segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Pedra Solta








PEDRA SOLTA


Não me importam
A tua palavra rota,
A tua língua torta!
Se caio,
É sobre os meus joelhos,
E com as minhas mãos,
Eu sacudo o pó
Das ruas mortas,
Refaço meus artelhos!

Mas sempre me ergo,
Sempre!
E nunca, jamais,
Deixo a pedra solta
No caminho alheio!



 

7 comentários:

  1. Ana, que beleza de versos! Quando nos recompomos, e o fazemos, não podemos deixar as pedras para que outros tropecem. Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Isto! Faça como na sua poesia, não se curve, luta e sorria para a vida!
    bjs,

    ResponderExcluir
  3. Nenhuma pedra tem o poder de fazer tropeçar uma mulher do teu tamanho Ana, no máximo estarão lá no meio do caminho, e tu a chutarás para longe.

    ResponderExcluir
  4. Se a tua força é como a das palavras que escreves, VENCERÁS, ANA !

    ResponderExcluir
  5. "Se caio, é sobre meus joelhos", puxa, serei muito sincera, nesta noite este verso traduziu algo preso aqui dentro. Como me admira tal efeito...Belíssimo! Grande abraço, Ana!

    ResponderExcluir
  6. Olá!Boa noite!
    Ana
    ...tropece , caia e levante... lute contra as dificuldades que diariamente surgem no seu caminho e que são provocadas pelos outros… esses que ainda não encontraram o remédio para uma vida melhor.Não revide contra esses. Recolha as pedras no chão.No final terá satisfação... E com as pedras, construa seu castelo!...
    Meu carinho
    Belo feriado
    Beijos

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...