quarta-feira, 18 de abril de 2012

SE NÃO HÁ NADA...








Diga, o que significa


Esse por de sol, essa estrada,


O destino seguido, o aprendido,


Se não há nada?






Pra onde vão essas nuvens


Navegantes de um céu infinito,


Vapores rarefeitos, que caem em gotas


Sobre o chão fendido,


Tantas vezes transformadas?






Qual o valor de uma palavra,


Que roupa veste


Nosso sentimento,


Se no fim, tudo é nada,


Sob uma lage de cimento?






Pra onde as memórias, os sonhos,


O som da risada, a voz,


Aquele olhar risonho, tristonho


Que antes estava em nós?


De onde vem a profundidade


De uma saudade?






O que significa o viver,


E o estar, o que é ser


Um ser vivo, aonde dança


Em volta de uma fogueira


A morte, em um ritual?


Qual o porquê do bem e do mal?






O que significa, esse céu


E essas luzes salpicadas,


Quem poderá definir


O que é eterno, o que é finito?






De onde vem a vontade,


A paixão, que nos incita


Pelas coisas que fazemos


E o desejo de crescer,


E esperar pelo momento


Em que a tempestade passe,


Continuar, se no final,


Nada há, que nos abrace?






Se nada há, me responda


O porquê de tanta dor,


Ou o motivo de um sorriso,


Por que desabrocha a flor?


Porque corre para o mar


Incessantemente, o rio,


Qual o sentido de sentir,


Para onde vai o amor?






Se não há nada,


Se não há vida,


Se não há chegada


Depois da partida,


Qual o sentido


De tudo isto,


Se não houver um destino


Para cada jornada?






Não existe o nada...







12 comentários:

  1. Já me fiz estas indagações inumeras vezes e a única certeza que eu tenho é que tudo que foi criado vai abismar-se no nada. beijo de zélias

    ResponderExcluir
  2. Nada, Ana, não tenho as respostas mas tenho as perguntas, uma certeza apenas: Tudo e todos irão para o mesmo lugar quando a vida chegar ao fim, todos seremos sepultados, cremados, não importa, viraremos uma massa podre, depois ossos, ou então cinzas e só. Depois querida, não sei definir isso em mim. Tem dias que acredito que há depois, tem dias que acho tudo inútil. Parece que nada faz sentido. Talvez seja assim mesmo: O nada não existe...Ana, desculpa comentar todos, mas nem preciso falar né. É bom demais tudo. Anaaaa vortaaaa, rsrsrsrs.

    ResponderExcluir
  3. São indagações do nosso egoísmo, não aceitamos que ao morrer nada disso mais veremos ou teremos. No fundo sentimos inveja dos que estarão vivos, e de toda essa beleza usufruindo. Então inventaram o paraiso, puro egoísmo, egocentrismo.

    ResponderExcluir
  4. Ah, que saudade de te ler. Não, há algo. Maior, melhor... Pq toda escada leva a algum lugar, e o que estamos fazendo aqui senão subir degraus todos os dias? Abs!

    ResponderExcluir
  5. Se existe um sentido, é o absurdo, se não, ídem. Ainda perplexo com Albert Camus. Depois passa. rsrs. Ana, acabei de receber um livro por SEDEX da Livraria da Travessa. Vi seu anúncio no Manhattan Connection, muito interessante. É um romance de um escritor, filósofo e jornalista de Minas, Carlos Eduardo Doné. Vou lê-lo, depois te digo. Bela poesia. Teu brogue ficou ainda mais bunito viu! Beijão e boa tarde. Marcelo Braga.

    ResponderExcluir
  6. Um texto maravilhoso que gostaria de ter feito, querida amiga, Ana! As pessoas percebem o que você escreveu, mas não têm coragem de assumir que no fim e ao cabo tudo é nada... E aí passam a sonhar, a se iludir e até fazer poesia... Meus aplausos de pé, Ana! Meu forte abraço, do seu admirador e amigo, Gilberto

    ResponderExcluir
  7. Ahhh...gosto de temáticas existenciais...se gosto, Ana...Adoro ficar com um nó na garganta beirando a náusea por pensar em : No que isso vai dar...Enfim...vou mandar para seu email os passos para colocar o sininho.

    ResponderExcluir
  8. Perguntas já fiz muitas e não achei respostas. Agora não faço mais, perdi o interesse. Abrçs. Helena

    ResponderExcluir
  9. boas interrogações, que ninguem conseguiu responder, até agora...bjuu

    ResponderExcluir
  10. há muita coisa.... na verdade as mesmas coisas...!!!!!.....está lindo , um canto triste , um poema sublime , até mesmo uma oração......... maravilhosamente exposto , elaboração ímpar.!!!!!aplausos mil!!!!! olguinha

    ResponderExcluir
  11. Ana, ficou lindo, e triste, seu poema ao Grande Mistério da Vida. Por isso acredito que para além daquelas nuvens de colorido tão bonito há um Deus, que criou toda essa natureza maravilhosa. Tenho fé e isso conforta.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...