quinta-feira, 19 de abril de 2012

FANTASMAS





As palavras que calei gritam à noite
Quando vejo apenas minha escuridão
E mergulho no vermelho de meu sangue
Me afogando em minha própria solidão.

-Anjo, anjo meu, perdoa-me!
Se eu falasse, nem sequer me ouvirias,
Se me ouvisses, sei que não me entenderias.

Os olhares que neguei cegam-me à noite,
Quando tento não te ver, e tu me assombras.
Entre brumas, me estendes tuas mãos,
Mas se tento alcançá-las, te alongas.

_Anjo, anjo meu, perdoa-me!
Os olhares que ousei lançar às trevas
Me corroem, como as ondas sobre as pedras...

As risadas que não dei choram à noite,
E no acre da saliva que degusto
Elas morrem, e seus ecos repercutem
Nas paredes glaciais do quarto fusco.

Anjo, anjo meu, perdoa-me!
Os afagos que esmaguei entre meus dedos,
E os sorrisos, e os olhares, e as palavras,
Sepultei-os, sob a laje de meus medos!

4 comentários:

  1. Lirismo atormentado, mergulhado num rio de agonia...Belo, muito belo. Falando em rio, já alimentei seus peixinhos hoje!;)

    ResponderExcluir
  2. meio anjo meio gente , um clamor bastante intenso........ (entre medos quiça dos medos )..... olguinha

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Até um Dia!

Olá, pessoal! Por motivos pessoais, estarei fora da rede durante alguns dias. Volto em breve! Abraços! ...