segunda-feira, 23 de abril de 2012

DIGITAIS








O que trago nas pontas dos dedos,
A minha marca indelével
Que ninguém mais possui,
Nada conta de mim,

Assim como as listras das zebras
Que diferenciam umas das outras
E que jamais são iguais,
Não dizem quem elas são.

Meu DNA, esta cadeia
De células enfileiradas,
Código genético e único,
Não contém minha alma.

Um cientista pode usar
Um simples fio do meu cabelo
Para pretender decifrar-me,
Tentando dizer quem eu sou.

As marcas dos meus pés
No meio da estrada,
As minhas pegadas,
Não dizem nada do meu futuro.

O que fala de mim
É o pressionar das digitais
Sobre as teclas,
Para escolher as letras
Ao compor mais um poema.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Até um Dia!

Olá, pessoal! Por motivos pessoais, estarei fora da rede durante alguns dias. Volto em breve! Abraços! ...