domingo, 11 de setembro de 2016

UMA OU DUAS BOLAS - E UNS PEDAÇOS DE QUEIJO






Ontem, após o almoço. 

Na sorveteria estava escrito: “Uma bola, 7,00; duas bolas, 10,00.” Eu e meu marido compramos nossos sorvetes e nos sentamos em uma das mesinhas. Ficamos ali, tomando nossos sorvetes e aproveitando a tarde, enquanto observávamos outros clientes que entravam e saiam. 

Entram duas jovens, muito bonitinhas e arrumadas. A primeira delas diz: “Posso experimentar? É que não conheço os sabores, é a minha primeira vez aqui.” Solícita, a atendente serve a elas (a ambas) provinhas de quase todos os sabores disponíveis na loja. Finalmente, a primeira menina vira-se para a segunda e pergunta: “Vai querer qual?” E ela responde: “Nutela.” E a jovem número um, olhando a atendende, decide: “Um sorvete de duas bolas. Uma de nutela e outra de pistache.” A menina número dois indaga: “Mas... e o meu?” No que a outra exclama: “Então! Eu pedi duas bolas, uma para mim e outra para você!” Eu e meu marido nos entreolhamos, divertidos. A menina número dois reclama: “Mas como assim? Como vem as bolas?” E a menina número um: “Uma em cima da outra, acho.”

E as duas entram numa discussão sobre qual sabor viria por cima, pois nenhuma delas queria esperar a outra tomar o sorvete e ficar para o final, quando ele já estivesse derretido. Finalmente, a número um decide: “Está bem! Um sorvete com duas bolas sabor nutela!”

Achei muito engraçada a situação, pois elas economizaram 4 reais, já que duas bolas de sorvete separadas sairiam por 14,00, e elas pagaram apenas 10,00. Só tiveram que comer no mesmo copinho.

Mais tarde, em uma loja de vinhos, estava acontecendo uma degustação, e estavam sendo servidos um vinho argentino muito bom acompanhado de pedacinhos de um queijo caríssimo. Ficamos conversando com um dos atendentes enquanto degustávamos, pois já somos velhos conhecidos naquela loja. Havia um adolescente – um menino muito loirinho, aparentando uns dezesseis anos – mandando ver nos pedacinhos de queijo, acompanhando a sua degustação de maneira predadora com um copo de suco de laranja.

Ele escutava a nossa conversa com ares intelectuais quando de repente, perguntou ao atendente: “Vocês sempre fazem esta degustação aos sábados?” E o rapaz respondeu: “Às vezes também fazemos às sextas.”  O menino ergueu as sobrancelhas: “Hum-hum...” Eu e meu marido logo notamos que ele estava querendo saber o dia certo para voltar novamente. Meu marido lasca: “Amigo, por via das dúvidas, venha às sextas e aos sábados. Assim, você não vai perder nenhuma.” O menino ficou rindo. E mandou pra dentro mais alguns quadradinhos de queijo.

Fiquei pensando: vai ver que é por isso que os jovens de hoje são bem mais altos e fortes do que os da minha geração.





4 comentários:

  1. rssssssssss...Adorei o relato! cada uma que vemos e ouvimos! Muito legal! beijos,chica, lindo domingo!

    ResponderExcluir
  2. Faz tempo que algo me faz rir tanto como estas suas vivências! kkkkk

    ResponderExcluir
  3. Ah, que divertido foi seu domingo, rsrs, eu também adoro ficar observando os comportamentos das pessoas e muitas vezes me fazem rir, os jovens são bem inteligentes e espertos, não resta dúvidas,rsrsrs!
    Abraços linda amiga!

    ResponderExcluir
  4. A que ponto chega a esperteza das pessoas, vivendo e aprendendo!
    Boas observações, Ana, feliz final de semana...
    Abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...