segunda-feira, 5 de setembro de 2016

1965









1965: Você ia, e eu chegava.

Será que nos encontramos
Na curva desse caminho,
Em um ponto dessa estrada?

Será que você deixou
Cair, assim, sem querer,
Um pouco da sua vida
No muito do meu viver?




6 comentários:

  1. Agradeço feliz a sua visita. Retorno e encontro, como sempre, uma bonita poesia,
    Um abraço,
    Élys.

    ResponderExcluir
  2. Por muito que alguém nos tenha ferido ( ou vice verso ) a cicatriz sempre perdura.
    E a vida é feita também com feridas profundas e das suas cicatrizes.
    E eras muito nova quando este teu belo poema escreveste, Ana !

    Um beijo muito amigo.

    ResponderExcluir
  3. Que lindo, amei, ficou misterioso, alguém que se foi e você que chegou, quem sabe?! Quem sabe é assim?!
    Abraços linda amiga!

    ResponderExcluir
  4. Posso entender que foi seu niver Ana?
    Se sim, meus parabéns com certo atraso.
    Que as lembranças boas sejam herdadas e que a vida lhe sorria, com suas lindas poesias.
    Bjs

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

O que Tem na Sua Playlist? Uma Interação

Inspirada por um comentário de paulo Bratz a um de meus posts, que fala sobre um aparelho de som que comprei na Black Friday,...