quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Perdão




Se a minha religião permitisse,
Eu juro,
Te perdoaria...
Mas meu deus caduco
Ainda é aprendiz,
E na eternidade
Ele engatinha.

Perdi, há tempos,
O que me restava de inocência,
Por isso,
Não te perdoo...

Mas o que ainda me resta
De puro e religioso,
Te deseja campos verdes,
Lindos sonhos,
E toda a paz que pode haver
Lá longe,
No alto,
Nas nuvens.



Um comentário:

  1. Belo poema! Entretanto, se pensarmos: Deus existe porque nós o concebemos. Ele por sua vez nos concebeu. Ou seja, a relação humanidade-Deus é simbiótica... Filosofia pura, deixa pra lá... Fraterno Abraço, Marco.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...