Sei






Sei que ando bem longe,
Distante de tudo,
Os olhos nos rostos, 
Mas vendo outros mundos,
Sei que estou por aqui,
Mas sempre adiante,
Perdida no tempo,
Me perco  no instante.


Sei que às vezes não escuto
Se solicitada,
Por vezes, me calo,
Pensando no nada...
O passo estancado,
A vida parada,
Um olho entreaberto
E o outro, fechado.



Perdoa-me o tempo
Em que perco tempo,
Perdoa-me o toque
Às vezes vazio,
Sei que ando tão longe,
Mas nunca te esqueço,
É que ando pensando,
Me olhando do avesso...


*

Comentários

  1. Lindo e suave poema, amei!

    Olá Ana, passando também para te agradecer
    por ter comentado meu poema lá no Recanto.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Te seguindo também com meu blog de fotografias,
    mas queria maior contato... Quem sabe facebook
    ou msn? Se quiser maior contato é só me avisar.

    Beijos e até!

    ResponderExcluir
  3. Vi um pouquinho da tua alma aí...

    Tu é fera na poesia existencial!

    bacio

    ResponderExcluir
  4. Lindo!....às vezes estamos estamos tão longe de nós mesmos! beijos

    ResponderExcluir
  5. Onde foi que deixamos nos olhos e passos, que nos deixam distantes?
    É lá onde buscamos resgatar tudo que nos acalma e refrigera.
    Um mergulho na existencia para um emergir fantastico.
    Carinhoso abraço Ana.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

Sentidos

VIDA