witch lady

Free background from VintageMadeForYou

segunda-feira, 31 de janeiro de 2022

DOR

 



Dos teus olhos, lágrimas.

Da tua boca, magma.

Algo a se quebrar

No teu diafragma.


Na palavra, lástima

Devagar, se alastra...

Sobre a pele pálida

Tua dor é vasta.


Cálido querer

Aos poucos, se arrasta

Ganha a rua, e quer

Se banhar de sol.


E no arrebol,

Vida a renascer...

Tecitura fina

(Inda transparente)

De uma nova rima.





7 comentários:

  1. Bom dia de paz, querida amiga Ana!
    Poema belíssimo da dor nossa de cada dia.
    A sensação é de que lê nosso 💙.
    Tenha dias abençoados!
    Beijinhos carinhosos e fraternos

    ResponderExcluir
  2. Lindo poema vindo da cabeça num colo aconchegante, sentindo os dedos mergulhando nos cabelos e ouvindo uma linda canção de ninar e uma voz que diz, amanhã há de ser leve e calmo. Aquieta-te.
    Show Ana.
    Abraços amiga.

    ResponderExcluir
  3. Que belo poema!

    Boa semana!

    O JOVEM JORNALISTA está em Hiatus de verão entre 18 de janeiro à 04 de março, mas comentaremos nos blogs amigos. Mesmo em Hiatus, o blog tem um post novo. Não deixe de conferir!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  4. Depois da dor latente que nos visita ,quanta maravilha nesse renascer de uma nova rima, nesse outro olhar que sempre existe o virar de nova página em " tecitura fina"
    Beijinho , Ana

    ResponderExcluir
  5. Quando da dor nasce um poema, nada está perdido. A vida continua a inspirar os poetas.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Parceiros

AS LUZES DO MUNDO

  (Crônica baseada em um poema de Lucia Bauer)     Ontem a noite estava cálida. Eu, meu marido e nossos dois cães nos sentamos no jardim, co...