segunda-feira, 16 de abril de 2012

LETAL









E ela era a bailarina


De longos braços delgados


Tão leves,


Como pescoços de cisnes...


Não tinha culpa, se eles sufocavam.






E ela era a borboleta


De asas finas, cobertas


De um pó leve e perolado,


Asas coloridas e rarefeitas...


Não tinha culpa, se elas cegavam.






E ela era a flor azul, tão rara,


Tão delicada,


De perfume inebriante


E tão caro...


Não tinha culpa se o seu aroma


Envenenava.






Pois ela era a bailarina,


A borboleta,


A flor-menina


Que só vivia,


Que só dançava,


Não tinha culpa se morria,


Não tinha culpa se matava!




5 comentários:

  1. Aqui cabe o "EU SOU QUE SOU".´ gostei e muito, beijo de zélia

    ResponderExcluir
  2. Lindo e muito profundo seu poema Ana. Nem sempre as pessoas são aceitas como são. Mas o importante acho eu, é que ela própria se aceite. No mais... Bjsss

    ResponderExcluir
  3. Comecei por aqui que não havia lido. Ana como a gente pode correlacionar a natureza com o humano né...Apesar de linda, leve, perfumada, colorida, matava. Um disse disse a uma pessoa que ela matou uma parte de mim, e assim é, nem sempre o belo é inofensivo. Belíssimo e profundo Ana.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Até um Dia!

Olá, pessoal! Por motivos pessoais, estarei fora da rede durante alguns dias. Volto em breve! Abraços! ...