domingo, 24 de fevereiro de 2013

Esperança




Uma dor hipócrita acaricia-me o peito
Usando luvas de veludo e espinhos
E uma chuva ácida encharca-me o leito
Afogando-me a alma quando estou sozinho.

São meus olhos que chovem essa chuva que rói
E é em meu coração que habita essa dor.
Sou eu quem a alimento e a mantenho viva
Iludindo-me, no afã de ser meu teu amor.

E à noite os meus sonhos me fazem lembrar
Pois revejo os teus olhos, o que me prende e cativa.
Eu não posso abrir mão, não consigo matar
Essa dor-ilusão, que é a razão de minha vida.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Em Casa

Sinto prazer em estar em casa... gosto de cuidar de tudo, andar pelo jardim, aproveitar o sol. Gosto de ir lá para fora olhar...