xmas

Free background from VintageMadeForYou

terça-feira, 24 de setembro de 2019

Tarô e Autoconhecimento



Já ia me esquecendo: na semana passada postei este vídeo sobre minha experiência com o tarô. O que ele tem me acrescentado? Para quê ele serve de verdade? É possível 'adivinhar' o futuro jogando tarô?

Neste vídeo eu falo sobre isso e algumas coisinhas mais.

Quem desejar assistir, por favor, não esqueça de deixar um 'like' para mim e inscrever-se no canal!

Abraços.






Recolhida






Sim, eu ando recolhida,
Ando mais devagar pelos mesmos caminhos,
Ando distraída, mas rezo aos velhos santos,
Olho antes de pular.

Sim, esta tem sido a minha vida,
Aprendi que às vezes é melhor estar sozinho,
Não salpicar mágoas nem tristezas pelos cantos,
Aprender a desapegar.

Sim, eu ando recolhida,
Confortável e aquecida em meu pequeno  ninho,
Desfaço mandingas e quebro quebrantos,
Não me deixo mais levar.

Exerço minha vida por trás da minha porta,
Viajo a mil mundos, mas volto ao meu leito,
Porém, não se enganem nunca a meu respeito:
Ando recolhida - mas não estou morta.



segunda-feira, 16 de setembro de 2019

CORES








Não sei se isso acontece com vocês, mas eu tenho fases de cores. Já passei por longos períodos de roxos, amarelos, rosas e azuis. Depois, vivi minha época de estampas coloridas - flores em laranja, lilás, rosa, amarelo, ou seja, quanto mais colorido, melhor. Também tive meus períodos em branco quase total, até mesmo em casacos e blusas de frio.

Passei por uma longa fase em que quase tudo no meu armário era verde ou preto. Nos dias de hoje, acho que estou me encaminhando para uma nova fase de  tons mais clarinhos de cinza, off-white e creme. E é claro, sem fugir à minha cor predileta para roupas, que é e sempre foi o preto.

Dizem que as cores têm poder. Até mesmo as linhas esotéricas afirmam que as cores estão associadas aos nossos chakras - que são pontos de energia no nosso corpo etérico, ligados ao corpo físico, e são responsáveis pela circulação de energia no nosso organismo. Encontrei no Google uma figura que ilustra melhor este tema do que qualquer explicação:



Eu acredito que gostar ou não de certas cores tem muito a ver com nossa personalidade ou com a fase que estamos vivendo. Eu estou vivendo uma fase na qual tento encontrar equilíbrio e serenidade.  Daí minha preferência pelas clores mais claras. 

Mas se existe uma cor que fica bem em todo mundo, em qualquer ocasião, é o preto. Esta cor nos deixa mais elegantes, mais magros e mais confiantes: não sabe o que vestir? Vá de pretinho básico!





sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Como não Ferrar com a Sua Vida - e Com as Vidas das Pessoas em Volta de Você





Aqui estão algumas regrinhas de bem-viver. Tirei-as de livros que li, filmes que assisti e pessoas com quem conversei - mas especialmente, das minhas próprias observações e vivências:

1- Melhor fazer o que você acha que é certo – mesmo quando não tem certeza – do que o que você sabe que é errado.
2- Não mentir deveria ser uma regra de ouro, pois  a mentira é sempre desmascarada através das suas contradições ou de informações (requisitadas ou não) vindas de outras pessoas (com boas intenções ou não).
3- Não fazer aos outros o que não gostaria que fizessem a você. Esta é uma das mais antigas regras, e também uma das mais simples de serem compreendidas, embora muitos tenham dificuldades de coloca-la em prática.
4- Respeite quem você ama. Nem sempre é possível voltar atrás, nem sempre é possível perdoar e esquecer certas coisas. 
5- Viva de forma a não ter nenhum arrependimento. Viva de forma a poder olhar-se no espelho e gostar daquilo que vê.
6- Não use as pessoas. Respeite-as. 
7- Cuidado com bajuladores. Quando elogiarem você, olhe nos olhos de quem o faz; provavelmente, haverá algum interesse em ganhar a sua confiança através da sua vaidade.
8- Não maquie a verdade. As coisas são o que são. O errado nunca será certo. O certo nunca será errado. Quando se tratam de princípios, certo e errado não são e jamais serão a mesma coisa. 
9- Seja fiel aos seus princípios – em primeiro lugar, cultive bons princípios – e haja de acordo a manter os seus acordos consigo mesmo. 
10- Cultive uma consciência leve. Não faça nada que magoaria alguém, mesmo que seja pelas costas e que pudesse ferir, caso  tal pessoa ficasse sabendo. O mal que fazemos conscientemente às outras pessoas, volta para nós travestido de infelicidade, doença, arrependimento e solidão.  
11- Minha mãe sempre dizia (e eu concordo com ela) a seguinte frase: “Se quer saber se uma coisa é certa ou errada, baseie-se no seguinte: se ela precisa ser feita às escondidas, é errada.”
12- Não despreze as pessoas que o valorizam. Não cuspa no prato em que come. Não quebre a confiança daqueles que estão do seu lado e sempre jogam no seu time. Uma das palavras mais feias do mundo, é ‘traição.’ Não queira ter este selo sobre sua testa.
13- Não passe por cima das pessoas a fim de obter aquilo que deseja. Trabalhe, use seu potencial e seja honesto. 
14- Evite a fofoca. Ela deixa o ar em volta de você pesado e escuro. Todos percebem. Mesmo aqueles que servem de ouvidores à fofoca, não gostam de fofoqueiros e sempre acabam afastando-se deles devido a um princípio básico: aquele que fala mal dos outros para você, falará mal de você para os outros. 
15- Não tire do outro o direito ao livre arbítrio. Não use de manipulações emocionais a fim de fazer o outro sentir culpa e obriga-lo a fazer o que você quer. Aprenda a ser forte e deixe os outros viverem suas vidas em paz.
16- Não peça favores difíceis. Não peça que alguém minta para encobri-lo. Não peça dinheiro emprestado ou assuma dívidas se você não sabe se vai poder pagar. É uma questão de caráter.
17- No fim das contas, se você puder observar apenas a regra número três, estará cumprindo, automaticamente, todas as outras: não haja com os outros como não gostaria que eles agissem com você. 




TRILHAS







A tua vontade é pó de saibro
Que a primeira chuva carrega.
O teu amor lembra-me as rosas
Que murcham, sem água e sem rega.
Creio que  em ti minha lembrança
Durante o dia se apague,
Pois tua memória é como um rio
De turvas, turbulentas águas.

Teus olhos, sem culpa se perdem,
Desviam-se do meu caminho
A qualquer vento, a qualquer voz,
A qualquer vagabundo vinho.
Tu sequer tentas evitar
Cair nos mesmos velhos poços,
Continuando  a procurar
A tua paz entre destroços.

Teu coração tem  fundo falso
Por onde vaza o teu amor,
Creio que estou em um cadafalso,
Ébria, cega de torpor!
Vivo pisando devagar
Nesse teu chão de armadilhas,
Vou recolhendo os meus farelos
Que vais perdendo pelas trilhas...




domingo, 8 de setembro de 2019

Por um Mundo Melhor?






Eu acredito em um mundo melhor. Acredito que todos que estão aqui caminham para um processo evolutivo – até mesmo aqueles com quem eu não concordo, ou que cometem as maiores atrocidades e crimes contra as outras pessoas e até contra a humanidade. Para estes últimos, a melhor coisa é isolá-los da sociedade e aplicar-lhes a punição necessária; afinal de contas, é através de limites claros e definidos e de punições aplicadas a todos aqueles que os infringem, causando prejuízos aos demais, que aprendemos até aonde podemos ir.

E o melhor limite será sempre o respeito. Se eu sei respeitar o fato de que aqui nesse mundo existem pessoas de gostos e compreensões diferentes, estarei bem. Estarei contribuindo para um mundo melhor. Mas isso não significa compactuar com o mal, fazer vista grossa à intolerância ou aplaudir a criminalidade e a corrupção.


Hoje muito se discute a respeito do que fazer para termos um mundo melhor. Alguns clamam que, caso todos pensassem da mesma forma, não havendo assim a necessidade de divergências de opiniões, o mundo seria melhor; já outros defendem a ideia de que um mundo governado pela esquerda ou pela direita seria um mundo melhor. Enquanto isso, alguns defendem a liberdade sexual, a liberdade religiosa, a liberdade política, e todas essas liberdades convivem juntas e frequentemente se chocam umas com as outras. Porque é exatamente onde começa a minha liberdade que a sua termina. 

Sou livre para acreditar no que eu quiser – desde que não me oponha a quem acredita em coisas diferentes; sou livre para defender a homossexualidade ou a heterossexualidade, contanto que eu exerça aquilo que eu quero e respeite quem prefere o contrário. Sou livre para achar que a minha religião é a mais correta, contanto que eu não interfira na sua. 

As pessoas acham que a melhor forma de se viver é tendo liberdade total para praticar o que quiser onde bem entender. Mas eu acho que é preciso que aprendamos a criar mais quadradinhos, e a ficarmos dentro deles mais tempo quando estivermos expressando as nossas liberdades. Ou então que procuremos quadradinhos iguais aos nossos, sem pisarmos nos quadradinhos alheios. 

Precisamos compreender que nem tudo é para todos, nem todos pensam como nós e que é preciso respeitar isso; se eu condeno as religiões que cobram dízimos de seus praticantes, estarei invadindo um território que não compreendo, já que muitas pessoas pagam esse dízimo com prazer e alegria e se acham desfrutando daquilo pelo qual pagam. Se estão sendo enganadas ou não, é problema delas. Se eu visito um canal esotérico e compro um curso sobre Feng Shui ou desenvolvimento pessoal, estarei pagando por um serviço prestado e obtendo as vantagens ou desvantagens daquilo pelo qual paguei. O problema é meu, e de mais ninguém. 

Todas as religiões cobram um preço, pois todas elas são instituições que precisam sobreviver. Experimente tentar ir a um templo Budista no Tibet ou na Índia, e verá que sem pagar, você não poderá permanecer lá por mais que algumas poucas horas. Se quiser batizar ou crismar seus filhos, ou casar-se na Igreja católica, você precisa pagar (e às vezes, bem caro).

Na última Bienal, muitas pessoas se escandalizaram porque um devido político protestante mandou recolher um livro que tinha uma cena de beijo homossexual. Tal livro chama-se Vingadores – A Cruzada das Crianças. Não li o livro, e não sei do que se trata. Se ele mostra mesmo conteúdo inadequado para crianças, não deveria estar sendo vendido abertamente e sem nenhum tipo de aviso. Deveria estar lacrado para que as crianças presentes, atraídas pelo título, não o abrissem e acessassem o conteúdo. Se isto for verdade eu concordo com o político, mas não concordo com a arbitrariedade da ação. Ele poderia ter solicitado que os livros fossem plastificados.

Acho este um exemplo claro de falta de respeito de ambos os lados. Porém, a ação apenas ajudou para que os tais livros fossem vendidos em tempo recorde. Que cada pai e mãe decida o que deseja que seus filhos acessam ou não. Mas para que isso seja possível, é preciso que haja informações disponíveis sobre os produtos. Acho que vender livros assim sem colocar qualquer tipo de advertência é pisar sem dó no quadradinho alheio; ao mesmo tempo, mandar recolher um livro com força de polícia e sem prévio aviso apenas porque seu conteúdo, segundo meus critérios, é inadequado, é arbitrário. 

Faltou respeito aí.



quarta-feira, 4 de setembro de 2019

As Fases da Lua







Olá, pessoal!

Hoje, no meu cana Espiritualidade na Lata, estarei falando sobre as fases da lua e suas influências na gente, aqui em baixo. Afinal, o que é melhor fazer em determinadas fases da lua: plantar, entrar em uma dieta, fazer uma cirurgia... se você quer descobrir, acesse o link!

Grata!


terça-feira, 3 de setembro de 2019

UMA QUESTÃO DE HUMANIDADE







Lembro-me da ocasião em que o ex-Presidente Lula adoeceu e começou a tratar de câncer; também me lembro de quando a ex-Presidente Dilma foi acometida da mesma doença. Pena é que também me recordo dos comentários absurdos que foram feitos nas duas ocasiões, alegando que eles 'mereciam' as doenças que tiveram, que melhor seriam estando mortos, e outras maldades do tipo. 

Em ocasião da facada que quase tirou a vida do atual Presidente Jair Bolsonaro, ouvimos coisas semelhantes e ainda piores; sinal de que a humanidade não evolui nada de lá para cá.  Não melhoramos muito desde então, pois quem deseja a doença e o mal de outra pessoa, não pode ser alguém bom. Não se trata de uma questão política agora, e nem se tratava de uma questão política nas outras duas ocasiões. É uma questão de humanidade mesmo (ou da falta desta).

Infelizmente, o nosso Presidente vai necessitar passar por mais uma cirurgia, ainda devido às consequências daquela facada. Fico muito triste de ver o que as pessoas andam falando por aí, e até mesmo decepcionada ao saber quem estas pessoas são - ou dizem ser! Pessoas que afirmam se importar com o destino da natureza e da humanidade, católicas ou espíritas praticantes, supostamente caridosas, daquelas que mandam mensagens fofinhas pelo Instagram e Whatsapp desejando-lhe bom dia e afirmando que "Jesus é a luz do mundo." 

Pena que essa luz não tenha chegado até elas.

É contraproducente desejar um mundo melhor enquanto se espalha comentários tão cheios de ódio; é sinal de falsidade falar de luz quando suas palavras vêm das trevas mais escuras do inferno. É hipocrisia falar da corrupção de certos políticos enquanto a própria alma sofre da forma mais vil de corrupção. 

Ninguém precisa gostar de ninguém. Ninguém precisa desistir de suas convicções políticas - afinal, é necessário que para tudo exista o seu oposto no mundo, pois só assim mantém-se o equilíbrio. Cada um escolhe e tem o direito de escolher aquilo que acha melhor. Porém, que essa escolha não necessite de maldade e de mentiras para sustentar-se. Não posso sair por aí desejando a morte das pessoas que eu não gosto. 

Se eu não consigo desejar saúde a alguém, que pelo menos eu não deseje nada, ou que eu saiba me calar e me abstenha de espalhar pelo mundo o ódio que eu trago dentro de mim. Que este ódio não se espalhe, não se propague, mas que morra na acidez da minha própria saliva ou diante da luz do conhecimento. 

Para que tal ódio não chegue até mim e não me deixe com um gosto amargo na boca e bile no fígado, estou bloqueando todos que se pronunciam com sarcasmo ou maldade a respeito da saúde do Presidente da República ou de outras pessoas. Peço também que tais pessoas não mais me visitem ou comentem.





Lula Livre?

Lula Livre? Gostaria de dizer o que me incomoda nesta frase. Não é bem a liberdade de Lula, mas a maneira como ela foi co...