quinta-feira, 31 de outubro de 2013

MINIMALISTAS






Trança

A trança dos cabelos
Da bela jovem
Desciam pelos seus ombros,
Pesava-lhe o futuro.




Um cão

Um cão cheirava o ar,
Como a entrever presságios
O pelo arrepiava,
Um uivo se preparava...



Sonhos

Matéria esgarçada,
Tão frágil, tão pó,
A dos meus sonhos!...




Confidências

Contei-lhe um segredo,
Soprei-o até seus ouvidos...
Mas o vento, que me ouvia escondido,
Espalhou-o.



3 comentários:

  1. Só te digo, Ana, quem me dera fazer animações ( controladas ! ) e escrever com tanta espontaneidade como tu !
    E és um GÉNIO em técnica no computador !
    Eu sou um tótó...


    Um beijo, minha querida Poetisa.

    ResponderExcluir
  2. Olá Ana, e que tudo esteja bem contigo!

    E cá estou eu, e como de outras vezes encantado por encontrar cá sempre encantadores escritos, e lindas imagens compartilhadas por você, obrigado, e parabéns pelo sempre tão bom e perfeito gosto nas escolhas que compartilha!

    Como já deixei meu parecer sobre este teu canto que está sempre deveras agradável, me vou deixando a você meu desejo para que tenha em teu viver sempre esta felicidade intensa, um grande abraço e, até mais!

    ResponderExcluir
  3. Amo visitar sua casa, sempre acolhedora e com muitas surpresas, obrigada por compartilhar experiências, abraços carinhosos Maria Teresa

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...