Marchem, Versos!











Marchem, versos! 




Marchem, versos, 


Submissos 


À vontade do poeta! 


Sejam versos ascetas, 


Restritos, 


Aceitam a forma 


Sem perder o sentido! 



Marchem versos, 


Encolham-se, estiquem-se, 


Aceitem, tranquilos 


Enxertos e amputações, 


Fórmulas e métodos... 


Sejam, à fórceps, 


Paridos! 



Mas não percam a alma, 


Não percam a calma 


Que descansa na verdade 


De um simples poema, 


Por mais que seja simples! 



Marchem, versos, 


E batam continência 


À incontinência 


Das nossas bexigas 


Que os acomodam 


Em pequenos penicos 


E em grandes vasos entupidos 


E vazios de sentidos... 



Marchem versos, 


Sobrevivam 


Ao sopro desabrido 


De quem os excreta 


Em exercícios purgativos 


E doridos! 



A tua missão 


É ver a beleza 


Na feiura da vida, 


E não a feiura 


Na beleza que 'inda resta! 



Marchem, versos soldados, 


Soldados a um sentido 


De quem os tira de um descanso 


Bem mais que merecido 


Para prendê-los, 


Impiedosamente, 


Às sandices de suas mentes! 



Marchem, versos, 


E façam-nos, 


Simplesmente, 


Poetas! 












Comentários

  1. Marcha que não exige cadência, apenas sensibilidade. E no seu caso, uma demonstração de talento. Bjs.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos