quarta-feira, 11 de abril de 2012

O CÂNTARO






Caminha a menina pela trilha assombreada
Em meio a silenciosa floresta cheia de vida
Quando, no meio do caminho, ela tropeça
Em alguma coisa que parece um caco,
Semi-enterrada...

Ele interrompe a caminhada,
E, abaixa-se para ver melhor:
Vislumbra uma coisa branca de cerâmica
E passa a desenterrá-la cuidadosamente
Com uma pedra pontiaguda que encontra:

É um antigo cântaro.
Ela o leva até o riacho
Lavando a lama que o encobre
Até que percebe um brilho de raio de sol
Sobre a sua superfície branca.

Ela logo por ele se encanta,
Levando o rosto junto à abertura,
Produzindo um som disforme com a voz:
"Hoooooooo!"
"Hoooooo!" , Responde o eco.
Ela sorri, pensando ser uma fada a responder-lhe.

Agora, de volta à casa,
Carrega junto ao peito o branco achado.
Pensa em colher flores para orná-lo,
E junto à sua escrivaninha colocá-lo.
Pensa que as pessoas, ao vê-lo,
Hão de admirá-lo;
Afinal, é um cântaro que canta!

Assim, ela o faz; lava-o bem,
Enchendo-o com água pura e fresca,
Botões de lírios e pequenas violetas.

Mas logo chega alguém do mundo adulto,
E ao contemplar o cântaro, abismado,
Demonstra seu escândalo, e resoluto, 
Apanha-o de sobre o móvel, bradando:
"De onde veio isto, ò menina?"

Ao mesmo tempo, apanha-o sem cuidado
Derrama a água e as flores pelo chão
A criança, com os olhos rasos d'água, nada entende,
Mas o adulto explica, paciente:

"Ainda bem que o vi, tivestes sorte!
Pois a urna que tomaste como um cântaro,
Um vaso para as flores,nada mais é
Do que uma urna funerária, e traz má sorte!"

Foi desde então, a partir daquele instante,
Que ela aprendeu a temer a morte.

2 comentários:

  1. "Urna funerária traz má sorte". Gente adulta nunca muda, adora matar o sonho das crianças.

    ResponderExcluir
  2. Magnífico e exemplar seu poema! O verdadeiro poder está na inocência... "Eu não sabia que era impossível, fui lá e fiz". Parabéns! E que Deus nos abençoe e nos ilumine... Sempre...

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Ah, os Italianos! - Parte II

Pôr do sol em Florença... jamais esquecerei. Continuação do texto anterior LIXO – Quando fui jogar o lixo fora pela pri...