quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Não te Escondas!





Não te escondas
Por trás da pétala,
Atrás do frágil,
Enfrenta os tons
Que tu escolheste,
Que tu pintaste!

Não uses nunca
Uma alma frágil
Como uma arma,
Como vingança,
Intransigência!

Cabeça falha,
A alma paga,
O corpo paga,
O amor paga!...

Não percas nunca 
O que te resta
De compreensão,
De piedade,
Boa vontade!

Na tua terra 
Palavra é pedra,
E o papel
Vale bem mais
Que o amor,
Que a amizade...

É impossível
Chegar a acordos
Com gente dura
De coração,
Gente indigente,
Gente covarde!




6 comentários:

  1. Mostra-te
    Neste palco
    Que é a vida!

    Tá bonito o blog, heim Ana!

    ResponderExcluir
  2. Gente indi(gente)... Basta por sí a frase ao poema todo - pela beleza da essência dos versos.
    Tu é demais Ana!

    bj

    ResponderExcluir
  3. Lindoooooooooooooooooo e belo...........felicidades

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

AH, OS ITALIANOS! - Parte I

Eu em Veneza - Gondoleiro! Durante nossa curta estadia na Itália, não ficamos em hotel. Alugamos um pequeno apart...