quarta-feira, 25 de abril de 2012

A FESTA



Era uma festa, um baile,
Com muitos risos e brilhos
E uma orquestra que tocava
Da vida, cada estribilho.

Havia gente espalhada
Pelos salões e sobrados,
Alguns, de caras lavadas,
Outros, bem mascarados!

A valsa tocou, solene,
Convidando para a dança...
Alguns vestidos de gala,
Já outros, qual pajelança...

(Ouviam-se gargalhadas
De mulheres que dançavam
Disfarçadas como fadas
E de outras, mais astutas,
Vestidas de prostitutas).

Havia reis e rainhas
Princesas, e muitos sapos
Desejando ser beijados
À luz das velas acesas.

Sobre as mesas, partituras
De minuetos calados
Que nunca serão tocados,
Pois o que foi censurado
Desapareceu das linhas.

Havia céu e inferno,
Jardins de múltiplas flores,
Uma chuva que caía
Lavando o sangue das rinhas.

E no meio do salão
Mil casais rodopiavam!
Viviam a doce ilusão
De amar  e serem amados...

Era servido à vontade
Um licor vermelho sangue
Que apagava a saudade
Deixando a memória estanque,

Mil vidas se derramavam
Mil mortes eram choradas...
E bem no meio de tudo,
Ouviam-se as gargalhadas!

Esperanças que caíam
ao chão, eram pisoteadas
Por mascarados que riam
E não eram mais que nada!

Ao final daquela festa
Vislumbrou-se tosca cena:
Ao retirarem-se as máscaras
De todos os convidados

Foi visto que mais da metade
De todos os mascarados
Nem sequer tinham os rostos
Diferentes uns dos outros!

E dos cem mil convidados
Reais, bem poucos restavam
E andavam tão perdidos
No salão esvaziado.

3 comentários:

  1. além das aparências muitas vezes resta o vazio! a máscara mostra a vestimenta e não quem somos! beijos

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Ah, os Italianos! - Parte II

Pôr do sol em Florença... jamais esquecerei. Continuação do texto anterior LIXO – Quando fui jogar o lixo fora pela pri...