xmas

Free background from VintageMadeForYou

sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Mistério








Eu te ofereço um novo mundo,
Louco e incompreensível,
No qual perderás o que te resta
Do que tu chamas juízo.

Se queres experimentar,
É por tua conta e risco,
A porta de entrada é esta,
A de saída, é um mistério
Que ainda vou desenhar.

Eu te ofereço o meu mundo,
De letras que se contorcem
E se transformam no vício
De pedras mal-alinhadas
Que levam a um paraíso
Que dorme sob um precipício.

Eu te ofereço um velho mundo,
Que existe além desse tempo,
E do tempo que virá.
Se quiseres, abra o livro:
-A chave é uma pergunta
Que ele não responderá.






segunda-feira, 27 de agosto de 2018

VAMPIROS PSÍQUICOS








De acordo com Amadeus Voldben, autor do livro “Como Evitar as Influências Negativas,”  vampiros são bem reais. Fazem parte do nosso dia a dia, e constantemente esbarramos com eles e podemos cair nas (des)graças de sua atenção. Em seu livro, Voldben identifica alguns sintomas que as pessoas podem ter quando sob as influências ou ataques diretos de vampiros psíquicos:

- Dores de cabeça
-Sonolência e cansaço inexplicáveis
-Sensação de vazio e apatia
-Depressão e ansiedade
- Ideia fixa
-Dores no corpo, principalmente lombares
-Falta de vitalidade e indisposição geral; mau-humor
-Memória fraca
-Doenças do estômago
- Sentimento de medo e opressão
-Sentimento de culpa, mesmo que este não esteja baseado em nenhum fato que o justifique.

E quem são os chamados vampiros psíquicos? Ao ler este e outros livros, descobri que eles podem ser pessoas mais próximas do que se imagina! Geralmente, são aqueles que por algum motivo pensam que somos responsáveis por eles de alguma forma, e que acham que temos a obrigação de sanar suas dificuldades ao invés de procurarem fazê-los eles mesmos. Não se sentem capazes de cuidarem de si próprios e pensam que o mundo e as pessoas lhes devem alguma coisa. Assim que encontram alguém psiquicamente fraco, ‘encostam-se’ em tal pessoa e drenam todas as suas energias. Podem irradiar sentimentos de culpa nos outros através de reclamações nas quais se vitimizam e se colocam como dependentes daquele a quem vampirizam. 

Tais relacionamentos, segundo o autor,  podem se dar entre amigos, irmãos, de filhos para os pais ou dos pais para os filhos, em círculos familiares em geral e também em locais de trabalho. 

Algumas pessoas acreditam que tais ações podem ser inconscientes, mas eu me pergunto: será mesmo? Eu acho que pessoas assim, além de serem maldosas, aproveitadoras e invejosas, sofrem de preguiça e falta de caráter. Porque mesmo sabendo o mal que causam, pois é visível a opressão e o sofrimento na qual se encontram os seus alvos, continuam agindo da mesma forma, sem se importarem com o que o outro está passando. Transferem suas responsabilidades para os ombros alheios sem o menor constrangimento. Já soube de casos em que, a fim de melhor dominarem os seus alvos, tais vampiros recorrem a trabalhos espirituais a fim de os ‘dobrarem’ e convencerem com maior facilidade às pessoas a agirem de acordo com a sua ignóbil vontade. Como alguém pode crer que tais ações sejam frutos da inocência e da ingenuidade, e não da maldade e da manipulação características de um caráter vil?

DESCRIÇÂO DO QUE SENTE UMA PESSOA QUE ESTÀ SOB ATAQUE PSÌQUICO, segundo o autor do livro citado: 

“Os sinais de um ataque psíquico podem ser revelados por uma sensação de fraqueza, por uma tendência a se cansar facilmente, ou por um sentimento de medo e opressão, sem que se consiga compreender as suas causas. 

Às vezes, é até possível sentir um peso no peito, sobretudo quando o ambiente frequentado está saturado de negatividade ou de substância etérica ectoplasmática.” 

O autor prossegue:

“De onde brota todo o mal: ódio, inveja, espírito de vingança.

O que leva a recorrer aos malefícios em detrimento dos outros é sempre aquele sentimento destrutivo chamado de ódio, junto com seus derivados: inveja, vingança, ressentimentos, rivalidades de todo tipo, e, ainda, interesses, avidez de coisas materiais, e assim por diante. (...) a inveja (de in vídeo= olho contra) é um sentimento que faz com que se olhe com malquerença a quem se julga estar em situação favorável e privilegiada. Por que a ele e não a mim? Por que ele e não eu?”  

Imagino o quão mal alguém se sente quando está assim, o sofrimento pelo qual passa quando alguém mal-intencionado o está atacando a fim de subjugar a sua vontade para obter vantagens pessoais ou força-lo a fazer algo que naturalmente não faria! Certamente, quem está sob o domínio de pessoas assim, logo adoece física e mentalmente. E tal domínio pode permanecer por anos a fio, anos de sofrimento ininterrupto, pois muitas vezes as próprias vítimas recusam-se a acreditar que seus amigos ou entes queridos os estejam causando o mal. 

Algumas afirmações positivas para quebrar esta corrente do mal:

Sou um centro de fé.
Sou um centro de amor universal.
Sou um centro de harmonia.
Estou imerso no divino.
Com Deus sou invencível.
A força divina me ajuda.
Ficando com Deus, nada perdi.
Minha riqueza está em Deus.
Estou sob a proteção divina.
O Senhor é meu refúgio.
A presença invisível me protege.
O poder divino está em mim.
Acredito no poder divino.
Cristo é nossa paz.
Nunca estou sozinho.
Para mim tudo é bem.
Minha vontade é de aço.
Tenho confiança nas dificuldades.
“Do alto descem as virtudes que me ajudam.”
Supero toda contrariedade.
As dificuldades aumentam minha força.
Ganho mais força entre obstáculo.
Procuro os obstáculos para superá-los.
Recebo ajuda em tudo.

Estas afirmações podem ajudar. O livro também aconselha-nos a ficarmos junto à natureza, tomar banhos de sol, banhos de ervas energéticas e de sal grosso, procurar ajuda espiritual e evitar pessoas absorventes, que reclamam demais, que nos monopolizam ou exigem muito de nós. 

Pessoalmente, recorro sempre à ajuda de São Jorge e do meu anjo guardião quando percebo que os sintomas acima citados me atingem; sempre dá certo!

O autor também ensina que todos somos energia, e que receberemos de volta as energias que emanarmos para o mundo. Aqueles que concentram energias poderosas de domínio, submissão e manipulação, enviando-as sobre outras pessoas, cedo ou tarde pagarão caro pelas suas atitudes. 

Seria muito bom se todos os que se dependuram nos outros, ou todos que invejam, odeiam, tentam submeter alguém à sua vontade usando recursos de maldade ou fazendo-os se sentirem culpados, pensassem melhor antes de fazê-lo. Se olhassem em volta, descobririam que seus males seriam facilmente resolvidos caso passassem mais tempo trabalhando a fim de sanarem suas dificuldades financeiras e tentando melhorar a si mesmos espiritualmente. 






sexta-feira, 24 de agosto de 2018

Eu Morro









Eu morro todos os dias.
Deito-me à noite, em meu túmulo
E fecho os olhos aflitos.

Sinto os vermes que se mexem
À vontade, em minhas partes,
Se alimentam dos meus gritos.

Mas de manhã, eu renasço,
Alevino num regaço,
As guelras brilhando ao sol.

Renovada, eu agradeço,
(Mas distraída, eu me esqueço)
E morro mais uma vez,
E mais uma vez, apodreço.





quarta-feira, 22 de agosto de 2018

VERBALIZAR








Às vezes só entendemos a verdade de alguma coisa dentro da gente, quando finalmente temos a coragem de verbalizá-la. Sabe quando algo está remoendo dentro de você, mas você soca aquela coisa lá para o fundo, sem querer ouvir?

Ela continua batendo à porta da sua mente consciente, procurando uma saída, até que um dia - que pode levar muitos e muitos anos para acontecer- ela finalmente derruba a porta e sai. E você a declara abertamente para o mundo e para si mesmo. Daí em diante, não tem como voltar atrás; não é possível engolir aquilo outra vez. É preciso arranjar um modo de conviver com aquela nova verdade, ou ela não vai deixar você em paz.

Acho que todo poeta entende o que eu estou tentando dizer, pois o poeta é alguém que verbaliza, revelando aquilo que está dentro dele. Mesmo que alguns poemas não expressem realmente alguma coisa que faça parte da vida real do poeta - contexto "lado de fora" - com certeza, foi dentro dele que se encontraram os motivos para colocar aquele sentimento em palavras. Talvez fosse aquilo que ele faria, caso a situação fosse real.

Ser poeta facilita as coisas. Ou não.




sexta-feira, 17 de agosto de 2018

O Mesmo Céu



Participação no blog Filosofando na Vida, da Professora Lourdes:

O Mesmo Céu

Naquela noite em que nós nos deitamos
E juntos contemplamos esse mesmo céu,
Os nossos sonhos, tão entrelaçados,
Brilhavam para nós lá das estrelas.

Nossas cabeças se tocavam, ao vê-las
E os nossos corações, ao léu entre as galáxias
Batiam juntos, no mesmo compasso
Pois os mesmos sonhos nós sonhávamos.

Mas foi-se o tempo, e foram-se aquelas noites,
Você se foi, meu doce namorado...
E eu hoje olho um céu noturno nacarado
No qual meu sonho procura pelo que perdeu...

É uma pena que eu possa dizer que,
Apesar de o céu e as estrelas serem os mesmos,
O amor que um dia eu vi nascer
Infelizmente, não sobreviveu.









quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Em Tempos de Etiqueta Virtual







É preciso seguir algumas regras de etiqueta para podermos conviver bem, seja aqui fora ou no ambiente virtual. Acho que ser bem educado não depende apenas de seguir regras impostas, mas de ativar a sensibilidade. Porém, nos dias de hoje, o que mais vejo é uma etiqueta hipócrita, aplicada apenas "aos outros" e pessoalmente ignorada. Assim, tive a ideia de, através das minhas observações, escrever sobre as regras implícitas que todos pregam, mas que a maioria não segue, e que são cheias de controvérsia e mimimização. 

Numerei-as abaixo:

Regra número 1 - Jamais diga o que realmente pensa no que tange à política. -   Desde pequeninos, nos ensinam que dizer a verdade é importante, e que as pessoas gostarão de nós se sentirem que somos verdadeiros; não caia nessa! As pessoas que dizem a verdade geralmente são mal vistas e ganham, em questão de segundos, um séquito fiel de (per)seguidores e online haters! Melhor deixar a sua opinião ali quietinha, e passar batido pela postagem daquele 'amigo' que diz que todos que vão votar no candidato que você escolheu são imbecis e acéfalos... e aceitar o argumento deles de que "não é nada pessoal."

Regra número 2 - Aceite todo mundo que lhe pedir amizade / Não aceite todo mundo que lhe pedir amizade. - Não adianta: o que quer que você faça, será criticado. Se você é daqueles que aceitam todo mundo, será chamado de egocêntrico e vira-latas; se não aceita, será criticado como sendo exclusivista e preconceituoso. De qualquer maneira, você perde. 

Regra número 3 - Marcações no Facebook - Tem sempre aquele 'amigo' que marca você e mais 365 pessoas em uma postagem sem conteúdo, tipo "Bom dia!" - daquelas que fazem com que você receba notificações a cada 5 minutos. E às vezes de nada adianta silenciar o amigo ou excluir-se da marcação, pois o Face continua mandando as notificações! Eu tenho uma pessoa na minha lista de amigos que já foi silenciada mil vezes, mas nunca exerceu seu direito de ficar calada. Já pensei em bloqueá-la, mas ao mesmo tempo, quando a gente faz isso, acaba magoando alguém sem querer. Se apenas ignoramos, a pessoa nos classifica como grosseiros. Grosseria é encher a paciência alheia com esse tipo de coisa. 

Regra número 4 - Messenger. - Praga dos quintos dos infernos esse tal de messenger. Detesto. Se eu soubesse como, arrancaria essa porcaria do meu Facebook. Eu já disse uma porção de vezes que só uso messenger para comunicar-me com meus alunos ou com amigos íntimos ou pessoas da família. Não respondo a correntes, nem a mensagens fofas. Mesmo assim, a minha caixa de mensagens está sempre abarrotada de gifs, links, áudios e filminhos que eu jamais acesso. E as pessoas ficam reclamando, na timeline delas, que somos "antipáticos e metidos." Metido, é quem manda todos os dias 10 mensagens que não são respondidas, e que ao invés de se mancarem sobre o fato de que não estão agradando, continuam mandando. 

Regra número 5 - Jamais diga que não gosta de alguma coisa. Esta é a melhor forma de angariar inimigos aonde quer que vá, principalmente se a pessoa em questão for famosa. Não diga jamais que não aprecia certo gênero musical, artista ou filme. Dirão que você não tem cultura, que não sabe respeitar a preferência alheia (enquanto eles mesmos usam palavras de baixo calão para desrespeitar você) e farão citações que supostamente os colocarão em um pedestal cultural anos-luz acima do seu. 

Existem outras regrinhas de etiqueta virtual das quais não me lembro no momento, e as deixarei para a imaginação de quem quiser comentar este texto (que já está bem longo). Mas a conclusão, é que etiqueta mesmo, são aquelas que os etiquetadores de plantão colam nas nossas testas, e nem percebem que as decolam dos próprios traseiros.








segunda-feira, 13 de agosto de 2018

O que Fazer Com Tantos Planetas Retrógrados?










É Marte, é Mercúrio, é Saturno, é Vênus, é Urano, Netuno Plutão... parece que quase todos os planetas resolveram andar na contramão! O que fazer? Para quem não acredita em astrologia, não há nada a ser feito, a não ser continuar vivendo. E para quem acredita, não há nada a ser feito, a não ser continuar vivendo!

Acho que existem momentos nas nossas vidas que não dependem de nós: as coisas nos chegam, porque precisam chegar. Nesses momentos incluo nossas perdas e também a nossa boa sorte. Quando a gente passa por momentos assim, acredito que são cármicos e inevitáveis. Nos resta sabedoria e calma para enfrentá-los, se forem tristes, e gratidão e alegria para vivê-los, se forem alegres. 

Mas existem coisas que dependem de nós para  acontecerem, e eu tenho cuidado melhor delas, não importa em qual posição ou em que direção estejam os planetas. Porque nada acontece para quem não se mexe. Um pequeno movimento, e a roda, que estava parada, pode começar a girar. Talvez por medo, insegurança, conselhos cretinos ou até mesmo por preguiça, passemos tempo demais olhando para a roda, esperando pelo 'momento certo.' 

Por que não erguer a mão e dar um empurrãozinho, não é?

Boa sorte!






sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Coisas que Falam









Hoje
Me parece que as coisas 
Falam comigo: 

O passarinho na árvore, 
A própria árvore, que se recobre de folhas
Após perde-las todas para o inverno:
Reprimavera-se!

Passei pela sala da minha casa, 
E a canção que tocava
Falou comigo.
O cheiro do incenso queimando
Traz consigo uma mensagem na fumaça:
Ela me envolve, ela me fala.

Lavando a xícara na pia,
A água murmurava um segredo
Que me escorria pelos dedos,
Enquanto o café coava
E meu cãozinho me olhava,
Os olhos falando comigo.

E eu senti, de repente,
Uma vontade de escutar
O que tanto as coisas me dizem,
O que as coisas me falam, 
O que elas querem.





quarta-feira, 8 de agosto de 2018

RECEITA









Não quero ser a cobertura do bolo,
Prefiro ser a massa, o recheio,
Porque não sou de superfícies,
Beiradas, enfeites, confeitos,
Eu quero estar no meio.

Talvez você me veja, equivocadamente,
Como a última cereja,
A que te fez mal, após o lauto banquete.
Não era esta a minha intenção,
Não sou de joguetes,
Não pretendia estragar sua festa,
Estacionar na contramão.

Talvez o meu sabor te desagrade,
Talvez exista um traço de amargor
Na minha doçura
Que te faz perder a tua tão exaustivamente ensaiada
Compostura.

Não posso fazer nada;
Alguém que não conheço
Cozeu a minha massa,
Depois, quebrou a forma,
E não satisfeita,
Rasgou a receita.





Lula Livre?

Lula Livre? Gostaria de dizer o que me incomoda nesta frase. Não é bem a liberdade de Lula, mas a maneira como ela foi co...