witch lady

Free background from VintageMadeForYou

quarta-feira, 23 de dezembro de 2020

NOSFERATU

 






Num voo noturno

Pousou nesse  solo

Um ser abjeto,

Dentes pontiagudos,

De secretos dolos

E pesados coturnos.


Trouxe à tiracolo

Um pesado livro

De pesadelos soturnos,

Que abriu, espalhando

A desgraça: fruto

Do seu próprio crivo.


A ave indigente

De ares sisudos

E olhos de fel,

Não sabe ser gente,

É réu da desgraça,

Senhor da discórdia.


Por onde ele passa,

Espalha, sem dó,

A franca mixórdia;

- Paródia do demo,

Triste criatura,

Que habita o supremo!







sexta-feira, 18 de dezembro de 2020

A DITADURA DA FELICIDADE

 


 

É sempre assim: se eu posto uma foto em minhas redes sociais sem estar sorrindo, alguém sempre pergunta: “Mas por que você está triste?” Ou então comenta: “Sorria!” Então eu percebo que ser feliz – e principalmente, demonstrar felicidade, o que não significa necessariamente ser feliz – tornou-se quase uma ditadura nos dias de hoje. Existe uma competição pelas fotos mais maravilhosas das últimas férias, as roupas mais bonitas, o final de semana mais descolado.

A maioria das pessoas navegam pelas redes sociais e, ao deparar com as imagens fabricadas de vidas perfeitas, começam a pensar que suas vidas são desinteressantes; mas em uma foto, a gente pode colocar o que quiser! Então, basta forçar um sorriso no rosto, criar um cenário bonito, e pronto: você se torna instantaneamente uma pessoa feliz.

Nos canais do YouTube a gente também encontra uma quantidade infinita de vídeos ensinando como ser totalmente feliz e como conquistar todos os objetivos da sua vida através do pensamento positivo. Como se fosse possível conquistar todos os nossos desejos ignorando o fato de que a nossa vontade cruza o tempo todo com as vontades alheias.

Hoje, em uma de minhas aulas, usei um texto que nos ensina a como nos tornarmos miseráveis e infelizes – uma alusão ao que não fazer se você quer ser realmente feliz. O autor do texto, cujo nome desconheço, infelizmente, disserta sobre três coisas; resumindo:

1- Seja o mais voltado para si mesmo que puder: fale sobre si mesmo, pense em si mesmo e viva para si mesmo;

2- Enxergue-se como uma vítima das circunstâncias;

3- Fique o tempo todo ruminando sobre as coisas ruins que aconteceram no passado.

É claro que fazer as coisas acima compulsivamente, tornando-as um hábito, é nocivo para a alma, mas quem não amarra um bode de vez em quando? E o que há de errado em fazer isso quando nos sentimos mal por causa de algo que nos aconteceu? Não podemos controlar tudo, e nem acho que devemos. Acredito que bloquear emoções e posar de pessoa feliz o tempo todo pode ter efeitos catastróficos a longo prazo.

Quando eu estou triste, eu fico triste; quando estou alegre, eu fico alegre – embora a minha alegria não tenha nada a ver com demonstrações efusivas de queima de fogos pela minha satisfação. É uma coisa que tem mais a ver comigo mesma ou com a pessoa ou pessoas envolvidas.

Essa obrigação em ser feliz, em ter pensamento positivo, em ser o mais perfeito possível, em ser um “ser de luz” altamente espiritualizado o tempo todo, é abominavelmente chata. Quem nunca viu guru descer do salto, que atire a primeira pedra.




 

 

 


segunda-feira, 14 de dezembro de 2020

A HORA





Todos sabemos, 
Reconhecemos
Os sussurros de algo que agoniza,
O choro ainda medroso de algo que nasce.

É importante que tudo chegue,
É importante que tudo passe.

Os ouvidos treinados,
Os olhares apurados,
As pontas dos dedos, que tocam de leve
A pele mais fina,
Os ossos antigos,
Sabem.

Mergulhemos as mãos
Na umidade da terra
Dentro de nós,
Sintamos as sementes,
As pedras, os musgos,
As rendas dos cumulus
E os túmulos.




sexta-feira, 11 de dezembro de 2020

AME






Ame tudo como tudo é,
E a ti mesmo como mesmo és.
Ame o Ser de cada criatura,
Veja o rosto na caricatura.
Pise a lama e não encolha os pés.

Ame a chuva quando ela cair,
ame o sol quando ele surgir,
Ame as fases e as estações,
Sem negar qualquer premonição.

Ame aquilo que ninguém mais vê,
A Essência, o Invisível Ser,
Aprendendo a enxergar ao ver,
Ame aquilo que tu sabes ser.

Ame aquilo que o silêncio traz,
Ame a noite ou o nascer do dia,
Sem ter medo de amar demais,
Ame até o que não compreendes,
Plante amor e colha poesia.




segunda-feira, 7 de dezembro de 2020

INFELICIDADE




Tem gente que tenta te pisar,

E a cada tentativa,

Deixa bem clara a sua

Infeliz

Cidade.


As sobrancelhas erguidas,

Arqueadas em descaso,

Deixam entrever a amargura

De um coração raso

Que só bate 

Por interesse próprio.


Na solidão do próprio opróbrio

Em sua cidade pobre

E (des) encantada,

Essa gente amargurada

Desfia um rosário

Interminável

De impropérios

Contra todo aquele

Que só cuida da sua vida,

E que se recusa

A rezar pela sua bíblia.


Talvez a pequenez

Das suas pupilas

Vejam as pessoas sempre menores,

Sempre pequenas,

Fazendo com que elas sejam dadas 

À cenas e tentativas

De humilhação,

E nessas passadas longas e descompassadas,

Essas gentes atrasadas

Acabam pisando

No próprio coração.


Pobre gente infeliz,

Que só enxerga, nas cores,

Uma única matiz,

Que só se sente mais forte

Tentando pisotear,

E que alegremente, dançam

Com suas pernas curtas

Sem nunca poder derrubar

Aquilo que jamais alcançam!





Parceiros

AS LUZES DO MUNDO

  (Crônica baseada em um poema de Lucia Bauer)     Ontem a noite estava cálida. Eu, meu marido e nossos dois cães nos sentamos no jardim, co...