terça-feira, 22 de outubro de 2013

O TEMPO - I & II






Uma interação com Henrique Pitt, do Recanto das Letras



O próprio tempo - I - Henrique Pitt


Eis

que as águas seguem

passando, em meândricos

movimentos, de novos rios

e “a gente”, correm;

e as montanhas descem

lentamente, abaixam-se

solenemente, curvando-se

e “a gente” se afirmam;

Eis

que as pedras rolam

em seixos, à gravidade

em seios, à intempérie

e “a gente” se fixam;


e as areias passam

nas ampulhetas, levadas

pelas águas, lavadas

pelo tempo, calmas

e “a gente” não.

....................................................................

O próprio tempo - II - Ana Bailune

A gente não passa, como as areias,
Mas fica retida nas teias
Que o tempo teceu no caminho.

A gente não rola, como as pedras,
Mas fica no leito de um rio
De águas bem congeladas.

A gente não passa; só fica,
Tatuada feito estátua
Na pele de outras memórias...

Talvez a gente se lembre,
Talvez reste mais que a gente
Quando acabar a história.


13 comentários:

  1. Olá!Bom dia
    Ana
    ... pela "interação" com o Henrique, parabéns à ambos!
    ... o tempo nos joga de um lado pro outro, mas se mantém impassível seguindo seu tempo, mesmo que o mundo esteja um caos...e quando acabar a história talvez reste mais que a gente e isso só o próprio tempo dirá!
    Agradeço pelo carinho!
    Bela terça feira
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Lindo! Uma verdadeira harmonia entre os dois.
    Os rios "a gente" seguem em busca do encontro com o "Ser Maior", o mar
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Sensacional tua inspiração,Ana! Beleza demais! beijos,chica

    ResponderExcluir
  4. Hummm, que mistura fina hein?

    A construção faz jus aos versos que descem vigorosos revelando toda amplitude a que o ser humano está sujeito dentro das intempéries desse "tempo" que chega assim na beira da ponte I saltando para a ponte II.

    Vocês formaram uma conjução perfeita.
    Parabéns a ambos - poetas de grande qualidade.

    abraços da Lu


    ResponderExcluir
  5. Ahhh me empolguei no coment e esqueci de dizer que o layout do blog está impecável e poderia ficar aí um bom tempo.
    Sabe Ana, ao olhar o template eu vi tantas imagens, amiga.... vc nem imagina. Coisa doida né? rs

    bacios

    ResponderExcluir
  6. O tempo tece as mais belas formas de expressões, umas delas é a poesia, que revela o eco do coração! abraços

    ResponderExcluir
  7. Adorei , o tempo como senhor de tudo,
    mas não somos como algumas das figuras apresentadas,
    bjs

    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Boa noite Ana!
    E o poder que o tempo tem!!! O tempo é um grande mestre. É preciso saber lidar com ele.
    Um abraço.
    M. Emília

    ResponderExcluir
  9. Linda esta sintonia Ana na otima interação e assim cantaram o tempo com toda sua arte.
    Parabens a voces.
    Meu terno abraço amiga.

    ResponderExcluir
  10. Perfeito e brilhante em duas partes

    E eu só posso dizer

    Talvez!...

    Maria Luísa

    ResponderExcluir
  11. Ilustrou com maestria a indiferença e frieza do Tempo... Aplausos poetisa!

    ResponderExcluir
  12. Ana, ficou lindo demais! A gente passa, o tempo se esgota, e ficam as marcas. Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...