É lá que eu te encontro,
Criança de novo,
Joelhos ralados,
O sol no meu rosto,
As mãos meio-sujas,
Bonecas, balanços,
A vida tão fácil,
Sem dor ou desgosto...


É lá que eu te encontro,
Te falo, te ouço,
Recordo momentos
Que há muito se foram,
Mas ficam gravados
Em cada parede,
E o corpo balança
Sem ventos, sem redes...


É lá que eu te encontro,
Caminhos cruzados
Pouco percorridos,
Quase abandonados,
E cada vez mais
Demoras, se chamo
Teu nome de novo...
É a força dos anos!...






Comentários

  1. Olá, bom dia, Ana.

    Ufa ! Hoje é sexta feira, logo chego aqui com o meu sentimento de Amizade.
    Meus desejos de alegria, antes de tudo. Que o fim de semana seja um Templo de Sabedoria. De Paz. Que as energias concentrem-se todas, e que possamos na Segunda Feira, brindarmos com um sorriso, o Dom da Vida.
    Um abraço abraçado.

    ResponderExcluir
  2. As vezes, para entendermos aspectos da nossa vida, é bom e necessário voltarmos ao passado.Isso só faz bem.As lembranças fazem parte da nossa história, pois são nossas origens!Ana, minha linda, estou voltando aos poucos e assim, visitando vocês também, lentamente, pois são uma espécie de parceiros que aprecio muito!!Bjs e um lindo fim de semana.

    ResponderExcluir
  3. "Senti saudades de lá... Lá onde eu tive infância, tinha sonhos adolescentes, e a pureza de acreditar... Senti saudades de lá... e fiz a viagem de volta, deparei com a nostalgia, brinquei com a alegria e chorei de saudades... Lá foi o lugar da minha felicidade!"
    Linda poesia Ana...
    bjo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos