quarta-feira, 11 de abril de 2012

A LIBERDADE










A Liberdade


A liberdade
É poder escolher livremente
A qual fio
Se deseja ficar preso.


A liberdade
É poder escolher as amarras,
As masmorras
Aonde tu melhor cabes.

A liberdade
É sorrir,
Mesmo sabendo que morres,
E sonhar com o infinito
Que te acolhe.

A liberdade,
Ah, essa vadia,
Que te tolhe e te encanta
Com sua melodia,
Esta, que ninguém canta,

Pois a letra é recitada
Em uma língua desconhecida...

Liberdade,
Oh, ave sacripanta!



5 comentários:

  1. Sinto saudades de você. Veja, está rolando uma ciranda na minha Escrivaninha. Venha participar!Eu ficaria muitíssimo feliz. Sabe,venho aqui sempre, mas é difícil de fazer um comentário. Agora entendo a razão dos meus leitores e amigos preferirem comentarem no RL. Seu blogger está cada dia mais lindo e repleto de inspiração, luz e cor. Parabéns, Ana querida.

    ResponderExcluir
  2. faca de dois gumes, lindamente despejada em versos (liberdade) essa liberdade que todos ansiamos, queremos, e se a temos, nao sabemos onde pô-la... o que fazer com ela...!!! bjim de boa noite.. olguinha costa .

    ResponderExcluir
  3. E sigo então livremente, arrastando pelas ruas e becos, minha pesada bola de ferro... Parabéns Ana Bailune e um ótimo dia. Beijão! Marcelo Braga. VORTA BALUNA!!!! rsrs...

    ResponderExcluir
  4. A liberdade descrita de uma forma profundamente poética e bela. Bjsss

    ResponderExcluir
  5. Olha quem apareceu, o borbolêto bem dotado. Liberdade para as borboletas.///Que Latifa se recupere.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...