu nome, não o abram: podem conter vírus. Não faço envios de fotos, vídeos, músicas ou PPSs a ninguém. Também, a partir de hoje, deixarei de indicar postagens de blogs (meus e alheios) pois não sei o que posso estar enviando aos outros usuários ao fazê-lo. Assim que conseguir solucionar o problema, postarei um novo relato, e então poderei enviar, com confiança, indicações para minhas e outras postagens.

Na medida do possível, estarei postando e comentando quando meu computador estiver de bom-humor. Caso o problema não seja resolvido, encerrarei minha conta no Google e abrirei uma nova.

Abraços a todos.

Obs: estou desde 9:50 da manhã tentando fazer este post.


Vale estar Correndo




Allan F. Magrath, no livro Um Brinde à Vida - uma coletânea de pensamentos editados por Lídia Maria Riba - editora VR (Vergara & Riba Editores)


"A cada manhã, na África, uma gazela desperta. Sabe que deve correr mais rápido que o leão mais veloz. Caso contrário, será morta.

A cada manhã um leão desperta. Sabe que deve superar a gazela mais lenta; do contrário, morrerá de fome.

Não importa se somos uma gazela ou um leão: quando o sol sair, mais nos vale estar correndo."



sábado, 29 de março de 2014

Nanquim




Pintaram de negro as tuas memórias,
Encerraram-nas todas em caixas herméticas
Para que fosses esquecida.

As tuas flores,
Todas elas espalhadas pela vida,
Murcham, separadas,
Em jardins secos e mal cuidados.

Pintaram de negro as tuas obras,
Os teus sonhos são vidros de nanquim
-Nada mais resta de ti, é o fim,
Daqueles sorrisos nas fotografias.

Pois hoje, caminhas por uma estrada 
De uma só via, asfalto negro
Por onde nada volta!

O vento que sopra não traz teu perfume,
Apaga-se, aos poucos, o resto de lume
Que te animava.
As tuas feições, já quase esquecidas,
Somem das fotografias...

E os laços que ataste com todo carinho,
Desmancham-se, cortados por espinhos
Que o egoísmo fez crescer.

Pintaram de negro a tua história,
E nesse mar negro, afogam-se tuas palavras,
A voz calada, a garganta em borbulhos,
Teus olhos fechados, 

Tua vida?...

Ao menos tens o dom de ser esquecida,
A dor do viver já não te alcança...
És hoje uma longa e negra trança
Que pouco a pouco, se desmancha...






quinta-feira, 27 de março de 2014

Desafio!





Aceitando um convite para um desafio da colega blogueira Ingrid Flauzino, do blog A VIDA DA GUIDI: SENTE-SE, VAMOS CONVERSAR.


Como funciona o desafio?
Este é um desafio com objetivo de espalhar poesia por aí.
A ideia é publicar um poema e escolher mais 5 blogs para participar. Você deve avisar a cada blogueiro que ele foi indicado.
Pode ser qualquer tipo de poema, de autores conhecidos, desconhecidos, autoral, enfim, sendo poesia tá valendo!


Escolho um poema de Cecília Meireles, minha deusa.


Canto IV


Tu tens um medo:
Acabar.
Não vês que acabas todo dia.
Que morres no amor.
Na tristeza.
Na dúvida.
No desejo.
Que te renovas todo dia.
No amor.
Na tristeza.
Na dúvida.
No desejo.
Que és sempre outro.
Que és sempre o mesmo.
Que morrerás por idades imensas.
Até não teres medo de morrer.
E então serás eterno.


Escolho os blogs de:

1- Lu Cavichiolli
2- Professora Lourdes
3-Ivone
4-Bell
5- Evanir


quarta-feira, 26 de março de 2014

SABEDORIA








Toda sabedoria
Afoga-se num mar de palavras,
E as letras se soltam, desconexas, 
E chegam à praia espalhadas.

Algumas poucas não naufragam
-Boiam e nadam (caladas).





terça-feira, 25 de março de 2014

Nesta Casa







Janelas abertas ao sol e à chuva,
O beijo do vento, o sumo das uvas
Maceradas pelo tempo...

A revoar pela casa,
Lembranças dos meus momentos,
Retratos pelas paredes,
As plumas das minhas asas...

Ecos pelos corredores,
(As vozes das minhas dores)
Elegia à minha vida,
Esta casa me contém,
Contém tudo o que eu amei...

E um dia, eu vou embora,
Deixando vazia de mim
Esta casa, e desintegram-se
Os sonhos entre as paredes,
Desmancha-se o balançar
Tranquilo da minha rede...

E eu ficarei nos quadros, 
Na roupa de cama, o cheiro,
Sobre a mesa, as indeléveis
Marcas dos meus cotovelos,
O meu rosto sobre as flores
De um jardim que morre aos poucos,
Na cadeira de balanço,
Meu fantasma sorrateiro...

Açúcar, Livros e Plantas





Quando eu era criança, todas as pessoas do meu bairro se conheciam, e algumas frequentavam as casas umas das outras - principalmente, os adolescentes e crianças. As portas estavam sempre destrancadas, pois não havia perigo de roubo ou assalto, e quando estava muito quente, dormia-se com as janelas e portas escancaradas. Era comum que minha mãe e as vizinhas chamassem umas às outras para pedir favores, como uma xícara de açúcar ou então fazer um pedido para que olhassem as crianças enquanto a outra saísse. Bem, eram tempos diferentes, em que confiar nas pessoas não era tão perigoso como hoje.

Ontem tive um daqueles velhos momentos de volta; minha vizinha pediu-me uma muda de flor, o que desencadeou uma conversa ao final da tarde; ela do seu lado do muro, e eu, do meu. Falamos de cães, plantas, perdas e jardins. Às vezes, nós trocamos livros, mas acho que estas ocasiões são também uma desculpa para uma boa conversa. Bem, esta é uma desvantagem dos livros eletrônicos: não se pode emprestá-los, e perdemos mais uma desculpa para um bom papo.

Percebi que dentro de nossas casas existem dramas bem parecidos. Todas as pessoas passam por, mais ou menos, as mesmas coisas. Temos medo de ficar sozinhos, de assaltos, de insetos e animais peçonhentos; lembramos do passado e sentimos saudades de pessoas e coisas que não estão mais conosco. Para ela, eu ainda sou muito jovem, apesar dos meus 48 anos (ela deve estar na casa dos 70), embora eu às vezes me sinta muito, muito velha... e talvez ela fique me olhando e pensando no tempo em que tinha a minha idade, e seus filhos eram adolescentes, a casa estava sempre cheia e o futuro era algo bem distante guardado em alguma prateleira empoeirada, no qual ninguém pensava muito.

A tarde morria em lindas cores, entre cantos de pássaros; o cheiro do meu gramado recém-cortado era carregado até nós pela brisa refrescante. Entre os dedos dela, a muda de flor roxa que eu colhera para ela, e as horas murchando aos poucos, como aquela muda de flor...



domingo, 23 de março de 2014

I Am The Eye in the Sky



"I am the eye in the sky
Looking at you
I can read your mind..." - The Alan Parsons Project

Pequena Folha




Pequena folha soprada,
Prenúncio de outono
Pousou na janela.

Pequena folha dourada,
Caída da mãe
No vento elevada...

Os veios marcados de tempo,
Se solta, se entrega
E sem medo, seca...

Pequena folha ferida,
Amarelecida,
Restinho de vida...




Receber Bem





Quando eu era criança, minha mãe costumava contar-me histórias de um livro didático que ela usava em seus tempos de escola. Naqueles tempos, havia apenas um livro no qual as crianças aprendiam tudo: matemática, Língua portuguesa, ciências, história e geografia. A parte de língua portuguesa tinha várias lendas e fábulas, como por exemplo, a do uirapuru, da índia Potira, A Lenda do Sol e da Lua e muitas outras. Entre elas, a que me inspiro a escrever esta crônica.

Eu era muito pequena, nem sequer tinha sido alfabetizada ainda; portanto, não me lembro dos detalhes. Mas dizia a lenda que havia uma garça, orgulhosa e rica, que convidara um gato para jantar em sua casa, mas com a intenção de humilhá-lo. Lá chegando, o outro bichinho viu-se decepcionado, pois a garça serviu-lhe o mingau em um jarro de ouro comprido e fino, onde somente ela, com seu bico longo, poderia se alimentar. O gato passou a noite esfomeado. Mas houve uma revanche: no outro dia, a garça foi convidada para jantar, e o gato serviu-lhe o mingau derramado sobre uma pedra, onde somente ele conseguiria comer.

Não costumo convidar desafetos para o jantar, mas se eu tiver de fazê-lo por força das circunstâncias, ele será tão bem tratado quanto todos os outros convidados. Eu jamais convidaria alguém para minha casa a fim de humilhá-lo. Assim, não concordo com o papel da garça, e nem com a vingança do gato, pois acho de uma pobreza de espírito tremenda, fazer um convite a alguém para ter a chance de sentir-se seguro em seu próprio território a fim de humilhar esta pessoa.

Quando convido alguém para minha casa, procuro saber o que esta pessoa gosta de comer, e o que ela pode comer. Não serviria carne a um vegetariano ou açúcar a um diabético. Não faria perguntas indiscretas e nem jogaria indiretas para ferir meu convidado. Quando ele falasse, eu faria silêncio e o ouviria com atenção – mesmo que não tivesse nada a comentar sobre o que ele dissesse. Não o excluiria das atividades da casa nas quais os outros convidados tomassem parte. Acredito que diferenças devem ser resolvidas longe da mesa da sala de jantar, através de uma boa conversa.

Foi assim que minha mãe me ensinou.




sábado, 22 de março de 2014

ENCANTADOR!

O Encantador de Cães, Cesar Millan





Cesar Millan Favela
Nascimento - 27 de agosto de 1969 

Culiacán, Sinaloa, México.
Ocupação - adestrador canino, escritor, apresentador de TV

"O cão é o reflexo do estado de espírito do dono."

Cesar, auto-didata em comportamento canino, inspirou-se nos exemplos do avô no trato com os animais, que sempre dizia: "nunca trabalhe contra a Mãe Natureza". Mais tarde, mudou-se para os Estados Unidos esperando se tornar o maior adestrador de cães do mundo. Trabalhando em um pet shop, teve sua habilidade notada ao tratar dos cães mais difíceis e problemáticos, ao mesmo tempo em que ajudava os donos. Disso, focou-se em sua habilidade que chama de reabilitar cães, ao fundar um centro específico. Tornou-se famoso por comandar a série de tv Dog Whisperer (O Encantador de cães), que atingiu oitenta países na exibição da sexta temporada. Neste programa, expandiu seu slogan: eu reabilito cães e treino pessoas. Além de adestrador canino e apresentador, é escritor, cuja obra, homônima da série, é considerada best seller em diversos países.

Em sua vida pessoal, casou-se com Ilusión Wilson Millan em 1994, com quem teve dois filhos, o mais velho nascido em 1995 e o mais novo em 2001. Cesar tornou-se residente legal no país em 2000 e cidadão em 2009. No ano seguinte, o casal, junto há dezesseis anos, anunciou o divórcio.



"Vivemos em uma sociedade com medo. Este medo muitas vezes provém da ignorância. Creio que, através do conhecimento, podemos fazer um mundo melhor - não apenas para os cães, mas para todos os seres humanos e a mãe natureza. Eu acredito que você pode curar o seu próprio mundo; em primeiro lugar: sua família, seus filhos, seu cachorro, seu outro significativo. Se você não tem um bom relacionamento com sua esposa, por que você fala da minha esposa? Se os seus próprios filhos não são estáveis, por que você insiste para que meus filhos se comportem assim?  Se seus próprios cães não obedecem você, por que você quer ensinar-me sobre meus cães? Seja um exemplo. Defina um exemplo.
Comece por se tornar um líder do bando em seu próprio mundo e curar o seu próprio mundo, e os efeitos repercutem em cascata. Precisamos criar um mundo onde o maior nível de energia é a partir de modelos positivos, para que possamos dominar a negatividade."

Fonte: Wikipedia, Uol bichos e dogblog.com


Site oficial: wwwcesarsway.com 








sexta-feira, 21 de março de 2014

A MAIS LINDA POESIA





Todas as manhãs, a vida se espreguiça,
Atiça a vontade, abrindo as janelas
Deixando que entre um raio de sol
-Ou beijos de chuva- e cantos de pássaros...

Ruídos de carros, pessoas e máquinas,
Veramente bela, a vida que passa!...
E quando se fecha sobre as nossas almas,
Derrama no cântaro precioso líquido.

Momentos de festa, momentos de dor,
Pedaços de cor entre a paz e a lida,
Lindamente escrita em papiros de pele,
A mais linda poesia: a vida, a vida!




quarta-feira, 19 de março de 2014

A CADEIRA DE BALANÇO





A primeira casa que compramos pertencia a um casal de idosos. Na sala de estar havia uma cadeira de balanço antiga, dessas com assento e encosto de palhinha. Eles estavam mudando para um pequeno apartamento e teriam que se desfazer de uma parte de seus móveis; quando soubemos, imediatamente fizemos uma oferta na cadeira de balanço.

Eu sempre quisera possuir uma cadeira de balanço. Lembro-me que nossa Tia Rosa tinha uma na edícula, e quando nós a visitávamos, eu me sentava (pequenininha, no meio da enorme cadeira) e ficava ali quietinha durante horas...

A cadeira de balanço que compramos dos ex-donos da nossa primeira casa ficou conosco durante os sete anos que moramos lá, e quando  vendemos a casa e nos mudamos para esta onde hoje moramos, trouxemos a cadeira conosco. Minha irmã refez para mim a palhinha do assento, já gasta, e dei-lhe, eu mesma, uma demão de verniz.

Mas acho que as coisas tem seu tempo de permanência nas casas e junto às famílias. Há algum tempo, eu vinha entrando em minha sala de estar e, ao deparar com a cadeira antiga e escura (agora, é preciso refazer a palhinha do encosto) achei que dezesseis anos já foi tempo demais. Em termos de funcionalidade, ela não estava mais agradando. Visualmente, ela deixava aquele cantinho da minha sala um tanto escuro e triste.  Decidi substitui-la por um moderno pufe reversível em mesinha de centro quando necessário, pois achei-o mais prático, clarinho e funcional. 

A cadeira de balanço está em minha varanda, aguardando seu destino... não sei se a vendo, doo ou pinto com cores alegres, deixando-a na varanda. Ainda não decidimos o que fazer com ela. Pacientemente, ela nos olha sempre que entramos e saímos de casa. Parece entender que talvez o seu tempo conosco tenha acabado, e sei que ela nos perdoa e não guarda ressentimentos por ter sido substituída pelo pufe moderninho.



segunda-feira, 17 de março de 2014

ELEGIA






Me esfolas, me cortas, me cospes,
Sou a mosca flutuante
Que passa pelo gargalo:
Mexo as patas na garganta.

Sou a fome que ainda
Permanece, após a janta,
A mentira que tu contas
Para convencer os tontos.

Sou a herege, a sacripanta,
A que rouba, sem piedade
Os teus sonhos, e os destrói,
Vertendo-os na realidade.

Sou teu saco de pancadas,
A desculpa esfarrapada
Para tua incompetência...
-Na verdade, não sou nada,

Sou bem menos que tu pensas,
Mas me fazes de estrada,
De bandeira, que drapejas
E de alvo, que apedrejas
Para aliviar as mágoas
Da tua vida desgraçada!

Ah, se ao menos eu pudesse
Ser um pouco do que dizes,
Se eu tivesse esse poder
Que tu tanto me atribuis!...

Eu faria uma magia
Mostraria o quanto és nada,
E o quanto eu nada sou,
-Nem ao menos a tal sombra
Que atrapalha a tua luz!...

Hoje eu faço uma elegia
-Presta atenção, estás vendo?
Eu te peço que a escrevas
Na minha última pedra:
"Aqui jaz quem nunca foi,
E continua não sendo."






sábado, 15 de março de 2014

Poesia





Entra de mansinho pela janela,
Pousa nas paredes, 
Traz consigo um canto
De passarinho.

Marca um raio de sol
Que se colore através do cristal,
Multipartido em cores...
Imprime-se, indelével,
Na face do coração.

Oculta-se, mostra-se,
Derrama-se
Em gotas de sangue,
Para logo elevar-se
No puxão de um sorriso,
Entre o branco e o negro, flutua,
Paz, amor, medo, loucura...

Na fronha, ela se deixa ficar
Até a manhã seguinte
Para conhecer melhor nossos sonhos...
Acorda-nos
No meio da noite, 
Num raio de lua que entra
E brilha sobre as pálpebras.

Espalha-se pela casa
Com o cheiro de café, 
Senta-se nas ondas das vozes,
Assiste ao filme na TV,
Fica lisa e esticada
Por sobre a roupa passada,
Varre o chão da casa
Presa que está
Aos fios da vassoura.

Olha-nos do rosto da flor,
Cai sobre nós, a folha seca,
Gota de chuva,
Beijo de brisa
Pétala
Precisa e efêmera,
Concreta e etérea,
Circula nas veias,
Faz parar o coração
Na última hora.

-E como ela chora!...

Ponte entre mundos,
Ela traz de volta quem se foi,
Faz-se estradas e caminhos percorridos
Por saudades e lembranças,
E é em seu rosto
Que nos revemos, crianças...

Poesia,
Minha melhor amiga,
Meu tudo, minha vida,
O motivo que me prende
E me solta
Neste e deste mundo.





Flagrantes Petropolitanos


































Mudanças



Acho que uma casa tem que acompanhar as mudanças da gente. As paredes devem tingir-se das cores que nos agradam no momento. E mesmo que não seja possível pintá-las, é possível incluir essas cores nos pequenos detalhes: uma almofada, uma toalha de mesa ou cortina, um tapete.

Às vezes eu olho para quadros que fazem parte de minhas paredes há anos, e vejo que seus desenhos ou paisagens nada mais tem a ver comigo; substituo-os por outros ou troco-os de lugar. E quando eu os substituo, sempre acabo presenteando alguém com eles, pois quase nunca guardo coisas que não uso mais - a não ser que eu sinta que as usarei novamente.

Gosto de caminhar pela casa e ver as coisas diferentes. Nem precisam ser mudanças radicais (nem sempre temos o dinheiro suficiente para fazê-las), mas detalhes aqui e ali que dão um ar diferente, inovado. Parece que a casa respira melhor. É quase como quando  a gente corta o cabelo ou compra roupas novas.



Viver é mudar. Não consigo ficar  na mesmice. "Conservadora" não é um adjetivo que me define bem, pois apesar de ter meu lado conservador, que tem mais a ver com meus valores, até mesmo estes mudam. Eu não gostava Drummond, e agora, eu gosto. Acho que com o tempo, se nos permitirmos estar abertos às mudanças, novos entendimentos passam a fazer parte do nosso ponto de vista, e passamos a compreender melhor certas coisas que costumávamos não gostar, e ao mesmo tempo, passamos a não gostar mais de outras que eram consideradas muito importantes.

Não, não chego a ser uma metamorfose ambulante; mas também não tenho aquela velha opinião formada sobre tudo.



ADÉLIA PRADO






Trechos de Poemas de Adélia Prado



"Eu sou uma mulher sem nenhum mel
eu não tenho um colírio nem um chá
tanto a rosa de seda sobre o muro
minha raiz comendo esterco e chão.
Quero a macia flor desabrochada
irado polvo cego é meu carinho.
Eu quero ser chamada rosa e flor
eu vou gerar um cacto sem espinho."
(Senha)





Nunca me senti moradora,
a sensação é de exílio.
Criancinha de peito, essa já sabe,
seu olhar muda quando desmamada.
Tudo é igual a tudo,
mas por agora a unidade nos cega,
daí o múltiplo e suas distrações.
Deus sabe o que fez.
Mesmo com medo escrevo
que é 1º de julho de 2011.
Parece póstumo, parece sonho.
Alguma coisa não muda,
minha fraqueza me põe no caminho certo.
Deus nunca me abandonou."
(Sala de Espera)







O que Tem na Sua Playlist? Uma Interação

Inspirada por um comentário de paulo Bratz a um de meus posts, que fala sobre um aparelho de som que comprei na Black Friday,...