quarta-feira, 25 de abril de 2012

CORREDEIRAS




Rolam pelas corredeiras
As histórias que juntei
Em uma vida inteira!

Palavras destruídas,
Derretidas
Pelas águas rápidas...

Frases desfazem-se
Ao baterem nas pedras,
Deixando letras pelas margens...

Vem os pássaros
E as recolhem no bico,
Alçando um voo eterno...

Onde irão pousar?

Rolam pelas cachoeiras
Da minha ausência
As histórias que escrevi,
Contei,
Vivi e chorei...

Minha memória
É afogada
Nas corredeiras, entre as pedras,

E eu olho, lá do fundo,
A claridade do céu
Enquanto morro...

5 comentários:

  1. Postei outro dia, um compêndio de frases sobre a morte em seus diferentes prismas. A única morte que não foquei foi a morte cerebral. Cabe muito bem aqui nesse teu poema, as mortes que morremos várias vezes enquanto vivos, que resultam em ressurreições consecutivas. Diria até que, a cada nascer de um novo dia, ressucitamos para uma nova vida. Hoje, o início do dia foi um tipo de morte para mim, mas entre as pedras, agarrado em uma delas, observo a corredeira seguir seu rumo previsível. P.S.: no futuro, vamos morrer de rir do dia de hoje! Marcelo Braga

    ResponderExcluir
  2. linda foto acompanhada de uma linda poesia, não tem como não ficar alegre, beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Todos os dias morremos um tanto e do que fomos, vamos renascendo, ainda que a bolha se rompa dolorosamente, vamos nos fortalecendo. Existem coisas que jamais ficarão arquivadas na memória da nossa existência, não vale a pena. Outras irão se apagando porque tantas outras estarão mais recentes. Hoje, as pedras pareciam maiores, feriram mais também, mas essa água linda em cascata na imagem, é a mesma que nos cura, quando alcançamos a calmaria do rio que corre manso, ouvindo o farfalhar das folhas nas copas das árvores, sabendo que em nossos galhos, podemos abrigar tantos pássaros e dar sombra para que a força do sol, não agrida a pele de tantos. Podemos DAR sombra Ana, tem gente que quer ser A SOMBRA que tenta ofuscar quem sabe doar. Tão profundo que mergulhei nesse rio, para chegar à margem, me sentindo lavada para mais um renascer. Meu carinho sempre Ana. Obrigada.

    ResponderExcluir
  4. as corredeiras nos levam diante de nossa permissão e nossos olhares interrogativos........ num despejar lindo de mais um poema dessa sua inspiração cada dia mais renovada . boa tarde Ana ! olguinha

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...