quarta-feira, 27 de maio de 2020

SEGREDO








És qual um pequeno inseto
Que bate na vidraça
E eu quase nem percebo.

És uma vil palavra
Que surge, e que eu renego
Por orgulho ou por medo,
Mas ao cair, se arrasta
Por sobre minhas pernas
Me rasga e reproduz
Esse poema de arrego.

És uma lembrança triste
Da qual eu sempre me esqueço
Quando alguém está olhando,
Mas assim que eu fico só
Mergulho fundo no teu pó
Para ver se ainda existe
Meu rosto, em teu degrêdo.



quarta-feira, 20 de maio de 2020

MINHA CASA







Minha casa ficava bem aqui,
Entre o cipreste e o ipê amarelo,
Ao norte do Cruzeiro do Sul,
No caminho sob o céu azul.

Ali, naquele jardim,
Balancei na rede os meus sonhos,
Reguei flores da vida que eu plantei num canto,
Ri alguns risos, enxuguei algum pranto.

Naquela sala, agora vazia,
Sobre a estante, descansam os mesmos livros
Por onde meus olhos rolaram, atentos,
Aprendendo a criar doces momentos.

Vês essa escada de madeira?
Ela conduz ao meu dormitório
Onde eu colecionava minhas lembranças
Em noturnas andanças e sonhos aleatórios.

Não perca, da varanda, a linda vista
Que se estende por sobre os telhados das casas!
Montanhas e árvores - algumas não mais existem
Ali me sentei para ser alegre, e para ser triste.

Esta era a casa onde eu morava,
Que eu tanto cuidei, que eu tanto amava,
E hoje, por ela vaga, cansado,
Meu fantasma solitário, o meu miasma.





sábado, 9 de maio de 2020

A CASA DA QUARENTENA



A casa da quarentena é a mesma para cada um de nós. Só que agora as pessoas têm tempo de realmente reparar nelas. 

Eu sempre fico muito tempo em casa, pois além de morar, também trabalho aqui. Costumo sair apenas nos finais de semana ou em alguns outros dias, quando necessário. Aprendi a conhecer a minha casa e a me sentir à vontade dentro dela. Cerquei-me de tudo o que eu amo: livros, discos, lembranças de viagens - objetos que, se não têm qualquer valor comercial, significam muito para mim.

Mas fico pensando nas pessoas que estão literalmente surtando dentro de suas casas. Não conseguem se sentir à vontade dentre as quatro paredes que construíram para si mesmas e suas famílias. Pessoas que estavam acostumadas a deixar para lá muitas coisas: problemas de relacionamento, reformas necessárias, uma decoração fria e impessoal. De repente, elas se vêem obrigadas a permanecer nesses espaços e lidar com tudo o que as rodeia. 



Eu creio que a angústia delas tem menos a ver com o confinamento do que com o tempo em que passaram confinadas de si mesmas. 

As pessoas precisam construir paisagens.

Não falo de vistas deslumbrantes, jardins elaborados ou casas ricamente decoradas. Eu falo daquelas paisagens que a gente não consegue obter de nenhum decorador, mas que estão dentro da gente, e que poderiam nos dar alguma coisa mais bonita aqui fora.



É preciso que estejamos cercados de coisas e pessoas que realmente amamos. Nunca o amor esteve tão em evidência! 

Esse desamor repentino pela casa não começou agora: ele apenas tem sido negado há muito tempo. O desconforto, o sentir-se preso, é a resposta do desespero que foi, quem sabe por anos, socado lá para dentro, para os lugares que não ousamos acessar dentro da gente.



E eu vejo as pessoas sonhando com o final da quarentena, falando em mudanças. Só não consigo ver essas mudanças realmente acontecendo, porque todo mundo sabe que elas só ocorrem quando vêm de dentro para fora. Quando a gente decide varrer a calçada da  casa da alma. 

Eu realmente espero que tudo mude. Porém, a única coisa que conseguimos provar para nós mesmos, é que o planeta realmente não necessita de nós, e que vive muito melhor sem a nossa presença.




Vemos notícias de animais selvagens caminhando livremente pelas ruas, mares sendo recuperados,  rios poluídos tornando-se cristalinos, a camada de ozônio recuperando-se de enormes buracos. O mundo não precisa de nós: nós é que precisamos dele e deveríamos nos conscientizar disso! 

Mas as nossas casas precisam de nós. Sem nós, elas não vivem, e sem elas, nós não viveremos felizes. 






PS: Eu costumava ter um blog chamado A Casa & a Alma. Fechei-o, juntamente com outros blogs, por falta de tempo para postar e trabalhar interações. Hoje eu me arrependo, pois ele era um espaço que eu adorava, mas ele continua aqui, sob as etiquetas A CASA e A ALMA. Todas as postagens daquele blog continuam aqui, no Expressão. 

Mudei o nome de meu blog HISTÓRIAS por Ana BAilune para CAMINHOS DA IMAGINAÇÃO. Achei mais bacana. Lá publico meus contos, muitos deles em capítulos. Estão todos lá. 

Também escrevo um blog sobre Tarô, o O CAMINHO DO APRENDIZ, e um outro blog sobre dicas de inglês , o YOUR TICKET TO ENGLISH. Todos eles podem ser acessados através de links no Google ou então através dos links abaixo:


CAMINHOS DA IMAGINAÇÃO



O CAMINHO DO APRENDIZ



YOUR TICKET TO ENGLISH

















sexta-feira, 8 de maio de 2020

AMARGURA












AMARGURA

O tema hoje é a amargura; escolhi dois poemas com esse tema, já publicados aqui, e deixo também um link para um vídeo que postei em meu canal, o Espiritualidade na Lata, onde converso sobre esse sentimento tão humano e tão negativo...

Vamos aos poemas:



Amargura - publicado em 2012

Sentada no rochedo, o olhar, perdido,
A barra do vestido esvoaçava ao vento
Ao chorar, ela deitava suas salgadas águas
Nas águas já salgadas do imenso mar.

No fundo, ela sabia: ele não iria voltar!
Na fraca luz do dia, ela quis o luar...

Mas só a maresia cobriu-a, por fim,
E assim enferrujou-se sua fantasia.









AMARGURA - Publicado em 2013


A amargura
Amarga a brandura,
Estraga a vida,
Macula a brancura
Da alma mais pura,

É triste,
A amargura!...

Talha no leite,
Véu de loucura
Diante de tudo
Que acha e procura,
Só vê a maldade
Em tudo o que enxerga,
E a iniquidade
Em tudo que toca...

A amargura:
Prenúncio de vento
Que afasta as  pessoas,
Incita o tormento,
Se torna alicerce
De inveja e usura,
A vida escurece,
E cresce a penúria
Torna tudo triste,
Torna a vida dura!

Deus me livre e guarde
Dos dedos nodosos
Dos olhos jocosos
Da boca gosmenta
Do peito fechado
Do vil egoísmo
Da voz taciturna
E acusadora
Que tem a amargura...








Amargura - Também publicado em 2013


Guardei minhas mágoas dentro de um lenço
E sobre estas páginas, o sacudi.
As duras palavras, moí no silêncio.
Já dei por perdido o que há muito perdi.

Não levo comigo senão uma dor,
Que já nem me lembro se eu mesma escolhi.
A dor, já dormente, perdeu o amargor
Caída no tempo, penso que morri.

Mas há uma criança querendo viver,
Que dentro do peito, reclama e se agita...
Se a deixo dormir, a vida a desperta.

E esta criança quer ser, ressurgir,
Pois teima em sorrir, mostrar que está viva,
No fundo, eu entendo que ela está certa.







sexta-feira, 1 de maio de 2020

Sete Anos









Sete anos - e o tempo arrasta suas saias
Sobre um chão liso, de despedidas.
Alguém se foi - quebraram-se vidas,
Mas continuam os aniversários.

E tais datas, cheias de lembranças,
Amarram memórias com laços de fita,
Que adornam o dia de quem ficou
Segurando nas mãos as mesmas perguntas 
Que jamais foram ou serão respondidas.

Sete anos que poderiam ter se estendido
Sabe-se, Deus, até quando,
Ou como eles teriam sido
Tivéssemos tido mais tempo...
Uma voz se calou do lado de fora,
E agora, ainda fala do lado de dentro.