domingo, 24 de fevereiro de 2013

Esperança




Uma dor hipócrita acaricia-me o peito
Usando luvas de veludo e espinhos
E uma chuva ácida encharca-me o leito
Afogando-me a alma quando estou sozinho.

São meus olhos que chovem essa chuva que rói
E é em meu coração que habita essa dor.
Sou eu quem a alimento e a mantenho viva
Iludindo-me, no afã de ser meu teu amor.

E à noite os meus sonhos me fazem lembrar
Pois revejo os teus olhos, o que me prende e cativa.
Eu não posso abrir mão, não consigo matar
Essa dor-ilusão, que é a razão de minha vida.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Ah, os Italianos! - Parte II

Pôr do sol em Florença... jamais esquecerei. Continuação do texto anterior LIXO – Quando fui jogar o lixo fora pela pri...