Perdão




Se a minha religião permitisse,
Eu juro,
Te perdoaria...
Mas meu deus caduco
Ainda é aprendiz,
E na eternidade
Ele engatinha.

Perdi, há tempos,
O que me restava de inocência,
Por isso,
Não te perdoo...

Mas o que ainda me resta
De puro e religioso,
Te deseja campos verdes,
Lindos sonhos,
E toda a paz que pode haver
Lá longe,
No alto,
Nas nuvens.



Comentários

  1. Belo poema! Entretanto, se pensarmos: Deus existe porque nós o concebemos. Ele por sua vez nos concebeu. Ou seja, a relação humanidade-Deus é simbiótica... Filosofia pura, deixa pra lá... Fraterno Abraço, Marco.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos