domingo, 17 de fevereiro de 2013

Meus Desertos




Meus Desertos

Dias longos,
Grandes espaços marcados de passos
Áridos, quentes, abertos,
Noites frescas e ventosas,
Areias e rosas,
Sangue e esqueletos.
São assim, os desertos
Por onde me perco.

Há poucos oásis,
E no céu,
A lua tem cinco fases
(A última, sempre mais negra)
A saudade é uma nesga
De escuridão sob o sol.

Há cactus, espinhos e cobras
-Mas há as rosas,
Lembranças finas, vaporosas,
Que em tranças se estendem
Pelas dunas sinuosas.

São assim, os meus desertos,
Povoados de fantasmas,
Anjos decaídos
Demônios que me tentam,
E se encolhem, sofridos a um canto
Quando eu não os escuto...
E por pura piedade,
Eu às vezes olho para trás
E os ouço, por segundos.

São assim os meus desertos,
Luas, oásis, serpentes,
Anos desfeitos em segundos,
Uma sede remitente,
Sombras de cactus e versos
Bem no meio do mundo.


7 comentários:

  1. Teus desertos tem de tudo e por isso, lindos! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Ana,

    desertos sempre nos remetem a delírios e neles tudo é possível. Lindo poema minha querida!Gr. Bj.!

    ResponderExcluir
  3. Que coisa linda Ana. Tantos sentimentos misturados, emoções. Somos fortes e somos frágeis. Está tudo aí em seus versos. Bjss

    ResponderExcluir
  4. Ana,talentosa poetisa!Que belo esse deserto que descreveu tão profundamente!Ficou linda sua poesia!Bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
  5. Alegrias e tristezas caminham juntas nos desertos de nossas existências. Somos sós, somos únicos... e cada um com seus fantasmas, seu solo quente, seu céu mutante entre luz e sombras. Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...