domingo, 20 de outubro de 2013

LUA





Neblina com ares de cristal,
Translucidamente brilha
A lua,
Entre os galhos do pinheiro.

Pingam gotas de umidade
De cada partícula,
E nelas,
A lua repartida.

Magicamente,
Perfumes de cedro se espalham,
Suavemente...
Juntam-se às Damas da Noite,
Refrescam o hálito Divino...

Cessou a chuva,
E a lua veio,
Para mostrar que ainda brilha,
Para mostrar que ainda vive.





7 comentários:

  1. Boa noite !
    Poetisa de muitos ...aproveite seu dia para ganhar os elogios merecidos...
    Que possas ser visto por todo o mundo poético...
    Ser um poeta é muito mais que fazer versos.
    Poeta vê, além da terra, o céu profundo,
    e, no infinito, tantos astros submersos.
    Também imita o próprio Deus, Poeta fecundo,
    nas suas páginas mais lindas, no universo,
    no belo e magno poema deste mundo.
    FELIZ DIA DO POETA !

    ResponderExcluir
  2. Ana,belíssimo poema! A lua é uma grande inspiração para os poetas! Lindo!
    Beijos
    Amara

    ResponderExcluir
  3. Belo poema , Ana . Gostei demais . Beijos e boa semana

    ResponderExcluir
  4. Li, vivi a Natureza pura do poema, voltei a ler; desta vez com música celta como fundo. Seu poema é lindíssimo, Ana!

    ResponderExcluir
  5. E depois do cessar da chuva e da vinda da LUA tudo torna-se mais brilhante. Um beijinho, Ana.

    ResponderExcluir
  6. Ana, teus poemas são músicas no ar... dançam e rodopiam
    brilham e hipnotizam de tanta beleza.

    "A Lua - musa mãe, inteira de prazer"
    (Lu Cavichioli)

    especialmente pra você, querida amiga.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...