quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Felicidades!









Eu te desejo

Um cão correndo no quintal,

Uma torta quentinha sobre a mesa,

Boa música tocando por perto, sempre,

Noites de sono tranquilas,

Um gatinho enrolado na poltrona,

Sol e chuva na medida certa,

Trabalho durante o ano inteiro,

Saúde a maior parte do tempo,

Olhos amigos sempre te olhando,

Beijos na boca, sempre sinceros,

Um bom filme numa tarde de sábado,

Sorvete nos dias mais quentes,

Passarinhos cantando nas árvores dos caminhos que você percorre,

Lembranças bonitas no seu álbum da vida,

Dinheiro sobrando para aquele mimo,

Um grande sonho finalmente realizado,

E gratidão por todas essas coisas.






Mas... pensando bem,

Se você prestar atenção, 

Verá que já possui a maioria delas,

E as que te faltam, são por um propósito maior...

Pensando melhor ainda,

Eu te desejo mesmo é gratidão por todas as coisas,

Para que você possa, finalmente,

Atingir este propósito maior

E tornar presente o que te falta.






Que no próximo ano,

Você possa deitar-se todas as noites

Sabendo que não fez mal a ninguém,

Não desejou mal a ninguém,

Foi minuciosamente honesto em suas atitudes,

Pesou bem todas as suas escolhas,

Ajudou alguém, e não contou a ninguém,

Trabalhou feliz, dando o seu melhor sempre,

Importou-se com o que realmente importa,

E deixou tudo o que é ruim

Do lado de fora da sua porta!



FELIZ 2016!







Um Andarilho











Eu vago pelo mundo
Sem ter um mundo.
Procuro, em outros olhos, 
A minha substância,
Mas eles não me veem,
Apenas me assistem.

Eu morro esmagado
No encontro das palmas,
Em busca do que me falta,
No calor dos aplausos.

Fabrico sonhos mortos,
Divirto a multidão;
Sou fruto dos anseios
Que eu mesmo crio
Ao subir no picadeiro
Deste imenso circo.

Eu sou um caminhante,
Palhaço, o rosto borrado
Pelas lágrimas que eu disfarço,
Errado, perdido, errante...

A falácia que eu propago
Poderia ser honrosa
-Não fosse pelo embargo
Da minha própria palavra.

Ah, estive sempre tão próximo
Daquilo que eu mais combato,
E a distância que nos separa
Está ao alcance de um braço!

Do alto da montanha,
Contemplo um vasto campo
Vazio de sentidos,
Meu rosto decaído,
Onde meus monstros estão
Tristonhos e perdidos,
Lá, onde eu escondo
A minha solidão.





domingo, 27 de dezembro de 2015

COM UMA PALAVRA - UMA REFLEXÃO





Partilhei na minha página do Facebook uma publicação de Álvaro Garnero – de quem sou admiradora incondicional – na qual ele pedia que as pessoas definissem, em uma só palavra, como foi o ano de 2015 para cada uma delas. Eis alguns dos resultados:

-Bom
-Rico
-Decepcionante
-Turbulento
-Ambivalente
-Esperança
-Mudanças
-Merda
-Desafios
-Sorte
-Bênçãos
-Ilusão
-Tensão
-Aprendizado
-Constatação.

Até agora (27/12/2015, 6:50 da manhã) foram mais de 30 respostas. A maioria delas, positiva. Algumas das pessoas que deixaram palavras negativas, o fizeram por motivos que conheço muito bem: perdas familiares, dificuldades financeiras, decepções. São coisas que fazem parte da vida da gente, e das quais ninguém escapa.

Compreendo-as muito bem, pois lembro-me da pior fase de minha vida, que deu-se entre os anos de 2011 e 2012, durante a qual sofri muitas perdas, decepções, desilusões, separações e como se já não tivesse bastante com o que lidar, tive que suportar ataques virtuais de pessoas que regozijavam-se com tudo de ruim que estava me acontecendo. Pessoas assim não sabem que desejar o mal aos outros somente as cerca de energias negativas e pesadas, tornando seu ambiente cada vez mais escuro – assim como suas almas. Naquela época, um colega do Recanto, Yamanú, me deu uma bronca que me sacudiu bastante; ele me disse: “Não entendo porque você cisma em visitar a página dessas pessoas horrorosas ao invés de visitar as páginas das pessoas amigas que te fazem bem!” Mas eu estava cega, e devido àqueles ataques, saí do Recanto e abri meu primeiro blog. E tive uma grande surpresa ao constatar que as pessoas que visitavam minha página no Recanto, passaram a visitar-me em meu blog, e que houve até um movimento encabeçado por Marcelo Braga, Yamanú e Cássia da Rovare (In MemoriaM) para que eu voltasse. Foi muito importante sentir-me querida, e ter o apoio daquelas pessoas que “assinaram” as páginas nas quais eles fizeram os apelos – e foi muita gente! Agradeço de coração a todas elas. Dali, surgiu a escrivaninha Cavaleiros do Apocalipse, que ainda está por aqui.
Bem, se aqueles foram anos difíceis para mim, se eu parar para pensar melhor, houve coisas boas também, e daquilo que foi ruim, a palavra que ficou foi APRENDIZADO.

Mas voltando à publicação que fiz no Facebook, uma das palavras deixadas em minha página chamou muito a minha atenção, e foi justamente a de alguém de quem gosto muito, e que me ajudou muito na minha profissão: a minha professora de preparatório, Chris Dupont. A palavra que ela escolheu para definir 2015 foi: “GRATIDÃO.” E ela foi a única a escolher esta palavra até agora. Isso me fez refletir o quanto nós temos tendência a reclamar, focar no que é ruim, fazer escolhas que nos levam à tristeza. Poucas vezes nos lembramos de simplesmente agradecer. E basta olhar em volta para ver que temos muitos motivos!

Assim, faço minha a palavra que ela escolheu: GRATIDÃO. Porque 2015 foi um ano no qual trabalhei muito, aprendi muito, adquiri muitas coisas que eu desejava, tive saúde, fiz novos amigos, tive a chance de ler livros maravilhosos, abri um novo blog (já são seis!), enfim, o saldo foi mais que positivo. E o melhor de tudo, é que pude chegar até o final deste ano sabendo que não fiz mal a pessoa alguma, não desejei nada de ruim a ninguém e todas as minhas vitórias foram legítimas, fruto do meu trabalho e do reconhecimento verdadeiro das pessoas.

E para você: qual foi a sua palavra mais importante em 2015? Vamos fazer esta reflexão?

Espero que em 2016 todos possamos estar aqui novamente, partilhando nossas experiências, enriquecendo uns aos outros com nossas palavras, lembrando-nos sempre de agradecer por tudo que nos acontece, mesmo que seja ruim, pois fica a experiência de vida, e que possamos também incentivarmos uns aos outros, respeitarmos uns aos outros e aplaudirmos uns aos outros, pois a vida só tem graça se a maioria das pessoas forem felizes. Eu quero que todos sejamos genuinamente felizes no próximo ano.




sábado, 26 de dezembro de 2015

SE A GENTE NÃO CHORA







A dor não vai embora
Se a gente não chora
Se a gente demora
A dizer adeus...
A lágrima quente
É um mar de partir
Pra quem finalmente
Quer se despedir.

Nada vai embora
Se a dor não lateja,
Seja como for,
É preciso soltar
O que não faz mais parte,
O que quer se apagar
O que nós insistimos
Em fazer ficar.

Nada vai embora
Sem a despedida
De cabeça erguida,
Consciente, real
Porque toda história
Precisa ser lida
E se foi bem vivida,
A lembrança é o sal.

Nada vai embora
Se a gente não deixa
Se a gente se queixa
Do vão do abraço
Do corte no laço,
Mas é essencial
Depois da partida,
Um ponto final.




segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Por que eu Não te Disse Nada?








Eu não te disse nada
Porque eu não queria fazer barulho
Nessa tua paz acamada,
Doente de tantos silêncios,
De tantos adeuses, tão carente...

Preferi ficar calada
A acordar os teus ruídos,
Sustenir minha alegria
Sobre os teus gemidos,
Tive medo de falar demais,
Perguntar demais,
Ser invasiva.

Eu não te disse nada
Porque temi que minhas palavras
Arranhassem a tua madrugada,
Desrespeitassem tua dor,
E que minhas condolências
Pudessem ser um cravo a mais
Sobre a tua alma cansada...

Tentei poupar o teu espaço
Da minha presença desajeitada,
Da minha falta de tato,
Eis porque
Eu não te disse nada...





sábado, 19 de dezembro de 2015

REPUTAÇÃO









A minha
Só a mim interessa.
Então, por que a pressa?


As asas das chantagens 
Estão presas na lama, 
Num voo que não decola, 
E só asco derrama. 


A quem nada teme,
Nada deve,
A opinião mundana
Nada diz.

Se eu sou feliz
À minha maneira,
O caminho de uma vida inteira
Falará por si.

A chantagem
A vadiagem,
Falam muito mais
Sobre quem as pratica.







sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

EU HOJE ACORDEI





Eu hoje acordei com o gosto do sonho na língua,
As saias de outros mundos pelo chão, ainda,
As pontas escapando entre os vãos dos meus dedos,
Um vento me beijou, selando as passagens...

Um riso manso, bonito e de tom tão profundo
Ainda nos ouvidos, qual frescas aragens,
Saiu pela janela, balançando as asas,
Voou sobre os telhados, voltando pra casa...

Ficaram sobre a fronha algumas lembranças,
Mas logo o sol levou-as - a vida prossegue,
Até que um dia, o mesmo sonho assim me leve,
Tornando-me riso, sabor, e esperança.






quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

ESCUTA












Escuta o que não dizem,
Escuta o que eles calam,
É bem mais verdadeiro,
É bem mais eloquente,
E muito mais sincero.

Escuta a cor dos olhos,
O brilho das pupilas,
Os cílios se movendo,
As lágrimas tremendo
À beira das retinas.

Escuta o gesto simples
Que é feito no escuro,
Na solidão das casas,
Por trás de cada muro,
Quando ninguém mais olha,
O vento sob as asas.

Escuta o absurdo,
Bem além das palavras,
Escuta o que é mudo,
O que nunca foi dito;
No que ninguém escuta
Habitam os sentidos.





quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

FINA









Ela era fina sobre a superfície,
Qual pena de cisne em lago de nenúfares,
Refletia o céu nas pupilas oblongas
Quais as da serpente, quando se arrufa.

Ela era fina e escorregadia,
Não se dava conta de sua alma vadia...
Ela era tão fina, e no entanto, demente,
Fruto apodrecido da mais vil semente.

Ela era fina, mas se abria a boca,
O ar se cobria de odor nauseabundo:
Da sua malícia e maldade, brotavam
Palavras torcidas que arranhavam o mundo.

Ela era fina, pregava moral
Discursava sempre sobre o "bem" e o "mal..."
Mas suas verdades tão fracas, tão frágeis,
Não sobreviviam a um outro arrebol.

Ela era tão fina, que enganava a muitos...
Apontava o dedo com a unha suja
Do que há segundos, ela retirara
De um local escuro, fétido e profundo...






segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

ADEUS









Eu disse adeus abstersa,
Num gesto, deixei de olhar...
Fechei a porta entreaberta
A quem não queria entrar.

Eu disse adeus sem chorar,
Sem dramas, sem rompimentos,
Ficou pairando no ar
O fio de um sentimento.

Eu disse adeus num gemido,
De sopro quase inaudível,
Ficou perdido o sentido
De um sonho não mais plausível...

Eu disse adeus porque quis,
Pés nús sobre o frio chão
Do solo tão duro e gris
Da minha desilusão!

Eu disse adeus sem lamentos,
Parti sem voltar o rosto
A quem cultivou tormentos,
A quem destilou desgoto.

Eu disse adeus em silêncio,
Lamentando a indiferença...
Meus passos soaram tensos
Nas lajes da mal-querença. 

Eu disse adeus, e é tudo
O que eu podia dizer...
E quem permaneceu mudo,
Não há de me ver morrer.




quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Lá, Onde eu Sou Poeta








Existe uma terra longe,
Lá, onde eu sou poeta,
Onde Bocage é asceta
E Pessoa se esconde
Por trás de seus codinomes.

Shakespeare está perdido,
Entre os sapos de Bandeira,
E Florbela não é triste:
Ri da dor que ainda insite,
Canta e dança a noite inteira!

Lá, onde eu sou poeta,
Augusto não é dos anjos,
Mas amigo de Neruda.
Quer beijar a boca muda
De Cecília, que segura
Pelo braço, seu marido
Mal comido e mal roupido.

Existe uma terra estranha,
Surreal, onde eles andam
Procurando suas memórias,
Esquecidos de suas glórias
Os poetas, já morridos
E os ainda não nascidos.

Lá, onde eu quero estar,
Nossas letras se confundem,
Somos alvos de mil setas,
Somos grandes e pequenos,
Entre amargos e amenos
-Mas somos todos poetas.





segunda-feira, 30 de novembro de 2015

ADAPTAÇÃO




Quem não se adapta às mudanças, acaba ficando, literalmente, para trás. Confesso que sou saudosista de algumas coisas; por exemplo, eu adoro os discos de vinil - tanto que comprei um toca-discos na Black Friday, apesar de já ter um bem antigo. Mas o novo tem alguns recursos mais modernos, e se posso desfrutar deles, por que não? E foram justamente as novas conveniências que me atraíram; por exemplo, poderei digitalizar meus discos de vinil, e assim, colocá-los em meu pendrive para ouví-los onde quiser. 

O mesmo eu digo dos livros de papel; também tenho muitos deles. Alguns eu penso em doar, pois já foram lidos e relidos, e outros, foram lidos apenas por distração e nada há neles que me faça querer guardá-los. Há os especiais, que jamais empresto e nem vou doar.

Mas há também as livrarias que oferecem novas plataformas de leitura por preços bem mais baixos, com a vantagem adicional da economia de espaço físico em casa e a conveniência de poder comprar e ler na mesma hora, sem precisar sair de casa debaixo de chuva em um dia como hoje, por exemplo. E exatamente como nos livros de papel, é possível fazer anotações e selecionar passagens nos livros virtuais! 

Livrarias como a amazon.com.br oferecem milhares de títulos, inclusive, os grandes clássicos, e muitas vezes, totalmente DE GRAÇA; o conteúdo é exatamente o mesmo que encontramos em livros de papel; por que não aproveitar, meu Deus? Por que agarra-se ao passado, quando a única diferença entre livros de papel e livros virtuais é a plataforma de leitura? Os livros podem ser baixados e lidos não apenas no Kindle - leitor de livros da Amazon - mas também em computadores, tablets e smatphones. Sinceramente, não entendo a resistência e o preconceito de pessoas que cismam em falar mal dos livros virtuais, como se todos os escritores que fazem este tipo de publicação fossem maus escritores! Não sabem que lá estão não somente os escritores desconhecidos, mas também os famosos, os consagrados! E que publicar em livros de papel não significa que o autor seja talentoso; há muita porcaria irrisória e ridícula disfarçada de grande estilo literário por aí...

É aquela velha mania de não comer e dizer que não gostou... coisa típica de quem não viu e nem quer ver e prefere falar mal sem conhecer. Gente retrógrada, talvez do mesmo tipo que ridicularizou a televisão quando a invenção surgiu, há anos. 

OK, cada um tem direito a fazer suas escolhas; mas por que falar mal daquilo que não conhece? Não seria melhor experimentar antes? E aqueles que condenam a publicação em livros virtuais, mantém sites e blogs na rede, e nem se lembram de que eles também são uma plataforma de publicação virtual! Ou seja, fazem apologia contra o que eles próprios praticam. 

Digo e repito: escrever deve ser o maior objetivo de quem escreve; lucros, se vierem, serão apenas consequência. Não há nada de mal em vender um trabalho, seja ele escrito ou de outro tipo, desde que vender não seja o principal motivo de quem escreve, pinta ou compõe, ou teremos aí a corrupção literária, a prostituição das letras e das artes.  Sublinho e grifo, para que alguém que não teve a paciência de ler e refletir sobre o que escrevi não venha aqui expressar opiniões baseadas em equívocos. 

Como disse Ariano Suassuna, (foi Ariano Suassuna, não Ana Bailune quem disse):



"Não me preocupo muito em ter ou não uma posição como artista. Literatura para mim não é mercado. É a minha festa, é onde eu me realizo. Digo sempre: arte é missão, vocação e festa. Não me venham com essa história de mercado."


E ainda:


"O autor que se julga um grande escritor, além de antipático é burro, imbecil. Um escritor só pode ser julgado depois da sua morte. Muito tempo depois."



É triste que na internet ainda abundem os tipos antipáticos e imbecis.






quarta-feira, 25 de novembro de 2015

FRÁGIL










Seu amor era tão frágil,
Não resistia a um sorriso
Ou a um belo gingado...
Do inferno ao paraíso
Vivia ela, ao seu lado.

Morria de amores num dia,
E no outro, só matava.
Mas logo, ela arrefecia,
E o perdão concedia;
Liquefazia-se o fel
No brilho de um novo anel.

Nos braços dele, esquecia,
Mas à noite, o raio branco
Do luar o despertava,
E assim, ele partia
E sozinha ela acordava...

Seu amor era tão frágil,
Parecia um vento frio
Que soprava, descuidado,
Sobre as águas de um rio,
Mal deixando-o encrespado.


Era só o que ela tinha,
Ou o que pensava ter...
E sumia, a cada dia,
Tentando permanecer.
Bebia o doce veneno
Daquele amor obsceno
Que só fazia matar,
Que só fazia morrer!






segunda-feira, 23 de novembro de 2015

A MINHA SOMBRA












A minha sombra é independente,
E gosta de aparecer.
Se escondo a mão,
Ela não acompanha,
E fica pairando no ar, sozinha,
Apanha
Um fio de teia de aranha,
Arranha 
Meu rosto sorridente.

A minha sombra voa,
Como a de Peter Pan;
Já tentei costurá-la
À sola dos pés,
Mas ela vem e vai, como as marés,
Vira a cara para o sol
E se projeta em mim,
De viés...

A minha sombra não se cala,
Não me obedece,
Desce as escadas de manhã,
Batendo os pés contra as paredes,
Se enrola nas fibras da rede,
Me imola a alma,
Me amola a calma,
Atiça  a minha sede...

Ah, sombra teimosa!
Sempre alguma coisa
Entre o dia e a noite,
A margarida e a rosa,
Zombeteira e afoita,
Sombra indecorosa!







sexta-feira, 20 de novembro de 2015

SOBRE A MATURIDADE









Já disponível na amazon.com.br o meu novo livro virtual, Sobre a Maturidade. Nele, poemas e algumas crônicas sobre o que significa, para mim, amadurecer. É um pequeno livro - menos de noventa páginas, e todo o material é inédito e selecionado com muito carinho.
Espero que gostem.

Também disponível pelo KDP, para ler de graça, ou se você desejar comprá-lo, ele sai bem em conta: apenas $11,55.

Quem não tiver um Kindle, pode baixá-lo diretamente no computador, tablet ou smartphone. Basta baixar o aplicativo no site ou na Applestore e seguir as instruções. Para encontrar todos os meus livros que estão na amazon, é só digitar "Ana Bailune" na página principal, e eles aparecerão. O site disponibiliza uma amostra grátis para quem quiser dar uma olhada antes de decidir comprar ou não.

Obrigada!





terça-feira, 17 de novembro de 2015

SINAIS DO CAOS












Enquanto eu escrevo, olho pela janela e vejo a paisagem linda que me cerca, e penso nas  milhares de pessoas que neste momento estão cercadas de lama por todos os lados, não tem o que beber ou comer e nem guardam  esperanças para o futuro, pessoas que perderam tudo o que tinham e estão se perguntando o que farão daqui para frente.

Penso nas pessoas que foram mortas em Paris, civis que nada tinham a ver com as guerras que seus governantes promovem, e em seus amigos e familiares que neste momento estão sofrendo, talvez revoltados, não tendo mais aquelas pessoas por perto.

Também penso na Síria e em seu povo, que estão sendo bombardeados por todos os lados, e nos demais países que neste momento estão sofrendo os efeitos da guerra. E aqui, esse silêncio, passarinhos cantando, a vida acontecendo normalmente, graças a Deus, o que me faz lembrar de agradecer por eu estar aqui, e não lá.

Quando forem abrir a boca para reclamar de alguma coisa, lembrem-se de tudo o que está acontecendo no mundo, e calem-se. Agradeçam pela sua saúde, por estarem confortavelmente instalados em uma casa com água potável e comida na geladeira e na despensa, roupas limpas e secas nos armários, computadores, livros, mesas, cadeiras, camas, enfim, o conforto de uma casa. Agradeçam porque seus entes queridos estão em segurança, e você tem um trabalho (se não tem, basta procurar por um e acabará encontrando), olhe em volta e lembre-se de agradecer!

Diante de tudo o que vejo acontecendo no nosso páis e ao redor do mundo, eu às vezes penso que estamos chegando a um ponto final, onde o caminho se bifurcará, e dependerá da nossa decisão sobre qual caminho seguir dali em diante, a sobrevivência ou não da nossa espécie. Com certeza, alguma coisa muito importante está em curso na humanidade neste exato momento, e precisamos abrir os olhos para ver, os ouvidos para ouvir, o coração para sentir, a cabeça para tomarmos decisões acertadas. 

E todas as nossas bobagens, ranhetices, implicâncias, egocentrismos disfarçados de humildade, hipocrisias, e a amargura coberta com uma camada fina de açúcar - que está derretendo -, perderão a importância. Espero que a maioria de nós estejamos atentos e preparados para o que está por vir, pois acho que ainda vai piorar bastante antes de melhorar.

Acho que estamos em transição. Estamos mudando. O caos que precede o recomeço.

Mas este recomeço só acontecerá se, ao chegarmos àquele ponto de bifurcação, tomarmos as decisões acertadas.





segunda-feira, 16 de novembro de 2015

HORAS DIFERENTES






O relógio marca
Horas diferentes
Para cada um:

Horas diferentes
De chegar e partir,
Amar e deixar,
Erguer e ruir,
Falar e calar.

Meu pulso pulsa
Diferente do seu,
Às vezes, mais rápido,
Noutras, mais lento.

O tempo me inventa,
E eu o invento.

Caminhos se cruzam,
Mas não se compreendem,
E palavras ríspidas
Definem, explicam
Mas jamais refinam
O que alguém sente.

Vivemos num mundo
Cheio de outros mundos,
E os relógios marcam
Horas diferentes.











quinta-feira, 12 de novembro de 2015

A PRAGA




É preciso ter cuidado,
E prestar muita atenção,
Pois às vezes, tua fome
Não é de um pedaço de pão...
A tristeza que corrói
Não é só pela lembrança,
E o que aperta no teu dedo
É bem mais do que a aliança...

É preciso estar ciente,
E acreditar na sorte,
Pois nem sempre, é um sorriso
Que te salva ou te resgata,
E aquilo que te míngua 
Te arrastando para a morte,
É bem mais do que a angústia,
Não é a doença, é a praga!

É preciso enxergar longe,
Para frente e para trás,
Pois aquilo que se foi,
Não retornará jamais!
E  a culpa que te corta,
Não é faca, nem saudade,
Mas os olhos que te olham,
Suprassumo da maldade!







domingo, 8 de novembro de 2015

NO DIA SEGUINTE...





A noite foi longa e muito escura,
E os fantasmas passeavam,
Arrastando suas correntes longas e pesadas
Pela madrugada,
fazendo sangrarem as lembranças
Das feridas que eu já pensava
Cicatrizadas.

A noite foi tão dolorida,
A vida gritando entre as batidas
Das horas que, cruelmente,
A engolia...
Foi uma noite longa, longa,
Que deixou a alma cheia de sombras.

Mas no dia seguinte,
O sol surgiu, como sempre,
Os pássaros cantaram sobre os galhos,
A neblina dissipou-se com o avanço da manhã,

E os carros passaram,
Os trabalhadores começaram seu dia
Com sons de marteladas
E risos que soavam entre os serrotes
Que cortavam, em pedaços, a faina do dia.

A noite, de repente, pareceu-me distante...






sábado, 31 de outubro de 2015

Perturbadoramente Periclitante!







Tenho visitado alguns blogs ultimamente - todos muito bons - e logo que eles são abertos, uma estação de rádio começa a berrar propagandas a todo pulmão então  tocar músicas irritantes - funks, axés e outros estilos. Não consigo me concentrar na leitura.

Hoje de manhã aconteceu a mesma coisa, e fiquei me perguntando se as pessoas que administram estes blogs sabem do ocorrido ou se é algum tipo de bug.

Por favor, se alguém passar por esta situação em algum dos meus blogs, me notifiquem!


Obrigada, e bom final de semana.









sexta-feira, 30 de outubro de 2015

ALÉM








Eu olho através de ti,
Para muito além das memórias
Entre aquilo que tu fostes
E o que não és mais agora.

Eu ouço além do teu grito
No que a voz sufoca e cala
E morre assim, ressequido
Entre o silêncio e a fala.

Eu choro com olhos secos
Afogando a tua ausência
Me perdendo em teus degredos
Em busca da tua essência.

Escrevo um poema tosco
E nas linhas, não te encontro,
Pois moras além de tudo
Que eu toco, sinto e canto.





segunda-feira, 26 de outubro de 2015

PRA NÃO DIZER







Pra não dizer que saí de repente,
Deixei um beijo no meu guardanapo,
Um sorriso preso no teu espelho,
E um adeus dentro do teu copo.


Eu sinto muito, mas eu não posso
Caber inteira em teu recipiente,
Às vezes frio, às vezes quente,
Que não comporta meus destemperos.


E minha flor não desabrochada
Secava aos poucos no teu alpendre,
Murchava mais e mais cada dia,
Desperdiçando suas sementes.


E minha vida, assim, malcuidada,
Sugava o pó das tuas vertentes,
Já não podia seguir em frente
Abrindo mão da minha jornada...


Convido a todos para conhecerem e seguirem meu novo blog. Ele é todo escrito em inglês, mas o tradutor está disponível ao final da postagem.


FROM MY WINDOW


O link:







sexta-feira, 23 de outubro de 2015






A solidão não me assusta,
O silêncio me agrada.
Ouço o farfalhar das folhas
E junto aos pés, os sussurros
De mil vidas tão pequenas
Entre as lâminas da grama.
Não posso sentir-me só
No solo de minha amada!

A escuridão me oferece
Milhões de estrelas à escolha!
E a luz do sol que me banha
Não me deixa desistir
Quando o medo me sorri.
-Não há nada que me tolha!
Não posso sentir-me só
No solo de minha amada!

Como eu poderia ousar
Sentir-me desamparada
Se em mim está meu destino
E as estradas, e as chegadas?
Não posso dizer-me só
No solo da minha Terra,
Minha terra, minha amada...

Minha casa me acolhe,
Banhando-me em suas águas,
Vestindo-me com suas folhas
Encantando meus olhares
Com miríades de cores,
E suas flores perfumadas!
Não posso sentir-me só 
No solo de minha amada!

Como posso querer mais
Do que ela me oferece?
Se é ela que me abraça,
Me acalenta e me aquece?
Não posso dizer-me só
No solo da minha mãe,
Minha Terra, minha amada!

E um eu dia, serei toda
Por minha mãe, abraçada,
E o que sou tornar-se-há
O que ela mesma já é.
Minha crença, minha fé,
Não me deixam desgarrada,
Não posso sentir-me só
No solo da minha amada!








É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...