terça-feira, 17 de abril de 2012

DECEPÇÃO







Não brinques,
Não fales,
Não discordes,
Toque sempre o mesmo velho acorde,
Ou serás expulso da orquestra.

As pessoas naquela festa
Gostam de ouvir para sempre
A mesma música tocada,
Milhões de vezes ensaiada,
Não querem saber de mais nada!

Esconda teu riso,
Tenha siso!

Porque tu não sabes,
Mas estás à beira de um abismo,
E, ansiosas almas aguardam
A tua queda final

Para que possam, sempre, dizer
O quanto sabiam,
O quanto previam,
O quanto avisaram
A todos, dessa tua mania
De ser diferente!

Nem tentes...
Seja sempre o sinônimo da mesmice,
Aquilo que esperam de ti,
Elogie, sorria, e nem te atrevas
A mostrar essa tua alegria
Desnecessária!

Pois que nem sequer desconfias
Das almas mais que vazias
Que te cercam, ansiando
Pela tua desgraça e queda,
Para que possam sussurrar
Nos ouvidos umas das outras
Entre as frestas das cercas,
Sobre o quanto tu não prestas...

Este é o mundo,
Seja bem-vindo!



5 comentários:

  1. Aí está uma verdade dolorida senhora Bailune. As frestas das cercas nunca eatão vazias. Cobras e ervas daninhas.

    ResponderExcluir
  2. ECA! Até me embrulhou o estômago (aff detesto portugues, alias detesto regras, na verdade acho detesto é o sobe e desce do teclado rsrs)...

    ResponderExcluir
  3. Amaury

    Oi Ana !!!

    Maturidade é isso: Quebrar os espelhos, deixar de ser MARIA VAI COM AS OUTRAS. Lindo...IRNUS

    ResponderExcluir
  4. É isso mesmo Ana, bem vindo à realidade, ou dança ou dança. Foi cogitado entre mim e uma amiga que se tivéssemos grana, queríamos abrir um site de escritores, pela experiência que temos. Chegamos a cotar preços, mas não cabia no bolso. Sendo péssimo, ainda é o menos ruim de estar. Não me adaptei a blog, tenho um onde armazeno meus escritos, se der pane no NB, preservo meus textos. Mas você tem toda razão.

    ResponderExcluir
  5. Mais um que gostaria de assinar contigo, posso? Abs!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

AMANHECEU

Amanheceu novamente Sobre as igrejas e telhados dos que ainda dormem E dos que jamais despertarão. Amanheceu sobre as p...