segunda-feira, 17 de março de 2014

ELEGIA






Me esfolas, me cortas, me cospes,
Sou a mosca flutuante
Que passa pelo gargalo:
Mexo as patas na garganta.

Sou a fome que ainda
Permanece, após a janta,
A mentira que tu contas
Para convencer os tontos.

Sou a herege, a sacripanta,
A que rouba, sem piedade
Os teus sonhos, e os destrói,
Vertendo-os na realidade.

Sou teu saco de pancadas,
A desculpa esfarrapada
Para tua incompetência...
-Na verdade, não sou nada,

Sou bem menos que tu pensas,
Mas me fazes de estrada,
De bandeira, que drapejas
E de alvo, que apedrejas
Para aliviar as mágoas
Da tua vida desgraçada!

Ah, se ao menos eu pudesse
Ser um pouco do que dizes,
Se eu tivesse esse poder
Que tu tanto me atribuis!...

Eu faria uma magia
Mostraria o quanto és nada,
E o quanto eu nada sou,
-Nem ao menos a tal sombra
Que atrapalha a tua luz!...

Hoje eu faço uma elegia
-Presta atenção, estás vendo?
Eu te peço que a escrevas
Na minha última pedra:
"Aqui jaz quem nunca foi,
E continua não sendo."






12 comentários:

  1. Ana, bela elegia fizestes aqui, gostei de ler!
    Abraços minha amiga, aqui se pode aprender a apreciar lindos versos em todos os sentidos!
    Tenhas uma linda semana!

    ResponderExcluir
  2. Quanta inspiração bem direcionada!Adorei! linda semana! bjs,chica

    ResponderExcluir
  3. A sempre uma esperança de dias melhores em nossas vidas
    no entanto se não tiver fé nada seremos.
    A sempre uma esperança mesmo quando semeamos paz por onde
    passamos .
    A sempre um futuro melhor e mais feliz
    quando a humanidade entender que só o amor é capaz de
    transformar o mundo.
    Com carinho venho desejar uma abençoada semana
    beijos no coração carinho na sua alma.
    Evanir.
    Obrigada por fazer parte da morada
    que existe no meu coração.

    ResponderExcluir
  4. Ana Bailune, o poema, em si, já é magia, por interessante que a sua cadência confere brilho á leitura, Gostei a valer.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Uma poesia, triste, sofrida....Amanhã, um dia, leremos uma poesia plena de alegria e felicidade.
    Beijos,
    Élys.

    ResponderExcluir
  6. Uma bela poesia, mas tão triste que nos mostra uma alma rasgada pela dor, espero que seja só poesia, beijos Luconi

    ResponderExcluir
  7. Olá,Boa noite, Ana
    sim,adorei a expressão de ceticismo,melancolia e desencanto...mas, permeado de perceptível ironia...um apelo pungente só será atendido , entendido e compatível se houver respeito, liberdade e amor!
    Muito bom!
    Obrigado pelo carinho,bela semana,abraços!

    ResponderExcluir
  8. Ana, amei "Elegia", poderia elege-la, a primeira das poesias, a partir daí viriam as outras, para mostrar quem és, ressurgindo para nova vida. Seja sempre muito abençoada, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  9. Ana, sempre aplaudo seus versos. Há melancolia no pema, um grito de insatisfação e inconformismo, mas muito belo. Bjs.

    ResponderExcluir
  10. A melancolia que fica quieta por entre os rabiscos do nanquim. Lindo demais. Ah! Amei a cara do blog. Está show!!!!! Luz e paz. Beijo no coração.

    ResponderExcluir
  11. Ana!
    Seus poemas são de um enfoque realístico que nos penetra alma e coração! Lindos!
    Abraços.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

O que Tem na Sua Playlist? Uma Interação

Inspirada por um comentário de paulo Bratz a um de meus posts, que fala sobre um aparelho de som que comprei na Black Friday,...